Uma experiência com educação intercultural indígena: entrevista com a professora Joziléia Daniza Kaingang

  • Elison Antonio Paim Universidade Federal de Santa Catarina
  • Pedro Mülbersted Pereira Universidade Federal de Santa Catarina

Resumo

Resumo: A Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) tem a proposta de atender os povos indígenas que vivem na parte meridional da Mata Atlântica: Guarani (ES, RJ, SP, PR, SC, RS), Kaingang (SP, PR, SC, RS) e Xokleng (SC), com Ensino Médio completo ou em conclusão, desde 2010. O curso está estruturado em regime presencial especial, com etapas concentradas divididas entre Tempo-Universidade e Tempo-Comunidade, de acordo com a perspectiva da Pedagogia da Alternância. Joziléia Daniza Jagso Inácio Schild é, atualmente, a Coordenadora Pedagógica desse curso. Joziléia Daniza Jagso Inácio Schild nasceu na Terra Indígena do Guarita, território indígena Kaingang localizado no Município de Tenente Portela, RS. É graduada em Geografia pela Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó) (2010), especialista em Educação de Jovens e Adultos Profissionalizantes pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) (2012), mestre em Antropologia Social pela Universidade Federal de Santa Catarina (2016) e está, atualmente, cursando Doutorado em Antropologia Social pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Entrevistamos a professora Joziléia Kaingang em março de 2018. Na ocasião, a entrevistada compartilhou suas experiências com a Licenciatura Intercultural Indígena como estudante, como educadora e com as atuais lutas e pautas dos povos indígenas no Brasil.

Palavras-chave: Educação escolar indígena. Educação diferenciada. Licenciatura intercultural indígena.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elison Antonio Paim, Universidade Federal de Santa Catarina
Possui graduação em História pela Universidade Federal de Santa Maria (1986), mestrado em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1996) e doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (2005). Professor Adjunto da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), lotado no Departamento de Metodologia de Ensino (MEN) do Centro de Educação. Vice-coordenador do Mestrado Profissional em Ensino de História de junho de 2014 a junho de 2016. Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE. Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE). Vice-líder do Grupo de Pesquisas Patrimônio, Memória e Educação (PAMEDUC -UFSC), vice-líder do Grupo de Pesquisas Rastros (USF), membro do Grupo de Pesquisas Kairós (Unicamp) , Tem experiência na área de História e Educação, com ênfase em Praticas de Ensino, Experiências de Ensino. Desenvolve trabalhos de Ensino, Pesquisa e orientação de Tcc, mestrado e doutorado nos seguintes temas: estagio; formação docente; experie cia, memória; fazer-se professor, historia; ensino de historia, memória e patrimônio cultural, educação para as relações étnico raciais.
Pedro Mülbersted Pereira, Universidade Federal de Santa Catarina
É doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina (PPGE - UFSC). Possui mestrado pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina (PPGE - UFSC); graduação em História pela Universidade Federal de Santa Catarina; é vinculado ao Grupo de Pesquisas Patrimônio, Memória e Educação da Universidade Federal de Santa Catarina (PAMEDUC -UFSC) e ao Grupo de Pesquisas Rastros da Universidade São Francisco (USF - SP), atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Patrimonial, Fortalezas Catarinenses, Memória, Patrimônio.

Referências

NÖTZOLD, A. L.; ROSA, H. A.; BRINGMANN, S. F. (org.). Etnohistória, história indígena e educação: contribuições ao debate. Porto Alegre: Pallotti, 2012.

Publicado
19-02-2019
Como Citar
Paim, E., & Pereira, P. (2019). Uma experiência com educação intercultural indígena: entrevista com a professora Joziléia Daniza Kaingang. Roteiro, 44(1), 1-12. https://doi.org/10.18593/r.v44i1.16997
Seção
Entrevista