Possibilidades da Educação Estatística como forma de análise crítica da realidade na escola indígena

Palavras-chave: Educação estatística, Educação escolar indígena, Educação Matemática Crítica, Formação de professores

Resumo

O artigo discute sobre uma pesquisa desenvolvida em escolas indígenas que teve como objetivo analisar as possibilidades de promoção do Letramento Estatístico no contexto intercultural do povo Xukuru do Ororubá, para fundamentar a ação docente e estimular o conhecimento matemático dos estudantes por meio de práticas reflexivas. Investigou-se se e como os conteúdos de Estatística eram trabalhados por professores dos anos iniciais do povo Xukuru e analisaram-se o planejamento e a realização de atividades em sala de aula envolvendo as etapas do ciclo investigativo no âmbito de um grupo colaborativo. Utilizou-se a observação participante, a entrevista semiestruturada com três professores indígenas, a análise documental em diários de aula de dois professores e a formação de um grupo colaborativo com a participação de 11 docentes dos anos iniciais do Ensino Fundamental. Constatou-se que os professores desta etnia, em termos gerais, desenvolvem um trabalho inicial com a Estatística, valorizando as características culturais da comunidade indígena com atividades interdisciplinares de construção de gráficos e tabelas e incluem também a pesquisa estatística por meio de atividades com intervenções nos diferentes espaços das aldeias. As vivências no grupo colaborativo possibilitaram experiências significativas sobre o ciclo investigativo, possibilitando a ampliação de habilidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Liliane Maria Teixeira Lima de Carvalho, Universidade Federal de Pernambuco

Graduada em Psicologia pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE (1983), Mestre em Psicologia Cognitiva pela UFPE (1998) e Doutora em Educação pela Universidade Federal do Ceará (2008). Atualmente é Professora Adjunta I do Departamento de Administração Escolar e Planejamento Educacional do Centro de Educação da Universidade Federal de Pernambuco, atuando como docente do Curso de Graduação em Pedagogia e como professora do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática e Tecnológica - EDUMATEC do Centro de Educação da UFPE. Suas pesquisas abordam temas relacionados com o ensino e aprendizagem de Matemática e Estatística no Ensino Fundamental; psicologia da Educação Matemática; mecanismos de gestão escolar e planejamento do ensino da matemática; Gestão dos laboratórios de informática nas escolas públicas e o seu uso no ensino de conhecimentos matemáticos e estatísticos.

Sérgia Andréa Pereira de Oliveira, Universidade Federal de Pernambuco

Doutoranda em Educação Matemática e Tecnológica, Universidade Federal de Pernambuco – UFPE, Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática e Tecnológica – Edumatec, Recife – PE, Brasil. Avenida da Arquitetura s/n, Cidade Universitária, CEP.: 50.740-550, Recife - PE – Brasil. sergia.andrea@gmail.com

Carlos Eduardo Ferreira Monteiro, Universidade Federal de Pernambuco

Doutor em Educação, University of Warwick, Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática e Tecnológica – Edumatec, Recife – PE, Brasil. Avenida da Arquitetura s/n, Cidade Universitária, CEP.: 50.740-550, Recife - PE – Brasil. cefmonteiro@gmail.com

Referências

ALMEIDA, E. A. A Política de Educação Escolar Indígena: Limites e Possibilidades. 2001. 195 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2001.

ALMEIDA, E. A. (org.). Xucuru filhos da mãe natureza. Olinda: Centro de Cultura Luiz Freire, 1997. 75 p.

ARCANJO, J. A. Construindo políticas e matematizando processos: Etnomatemática e escola Xukuru. 2006. 135 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Gestão de Políticas Públicas) – Fundação Joaquim Nabuco, Recife, 2006.

BARBOSA, G. S.; MAGINA, S. M. P. O Currículo de Matemática na Educação de jovens e adultos Guarani. Revista em Educação Matemática e Tecnológica Iberoamericana, Recife, v. 5, n. 1, p. 1-23, jun. 2014.

BATANERO, C.; BURRILL, G.; READING, C. Teaching Statistics in School Mathematics. Challenges for Teaching and Teacher Education: A Joint ICMI/IASE Study. London: Springer, 2011.

