O PROFISSIONAL DE APOIO E A INCLUSÃO DE ALUNOS PÚBLICO-ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

Palavras-chave: Escolas Públicas, Inclusão, profissional de apoio

Resumo

O artigo tem como objetivo analisar a atuação dos profissionais de apoio (PA) no processo de inclusão de alunos público-alvo da educação especial no ensino público fundamental. A normativa jurídica relativa ao profissional de apoio é recente e demanda especificidades, observando-se que as funções desenvolvidas por este profissional são diversas nos contextos escolares. A pesquisa possui natureza qualitativa e exploratória, e teve como instrumentos para coleta de dados entrevistas com profissionais de apoio, documentos escolares e jurídicos. O campo de investigação escolhido remete-se às escolas de ensino fundamental públicas localizadas em municípios do estado do RS, sendo os dados analisados sob a perspectiva hermenêutica. Os resultados indicam a predominância de estudantes de graduação como estagiários ou monitores para atuarem como PAs, não havendo identificação ou escolha inicial do trabalho com educação especial. O atendimento é direcionado a um ou dois alunos em sala de aula, abarcando atividades de planejamento, ensino, adaptação e produção de materiais, caracterizando uma condução pedagógica no apoio realizado. Observa-se que a relação dos alunos com o professor, com os colegas e demais participantes da escola é restrita, configurando uma vinculação majoritária com o PA. No contexto investigado, a criação do dispositivo de apoio não assegura a condição inclusiva, remetendo o atendimento do aluno referencialmente ao profissional que lhe assiste, permeado por inconsistências na oferta educativa e pela restrita convivência inclusiva com a turma e com a comunidade escolar como um todo.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denise Macedo Ziliotto, Universidade La Salle
  Pós Doutorado em Educação pela Universidade de Lisboa. Doutora em Psicologia Social pela Universidade de São Paulo , mestre em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, graduada em Psicologia e Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. É docente e pesquisadora no programa de Pos Graduação em Educação da Universidade La Salle. 
Amanda Burchert, Universidade La Salle

Mestrado em Educação, na linha de pesquisa Gestão, Educação e Politicas Públicas, pela Universidade La Salle. Graduada em Gestão de Recursos Humanos pela Universidade La Salle.  Integrante da pesquisa Trajetórias de escolarização e profissionalização de alunos com deficiência no ensino superior.

Referências

ARAÚJO, L. A; XAVIER, B. R. X; FREITAS, R. C. A precariedade do fornecimento de profissional de apoio educacional ao aluno com deficiência em Fortaleza/CE. In: Seminário Luso-Brasileiro de Educação Inclusiva: o ensino e a aprendizagem em discussão. 1. 2017. Porto Alegre. Anais. http://ebooks.pucrs.br/edipucrs/anais/i-seminario-luso-brasileiro-de-educacao-inclusiva/assets/artigos/eixo-1/completo-4.pdf
BRASIL. Constituição (1998). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal. 1998. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 23/01/2019
BRASIL. Lei 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 jun. 2014. Disponível em :http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13005.htm. Acesso em: 23/01/2019
BRASIL. Lei Nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa Com Deficiência. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 06 jul. 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em: 23/01/2019
BRASIL. Ministério da Educação. Nota Técnica nº 24, de 21 de março de 2013, orienta os sistemas de ensino para a implementação da Lei nº 12.764/2012. Ministério da Educação, Brasília, DF, 21 mar. 2013. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=13287-nt24-sistem-lei12764-2012&category_slug=junho-2013-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 27/01/2019
BRASIL. Ministério da Educação. Parecer CNE/CEB 17/2001. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 17 ago. 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB017_2001.pdf. Acesso em: 17/01/2019

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Especial. MEC/SECADI. 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=16690-politica-nacional-de-educacao-especial-na-perspectiva-da-educacao-inclusiva-05122014&Itemid=30192. Acesso em: 28/01/2019

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 4, de 2 de outubro de 2009. Institui Diretrizes Operacionais para o atendimento educacional especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 02 out. 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf. Acesso em: 28/01/2019

