Formação de professor e história oral: narrativas e algumas (im)possibilidades metodológicas

  • Rosemeiry de Castro Prado
  • Kátia Guerchi Gonzales Universidade Anhanguera
Palavras-chave: Narrativas, Entrevistas, Formação de professores, Metodologias de Pesquisa, História da Educação Matemática

Resumo

Este trabalho é um exercício do que tem sido chamado, nas investigações do Grupo de “História Oral e Educação Matemática” (GHOEM), de metodologia em trajetória, isto é, o modo como, ao desenvolver um trabalho específico, questões de natureza metodológica surgem e podem/devem ser tematizadas pelo pesquisador como parte de sua pesquisa que, assim, contribui para o arcabouço metodológico de todo o seu grupo. No caso, a pesquisa em questão trata de um estudo das Faculdades de Tecnologia (FATECs) do Estado de São Paulo e se inscreve no projeto do GHOEM chamado “Mapeamento da formação e atuação de professores que ensinam/ensinaram Matemática no Brasil”. Destarte, este artigo apresenta uma breve síntese de alguns trabalhos já desenvolvidos nesse Projeto de Mapeamento, localizando nele, especificamente, a pesquisa sobre a FATEC para, em seguida, tendo como exemplo uma entrevista realizada para esta investigação, problematizar um aspecto metodológico do trabalho com narrativas, apontando algumas de suas possíveis fragilidades e potencialidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kátia Guerchi Gonzales, Universidade Anhanguera

Possui graduação em Licenciatura em Matemática pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), mestrado em Educação Matemática pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS) e doutorado em Educação para a Ciência pela Unesp. Como docente do ensino superior ministrou disciplinas na Anhanguera - Uniderp e na UFMS para cursos da área de Exatas. É membro do Grupo de História Oral e Educação Matemática (Ghoem). Desenvolve pesquisas na área da Educação Matemática, atuando principalmente na História da Educação Matemática. Atualmente é professora na Anhanguera - Uniderp.

Referências

BARALDI, I.; GAERTNER, R. Textos e contextos: um esboço da CADES na história da educação (matemática). 1. ed. Blumenau: Edifurb, 2013.

BENJAMIN, W. O narrador. Considerações obre a obra de Nikolai Leskov. In: BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994. p. 197-221.

BOLÍVAR, A.; DOMINGO, J.; FERNÁNDEZ, M. La investigación biográfico-narrativa em educación: enfoque y metodologia. Madrid: La Muralla, 2001.

BOSI, A. O tempo e os tempos. In: NOVAES, A. (org.). Tempo e história. São Paulo: Cia. das Letras, 1992, p. 19-32.

FERNANDES, D. N. Sobre a formação do professor de matemática no Maranhão: cartas para uma cartografia possível. 2011. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2011.

FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. Curitiba: Editora Positivo/Positivo Informática, 2004.

GARNICA, A. V. M.; FERNANDES, D. M.; SILVA, H. da. Entre a amnésia e a vontade de nada esquecer: notas sobre Regimes de Historicidade e História Oral. Bolema, v. 25, n. 41, p. 213-250, 2011.

GARNICA, A. V. M. Cartografias contemporâneas: mapear a formação de professores de Matemática. In: GARNICA, A. V. M. (org.). Cartografias contemporâneas: mapeando a formação de professores de matemática no Brasil. Curitiba: Appris, 2014.

GOMES, M. L. M. Formação e atuação de professores de matemática, testemunhos e mapas. In: GARNICA, A. V. M. (org.). Cartografias Contemporâneas: mapeando a formação de professores de matemática no Brasil. Curitiba: Appris, 2014.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. S. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

LARROSA, J. 20 Minutos na fila: sobre experiência, relato e subjetividade em Imre Kertész. Tradução: Filipe Santos Fernandes. Bolema, v. 28, n. 49, p. 717-743, 2014.

MARTINS, M. E. Resgate histórico da formação e atuação de professores de escolas rurais da região de Bauru (SP). 2003. Relatório (Iniciação Científica) – Departamento de Matemática, Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2003.

MARTINS-SALANDIM, M. E. A interiorização dos cursos de matemática no estado de São Paulo: um exame da década de 1960. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2012.

MARTINS-SALANDIM, M. E. Escolas técnicas agrícolas e educação matemática: história, práticas e marginalidade. 2007. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2007.

MORAIS, M. B. Peças de uma história: formação de professores de matemática na região de Mossoró (RN). Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2012.

TIZZO, S. V. A história oral como uma abordagem didático-pedagógica na disciplina política educacional brasileira de um curso de licenciatura em matemática. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2014.

Publicado
19-06-2020
Como Citar
PRADO, R. DE C. .; GONZALES, K. G. Formação de professor e história oral: narrativas e algumas (im)possibilidades metodológicas. Roteiro, v. 45, p. 1-16, 19 jun. 2020.
Seção
Artigos de demanda contínua