BERNARDI, L. T. M. S.; CALDEIRA, A. D.; DUARTE, C. G. Posição de fronteira e produção de significados na educação matemática indígena. Revista Reflexão e Ação, v. 21, p. 172-190, 2013. Edição especial.

BERNARDI, L. T. M. S. Formação Continuada em Matemática do Professor Indígena Kaingang: enfrentamentos na busca de um projeto educativo. 2011. 266 f. Tese (Doutorado em Educação Científica e Tecnológica) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

CANDAU, V. M. F.; RUSSO, K. Interculturalidade e Educação na América Latina: uma construção plural, original e complexa. Diálogo Educacional, v. 10, n. 29, p. 151-169, 2010.

CAZORLA, I. M.; KATAOKA, V. Y.; SILVA, C. B. Trajetória e Perspectivas da Educação Estatística no Brasil: um olhar a partir do GT 12. In: LOPES, C. E.; COUTINHO, C. Q. S.; ALMOULOUD, S. A. (org.). Estudos e Reflexões em Educação Estatística. Campinas: Mercado de Letras, 2010.

CAZORLA, I. M.; UTSUMI, M. C. Reflexões sobre o Ensino de Estatística na Educação Básica. In: CAZORLA, I.; SANTANA, E. Do tratamento da informação ao letramento estatístico. Itabuna: Litterarum, 2010. cap. 1, p. 9153.

CAZORLA, I.; CASTRO, F. O Papel da Estatística na Leitura de Mundo: o Letramento Estatístico. Publicatio UEPG: Ciências Humanas, Ciências Sociais Aplicadas, Linguística, Letras e Artes, v. 16, p. 45-53, 2008.

FIORENTINI, D. Pesquisar práticas colaborativas ou pesquisar colaborativamente? In: BORBA, M. C.; ARAÚJO, J. L. (org.). Pesquisa qualitativa em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

GAL, I. Adult’s statistical literacy: meanings, components, responsibilities. International Statiscal Review, v. 70, n. 1, p. 1-25, 2002.

GAL, I. Understanding statistical literacy: About knowledge of contexts and models. In: CONTRERAS, M. M.; LOPEZ-MARTIN, M. M.; MOLINA-PORTILLO, E. (ed.). Terceiro Congresso Internacional Virtual de Educação Estatística. 2019. Disponível em: www.ugr.es/local/fqm126/civest.html. Acesso em: 26 abr. 2019.

MOTA, V. C. et al. Ensinando gráficos na escola indígena: uma possibilidade de diálogos interculturais. In: CONGRESSO IBEROAMERICANO DE EDUCACIÓN MATEMÁTICA, 7., 2013, Montevidéu. Anais [...]. Montevidéu, 2013. p. 7873-7880.

RAMOS, N. Diversidade cultural, educação e comunicação intercultural: políticas e estratégias de promoção do diálogo intercultural. Educação em Questão, v. 34, n. 20, p. 9-32, 2009.

RUMSEY, D. J. Statistical literacy as a goal for introductory statistics courses. Journal of Statistics Education, v. 10, n. 3, 2002.

SILVA, E. H. Xukuru: Memórias e história dos índios da serra do Ororubá (Pesqueira/PE) 1950-1988. 1. 300 f. Tese (Doutorado em História) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

SKOVSMOSE, O. Desafios e reflexão em educação matemática crítica. Campinas: Papirus, 2008.

SKOVSMOSE, O. Um Convite à educação Matemática Crítica. Campinas: Papirus, 2014.

SOUZA, S. M. F. de. Saberes docentes, saberes indígenas: um estudo de caso sobre o ensino de ciências entre o povo Xukuru do Ororubá. 2008. 122 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) – Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2008.

Publicado
05-07-2019
Como Citar
CARVALHO, L. M. T. L. DE; OLIVEIRA, S. A. P. DE; MONTEIRO, C. E. F. Possibilidades da Educação Estatística como forma de análise crítica da realidade na escola indígena. Roteiro, v. 44, n. 2, p. 1-20, 5 jul. 2019.
Seção
Seção Temática: Educação e Diferença: diálogo e perspectivas

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##