BRASIL. SEESP/GAB. Nota Técnica nº 19, 08 de setembro de 2010, destinado aos profissionais de apoio para alunos com deficiência e transtornos globais do desenvolvimento matriculados nas escolas comuns da rede pública de ensino. Ministério da Educação, Brasília, DF, 08 set. 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=17237-secadi-documento-subsidiario-2015&Itemid=30192. Acesso em: 30/01/2019
CARVALHO, M. C. N. Professores de apoio educativo- mediadores? Como? Quando? 624 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação) Universidade de Lisboa, 2009.
FONSECA, M; BRIDI, F. R. S. A atuação do profissional de apoio/monitor na rede privada de ensino. XI ANPED, Reunião Científica Regional da ANPED, 2016. Disponível em: http://www.anpedsul2016.ufpr.br/wp-content/uploads/2015/11/eixo22_MANOELA-DA-FONSECA-FABIANE-ROMANO-DE-SOUZA-BRIDI.pdf
FONSECA, M. Das Políticas Públicas de Inclusão Escolar à atuação do Profissional de Apoio/Monitor. 95 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Maria, 2016.
FREITAS, A. O. Atuação do professor de apoio à inclusão e os indicadores de ensino colaborativo em Goiás. 123 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Goiás, Catalão, 2013.
FROHLICH, R. Práticas de apoio à inclusão escolar e a constituição de normalidades diferenciais. 221 f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 2018.
GARCIA, R. M. C. Educação especial na perspectiva inclusiva: determinantes econômicos e políticos. Comunicações. Piracicaba v. 23 n. 3, p. 7-26, 2016. Disponível em:
GARCIA, R. M. C. Política de Educação especial na perspectiva inclusiva e a formação docente no Brasil. Rev. Bras. Educ. Rio de Janeiro, v.18, n. 52, p. 101-110, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v18n52/07.pdf
INEP. Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo Escolar da Educação Básica 2017. 2018. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/censo_escolar/notas_estatisticas/2018/notaestatisticas_Censo_Escolar_2017.pdf. Acesso em: 24/11/2018
MACEDO, M. D. C. S. R; AIMI, D. R. S; TADA, I. N. C; SOUZA, A. M. L. Histórico da inclusão escolar: uma discussão entre texto e contexto. Psicol. Estud, v. 19, n. 2, p. 179-189, 2014.Disponível em:
MARTINS, S. M. O Profissional de Apoio na Rede Regular de Ensino: a precarização do trabalho com os alunos da Educação Especial. 168 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, 2011.

PARANÁ. Instrução nº 010/08. Estabelece critérios para a solicitação de Professor de Apoio em Sala de Aula. Secretaria do Estado da Educação, Curitiba, PR, 2008. Disponível em: http://www.educacao.pr.gov.br/arquivos/File/instrucoes/instrucao102008sued.pdf. Acesso em: 27/11/2018
RIO GRANDE DO SUL. Lei 14.705 de 25 de junho de 2015. Institui o Plano Estadual de Educação. Diário Oficial do Estado, Porto Alegre, RS, 25 jun. 2015. Disponível em: http://www.al.rs.gov.br/filerepository/repLegis/arquivos/LEI%2014.705.pdf. Acesso em: 24/11/2018
RIO GRANDE DO SUL. Lei n° 14.448 de 14 de janeiro de 2014. Cria categorias funcionais no quadro dos servidores de escola. Diário Oficial do Estado, Porto Alegre, RS, 14 jan. 2014. Disponível em: Acesso em: 24/11/2018
SCHREIBER, D. V. F. A. Política educacional, trabalho docente e alunos da modalidade educação especial: um estudo nos anos iniciais do ensino fundamental. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Federal de Santa Catarina, 2012.
SILVA, K. F. W; MACIEL, R. V. M. Inclusão escolar e a necessidade de serviços de apoio: como fazer? Revista Educação Especial, Santa Maria, p. 107-115, 2011. Disponível em: .
STEIN, E. Aproximações sobre hermenêutica. 2 ed. Porto Alegre. EDIPUCRS, 2004.
VEIGA-NETO, A; LOPES, M. C. Inclusão, exclusão, in/exclusão. Verve, n. 20, p. 121 – 135, 2011.
Publicado
06-02-2020
Como Citar
ZILIOTTO, D. M.; BURCHERT, A. O PROFISSIONAL DE APOIO E A INCLUSÃO DE ALUNOS PÚBLICO-ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL. Roteiro, v. 45, 6 fev. 2020.
Seção
Artigos de demanda contínua