FONTES SOCIAIS DO CONHECIMENTO FÍSICO: UMA INVESTIGAÇÃO COM PROFESSORES GRADUADOS EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

Palavras-chave: Ensino de Física. Ensino de Ciências. Saberes docente. Fontes de conhecimento. Ensino Fundamental.

Resumo

Esse artigo tem por objetivo ampliar a compreensão sobre a formação e os saberes dos professores de Ciências em relação ao conhecimento físico a partir dos sentidos atribuídos pelos mesmos às suas experiências formativas e da identificação das fontes sociais do seu conhecimento. Nessa perspectiva, essa pesquisa também objetivou estudar o papel da formação profissional inicial em Cursos de Licenciatura em Ciências Biológicas de professores de Ciências como fonte social do conhecimento físico. Para isto, foi desenvolvida uma investigação narrativa com quatro professores de Ciências dos anos finais do Ensino Fundamental de escolas públicas de um município mineiro. A interpretação das narrativas aponta que os professores de Ciências participantes da pesquisa tiveram acesso a uma série de fontes sociais para a construção dos conhecimentos físicos utilizados em sua prática docente, sendo apontadas como mais significantes a formação escolar antes da graduação, a formação profissional continuada, as “ferramentas” de ensino, e a experiência profissional. Os resultados apontam que há fragilidades na formação profissional inicial docente para o ensino de Física no Ensino Fundamental em Cursos de Licenciatura em Ciências Biológicas. Entretanto, as outras fontes sociais citadas também possuem fragilidades. Por isso, aponta-se nesse estudo a importância da formação continuada para suprir a carência de conhecimentos físicos e o desenvolvimento da reflexão crítica de professores de Ciências para atuarem como atores sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Leite dos Santos Silva, Universidade Federal do Piauí

Possui doutorado (2018) e mestrado (2015) em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), dentro da linha de pesquisa "Educação em Ciências e Matemática". É especialista em Supervisão, Inspeção e Gestão Escolar pela Universidade Candido Mendes (2014). Possui graduação em Física pela UFU (2012). Atua desde 2016 como professor efetivo no curso de Licenciatura em Educação do Campo/Ciências da Natureza da Universidade Federal do Piauí, no Campus Senador Helvídio Nunes de Barros. É integrante do grupo de pesquisa "Educação do Campo e Ensino de Ciências". Está envolvido em pesquisas relacionadas ao Ensino de Física, Formação de Professores de Ciências da Natureza e Educação do Campo.

Suzana Gomes Lopes, Universidade Federal do Piauí

Doutora em Biotecnologia pela Rede Nordeste de Biotecnologia (RENORBIO) - ponto focal Universidade Federal do Maranhão (2015), Mestre em Biodiversidade e Conservação pela Universidade Federal do Maranhão (2011) e graduada em Licenciatura Plena e Bacharelado no curso de Ciências Biológicas da Universidade Regional do Cariri (2007). Atua desde 2014 como professora efetiva do Curso de Licenciatura em Educação do Campo/Ciências da Natureza da Universidade Federal do Piauí, Campus Senador Helvídio Nunes de Barros. É líder do grupo de pesquisa "Educação do Campo e Ensino de Ciências". Atua na área de Parasitologia Animal, Ensino de Ciências e Educação do Campo.

Eduardo Kojy Takahashi, Universidade Federal de Uberlândia

Possui graduação em Física pela Universidade de São Paulo (1979), mestrado em Física pela Universidade de São Paulo (1982) e doutorado em Física pela Universidade de São Paulo (1988), na área de Física da Matéria Condensada. É professor aposentado e docente permanente do Programa de Pós-graduação em Educação e do Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática - Mestrado Profissional, da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Tem experiência na área de ensino de Física, atuando nos seguintes temas: formação inicial e continuada de professores de Física, divulgação científica e ensino de física com tecnologias. Foi Curador do Museu Diversão com Ciência e Arte (Museu Dica) do Instituto de Física da Universidade Federal de Uberlândia e líder do Núcleo de Pesquisa em Tecnologias Cognitivas (NUTEC), que constitui o núcleo de pesquisas do Museu DICA.

Referências

BASTOS, F.; NARDI, R. Debates recentes sobre formação de professores: considerações sobre contribuições da pesquisa acadêmica. In: BASTOS, F.; NARDI, R. (Org.). Formação de professores e práticas pedagógicas no ensino de ciências: contribuições da pesquisa na área. São Paulo: Escrituras Editora, 2008. p. 13-32. E-book.

BERNSTEIN, B. Pedagogy, symbolic control and identity: Theory, research, critique. London/Washington: Taylor & Francis, 1996.

