Desfazendo imagens, construindo identidades: decolonizando os processos formativos de educadorxs

Palavras-chave: Decolonizar, Práticas de resistência, Relações étnico-raciais

Resumo

Este trabalho dialoga com memórias e experiências de educadorxs que desenvolvem práticas de resistência em sala de aula no que tange à valoração da presença negra e indígena na sociedade brasileira. Essas práticas pretendem criar caminhos e brechas para a reversão de uma ordem opressora, desenraizando, assim, preconceitos impregnados no imaginário social moderno/colonial/colonialista. Dialogaremos com autorxs decoloniais evidenciando a importância da escola como agente de luta contra a opressão e de valorização de múltiplos saberes e de formas outras de ser e estar no mundo, decolonizando pensares, saberes e práticas. Essas práticas educativas se fazem presentes na pesquisa por meio da construção de narrativas dxs professorxs tidas como fontes orais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elison Antonio Paim, Universidade Federal de Santa Catarina

Possui graduação em História pela Universidade Federal de Santa Maria (1986), mestrado em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1996) e doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (2005). Professor Adjunto da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), lotado no Departamento de Metodologia de Ensino (MEN) do Centro de Educação. Vice-coordenador do Mestrado Profissional em Ensino de História de junho de 2014 a junho de 2016. Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE. Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE). Vice-líder do Grupo de Pesquisas Patrimônio, Memória e Educação (PAMEDUC -UFSC), vice-líder do Grupo de Pesquisas Rastros (USF), membro do Grupo de Pesquisas Kairós (Unicamp) , Tem experiência na área de História e Educação, com ênfase em Praticas de Ensino, Experiências de Ensino. Desenvolve trabalhos de Ensino, Pesquisa e orientação de Tcc, mestrado e doutorado nos seguintes temas: estagio; formação docente; experiencia, memória; fazer-se professor, historia; ensino de historia, memória e patrimônio cultural, educação para as relações étnico raciais.

Patrícia Magalhães Pinheiro, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), na linha de pesquisa Sociologia e História da Educação. Participante dos Grupos de Pesquisa: Patrimônio, Memória e Educação (PAMEDUC - UFSC); Educação e Patrimônio Cultural: entretecendo memórias e histórias da/na ilha de Santa Catarina (UFSC) e Rastros: História, Memória (USF). Mestra em Educação em Ciências e Matemática pela Universidade Federal de Goiás (UFG), onde desenvolvi pesquisas na área da Educação Escolar Indígena com ênfase na Formação Superior de Professores Indígenas e Graduada em Ciências Biológicas, Licenciatura Plena, também pela UFG. Possui experiência na área da Educação: como professora do Ensino Superior atuando na formação de professores de Ciências Biológicas na Faculdade Araguaia - Goiânia (2013); como professora de Ciências da Rede Municipal de Educação de Florianópolis (2015-2017); como professora pesquisadora formadora no Programa Escola da Terra, na formação continuada de professores do Planalto Norte Caratinense - UFSC (2017). Contato: (48) 9 9908-6060 Email: patti_magalhaes@hotmail.com

Josiane Beloni de Paula, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutoranda em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, na linha de pesquisa Sociologia e História da Educação - SHE - Bolsista CNPQ. Mestra em Educação pela Universidade Federal de Pelotas - UFPel (2014), na linha de pesquisa Filosofia e História da Educação - FHE. Especialista em Orientação Educacional - EAD - pela Universidade Católica Dom Bosco (Portal da Educação - 2016). Especialista em Educação: Educação Infantil - UFPel (2007), Graduada em Licenciatura e Bacharelado em Ciências Sociais - UFPel (2005). Integrante do Grupo de Pesquisas Patrimônio, Memória e Educação (PAMEDUC -UFSC) do Grupo de Pesquisas Rastros da Universidade São Francisco - SP (USP), e do Grupo de Pesquisa Filosofia, Educação e Práxis Social (FEPráxiS) - do Núcleo de Estudos Paulo Freire (UFPel). Possui experiência na área de Educação, como professora de anos iniciais (2003 a 2009) na rede pública municipal de ensino em Pelotas-RS, também exerceu o cargo de Conselheira Tutelar (2009 a 2016), na cidade de Pelotas-RS, professora colaboradora do Serviço Nacional de aprendizagem Comercial - SENAC/Pelotas-RS(2015), na formação continuada de professores. Realiza estudos com ênfase principalmente nos seguintes temas: Educação, etnia negra, infância, práticas de resistência, Paulo Freire, processos formativos de professores, sociologia, africanidades e decolonialidade.

Referências

BENJAMIN, W. Experiência e pobreza. Magia e técnica, arte e política. Tradução: Paulo Sérgio Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 2012.

BENJAMIN, W. Passagens. Belo Horizonte: Ed. da UFMG/Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2007.

CASTRO-GÓMEZ, S. La hybris del punto cero: ciencia, raza e ilustración en la Nueva Granada (1750-1816). Bogotá: Editorial Pontificia Universidad Javeriana, 2005.

