FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIO DA PESQUISA COMO PRÁTICA PEDAGÓGICA

  • Cristiane de Almeida Universidade Federal de Santa Maria
  • Eva Teresinha de Oliveira Boff Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul
  • Anemari Roesler Luersen Vieira Lopes Universidade Federal de Santa Maria
Palavras-chave: Ensino de Ciências da Natureza. Formação de Professores. Teoria Histórico-Cultural.

Resumo

O objetivo deste artigo foi o de analisar um processo interativo de formação de professores, desenvolvido em uma escola de educação básica do Estado do Rio Grande do Sul (RS), permeado pela pesquisa. Constituiu-se um grupo de estudos com professores da área de Ciências da Natureza, que planejaram e desenvolveram aulas para 3 turmas do 2º ano do Ensino Médio, com foco na proposta de reorganização curricular denominada Situação de Estudo (SE), que tem como aporte teórico o referencial histórico-cultural, com sua base principal em Vygotsky. Investigou-se neste estudo as possibilidades de articulação dos conteúdos escolares, com temáticas consideradas relevantes socialmente. Da análise dos dados emergiram três categorias: Pesquisa como princípio pedagógico; Pesquisa como princípio educativo e Articulação dos conteúdos escolares com as pesquisas dos estudantes. Os dados produzidos trouxeram indícios de que o processo interativo contribuiu na construção de aprendizagens dos estudantes e dos professores, uma vez que os professores, ao modificarem sua prática pedagógica para melhor orientar os estudantes em suas pesquisas, também fizeram investigação considerando a pesquisa como princípio pedagógico e educativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiane de Almeida, Universidade Federal de Santa Maria
Possui Graduação em Licenciatura em Ciências com habilitação em Química pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ (2005) e Mestrado em Educação nas Ciências pela UNIJUÍ (2014). Faz Doutorado em Educação na Universidade Federal de Santa Maria - UFSM.
Eva Teresinha de Oliveira Boff, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Possui graduação em Ciências Licenciatura de 1º Grau (1977) e Licenciatura Plena em Ciências - Habilitação em Química (1980), pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul . É mestre em Ciências Biológicas - Bioquimica, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1985), e doutora em Educação em Ciências, pelo Programa de Pós Graduação Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde- UFRGS(2011). É professora alocada no Departamento de Ciências da Vida da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul e vinculada ao Grupo Interdepartamental de Pesquisa sobre Educação em Ciências (Gipec-Unijui). Desenvolve atividades de ensino, pesquisa e extensão com atuação nas disciplinas de Bioquímica e Estágio Currícular Supervisonado na área de Ciências da Natureza. A linha de pesquisa focaliza a formação docente por meio da produção e desenvolvimento de uma organização curricular denominada Situação de Estudo. É professora colaboradora temporária do PPG Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde da UFRGS e vinculada ao Grupo de pesquisa: Área de Educação Química, coordenado pelo professor Dr. José Cláudio Del Pino? UFRGS. Docente pesquisadora do PPG- Educação em Ciências-UNIJUÍ e atualmente coordenadora deste PPG.

Anemari Roesler Luersen Vieira Lopes, Universidade Federal de Santa Maria

Possui Licenciatura em Matemática pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul/UNIJUI, (1988) mestrado em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho/UNESP-Rio Claro(1997) e doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo/USP (2004). Faz Pós-Doutoramento na Universidade de São Paulo (USP). Foi professora da Rede Pública Estadual de Santa Catarina e da Universidade do Oeste de Santa Catarina/UNOESC. Atualmente é professora da Área de Educação Matemática, do Departamento de Metodologia do Ensino, do Centro de Educação da Universidade Federal de Santa Maria/ UFSM; dos cursos de Licenciatura em Matemática, Pedagogia e Educação Especial. É orientadora de mestrado e doutorado no Programa de Pós-Graduação em Educação/PPGE-UFSM e mestrado no Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática e Ensino de Física/PPGEM&EF/UFSM. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: educação, educação matemática, formação de professores, ensino e aprendizagem e prática pedagógica. Coordenadora do Núcleo UFSM do projeto "Educação matemática nos anos iniciais do Ensino Fundamental: Princípios e práticas da organização do ensino"- OBEDUC/CAPES. Coordenadora de Área do subprojeto Interdisciplinar Educação Matemática do PIBID/UFSM. Coordenadora do Clube de Matemática (projeto FIEX-UFSM). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática (GEPEMat-UFSM). Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa sobre Atividade Pedagógica (GEPAPe/USP). Membro da SBEM - Sociedade Brasileira de Educação Matemática e da Anped -Associação Nacional de Pós-Graduação em Educação.

