Imagens de mulheres negras e indígenas nos livros didáticos dos territórios campesinos brasileiro e colombiano

Palavras-chave: Imagens, Livros didáticos, Feminismo Latino-americano, Estudos Pós-coloniais

Resumo

Este artigo é um recorte da pesquisa de mestrado realizada no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Pernambuco e trata das imagens de mulheres negras e indígenas nos livros didáticos (LD) dos territórios campesinos do Brasil e da Colômbia. Objetivamos compreender os lugares e as funções das mulheres negras e das indígenas nas imagens dos LD. A lente teórica é o diálogo entre o Feminismo Latino-americano e os Estudos Pós-coloniais, e para a análise dos dados utilizamos a Análise de Conteúdo via Análise Temática (BARDIN, 2011) e a Semiótica (PEIRCE, 2005). Os resultados apontaram que os lugares e as funções de mulheres negras e indígenas retratadas nas imagens nos LD apresentam marcas da patriarcalização que se articulam à interseccionalidade de gênero, de raça-etnia e de território.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Janssen Felipe Silva, Universidade Federal de Pernambuco
Pedagogo pela Faculdade de Filosofia do Recife (1995), Mestre (2001) e Doutor (2007) em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Professor Associado I do Centro Acadêmico do Agreste (CAA) da UFPE no Curso de licenciatura em Pedagogia e no Curso de Licenciatura Intercultural Indígena. Professor Permanente do Programa de Pós-graduação em Educação do Centro de Educação (CE) na Linha de Pesquisa de Formação de Professores e Prática Pedagógica e Colaborador do Programa de Pós-graduação em Educação Contemporânea do CAA na Linha de Formação de Professores, Ensino e Aprendizagem. Membro do Conselho Gestor do Instituto de Estudos da América Latina (IAL) - UFPE. Editor Responsável da Revista Interritórios - UFPE. Membro do Nufope (Núcleo de Formação Pedagógica dos Professores Universitários da UFPE). Membro do Núcleo de Pesquisa, Extensão e Formação em Educação do Campo (Nupefec) do CAA. Pesquisador dos Grupos de Pesquisa: a) Ensino-Aprendizagem e Processos Educativos; b) Laboratório de Estudos Antropológicos (vice líder); c) Formação de Professor e Profissionalização Docente do CE-UFPE. Coordena o Grupo de Estudo Pós-Coloniais e Teoria da Complexidade em Educação. Orienta pesquisa na Área de Educação, focando o Currículo no trato da Educação das Relações Étnico-Raciais nos Territórios Campesinos, tendo como Abordagens Teórico-Metodológicas os Estudos Pós-Coloniais e a Teoria da Complexidade.
Anna Rita Sartore, UFPE

Doutora e mestre em Educação pela Universidade de São Paulo (USP).Licenciada em em Ciências Físicas e Biológicas e em Pedagogia, tem especialização em Psicopedagogia Institucional e Clínica. Atualmente é professora associada do Núcleo de Formação Docente e do Programa de Pós-Graduação em Educação Contemporânea da Universidade Federal de Pernambuco. Tutora do Programa de Educação Tutorial, PET/MEC/SESu/DIFES. Pesquisa temas em Educação, com ênfase para Formação de Professores, Tecnologias e Ciências e Relações entre Psicanálise e Educação

Aline Renata dos Santos, UFPE

Pedagoga (2014) pela Universidade Federal de Pernambuco/Centro Acadêmico do Agreste - UFPE/CAA. Mestra (2017) em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. Professora Substituta do Curso de Pedagogia do Centro Acadêmico do Agreste da Universidade Federal de Pernambuco. Foi bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica-PIBIC, no período de 2012 a 2014. Faz Parte do Grupo de Estudos Pós-Coloniais Latino-Americanos, Teoria da Complexidade e Educação coordenado pelo Prof. Dr. Janssen Felipe da Silva PPGEdu/PPGEDUC-UFPE/CAA. Foi bolsista do Programa de Educação Tutorial: Infoinclusão: demanda da cultura direito de todos 2011-2012.

Referências

ARIÈS, P. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Editora

Guanabara, 1986.

AUMONT, J. A imagem. Campinas, SP: Papirus, 1993.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

BITTENCOURT, C. M. F. Ensino de História: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2011.

BRASIL. III Plano Nacional de Políticas Públicas para as Mulheres. Brasília, DF: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres Presidência da República, 2013.

CAROSIO, A. Feminismos para un Cambio Civilizatorio. Caracas, Venezuela: CLASCO, 2014.

COLOMBIA. Decreto n. 166, de 4 de mayo de 2010. Por el cual se adopta la Política Pública de Mujeres y Equidad de Género en el Distrito Capital y se dictan otras disposiciones. Bogotá, 4 maio 2010.

COLÔMBIA. Ministerio de Educación Nacional. Ciencias Sociales 2: Escuela Nueva. Bogotá, Colombia: Ministerio de Educación Nacional, 2011a.

COLÔMBIA. Ministerio de Educación Nacional. Ciencias Sociales 3: Escuela Nueva. Bogotá, Colombia: Ministerio de Educación Nacional, 2011b.

COLÔMBIA. Ministerio de Educación Nacional. Ciencias Sociales 4: Escuela Nueva. Bogotá, Colombia: Ministerio de Educación Nacional, 2011c.

