A ação conjunta de Organizações Internacionais (UE e OCDE) em Educação: Metamorfoses? Observações em torno de Políticas Educativas em Portugal

Palavras-chave: Organizações internacionais, Nexo global-local em educação, Europeização da Educação, Portugal

Resumo

Desde 2013 a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) desenvolve uma intervenção em educação em Portugal, com o objetivo de elaborar uma Estratégia Nacional de Competências, com particular incidência no campo da educação de adultos e, posteriormente (2017), no contexto de uma política nacional para o ensino básico e secundário, Projeto Autonomia e Flexibilidade Curricular. Em um e outro casos, trata-se de políticas nacionais enquadradas pelo Programa Educação e Formação 2020, no âmbito das políticas europeias de educação, e de dinâmicas que mobilizam o trabalho direto dos técnicos da OCDE com os atores no terreno das escolas e outros contextos educativos. A europeização da educação e das políticas públicas neste domínio, e genericamente a ação de organizações supranacionais, constitui a expressão de uma nova ordem educacional associada a processos e projetos políticos de globalização e da economia do conhecimento. Neste texto, analisa-se o percurso de europeização da educação para, à luz dos casos referidos, discutir se a centralidade da mediação nacional – concretizada pelas opções e apropriações pelos governos nacionais das políticas, orientações e modelos educativos disseminados por organizações supranacionais como a OCDE e a União Europeia (UE) – pode estar a assumir formas diferentes, derivadas desta mais recente conexão na ação em educação entre atores e contextos globais e locais. Estas metamorfoses podem passar, por exemplo, por articulações antes desconhecidas na constituição dos espaços global e local, com novos papéis e protagonismos para as autoridades nacionais, bem como para as organizações internacionais e outros perfis para atores e contextos locais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fátima Antunes, Universidade do Minho-Portugal

Professor Associado e Investigador Principal na Universidade do Minho. Doutora em Sociologia da Educação e Políticas Educativas pela mesma Universidade. 

 

Referências

AFONSO, A. J. Políticas educativas e avaliação educacional. Para uma análise sociológica da reforma educativa em Portugal (1985-1995). Braga: Universidade do Minho, 1998.

ALVES, M. G. Aprendizagem ao longo da vida e políticas educativas europeias: tensões e ambiguidades nos discursos e nas práticas de estados, instituições e indivíduos. Lisboa: UIED, 2010.

ANDERSEN, S.; ELIASSEN, K. Making policy in Europe: the europeification of national policy-making. Londres: Sage, 1993.

AGÊNCIA NACIONAL PARA A QUALIFICAÇÃO E O ENSINO PROFISSIONAL. Newsletter ANQEP n. 25, março 2014. Disponível em: http://www.anqep.gov.pt/wwwbase/newsletter/nl_news_conteudo.asp?id=117. Acesso em: 26 mar. 2019.

ANTUNES, F. Políticas educativas nacionais e globalização. Novas instituições e processos educativos. O subsistema de escolas profissionais em Portugal (1987-1998). Braga: Universidade do Minho, 2004.

ANTUNES, F. Globalization and europeification of education policies: Routes, processes and metamorphoses. European Educational Research Journal, v. 5, n. 1, p. 38–56, 2006.

ANTUNES, F. Nova ordem educacional, espaço europeu de educação e aprendizagem ao longo da vida: actores, processos e instituições. Subsídios para debate. Coimbra: Almedina, 2008.

ANTUNES, F. Economising education: From the silent revolution to rethinking education. A new moment of Europeanisation of education? European Educational Research Journal, v. 15, n. 4, p. 410-427, 2016.

BALL, S. J.Entrevista com Stephen J. Ball: um diálogo sobre justiça social, pesquisa e política educacional (entrevista de Jefferson Mainardes e Maria Inês Marcondes). Educação e Sociedade, v. 30, n. 106, p. 303-318, 2009.

BALL, S. J.; SHILLING, C. Guest editorial: at the cross-roads: education policy studies. British Journal of Educational Studies, v. 42, n. 1, p. 1-5, 1994. DOI: https://doi.org/10.1080/00071005.1994.9973979

BECK, Ulrich. Risk society. Towards a new modernity. Londres: Sage, 1992.