Referências

AZEVEDO, J. C. de; REIS, J. T. O ensino médio e os desafios da experiência: movimentos da prática. São Paulo: fundação Santillana: moderna. p.237, 2014.
CARR, W.; KEMMIS, S. Teoría crítica de laenseñanza: lainvestigación-acciónenlaformacióndelprofesorado. Barcelona: Martinez Roca, 1988.

CARVALHO, A. M. Uma metodologia de pesquisa para estudar os processos de ensino e aprendizagem em salas de aula. In: SANTOS, F. M. T.; GRECA, I. M. (org). A pesquisa em ensino de ciências no Brasil e suas metodologias. Ijuí: Unijuí. p. 45-60, 2006.

CENCI, A.; DAMIANI, M. F. Desenvolvimento da Teoria Histórico-Cultural da Atividade em três gerações: Vygotsky, Leontiev e Engeström. Roteiro, Joaçaba, v. 43, n. 3, p. 919-948, set./dez. 2018 | E-ISSN 2177-6059.

DEMO, P. Educar pela pesquisa. Campinas, São Paulo: autores associados. p. 130, 2007.

DEMO, P. Pesquisa princípio científico e educativo. São Paulo: Cortez, 1999.

FAZENDA, I. O que é interdisciplinaridade? São Paulo: Cortez, 2008.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. São Paulo: paz e terra. p. 96, 2005.

AUTOR. 2010.

AUTOR. Roteiro, 2012.

LEONTIEV, A. N. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Livros Horizonte, 1978.

LEONTIEV, A. N. Actividad, conciencia e personalidad. Havana: Editorial Puebloy Educacion, 1983.

MALDANER, O. A. Formação de professores para um contexto de referência conhecido. In: NERY, B.; MALDANER, O. A. Formação de professores: compreensões em novos programas e ações. Ijuí: ed. Unijuí, 2014.

MALDANER, O. A. A formação inicial e continuada de professores de química: professores/pesquisadores. Ijuí rs. Ed: Unijuí. Coleção educação em química, 2000.

MALDANER, O. A.; ZANON, L. B. Situação de estudo: uma organização do ensino que extrapola a formação disciplinar em ciências. Revista espaços da escola, n. 41. Ijuí: ed. Unijuí, p. 45-60, 2001.

MARQUES, M. O. Escrever é preciso: o princípio da pesquisa. Ijuí: Editora unijuí. p. 154, 2006.

MOURA, M. O. A objetivação do currículo na atividade pedagógica. Obutchénie: Revista de Didática e Psicologia Pedagógica, Uberlândia, MG, v. 1, n. 1, p. 98-128, jan/abr, 2017.

VYGOTSKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Tradução José Cipolla Neto, Luís Barreto, Solange Afeche. São Paulo: Martins Fontes. p. 179, 2007.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 4º edição. p. 159, 2008.

VYGOTSKY, L. S. Obras Escogidas – Tomo II: Pensamiento y Lenguaje. Madrid: Visor, 1993.
Publicado
26-09-2019
Como Citar
DE ALMEIDA, C.; DE OLIVEIRA BOFF, E. T.; ROESLER LUERSEN VIEIRA LOPES, A. FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIO DA PESQUISA COMO PRÁTICA PEDAGÓGICA. Roteiro, v. 45, 26 set. 2019.
Seção
Artigos de demanda contínua

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##