O PROGRAMA HORIZONTE 2020 DA UNIÃO EUROPEIA E A PERSPECTIVA UNIVERSIDADE DE CLASSE MUNDIAL: APROXIMAÇÕES E TENDÊNCIAS

Palavras-chave: World Class University. Horizonte 2020. Universidade europeia.

Resumo

Neste artigo analisamos o Programa-Quadro da UE para a Investigação e a Inovação – Horizonte 2020, lançado pela Comissão Europeia em 2014, como parte da Estratégia Europa 2020. O objetivo é demonstrar como este Programa é estruturado/fudamentado a partir de elementos da concepção de World Class University,/Universidade de Classe Mundial que vem sendo difundida pelos Organismos Internacionais, especialmente o Banco Mundial, Think-Thanks, especialistas e rankings acadêmicos.  Para isso, em termos teóricos-metodológicos, utilizamos o levantamento bibliográfico e a análise documental, buscando compreender as totalidade das relações/fenômenos, bem como as contradições, influências, relações de força e projetos em disputa que os atravessam. Por ora, compreendemos que H2020 ‘coroa’ o longo processo de relativização de determinada universidade europeia, instaurando/reforçando uma concepção de universidade que vai ao encontro de características do modelo de excelência ou de classe mundial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lara Carlette Thiengo, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC)

Professora Colaborada na Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) no Departamento de Educação. 
Pós-Doutoranda em Educação na Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC)
Doutora em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Lucídio Bianchetti, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Pesquisador Nível 1B do CNPq.

Professor Aposentado /Voluntário do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

 

Referências

AGUION, P. et al. Higher aspirations: An agenda for reforming European universities. Bruxelas: Bruegel Blueprint series, 2008.

ALTBACH, P. et al. Paying the professoriate: a global comparison of compensation and contracts. Londres, Reino Unido: Routledge, 2012.

AUTOR 2018 a

AUTOR, 2018b

BARRERA, J. C. B. La tentacion del rey Midas: para una economia politica del conocimiento. Madrid, Espanha: Siglo XXI, 2015.

COMISSÃO EUROPEIA. Horizon 2020 – First results. Bruxelas: RTD, 2015a. 47 p. Disponível em: <https://ec.europa.eu/programmes/horizon2020/sites/horizon2020/files/horizo

n_2020_first_results.pdf>. Acesso em: 10 ago. 2017. ]

COMISSÃO EUROPEIA. Horizon 2020 – First results. Bruxelas: RTD, 2015a. 47 p. Disponível em: <https://ec.europa.eu/programmes/horizon2020/sites/horizon2020/files/horizo

n_2020_first_results.pdf>. Acesso em: 10 ago. 2017.

COMISSAO EUROPEIA. Discurso de abertura do Seminário ‘O Papel da ciência na diplomacia’. [S.l], 6 jan. 2015b. Disponível em: <https://ec.europa.eu/commission/commissio

ners/2014-2019/moedas/announcements/seminario-diplomatico-o-papel-da-ciencia-na-diplom

acia_en>. Acesso em: 10 ago. 2017.

GREK, S. Atores do conhecimento e a construção de novos cenários de governança: o caso da direção-geral de educação e cultura da Comissão Europeia. Educação & Sociedade, Campinas, v. 37, n. 136, p. 707-726, jul./set. 2016.

HAZELKORN, E. Rankings and the Battle for World-Class Excellence: Institutional Strategies and Policy Choices. Higher Education Management and Policy, Paris, v. 21, n. 1, p. 1-21, 2009.

LIMA, K. R. S. Reforma da educação superior nos anos de contra-revolução neoliberal: de Fernando Henrique Cardoso a Luis Inácio Lula da Silva. 2005. 316 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2005.

MOLLIS, M. Geopolítica del saber: biografías recientes de las universidades latinoamericanas. In: VESSURI, H. (Org.). Universidad e Investigación Científica. Buenos Aires: Clacso, p. 85-101, 2006.

MOURA, B. A. Transformações nas Universidades de Pesquisa: um Estudo na Universidade de São Paulo. 2012. 200 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade de Brasília, Brasília, 2012

MOROSINI, M. Internacionalização na produção de conhecimento em IES brasileiras: cooperação internacional tradicional e cooperação internacional horizontal. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 27, n. 1, p. 99-112, abr. 2011.

NÓVOA, A. Em busca da liberdade nas universidades: para que serve a pesquisa em educação? Educ. Pesqui., São Paulo, v. 41, n. 1, p. 263-272, mar. 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022015000100263&lng=

pt&nrm=iso>. Acesso em: 17 dez. 2017.

PARLAMENTO EUROPEU; CONSELHO EUROPEU. Regulamento (UE) n. 1291, de 11 de dezembro de 2013. Cria o Horizonte 2020 – Programa-Quadro de Investigação e Inovação (2014-2020) e revoga a Decisão n. 1982/2006/CE. Jornal Oficial da União Europeia, Bruxelas, Bélgica, n. 347, p. 104-173, 20 dez. 2013. Disponível em: <http://ec.europa.eu/rese

arch/participants/data/ref/h2020/legal_basis/fp/h2020-eu-establact_pt.pdf>. Acesso em: 10 jul. 2017PARLAMENTO EUROPEU, 2013

ROBERTSON, S. L. A Geopolítica dos Rankings na “Classificação Mundial” das Universidades. A página da educação, n. 185, 2009, p. 20-21

SALMI, J. El desafío de crear universidades de rango mundial. Colômbia: Mayol Ediciones, 2009.

SILVA JÚNIOR, J. R. The new brazillian university. A busca de resultados comercializáveis: para quem? Bauru: Canal 5, 2017.

VAN DER WENDE, M. C. International Academic Mobility: Towards a Concentration of the Minds in Europe. The European Review, Cambridge, v. 23, n. 1, p. 70-88, 2015.

Publicado
26-09-2019
Como Citar
CARLETTE THIENGO, L.; BIANCHETTI, L. O PROGRAMA HORIZONTE 2020 DA UNIÃO EUROPEIA E A PERSPECTIVA UNIVERSIDADE DE CLASSE MUNDIAL: APROXIMAÇÕES E TENDÊNCIAS. Roteiro, v. 45, 26 set. 2019.
Seção
Artigos de demanda contínua