BOLZAN, D. P. V.; POLWACZUK, A. C. H. Processos formativos nas licenciaturas: desafios da e na docência. Roteiro, v. 42, n. 1, p. 107-132, 2017. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/11550/pdf. Acesso em: 23 mai. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais, ensino de quinta a oitava séries. Brasília: 1998. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ciencias.pdf. Acesso em: 23 mar. 2019.

______. Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CES 1.301/2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Ciências Biológicas. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 07 dez. 2001. Seção 1, p. 25. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES1301.pdf. Acesso em: 14 nov. 2014.

______. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Estudo exploratório sobre o professor brasileiro com base nos resultados do Censo Escolar da Educação Básica 2007. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/estudoprofessor.pdf. Acesso em 23 mar. 2019.

______. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília: MEC/CONSED/UNDIME, 2017. 472 p. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/12/BNCC_19dez2018_site.pdf. Acesso em: 23 mar. 2019.

CARNEIRO, M. H. S.; GASTAL, M. L. História e filosofia das ciências no ensino de biologia. Ciência & Educação, v. 11, n.1, p. 33-39, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v11n1/03.pdf. Acesso em: 23 mai. 2019.

CICILLINI, G. A. Conhecimento científico e conhecimento escolar: aproximações e distanciamentos. In: ______; NOGUEIRA, S. V. (Org.). Educação escolar: políticas, saberes e práticas pedagógicas. Uberlândia: EDUFU, 2002. p. 37-66.

CLANDININ, D. J.; CONNELLY, F. M. Pesquisa narrativa: experiência e história em pesquisa qualitativa. 2. ed. Tradução do Grupo de Pesquisa Narrativa e Educação de Professores ILEEL/UFU. Uberlândia: EDUFU, 2015.

CUNHA, A. M. O.; KRASILCHIK, M. A formação continuada de professores de Ciências: percepções a partir de uma experiência. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 23, 2000, Caxambu. Anais [...] Caxambu, ANPED, 2000, p. 1-14. Disponível em: http://23reuniao.anped.org.br/textos/0812t.PDF. Acesso em: 29 mai. 2018.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A.; PERNAMBUCO, M. M. Ensino de ciências: fundamentos e métodos. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

DEWEY, J. Experiência e educação. Tradução de Anísio Teixeira. 2. ed. São Paulo: Ed. Nacional, 1976.

DEWEY, J. Vida e educação. 10. ed. Tradução e estudo preliminar de Anísio Teixeira. São Paulo: Melhoramentos, Rio de Janeiro: Fundação Nacional de Material Escolar, 1978.

DÍAZ, O. R. T. A atualidade do livro didático como recurso curricular. Linhas Críticas, v. 17, n. 34, p. 609-624, 2011. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=193522070010. Acesso em: 10 jun. 2019.

DOMINGO, J. C. Tener historias que contar: profundizar narrativamente la educación. Roteiro, v. 41, n. 1, p. 15-40, 2016. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/9259/pdf. Acesso em: 23 mai. 2019.

FARIA, A. L. G. Ideologia no livro didático. São Paulo: Atlas, 2000.

FIORESE, J. Z.; DELIZOICOV, N. C. Livros didáticos de biologia e a história da ciência. Roteiro, v. 40, n. 1, p. 101-126, 2015. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/5889/3875. Acesso em: 23 mai. 2019.

GÜLLICH, R. I. C.; SILVA, L. H. A. O enredo da experimentação no livro didático: conhecimentos ou reprodução de teorias e verdades científicas? Revista Ensaio, v.15, n. 2, p. 155-167, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/epec/v15n2/1983-2117-epec-15-02-00155.pdf. Acesso em: 23 mai. 2019.

KENSKI, V. M. Tecnologias e tempo docente. Campinas: Papirus, 2013.

LIBÂNEO, J. C. Adeus professor, adeus professora?: novas exigências educacionais e profissão docente. 13. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

MARIANI, F.; MONTEIRO, F. M. A. A pesquisa narrativa na formação de professores: aproximações que se potencializam. Roteiro, v. 41, n. 1, p. 109-134, 2016. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/8878/pdf. Acesso em: 23 mai. 2019.

MARQUES, N. L. R.; ARAÚJO, I. S.; VEIT, E. A. Formação e prática docente: uma pesquisa sobre dificuldades e atitudes de professores de Ciências do nível fundamental no ensino de Física. In: ENCONTRO DE PESQUISA EM ENSINO DE FÍSICA, 15, 2014, Maresias, SP. Anais [...] Maresias, SBF, 2014, p. 1-8. Disponível em: http://www.sbf1.sbfisica.org.br/eventos/epef/xv/sys/resumos/T0090-1.pdf. Acesso em: 10 abr. 2016.

MCLUHAN, M. Os meios de comunicação como extensões do homem. São Paulo: Cutrix, 1996.