BOWE, R.; BALL, S.; GOLD, A. The policy process and the process of policy. In: BOWE Richard. BALL, Stephen J. (with Anne GOLD), Reforming education and changing schools. Case studies in policy sociology. Londres: Routledge, 1992, p. 6-23.

BROWN, P.; TANNOCK, S. Education, meritocracy and the global war for talent. Journal of Education Policy, v. 24, n. 4, p. 377-392, 2009.

CANÁRIO, R.; ALVES, N.; ROLO, C. Escola e exclusão social. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional/Educa, 2001.

CARVALHO, L. M. Intensificação e sofisticação dos processos da regulação transnacional em educação: o caso do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes. Educação e Sociedade, v. 37, n. 136, p. 669-683, 2016.

CAVACO, C.; LAFONT, P.; PARIAT, M. Policies of adult education in Portugal and France: the European Agenda of validation of non-formal and informal learning. International Journal of Lifelong Education, v. 33, n. 3, p. 343-361, 2014. DOI: https://10.1080/02601370.2014.896086.

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Ensinar e aprender. Rumo à sociedade cognitiva. Livro branco sobre a educação e formação. Luxemburgo: Serviço das Publicações Oficiais das Comunidades Europeias (COM (95) 590 final), 1995.

COMISSÃO EUROPEIA. Competências essenciais e aptidões de base. Disponível em: https://ec.europa.eu/education/policies/school/key-competences-and-basic-skills_pt. Acesso em: 25 out. 2015a.

COMISSÃO EUROPEIA. Competências e qualificações. Disponível em: https://ec.europa.eu/social/main.jsp?langId=pt&catId=1146. Acesso em: 25 out. 2015b.

COMISSÃO EUROPEIA. Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões Repensar a educação - Investir nas competências para melhores resultados socioeconómicos (COM (2012) 669 final). Disponível em: http://ec.europa.eu/education/news/rethinking_en.htm. Acesso em: 28 mar. 2013.

CONSELHO EUROPEU. Conclusões da presidência - Conselho Europeu de Lisboa, 23, 24 de Março de 2000. Disponível em: http://www.eurocid.pt/pls/wsd/wsdwcot0.detalhe_area?p_cot_id=952. Acesso em 18 dezembro de 2019.

COX, R. (Interview by Roger Dale e Susan Robertson). Interview with Robert W. Cox. Globalisation, Societies and Education, v. 1, n. 1, p. 13-23, 2003.

CUSSÓ, R.; D'AMICO, S. From development comparatism to globalization comparativism: towards more normative international education statistics, Comparative Education, v. 41, n. 2, p. 199-216, 2005. DOI: https://10.1080/03050060500037012

DALE, R. A globalização e a reavaliação da governação educacional. Um caso de ectopia sociológica. In: TEODORO, António. TORRES, Carlos Alberto (org.), Educação crítica e utopia. Perspectivas para o século XXI. Porto: Afrontamento, 2005, p. 53-69.

DALE, Roger. Construir a Europa através de um Espaço Europeu de Educação. Revista Lusófona de Educação, nº 11, p. 13–30, 2008.

DALE, R. Globalization and education: Demonstrating a “common world educational culture” or locating a “globally structured educational agenda”?” Educational Theory, v. 50, n. 4, p. 427-448, 2000.

DALE, R. The state and education policy. Milton Keynes: The Open University Press, 1989.

DALE, R. The State and the governance of education: an analysis of the restructuring of the State-education relationship. In: HALSEY, A. H.. LAUDER, Hugh. BROWN, Phillipe. WELLS, Anne S. (org.), Education — culture, economy and society. Nova Iorque: Oxford University Press, 1997, p. 273-282.

DALE, R. “Contexts, Constraints and Resources in the Development of European Education Space and European Education Policy”. In: DALE, Roger. ROBERTSON, Susan (org.). Globalisation and europeanisation in education. Oxford: Symposium Books, 2009, p. 23-43.

DALE, R.; ROBERTSON, S. Globalisation and europeanisation in education. Oxford: Symposium Books, 2009.

FIELD, J. Lifelong learning and the new educational order. Stoke on Trent: Trentham Books, 2000.

GIDDENS, A. As consequências da modernidade. Oeiras: Celta, 1992.

HAKE, B. Late modernity and the learning society: problematic articulations between social arenas, organizations and individuals. In: CASTRO, Rui V.; SANCHO, Amélia V.; GUIMARÃES, Paula (org.). Adult education. New routes in a new landscap. Braga: Universidade do Minho/Unidade de Educação de Adultos, 2006, p. 31-56.

