AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM ANGOLA

  • Francisco Caloia H. Alfredo PUC Campinas
  • Jussara Cristina Barboza Tortella Programa de Pós Graduação em Educação da PUC-Campinas

Resumo

Resumo: O artigo analisa a política de avaliação da aprendizagem para a formação de professores de nível Médio em Angola, implementada em 2004, pautada nos princípios da avaliação formativa, proposta para favorecer o processo de ensino e aprendizagem. As reflexões têm como referência documentos nos quais se destacam as diretrizes de procedimentos nas avaliações em sala de aula. Os documentos oficiais indicam que a avaliação formativa realiza-se a partir de classificações diárias, semanais, mensais e trimestrais na base de fórmulas estabelecidas, e a avaliação somativa a partir de provas e exames de aptidão profissional. Além disso, a média dos resultados finais das avaliações realizadas pelo professor ao longo do processo de ensino e aprendizagem atribui-se 40%, e à classificação final do ano letivo, 60%. A pesquisa realizada aponta que a política de avaliação não parece evidente na função da avaliação formativa e não apresenta diferenças com a avaliação somativa. A grande centralização das avaliações na classificação e medição dificilmente favorece a democraticidade na construção da aprendizagem.

Palavras-chave: Avaliação da aprendizagem. Medição. Classificação. Formação de professor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Caloia H. Alfredo, PUC Campinas
Mestrando do Programa de Pós Graduação em Educação da PUC Campinas
Jussara Cristina Barboza Tortella, Programa de Pós Graduação em Educação da PUC-Campinas

Doutora em Psicologia Educacional pela UNICAMP

Docente do Programa de Pós Graduação em Educação da PUC-Campinas

Publicado
28-09-2012
Como Citar
ALFREDO, F. C. H.; TORTELLA, J. C. B. AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM ANGOLA. Roteiro, v. 37, n. 2, p. 191-210, 28 set. 2012.
Seção
Dossiê Políticas e práticas de avaliação no ensino fundamental