AS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS:

REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO DE HEGEMONIA NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS MUNICIPAIS

Palavras-chave: Hegemonia. Parcerias público-privadas. Políticas educacionais.

Resumo

O presente texto objetiva refletir sobre a categoria hegemonia em Antônio Gramsci (1891-1937), no que concerne às parcerias público-privadas estabelecidas entre a esfera administrativa educacional municipal e às Fundações privadas e Associações sem fins lucrativos FASFIL. Para tanto analisa, a partir de uma perspectiva histórica, a emergência das parcerias público-privadas na esfera administrativa municipal, principalmente a partir de 1990. Ainda, com base nos dados disponíveis no Catálogo de Teses e Dissertações da CAPES (2018), indica as pesquisas que discorrem sobre as parcerias público-privadas no contexto municipal e, por fim, problematiza a atuação da classe subalterna no fomento de outra hegemonia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

MICHELLE FERNANDES LIMA, MICHELLE, UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE - UNICENTRO

Professora da Universidade Estadual do Centro Oeste: Campus Irati ( PR), nas disciplinas de Metodologia da Pesquisa em Ciências da Educação e Politicas Educacionais. Professora do Programa de Pós Graduação em Educação. Mestre em fundamentos da educação pela Universidade Estadual de Maringá. Doutora em educação pelo Programa de Pós Graduação em Educação da UFPR. Pós Doutorado pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (PPGE/UEPG). Professora do Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Estadual do Centro Oeste. Líder do grupo de pesquisa Estado, Politicas e Gestão da Educação (UNICENTRO/IRATI-PR), Pesquiso nas linhas: Formulação, implementação e avaliação das políticas educacionais (Ed. Básica e Superior); Pesquisa em Politicas Educacionais; Política educacional em Gramsci; História da política educacional (educação superior).

Referências

AEPET Nacional. Direita para o Social e esquerda para o Capital. Entrevista a Lúcia Neves. Disponível em: . Acesso em: 02 jan. 2018.

ARAÚJO, G. C. de. Federalismo cooperativo e arranjos de desenvolvimento da educação: o atalho silencioso do empresariado para a definição e regulamentação do regime de cooperação. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação-RBPAE- v. 28, n. 2, p. 515-531 mai/ago. 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2018.

______. Políticas educacionais e Estado Federativo: conceitos e debates sobre a relação entre Municípios, Federação e educação no Brasil. Curitiba: Appris, 2013.

ARAÚJO, L.; PINTO, J. M. (Org.). Público x Privado em tempos de golpe. São Paulo: Fundação Lauro Campos, 2017.

BONAMINO, A. M. C. O público e o privado na educação brasileira inovações e tendências a partir dos anos de 1980. Revista brasileira de história da educação. n.5, p. 253-276, jan./jun. 2003. Disponível em: < http://www.vdl.ufc.br/solar/aula_link/lquim/A_a_H/estrutura_pol_gest_educacional/aula_01/imagens/06/Publico_Privado_Na_Educacao_Brasileira_2.pdf>. Acesso em: 08 jan. 2018.

BRASIL. Casa Civil. Lei Nº 16 de 12 de agosto de 1834. Disponível em: . Acesso em: 01 de jul. 2018

BRASIL, Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. Aprovado pela Câmara da Reforma do Estado em 21 de setembro de 1995. Brasília, Presidência da República, 1995. Disponível em: . Acesso em: 01 jul. 2018.

______. Parecer nº 9, de 30 de agosto de 2011. Análise de proposta de fortalecimento e implementação do regime de colaboração mediante arranjos de desenvolvimento da educação. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação, 2011. Disponível em:. Acesso em: 02 mar. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução Nº1, de 30 de maio de 2012. Disponível em: . Acesso em: 05 de jul. 2018.

CARPEAUX, O. M. A vida de Gramsci.Gramsci e o Brasil. 1966. Disponível em: . Acesso em: 10 jul.2017.

DICIONÁRIO PRIBERAM ONLINE. Hegemonia. Disponível em: . Acesso em 05 jul. 2018.

FLACH, S.; SCHLESENER, A. Educação desinteressada e a análise de políticas educacionais. Revista HISTEDBR, Campinas, v. 18, n. 03, p. 780 -197 julho/setembro de 2018. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2018.


GOUVEIA, A. B. Financiamento da educação e o município na federação brasileira. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação-RBPAE – v. 24, n. 3, p. 437-465, set./dez. 2008. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2018.

GRAMSCI, A. Escritos políticos [1910-1920]. v. 1. Lisboa: Seara Nova, 1976. Tradução Manuel Simões.

______. Cadernos do Cárcere Volume 1. Introdução ao estudo da filosofia. A filosofia de Benedetto Croce. Edição Carlos Nelson Coutinho. Volume 1, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

______. Cadernos do Cárcere Volume 2. Os intelectuais: O princípio educativo. Jornalismo. 2. ed. Edição Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

______. Cadernos do Cárcere Volume 3. Maquiavel Notas sobre o Estado e a Política. 7. ed. Edição Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

GRUPPI, L. O conceito de hegemonia em Gramsci. Rio de Janeiro: Graal, 1978.

______. Tudo começou com Maquiavel: As concepções de Estado em Marx, Engels, Lênin e Gramsci. Porto Alegre: L&PM editores, 1986.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. As fundações privadas e Associações sem fins lucrativos no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.

______. Sinopse estatística da Educação Básica – Censo Escolar 2001. 2002. Disponível em: . Acesso em: 18 de jan. 2018.

______. A Educação no Brasil na década de 90 – 1991-2000. 2003. Disponível em: . Acesso em: 18 de jan. 2018.

______. Censo Escolar da Educação Básica 2011 – Resumo Técnico. 2012. Disponível em: . Acesso em: 18 de jan. 2018.

______. Resultados e Resumos. 2018. Disponível em: . Acesso em: 18 de jan. 2018.


MARX, K.; ENGELS, F. Feuerbach e História. In: ______ A ideologia Alemã. São Paulo: Boitempo Editorial, 2007. Disponível em: . Acesso em: 28 fev. de 2018. p. 29-77.

NEVES, L.M.W. (Org.). A nova pedagogia da hegemonia: estratégias do capital para educar o consenso. São Paulo: Xamã, 2005.

______. Direita para o social e esquerda para o capital: intelectuais da nova pedagogia da hegemonia do Brasil. São Paulo: Xamã, 2010.

SAVIANI, D. Sistema Nacional de Educação e Plano Nacional de Educação: significado, controvérsias e perspectivas. Campinas, SP: Autores Associados, 2014. Coleção Polêmicas do Nosso Tempo.


SHEEN, M. R. C. C. A política educacional como momento de hegemonia: notas metodológicas a partir das contribuições de Antônio Gramsci. Revista HISTEDBR On-line. Campinas, n. 25, p. 3-12, mar. 2007.

SIMIONATTO, I. Classes subalternas, lutas de classe e hegemonia: uma abordagem Gramsciana. Rev. katálysis, Florianópolis, v. 12, n. 1, p. 41-49, junho de 2009. Disponível em . Acesso em: 20 jul. de 2018.

VIEIRA, S. L. A educação nas constituições brasileiras: texto e contexto. Revista brasileira de Estudos pedagógicos-RBEP. v. 88, n. 219, p. 291-309, maio/ago. 2007.
Publicado
19-05-2020
Como Citar
SAKATA, K. L. D. S. S. L.; LIMA, M. F. AS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS:: REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO DE HEGEMONIA NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS MUNICIPAIS. Roteiro, v. 45, 19 maio 2020.
Seção
Artigos de demanda contínua