O Pisa como indicador de aprendizagem de Ciências

Palavras-chave: Avaliação em Larga Escala, Pisa, Ensino de Ciências

Resumo

O Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa) é um programa de avaliação comparada da aprendizagem de alunos, criado por países membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). O objetivo deste artigo foi analisar os resultados do Brasil no conteúdo de Ciências, nos anos de 2006 e de 2015, no Pisa, procurando observar as mudanças ocorridas, em relação a aprendizagem de Ciências e em termos de políticas públicas para essas alterações. A metodologia utilizada foi a revisão de literatura, seguida de análise de documentos oficiais a partir de dados do Pisa e do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Os resultados indicam que políticas públicas devem ser desenvolvidas para a melhoria do ensino de Ciências, que se encontra em segundo plano, em relação aos conteúdos de Português e Matemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wanessa Cristiane Gonçalves Fialho, PUC Campinas e UFG - Quirinópolis
Doutoranda e Bolsista CAPES/Prosuc em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2017) na Linha de Pesquisa Políticas Públicas em Educação, participando também do grupo de pesquisa Política e Fundamentos da Educação (CNPq/PUC Campinas), do Programa de Pós-graduação em Educação da PUC-Campinas. Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia (2008). Especialização em farmacologia pela Universidade Federal de Lavras (2009) e especialização em psicopedagogia pela Faculdade Católica de Uberlândia (2005). Possui graduação em Biologia - Licenciatura Plena pelo Centro Universitário do Triângulo (2005) e graduação em Farmácia Bioquímica Industrial pela Universidade Federal de Ouro Preto (2002). Atualmente é docente de ensino superior, assistente II, do quadro permanente, da Universidade Estadual de Goiás. Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: filosofia da educação, ensino de ciências e biologia e formação inicial de professores.
Samuel Mendonça, Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Samuel Mendonça é Professor Titular Categoria A3, vinculado ao Programa de Pós-graduação em Direito, Mestrado Acadêmico, linha de pesquisa Direitos Humanos e Políticas Públicas, grupo de pesquisa Direito e Realidade Social (CNPq/PUC Campinas), ao Programa de Pós-Graduação em Educação, Mestrado e Doutorado, linha de pesquisa Políticas Públicas em Educação, líder do grupo de pesquisa Política e Fundamentos da Educação (CNPq/PUC Campinas) da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Pesquisador do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Pós-doutorando do Departamento de Economia da Educação da FE-USP, sob a supervisão do Prof. Dr. Romualdo Luiz Portela de Oliveira. Atuou como Visiting Scholar na Shanghai Jiao Ton University, China, em 2014. Foi professor de Filosofia na Educação Básica, Ensino Fundamental 2 e Ensino Médio, nas redes pública e privada, por 5 anos. Doutor em Filosofia da Educação pela Unicamp, Mestre (área de Ética), Licenciado e Bacharel em Filosofia pela PUC Campinas. Foi Presidente da Associação Latino-americana de Filosofia da Educação (ALFE - 2011-2013 e 2013-2015). Foi Secretário da Sociedade Brasileira de Filosofia da Educação (2016-2018). Foi Vice-Coordenador do Forpred Nacional (ANPEd - 2014-2015). Foi Coordenador do Forpred Sudeste (ANPEd - 2013-2014). Foi Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Educação da PUC Campinas em 2 mandatos, de 2010 a 2018. Foi Coordenador do Núcleo de Pesquisa e Extensão do Cento de Ciências Humanas e do Centro de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas, de 2006 a 2010. Participou de eventos acadêmicos com apresentação de trabalhos ou proferiu conferências em diferentes países, como Estados Unidos da América, China, Etiópia, República Tcheca, Argentina, Uruguai, Colômbia, Peru e México. É Presidente da Sociedade Brasileira de Filosofia da Educação (2018-2020), membro da ABRADE - Associação Brasileira de Direito Educacional e participante de diversas sociedades internacionais: North American Nietzsche Society, PES - Philosophy of Education Society, INPE - International Network of Philosophers of Education, ALFE - Asociación Latinoamericana de Filosofía de la Educación. É autor do livro Aristocratic Education in Nietzsche: individual achievement (Maryland: GlobalSouth, 2018).

Referências

ARAÚJO, M. de L. H. S.; TENÓRIO, R. M. Resultados brasileiros no Pisa e seus (des)usos. Estudos em Avaliação Educacional. São Paulo, v. 28, n. 68, p. 344-380, maio/ago. 2017.

BARRETO, F. C. de S.; DOMINGUES, I. O PNPG 2011-2020: os desafios do país e o sistema nacional de pós-graduação. Educação em Revista. Belo Horizonte, 2012, v. 28, n. 3, p.17-53.

BOLDARINE, R. F.; BARBOSA, R. L. L.; ANNIBAL, S. F. Tendências da produção de conhecimento em avaliação das aprendizagens no Brasil (2010-2014). Estudos em Avaliação Educacional. Fundação Carlos Chagas, São Paulo, v. 28, n. 67, p. 160-189, jan./abr. 2017. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/eae/article/viewFile/4244/3346 Acesso em: 03 maio 2017.

BONAMINO, A.; COSCARELLI, C.; FRANCO, C. Avaliação e letramento: concepções de aluno letrado subjacentes ao Saeb e ao PISA. Educação e Sociedade. Campinas, v. 23, n. 81, p. 91-113, dez. 2002. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em: 15 abr. 2017.

BRASIL. Brasil no PISA 2015: análises e reflexões sobre o desempenho dos estudantes brasileiros / OCDE-Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. São Paulo: Fundação Santillana, 2016a.

