Histórias que educam: dos velhos do quilombo à formação para a juventude – memória, saberes, tradição

Palavras-chave: Histórias de velhos, Quilombo, Saberes locais, Oralidade

Resumo

No processo de construção do conhecimento muitos povos, culturas e saberes foram margeados. Esse artigo é uma problematização proposta a uma pesquisa concluída no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, que objetiva investigar as influências dos Saberes da Tradição concretizadas pelas “histórias dos velhos” da Comunidade Quilombola de Santana, em Pernambuco, para a formação da juventude dessa localidade. Como método, tem-se a História Oral, que examina o trabalho da memória como legado de tradição da comunidade. O estudo evidencia e denota a relação direta dos ensinamentos dos mais velhos para a formação dos mais jovens e, como base teórica, apoia-se, principalmente, em Bosi, Halbwachs, Pollak e Alberti para essa investigação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Fernando Santos, Faculdade de Ciências Humanas do Sertão Central (FACHUSC)Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN)

Graduado em Letras pela Faculdade de Ciências Humanas do Sertão Central-PE (2005). Possui Especialização em História Afro-brasileira e Indígena pelo Centro de Ensino Superior do Vale do São Francisco-PE (2008). Mestrado em Educação pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte-RN (2015), na linha de pesquisa: Formação Humana e Desenvolvimento Profissional Docente. Atualmente é professor estatutário da Escola Estadual Agrícola de Umãs (EAU) e professor contratado e coordenador do Curso de Pedagogia da Faculdade de Ciências Humanas do Sertão Central (FACHUSC) - Salgueiro/PE. Tem experiência na área de História Afro-brasileira e Indígena, Educação e Letras com ênfase em Português e literatura.

Ana Lúcia Oliveira Aguiar, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Graduada e Licenciatura em História pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Mestrado em Sociologia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e Doutorado em Sociologia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Pós-Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Ceará (UFC) na linha de pesquisa Movimentos Sociais, Educação Popular e Escola. Tem Especialização em Inclusão pela Rede Municipal de Educação de Mossoró/RN, Curso da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS), de Intérprete de LIBRAS, pela UERN e Curso de LEDOR, pela UERN e pela CESGRANRIO, Curso de Legendagem para Surdos e Ensurdecidos, pela UFRN, Curso de Audiodescrição pela UFRN, Curso de Orientação e Mobilidade, pela UERN. Atualmente é professora Adjunta IV da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN). Foi bolsista de produtividade da UERN, membro dos Grupos de Pesquisa em Educação, Memória, (Auto) Biografia e Inclusão (GEPEMABI) da Faculdade de Educação FE/UERN e membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em História da Educação do Ceará (GEPHEC), da Universidade Federal do Ceará. É pesquisadora colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Ceará (UFC). É professora do Programa de Pós-Graduação, Mestrado em Educação, da UERN e representante da Linha de Pesquisa Práticas Educativas, Cultura, Diversidade e Inclusão, no referido programa, vinculada ao Programa Interinstitucional de Doutorado em Ciências da Saúde (DINTER), Universidade Federal do Rio Grande do Norte e Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, como coorientadora. É Diretora da Diretoria de Políticas e Ações Inclusivas (DAIN/UERN, membro Titular da Comissão de Extensão da Pró-Reitoria de Extensão da UERN, membro representando a Diretoria de Políticas e Ações Inclusivas (DAIN), da Junta Multiprofissional da UERN. Coordena pesquisa com mote Ascensão Social pelos Estudos de Estudantes com Deficiências; da Educação Básica à Educação Superior, institucionalizada na UERN. Coordena pesquisas de Iniciação Científica (PIBIC) e de Inovação Tecnológica (PIBIT) sobre a perspectiva (auto) biográfica da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte com apoio do CNPq, pesquisas sobre Deficiência Auditiva, Deficiência Física, Deficiência Visual e Deficiência Intelectual financiadas pela UERN e pelo CNPq, respectivamente. Coordenou pesquisa com apoio da Fundação de Pesquisa do Estado do Rio Grande do Norte (FAPERN). Parecerista Ad Hoc junto à Comissão Permanente de Pesquisa (CPP) da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte e Membro Titular da Câmara de Pesquisa e Pós-Graduação, da UERN. Reúne experiência em pesquisas e extensão com discussão central no âmbito das políticas para as pessoas com deficiência, políticas e ações inclusivas para estudantes com deficiência no Ensino Superior, populações camponesas, migrantes, Povos do Mar, Povos do Campo, Quilombolas, Caiçaras, em projetos Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Trabalho com a Metodologia da Pesquisa (Auto) Biográfica e história Oral.