CAVALLEIRO, E. (org.). Racismo e Anti-Racismo na Educação: repensando nossa escola. São Paulo: Summus, 2001.

CRENSHAW, K. W. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 171-188, 2002. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2002000100011. Acesso em: 20 maio 2017.

CRUZ, J. B. da; PROENÇA, K. A. P.; OLIVEIRA, N. A. A denúncia do racismo na nossa sociedade e o anúncio de práticas de resistência que almejam a superação da denúncia. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL PAULO FREIRE, 8., 2013, Recife. Anais [...]. Recife, 2013.

FANON, F. Pele negra máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FRANÇA, C. S. O canto da Odisseia e as narrativas docentes: dois mundos que dialogam na produção de conhecimento histórico-educacional. 2015. 349 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015.

FREIRE, P. Cartas à Guiné Bissau - Registros de uma experiência em processo. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. 15. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000a.

FREIRE, P. Pedagogia da Indignação: Cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora Unesp, 2000b.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GALZERANI, M. C. B. Escola e Conhecimento de História e Geografia: uma disciplina acadêmica e a educação das sensibilidades. Revista Antíteses, Londrina, v. 6, n. 12, p. 126-147, jul./dez. 2013a.

GALZERANI, M. C. B. Imagens que lampejam: contribuições de Walter Benjamin para a produção de conhecimentos históricos. Encuentro de Saberes. Luchas populares, resistências Y educación, Buenos Aires, v. 1, p. 53, 2013b.

GALZERANI, M. C. B. Memória, tempo e história: perspectivas teórico-metodológicas para a pesquisa em ensino de história. Cadernos CEOM, Chapecó: Unochapecó, n. 28, 2008.

GELEDÉS. Instituto da mulher negra. Significados dos nomes próprios africanos. Disponível em: https://www.geledes.org.br/significados-dos-nomes-proprios-africanos/. Acesso em: 11 jan. 2018.

GOOGLE TRADUTOR. Disponível em: https://translate.google.com.br/?hl=pt-BR&gl=br&um=1&ie=UTF-8&client=tw-ob#pt/yo/sobrevivente,%20https://www.geledes.org.br/significados-dos-nomes-proprios-africanos/. Acesso em: 20 jan. 2018.

KRAMER, S. Por Entre as Pedras: arma e sonho na escola. 3. ed. São Paulo: Ática, 2002.

MALDONADO-TORRES, N. Sobre la colonialidad del ser: contribuiciones al derarrollo de um concepto. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. El giro decolonial. Reflexiones para uma diversidad epistêmica más Allá del capitslismo global. Colombia: Siglo del Homem Editores, 2007. p. 127-167.

MUNANGA, K. Superando o racismo na escola. 2. ed. Brasília, DF: MEC/Secad, 2005.

OSÓRIO, R. G. Desigualdade racial e mobilidade social no Brasil: um balanço das teorias. In: THEODORO, M. (org.). As políticas públicas e a desigualdade racial no Brasil: 120 anos após a abolição. Brasília, DF: IPEA, 2008. p. 65-96. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/Livro_desigualdadesraciais.pdf. Acesso em: 20 set. 2016.

PAIM, E. A. Para além das leis: o ensino de culturas e histórias africanas, afrodescendentes e indígenas como decolonização do ensino de História. In: MOLINA, A. H.; FERREIRA, C. A. L. Entre textos e contextos. Curitiba: Editora CRV, 2016.

QUIJANO, A. Colonialidad del poder y clasificación social. Journal of World-Systems Research, v. 11, n. 2, p. 342-386, 2000.

QUIJANO, A. Colonialidad y modernidad-racionalidad. 2005. Disponível em: http://pt.scribd.com/doc/36091067/Anibal-Quijano-Colonialidade-eModernidade-Racionalidade. Acesso em: 20 set. 2016.

SANTOS, B. de S. Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolitanismo multicultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

SILVA, P. B. G. Africanidades. Como valorizar as raízes afro nas propostas pedagógicas. In: MUNANGA K. (org.). Superando o racismo na escola. Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.

STRECK, D. R.; REDIN, E.; ZITKOSKI, J. J. (org.). Dicionário Paulo Freire. Verbete: Inédito Viável (Ana Maria Freire). 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

WALSH, C. Interculturalidad, Plurinacionalidad y Decolonialidad: Las Insurgencias Político Epistémicas de Refundar el Estado. Tabula Rasa, Bogotá, n. 9, p. 131-152, jul./dic. 2008.

WALSH, C. ¿Son posibles unas ciencias sociales/culturales otras? Reflexiones en torno a las epistemologias decoloniales. Nómadas. Revista Crítica de Ciencias Sociales y Jurídicas, Colômbia, n. 26, p. 102-113, abr. 2007.

Publicado
22-02-2019
Como Citar
PAIM, E.; PINHEIRO, P.; DE PAULA, J. Desfazendo imagens, construindo identidades: decolonizando os processos formativos de educadorxs. Roteiro, v. 44, n. 1, p. 1-20, 22 fev. 2019.
Seção
Seção Temática: Educação étnico-racial: desafios cotidianos para além dos aspectos legais