HARTLEY, D. Education as a global positioning device: some theoretical considerations. Comparative Education, vol. 39, n. 4, p. 439-450, 2003.

HOGAN, D. Why no political economy? Why no pedagogy? Essay review of Tough choices or tough times. Journal of Educational Change, 9, p. 91-99, 2008.

HOLFORD, J.; MILANA, M. Introduction. European Adult Education Policy in Question. In: MILANA, M. HOLFORD, J. (org.). Adult education policy and the European Union. Rotterdam: Sense, 2014, p. 1-13.

JAKOBI, A. P. Global education policy in the making: international organisations and lifelong learning, Globalisation, Societies and Education, v. 7, n. 4, p. 473-487, 2009. DOI: https://10.1080/14767720903412275.

JESSOP, B. A cultural political economy of competitiveness and its implications for higher education. In: JESSOP, B.; FAIRCLOUGH, N.; WODAK, R. (org.). Education and the knowledge-based economy in Europe. Rotterdam: Sense Publishers, 2008, p. 11-39.

JESSOP, B. Putting higher education in its place in (East Asian) political economy. Comparative Education, v. 52, n. 1, p. 8-25, 2016. DOI: https://10.1080/03050068.2015.1128659.

LASH, S. La reflexividad y sus dobles: estrutura, estética, comunidad. In: BECK, U.; GIDDENS, A.; LASH, S. Modernización reflexiva. Política, tradición y estética en el orden social moderno. Madrid: Alianza Editorial, 1997, p. 137-208.

LAVAL, C.; WEBBER, L. Le nouvel ordre éducatif mondial. OMC, Banque Mondial, OCDE, Commission Européenne. Paris: Nouveaux Regards/Syllepse,

LAWN, M.; LINGARD, B. Constructing a European Policy Space in Educational

Governance: the Role of Transnational Actors. European Educational Research Journal, v. 1, n. 2, p. 290–307, 2002.

LAWN, M. The ‘usefulness’ of learning: the struggle over governance, meaning and the European Education Space. Discourse: Studies in the Cultural Politics of Education, v. 24, n. 3, p. 325-336, 2003.

LEMOS, V. A OCDE e as Políticas de Educação em Portugal. In: RODRIGUES, M. L. (Org.). 40 Anos de políticas de educação em Portugal. A construção do sistema democrático de ensino. Coimbra: Almedina, 2014, v. 1, p. 293-323.

LIMA, L. Formação e aprendizagem ao longo da vida: entre a mão direita e a mão esquerda de Miro. In: AAVV. Cruzamento de saberes, aprendizagens sustentáveis. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003, p. 129-148.

LIMA, L. C.; GUIMARÃES, P. Percursos educativos e vidas de adultos: reconhecimento, validação e certificação de competências numa associação de desenvolvimento local. Braga: UEA-UM/ATAHCA, 2012.

MIKULEC, B.; KRAŠOVEC S. Marketising Slovene adult education policies and practices using mechanisms of the Europeanisation of education. European Journal for Research on the Education and Learning of Adults, v. 7, n. 2, p. 151-170, 2016.

NÓVOA, A. Les états de la politique dans l'espace européen de l'éducation. In: LAWN, M.; NÓVOA, A. (org.). L'Europe réinventée. Regards critiques sur l'espace européen de l'éducation. Paris: L'Harmattan, 2005.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO. Country reports for Portugal. 2015a.Disponível em: https://gpseducation.oecd.org/CountryReports?primaryCountry=PRT. Acesso em: 25 out. 2017.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO. OECD Skills Strategy. Building an effective skills strategy for Portugal. Diagnostic Workshop Briefing Pack. 2014. Disponível em: https://www.aqtse.pt/projeto-ocde-uma-estrategia-de-competencias-para-portugal-apresentacoes-do-workshop-de-diagnostico-nacional-2/. Acesso em: 25 out. 2017.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO. OECD Skills Strategy. Diagnostic Report. Portugal, 2015b. Disponível em: http://www.oecd.org/skills/nationalskillsstrategies/buildingeffectiveskillsstrategiesatnationalandlocallevels.htm. Acesso em: 25 out. 2017.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO. Guia de Implementação para a Estratégia de Competências para Portugal. Fortalecimento do sistema de educação e formação de adultos. Sumário Executivo/Avaliação e Recomendações. OECD Publishing, Paris. 2018a. DOI: https://dx.doi.org/10.1787/9789264298705-en.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO. Curriculum Flexibility and Autonomy in Portugal - an OECD review. 2018b. Disponível em: http://www.oecd.org/education/2030/. Acesso em: 18 abr. 2019.