Referências

ALBERTI, V. História oral: a experiência do CPDOC. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1990.

ALBERTI, V. Manual de história oral. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005.

AREDNT, H. A condição humana. Tradução: Roberto Raposo. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

ATAÍDES, J. M.; MACHADO, L. A.; SOUZA, G. G. Desenvolvimento e direitos humanos: a responsabilidade do antropólogo. Campinas, SP: UNICAMP, 1992.

BÁ HAMPATÉ, A. A tradição viva. In: KI-ZERBO, J. (ed.). História Geral da África, I: Metodologia e pré-história da África. 2. ed. Brasília, DF: UNESCO, 2010.

BOSI, E. Memória e Sociedade. Lembranças de velhos. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

FLEURI, R. M. (org.). Educação Intercultural: mediações necessárias. Rio de Janeiro: DP&A editora, 2003.

FRANCO, A. de. A revolução local: globalização, glocalização, localização. São Paulo: Cultura/AED, 2003.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 10. ed. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2005.

MONTEIRO, V. S. V. Canudos: guerra de memória. Revista Mosaico, Rio de Janeiro, ano 1, n. 1, p. 84-93, 2009. Disponível em: http://cpdoc.fgv.br/mosaico. Acesso em: 16 jan. 2014.

OLIVEIRA JUNIOR, G. B. Relatório antropológico de caracterização histórica, econômica, ambiental e sociocultural da comunidade remanescente de quilombo de Santana. Salgueiro, PE: Ministério da Integração Nacional, 2009.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. Presses Universitaires de France, 1990.

PETIT, S. H. Práticas pedagógicas para a lei nº 10.639/2003: a criação de nova abordagem de formação na perspectiva das africanidades. Educação Foco, Juiz de Fora, v. 21, n. 3, p. 657-684, dez./set. 2016. Disponível em: http://ojs2.ufjf.emnuvens.com.br/edufoco/article/view/19874/10621. Acesso em: 15 mar. 2019.

POLLAK, M. Memória e Identidade Social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 200-212, 1992.

SANTANA, J. V. J. A face simbólica dos “saberes da tradição” e a produção de identidades no contexto do povo indígena Kiriri. Revista Espaço Acadêmico, n. 101, 2009. Disponível em: www.revipsi.uerj.br/v8n2/artigos/pdf/v8n2a13.pdf. Acesso em: 20 nov. 2014.

SCHNEIDER, D. R. O método biográfico em Sartre: contribuições do existencialismo para a psicologia. Revispsi/UERJ, Rio de Janeiro, ano 8, n. 2, p. 289-308, 1º sem. 2008. Disponível em: www.revipsi.uerj.br/v8n2/artigos/pdf/v8n2a13.pdf. Acesso em: 15 jan. 2014.

VANSINA, J. A Tradição Oral e sua Metodologia. In: KI-ZERBO, J. (ed.) História Geral da África, I: metodologia e pré-história da África. 2. ed. Brasília, DF: UNESCO, 2010.

Publicado
15-05-2019
Como Citar
SANTOS, P. F.; AGUIAR, A. L. O. Histórias que educam: dos velhos do quilombo à formação para a juventude – memória, saberes, tradição. Roteiro, v. 44, n. 2, p. 1-16, 15 maio 2019.
Seção
Seção Temática: Educação e Diferença: diálogo e perspectivas