Ações afirmativas e formação de professores: diálogos e perspectivas a partir do NEAB/UFSCar

Palavras-chave: Ações afirmativas, Formação de professores, Ensino Superior, Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros

Resumo

Entre os desafios provocados pelo processo de implementação das políticas de ação afirmativa, na modalidade de cotas e/ou reserva de vagas para o acesso ao ensino superior, persiste uma dimensão pouco explorada, que corresponde à produção de ciências e conhecimentos plurais que sejam capazes de alterar padrões desiguais e discriminatórios ainda presentes na sociedade brasileira. O objetivo deste artigo é apresentar uma reflexão crítico-propositiva sobre práticas político-pedagógicas a partir da experiência do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros da Universidade Federal de São Carlos que têm auxiliado o campo da educação na compreensão de alguns dos desafios provocados pelas políticas de ações afirmativas, especialmente a formação inicial e continuada de professores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatiane Cosentino Rodrigues, Universidade Federal de São Carlos

Professora Adjunta do Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas da UFSCar- Programa de Pós-Graduação em Educação. Coordenadora do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros da UFSCar.

Ivanilda Amado Cardoso, Mestre e Doutoranda em Educação Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de São CarlosPrograma Abdias Nascimento Georgia State University- GSU/UFSCar/CAPESPedagoga- Universidade Estadual Paulista- UNESP

Mestre e Doutoranda em Educação

Programa de Pós-graduação em Educação da

Universidade Federal de São Carlos

Programa Abdias Nascimento

 Georgia State University- GSU/UFSCar/CAPES

Pedagoga- Universidade Estadual Paulista- UNESP

Andreia Rosalina Silva, Universidade Federal de São Carlos

Mestre e Doutoranda em Educação

Programa de Pós-graduação em Educação da

Universidade Federal de São Carlos

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISADORES NEGROS – ABPN. Catálogos ABPN. Disponível em: https://www.abpn.org.br/catalogos-abpn. Acesso em: 18 maio 2018.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução CNE/CP n. 1, de 17 de junho de 2004. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico/Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília, DF, 2004a.

BRASIL. Lei n. 7.467, de 20 de dezembro de 1985. Inclui entre as contravenções penais a prática de atos resultantes de preconceito de raça, de cor, de sexo ou de estado civil - nos termos que conhecemos atualmente. Brasília, DF, 20 dez. 1985.

BRASIL. Parecer CNE/CP n. 003/2004. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das

Relações Étnico/Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília, DF, 2004b.

CARDOSO, I. A. Educação das relações étnico-raciais: limites e possibilidades no curso de pedagogia da UFSCar. 2016. 222 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2016.

CARDOSO, I. A.; SANTOS, F. V.; RODRIGUES, T. C. Relações étnico-raciais na produção científica do PPGE/UFSCar. Revista Eletrônica de Educação, v. 11, n. 1, p. 68-85, jan./maio 2017.

CHAUÍ, M. Escritos sobre a universidade. São Paulo: Editora Unesp, 2001.

GOMES, N. L. O Movimento Negro Educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis: Editora Vozes, 2017.

GONÇALVES e SILVA, P. B. As relações étnico-raciais precisam ser reeducadas para que de fato todas as pessoas possam exercer plenamente a sua cidadania. Entrevista Informativo outubro/novembro 2012 - FAI-UFSCar. 2012. Disponível em: http://www.fai.ufscar.br:8080/FAI/noticias/201cas-relacoes-etnico-raciais-precisam-ser-reeducadas-para-que-de-fato-todas-as-pessoas-possam-exercer-plenamente-a-sua-cidadania201c. Acesso em: 20 dez. 2014.

GONÇALVES e SILVA, P. B. Negros da Universidade e produção do conhecimento. In: SILVÉRIO, V.; SILVA, P. B. G. Entre a injustiça simbólica e a injustiça econômica. Brasília, DF: INEP, 2003.

OLIVEIRA, E. R. Narrativas de Thereza Santos – contribuições para a educação das relações étnico-raciais. 2008. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2008.

PASSOS. J. C. Relações raciais, cultura acadêmica e tensionamentos após ações afirmativas. Educação em Revista, Belo Horizonte: UFMG, v. 31, n. 2, p. 155-182, abr./jun. 2015.

SANTOS, B. S. de. A universidade no século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da Universidade, 2004.

SANTOS, B. Para Além do Pensamento Abissal: Das linhas globais e uma ecologia dos saberes. Novos Estudos, n. 79, nov. 2007.

SANTIAGO, F. Potencialidades Pedagógicas para a Educação das Relações Etnico-raciais em imagens integrantes da Coleção Professor Eduardo de Oliveira e Oliveira. 2010. 66 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Pedagogia) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2010.

SILVA, C. P. Centro de Cultura Afro-brasileiro Congada de São Carlos. Cad. Pesquisa, v. 63, 1987. Disponível em: http://www.fcc.org.br/pesquisa/publicacoes/cp/arquivos/627.pdf. Acesso em: 20 dez. 2014.

SILVÉRIO, V.; SILVA, P. B. G. Entre a injustiça simbólica e a injustiça econômica. Brasília, DF: INEP, 2003.

TRAPP, R. P. Eduardo de Oliveira e Oliveira sobre a USP: “nós temos direito a essa instituição. 2017. Disponível em: https://www.geledes.org.br/eduardo-de-oliveira-e-oliveira-sobre-usp-nos-temos-direito-essa-instituicao/. Acesso em: 5 abr. 2018.

Z’AFRICA BRASIL. Disponível em: http://www.zafricabrasil.com.br/site/?page_id=50. Acesso em: 5 abr. 2018.

Publicado
07-07-2019
Como Citar
RODRIGUES, T. C.; CARDOSO, I. A.; SILVA, A. R. Ações afirmativas e formação de professores: diálogos e perspectivas a partir do NEAB/UFSCar. Roteiro, v. 44, n. 2, p. 1-24, 7 jul. 2019.
Seção
Seção Temática: Educação e Diferença: diálogo e perspectivas