PERRENOUD, P. La fabrication de l’excellence scolaire dans l’enseignement primaire: du curriculum aux pratiques d’évaluation. Genève: Librairie Droz, 1984.

RADAELLI, C. Whither Europeanization? Concept stretching and substantive change. European integration online papers (EIoP) v. 4, n. 08, 2000. Disponível em: http://eiop.or.at/eiop/texte/2000-008a.htm. Acesso em: 18 set. 2014.

RASMUSSEN, P. Lifelong learning policy in two national contexts. International Journal of Lifelong Education, v. 33, n. 3, p. 326-342, 2014. DOI: https://10.1080/02601370.2014.896088.

REDING, V. The role of the European Community in creating the knowledge and information society (SPEECH/01/108), 2001. Disponível em: http://europa.eu/rapid/pressReleasesAction.do?reference=SPEECH/01/108andformat=HTMLandaged=0andlanguage=ENandguiLanguage=en. Acesso em: 20 set. 2012.

REPÚBLICA PORTUGUESA. Projeto Autonomia e Flexibilidade - julho de 2017. 2017a. Disponível em: https://www.dge.mec.pt/projeto-autonomia-e-flexibilidade-julho-de-2017. Acesso em: 15 set. 2018.

REPÚBLICA PORTUGUESA. Projeto Autonomia e Flexibilidade - maio de 2017. 2017b. Disponível em: https://www.dge.mec.pt/projeto-autonomia-e-flexibilidade-maio-de-2017. Acesso em: 15 set. 2018.

REPÚBLICA PORTUGUESA. Autonomia e Flexibilidade Curricular - Fevereiro de 2018. 2018a. Disponível em: https://www.dge.mec.pt/autonomia-e-flexibilidade-curricular-fevereiro-de-2018. Acesso em: 15 set. 2018.

REPÚBLICA PORTUGUESA. Estratégia Nacional de Competências - Fase de ação. 2018b. Disponível em: https://www.portugal.gov.pt/pt/gc21/comunicacao/comunicado?i=estrategia-nacional-de-competencias-fase-de-acao. Acesso em: 15 set. 2018.

ROBERTSON, S.; DALE, R. Editorial. ‘Making Europe’: state, space, strategy and subjectivities. Globalisation, Societies and Education, v. 6, n. 3, p. 203-206, 2008.

SANTOS, B. de S. A crítica da governação neoliberal: o Fórum Social Mundial como política e legalidade cosmopolita subalterna. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 72, p. 7-44, 2005

SHIROMA, E. O.; EVANGELISTA, O. Apresentação. Perspectiva, v. 29, n. 1, p. 11-16, 2011.

SHIROMA, E. O.; EVANGELISTA, O. Estado, Capital e Educação: reflexões sobre hegemonia e redes de governança. Educação e Fronteiras, v. 4, n. 11, p. 21-38, 2014.

SHIROMA, E. O. Networks in action: new actors and practices in education policy in Brazil, Journal of Education Policy, v. 29, n. 3, p. 323-348, 2014. DOI: https://10.1080/02680939.2013.831949.

TEODORO, A. Organizações internacionais e políticas educativas nacionais: a emergência de novas formas de regulação transnacional ou uma globalização de baixa intensidade. In: STOER, Stephen R.. CORTESÃO, Luiza. CORREIA, José Alberto (org.). Da crise da educação à “educação” da crise: educação e a transnacionalização dos mecanismos de regulação social. Porto: Edições Afrontamento, 2001, p. 125-161.

Publicado
20-12-2019
Como Citar
ANTUNES, F. A ação conjunta de Organizações Internacionais (UE e OCDE) em Educação: Metamorfoses? Observações em torno de Políticas Educativas em Portugal. Roteiro, v. 44, n. 3, p. 1-24, 20 dez. 2019.
Seção
Seção temática: Políticas Educacionais e Organizações Multilaterais