BRASIL. Diretoria de Avaliação da Educação Básica. Brasil no PISA 2015: sumário executivo. Brasília, 2015. Disponível em: http://download. inep.gov.br/acoes_internacionais/Pisa/documentos/2016/Pisa_brasil_2015_

sumário_executivo.pdf. Acesso em: 26 jun. 2018.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Pisa 2015: Análises e Reflexões Sobre o Desempenho dos Estudantes Brasileiros. São Paulo: Fundação Santillana, 2016b.

BRASIL. Lei n. 9394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 20 dez. 1996.

CALDERÓN, A. I.; BORGES, R. M. Avaliação Educacional: Uma abordagem à luz das revistas científicas brasileiras. Revista Ibero-americana de Evaluación Educativa, v. 6, p. 167-183, 2013.

CARVALHO, L. M. Pisa, Política e Conhecimento em Educação. Educação e Sociedade. Campinas, v. 37, n. 136, p. 601-607, jul.-set., 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v37n136/1678-4626-es-37-136-00601.pdf. Acesso em: 06 abr. 2017.

CASTRO, M. H. G. Sistemas de avaliação da educação no Brasil: avanços e novos desafios. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, Fundação Seade, v. 23, n. 1, p. 5-18, jan./jun. 2009. Disponível em: http://www.seade.gov.br>;

CORREIA, J. A. de A. V.; ARELARO, L. R. G.; FREITAS, L. C. Para onde caminham as atuais avaliações educacionais? Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 41, n. especial, p. 1275-1281, dez., 2015. Disponível em : http://dx.doi.org/10.1590/S1517-9702201508148846. Acesso em: 14 abr. 2017.

DIAS SOBRINHO, J. Avaliação: Políticas Educacionais e Reformas da Educação Superior. São Paulo: Cortez, 2003.

FREITAS, L. C. et al. Avaliação e políticas públicas educacionais: ensaios contra regulatórios em debate. Campinas: Leitura Crítica, 2012.

GARCIA, P. S. et al. Austrália, Brasil e Canadá: Impacto das Avaliações no Ensino de Ciências. Estudos em Avaliação Educacional. São Paulo, v. 29, n. 70, p. 188-221, jan./abr. 2018.

LIBÂNEO, J. C.; OLIVEIRA, J. F.; TOSCHI, M. S. (org.) Educação Escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Cortez, 2012.

MAIA, P. F.; JUSTI, R. Desenvolvimento de habilidades no ensino de Ciências e o

processo de avaliação: análise da coerência. Ciência & Educação, Bauru, v. 14, n. 3, p. 431-450, 2008.

MAINARDES, J. As relações entre currículo, pedagogia e avaliação no contexto das avaliações de sistemas educacionais. In: BAUER, A.; GATTI, B. A.; TAVARES, M. R. (Org.). Vinte e cinco anos de avaliação de sistemas educacionais no Brasil: implicações nas redes de ensino, no currículo e na formação de professores. v. 2. Florianópolis: Insular, 2013.

MEDEIROS, L.; JALOTO A.; e SANTOS, A. V. F. A área de Ciências nas avaliações internacionais de larga escala. Estudos em Avaliação Educacional. v. 28, n. 68, p. 512-537, maio/ago. 2017.

MURI, A. F.; SOARES, T. M.; e BONAMINO, A. Funcionamento diferencial dos itens de Ciências do PISA: Brasil e Japão. Estudos em Avaliação Educacional. São Paulo, v. 28, n. 68, p. 538-570, maio/ago. 2017.

MURI, A. F., ORTIGÃO, M. I. R. A Alfabetização Científica Brasileira: um estudo a partir dos dados do PISA 2006. ANAIS da VII Reunião da ABAVE. Avaliação e currículo: um diálogo necessário. n. 7, 2013 p. 385-400.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. PISA 2006 Technical Report. Paris: Organization for Economic Co-Operation and Development, 2007.

PIZARRO, M. V.; JÚNIOR, J. L. Os sistemas de avaliação em larga escala e seus resultados: o PISA e suas possíveis implicações para o ensino de ciências. Revista Ensaio, Belo Horizonte, v. 19, n. 2776, p. 1-24, 2017.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. de. Alfabetização Científica: Uma Revisão Bibliográfica. Investigações em Ensino de Ciências, v.16, n. 1, p. 59-77, 2011.

SOARES, S. S. D.; NASCIMENTO, P. A. M. Evolução do desempenho cognitivo dos jovens brasileiros no PISA. Cadernos de Pesquisa. São Paulo: Fundação Carlos Chagas; Campinas: Autores Associados, v. 42, n. 145, p. 68-87, jan./abr. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742012000100006&lng=pt Acesso em: 18/05/2017.

TEIXEIRA, J. N. Categorização do nível de letramento científico dos alunos de Ensino Médio. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Universidade de São Paulo. São Paulo, 2007.

VIEIRA, A. M. Acordes e dissonâncias do letramento científico proposto pelo PISA 2015. Estudos em Avaliação Educacional. São Paulo, v. 28, n. 68, p. 478-510, maio/ago. 2017.

WAISELFISZ, J. J. O ensino das Ciências no Brasil e o PISA. São Paulo: Sangari, 2009.

Publicado
18-02-2020
Como Citar
FIALHO, W. C. G.; MENDONÇA, S. O Pisa como indicador de aprendizagem de Ciências. Roteiro, v. 45, p. 1-24, 18 fev. 2020.
Seção
Artigos de demanda contínua