COLÔMBIA. Ministerio de Educación Nacional. Ciencias Sociales 5: Escuela Nueva. Bogotá, Colombia: Ministerio de Educación Nacional, 2011d.

DELGADO, L. R. J.; FRANCO, R. E. M. Colonialidad del Poder, Patriarcado y Heteronormatividad en América Latina. Revista Venezolana de Estudios de la Mujer, Caracas, v. 19, n. 42, p. 95-110, enero/jun. 2014.

ESPINOSA MIÑOSO, Y. et al. Reflexiones Pedagógicas en torno al Feminismo Descolonial: una conversa en cuatros voces. In: WALSH, C. (org.). Pedagogías Decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Série Pensamiento decolonial. Quito, Ecuador: Ediciones Abya-Yala, 2013.

FERREIRA, M. G.; SILVA, J. F. Protagonismo dos Movimentos Sociais Negros na Superação da Herança Colonial nos Currículos Colonizados das Escolas Brasileiras. Revista Tópicos Educacionais, Recife, v. 20, n. 1, p. 163-185, jan./jun. 2014.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 28. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

GROSFOGUEL, R. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 80, p. 115-147, mar. 2008.

MARES, T.; ALMEIDA, S. Geografia 2º ano: Novo Girassol Saberes e Fazeres do Campo. São Paulo: FTD, 2014a.

MARES, T.; ALMEIDA, S. História 2º ano: Novo Girassol Saberes e Fazeres do Campo. São Paulo: FTD, 2014b.

MARES, T.; ALMEIDA, S. História 3º ano: Novo Girassol Saberes e Fazeres do Campo. São Paulo: FTD, 2014c.

MARES, T.; ALMEIDA, S. História 4º ano: Novo Girassol Saberes e Fazeres do Campo. São Paulo: FTD, 2014d.

MARES, T.; ALMEIDA, S. História 5º ano: Novo Girassol Saberes e Fazeres do Campo. São Paulo: FTD, 2014e.

MATOS, M.; PARADIS, C. G. Desafios à despatriarcalização do Estado brasileiro. Cadernos Pagu, Campinas, n. 43, p. 57-118, jul./dez. 2014.

MIGNOLO, W. Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 32, n. 94, jun. 2017.

MIGNOLO, W. Historias locales/diseños globales: colonialidad, conocimientos subalternos y pensamientos fronterizo. Madrid: Akal, 2011.

MOHANTY, C. T. Bajo los ojos de occidente. Academia Feminista y discurso colonial. In: NAVAZ, L. S.; HERNÁNDEZ, A. (ed.). Descolonizando el Feminismo: Teorías y Prácticas desde los Márgenes. Madrid: Cátedra, 2008.

NARVAZ, M. G.; KOLLER, S. H. Famílias e Patriarcado: da prescrição normativa à subversão criativa. Psicologia & Sociedade, v. 18, n. 1, p. 49-55, jan./abr. 2006.

PAREDES, J. Hilando Fino desde el feminismo comunitario. La Paz: Mujeres Creando Comunidad, 2010.

PAREDES, J. Una sociedad en estado y con estado despatriarcalizador. Cochabamba, dic. 2011.

PEIRCE, C. S. Semiótica. São Paulo: Perspectiva, 2005.

PORTO-GONÇALVES, C. W. Entre América e Abya Yala – tensões de territorialidades. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba, n. 20, p. 25-30, jul./dez. 2009.

QUIJANO, A. Colonialidade do Poder. In: LANDER, E. (org.). A Colonialidade do Saber: eurocentrismo e Ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO, 2005.

SAFFIOTI, H. Gênero Patriarcado Violência. São Paulo: Expressão Popular, 2015.

SAFFIOTI, H. O poder do macho. São Paulo: Moderna, 1987.

SARTORELLO, S. C. Una perspectiva crítica sobre interculturalidade y educación intercultural bilingüe: El caso de la Unión de Maestros de la Nueva Educación para México (UNEM) y educadores independientes en Chiapas. Revista Latinoamericana de Educación Inclusiva, Santiago de Chile, 2009.

SEGATO, R. L. Las estructuras elementales de la violencia. Bernal: Universidad Nacional de Quilmes, 2003.

SEGATO, R. L. Patriarcado, desposesión, colonialidad y el avance del frente estatalcolonial en el mundo-aldea. Revista de Estudios Críticos Otros Logos, n. 4, dic. 2013.

TONINI, I. M. Identidades étnicas: a produção de seus significados no livro didático de Geografia. In: REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 24., 2001, Caxambu. Anais [...]. Caxambu, 2001.

WALSH, C. Interculturalidad, plurinacionalidad y decolonialidad: las insurgências politico-epistémicas de refundar el Estado. Tabula Rasa, Bogotá, n. 9, 2008.

Publicado
26-04-2019
Como Citar
SILVA, J. F.; SARTORE, A. R.; DOS SANTOS, A. R. Imagens de mulheres negras e indígenas nos livros didáticos dos territórios campesinos brasileiro e colombiano. Roteiro, v. 44, n. 2, p. 1-32, 26 abr. 2019.
Seção
Seção Temática: Educação e Diferença: diálogo e perspectivas