MELO, M. G. A.; CAMPOS, J. S.; ALMEIDA, W. S. Dificuldades enfrentadas por professores de Ciências para ensinar Física no Ensino Fundamental. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, v. 8, n. 4, p. 241-251, 2015. Disponível em: https://periodicos.utfpr.edu.br/rbect/article/view/2780. Acesso em: 29 mai. 2018.

MIZUKAMI, A. G. N.; REALI, A. M. M. R.; REYES, C. R.; MARTUCCI, E. M.; LIMA, E. F.; TANCREDI, R. M. S. P.; MELL, R. R. Escola e aprendizagem da docência: processos de investigação e formação. São Carlos: EdUFSCar, 2002.

MORAES, M. C. O paradigma educacional emergente. 16. ed. Campinas: Papirus, 1997.

MORÁN, J. M. Internet no ensino. Comunicação & Educação, v. 14, p. 17-26, 1999. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/36839. Acesso em: 23 mai. 2019.

MOSCOSO, J. N.; TARDIF, M. A noção de “profissional reflexivo” na educação: atualidade, usos e limites. Cadernos de Pesquisa, v. 48, n. 168, p. 388-411, 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/v48n168/pt_1980-5314-cp-48-168-388.pdf. Acesso em: 23 mai. 2019.

PAGANOTTI, A.; DICKMAN, A. G. Caracterizando o professor de Ciências: quem ensina tópicos de Física no Ensino Fundamental? In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 8, 2011, Campinas, SP. Atas [...] Campinas, UFRJ, 2011, p. 1-11. Disponível em: http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/viiienpec/resumos/R0793-2.pdf. Acesso em: 23 mar. 2019.

PESSOA, R. R. O livro didático na perspectiva da formação de professores. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 48, n. 1, p. 53-69, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tla/v48n1/05.pdf. Acesso em: 23 mai. 2019.

ROSA, L. S. Os desafios da formação de professores de Ciências para o Ensino Fundamental. 2015. 85 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências) – Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências da Universidade Federal de Rio Grande, Rio Grande, Rio Grande do Sul, 2015.

SANTOMÉ, J. T. Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado. Trad. Cláudia Schilling. Porto Alegre: Editora Artes Médicas Sul Ltda., 1998.

SATO, L.; MAGALHÃES JÚNIOR, C. A. O. Investigação das dificuldades dos professores de Ciências com relação à prática de ensino por meio da experimentação. Educere: Revista da Educação, v. 6, n. 1, p. 35-47, 2006. Disponível em: http://www.revistas.unipar.br/index.php/educere/article/viewFile/157/131. Acesso em: 21 abr. 2019.

SAVIANI, D. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, v. 14, n. 40, p. 143-155, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v14n40/v14n40a12.pdf. Acesso em: 03 mai. 2019.

SILVA, R. C.; COPPETE, M. C.; SILVA, A.; LIMA, R. P.; SILVA, J. S. A.; MACHADO, S. S. L. Um higrômetro de vagem e a Física no Ensino Fundamental. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 19, n. 2, p. 242-252, 2002. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/6624/6122. Acesso em: 29 mai. 2018.

SILVA, A. F.; PEREIRA, J. H. V. Internet, diversidade cultural e formação de professores: o papel do ambiente como espaço educativo para o respeito às diferenças. Revista Eletrônica Pesquiseduca, v. 4, n.7, p. 126-142, 2012. Disponível em: http://periodicos.unisantos.br/index.php/pesquiseduca/article/view/175. Acesso em: 23 mai. 2019.

SILVA, A. L. S.; SANTOS, S. M. Um curso de Física para professores de Ciências Naturais do Ensino Fundamental. Cadernos da Pedagogia, v. 10, n. 20, p. 43-50, 2017. Disponível em: http://www.cadernosdapedagogia.ufscar.br/index.php/cp/article/view/992/343. Acesso em: 29 mai. 2018.

SOUZA, P. H. R.; ROCHA, M. B. Análise da linguagem de textos de divulgação científica em livros didáticos: contribuições para o ensino de biologia. Ciência & Educação, v. 23, n. 2, p. 321-340, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v23n2/1516-7313-ciedu-23-02-0321.pdf. Acesso em: 23 mai. 2019.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 14. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

______; LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. 2. ed. Tradução de João Batista Kreuch. Petrópolis: Vozes, 2005.
Publicado
26-03-2020
Como Citar
SILVA, A. L. DOS S.; LOPES, S. G.; TAKAHASHI, E. K. FONTES SOCIAIS DO CONHECIMENTO FÍSICO: UMA INVESTIGAÇÃO COM PROFESSORES GRADUADOS EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. Roteiro, v. 45, 26 mar. 2020.
Seção
Artigos de demanda contínua