Relações entre gêneros na teorização curricular tradicional, crítica e pós-crítica

Palavras-chave: Currículo e gênero, Gênero e educação, Teorização curricular

Resumo

Esta pesquisa versa sobre as relações entre gênero e educação, nomeadamente sobre gênero e currículo, objetivando compreender o lugar ocupado pelas relações sociais de gênero na teorização curricular. Trata-se de uma investigação teórica que buscou apoio em três diferentes fases formadoras do campo de estudos sobre o currículo e do campo dos estudos de gênero. A pesquisa toma como objeto de análise os pressupostos da teorização curricular – tradicional, crítica e pós-crítica – em seus contextos de emergência e desenvolvimento, com vistas a identificar distanciamentos e aproximações entre currículo e gênero nesses estudos. Os resultados revelam que, embora o currículo escolar tenha sido desde sempre atravessado por relações entre os gêneros, tais relações estiveram ausentes da teorização tradicional ou não crítica em razão de sua vinculação ao paradigma da racionalidade técnico-científica e à consequente tese da neutralidade e objetividade do currículo. Estiveram ausentes também da fase inicial da teorização crítica, por sua centralidade na categoria classe social. Inserem-se no discurso curricular na segunda fase dessa teorização a partir do entendimento de que a cultura, como elemento constituído e constituinte de diferenças, também institui desigualdades, entre as quais se incluem as desigualdades de gênero. Assim, a teorização crítica, por meio da corrente da resistência, anuncia o atravessamento do currículo pelas diferenças de gênero e etnia, entre outras, aproximando-se da perspectiva multiculturalista. A teorização pós-crítica, ao atribuir centralidade à linguagem, aponta novas formas de olhar as relações entre gênero e educação, mais especificamente entre gênero e currículo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eleta de Carvalho Freire, Universidade Federal de Pernambuco

Professora da Universidade Federal de Pernambuco/Centro de Educação e do Mestrado Profissional em Ensino de História do Centro de Filosofia e Ciências Humanas/UFPE. Doutora e Mestra em Educação PPGE/UFPE. Graduada em Ciências Sociais (bacharelado e licenciatura). Pesquisadora do Núcleo de Pesquisa em História da Educação e Ensino de História (NEPHEPE) e do Núcleo de Ensino, Pesquisa e Extensão em Educação de Jovens e Adultos e em Educação Popular, Infância e Juventude (NUPEP). Pesquisa sobre: Currículo e Cultura; Currículo e Gênero; Ensino de História nos anos iniciais; Formação de Professores; Prática Pedagógica.

Referências

ALMEIDA, J. S. Mulher e educação: a paixão pelo possível. São Paulo: Fundação Editora da Unesp, 1998.

ALTHUSSER, L. Aparelhos ideológicos do Estado. 2. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

APPLE, M. W. Educação e poder. Porto Alegre: ArtMed, 2002.

APPLE, M. W. Ideologia e currículo. Porto Alegre: ArtMed, 2006

BAUDELOT, C.; ESTABLET, R. L’école capitaliste em France. Paris: François Maspero, 1971.

BERNSTEIN, B. A estruturação do discurso pedagógico: classe, código e controle. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva e Luiz Fernando G. Pereira. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.

BERTICELLI, I. A. Currículo: tendências e filosofia. In: COSTA, M. V. O Currículo nos limiares do contemporâneo. 3. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. 5. ed. Tradução: Maria Helena Kühner. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. Educação e Realidade, n. 20, jul./dez. 1995.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J. C. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Tradução: Reynaldo Bairão. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1982.

CANDAU, V. M. Multiculturalismo e educação: desafios para a prática pedagógica. In: MOREIRA, A. F.; CANDAU, V. M. (org.). Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

CARVALHO, M. E. P. Uma agenda de pesquisa, formação humana e docente em gênero e educação. In: PIZZI, L. C. V.; FUMES, N. L. F. (org.). Formação do pesquisador em educação: identidade, diversidade, inclusão e juventude. Maceió: Edufal, 2007.

COSTA, R. G. De clonagens e de paternidades: as encruzilhadas do gênero. Cadernos Pagu, Campinas, SP: Unicamp, n. 11, p. 157-199, 1998.

ERGAS, Y. O Sujeito mulher. O Feminismo dos anos 1960/1980. In: PERROT, M.; DUBY G. (org.). História das mulheres no ocidente: o século XX. Porto: Afrontamento; São Paulo: Ebradil, 1991. v. 5.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 23. ed. Tradução: Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2007.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. 19. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 28. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GIROUX, H. Teoria crítica e resistência em educação. Tradução: Ângela Maria B. Biaggio. Petrópolis, RJ: Vozes, 1986.

GOODSON, I. F. Currículo: teoria e história. 5. ed. Tradução: Attílio Brunetta. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

HORKHEIMER, M. Teoria tradicional e teoria crítica. In: HORKHEIMER, M.; ADORNO, T. W. Textos escolhidos. Tradução: Zelijko Loparié et al. 5. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1991. (Coleção Os Pensadores).

KÄPPELI, A. Cenas feministas. In: PERROT, M.; FRAISSE, G. (org.). História das mulheres no ocidente: o século XIX. São Paulo: Ebradil, 1991. v. 4.

MCLAREN, P. Utopias provisórias: as pedagogias críticas num cenário pós-colonial. Tradução: Helena Beatriz M. de Souza. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

MCROBBIE, A. Pós-marxismo e Estudos Culturais. In: SILVA, T. T. (org.). Alienígenas em sala de aula: uma introdução aos estudos culturais em educação. 10. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

MOREIRA, A. F. B. Sociologia do currículo: origens, desenvolvimento e contribuições. Em Aberto, Brasília, DF, ano 9, n. 46, p. 73-83, 1990.

PACHECO, J. A. Escritos curriculares. São Paulo: Cortez, 2005.

PUCCI, B. (org.). Teoria crítica e educação: A questão da formação cultural na Escola de Frankfurt. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

SAMARA, E. M. et al. (org.). Gênero em debate: trajetória e perspectivas na historiografia contemporânea. São Paulo: EDUC, 1997.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 16, p. 5-22, jul./dez. 1990.

SILVA, T. T. Apresentação. In: PUCCI, B. (org.). Teoria crítica e educação. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: numa introdução às teorias do currículo. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

SILVA, T. T. Identidades terminais: as transformações na política da pedagogia e pedagogia da política. Petrópolis: Vozes, 1996.

SILVA, T. T. Teorias do currículo: uma introdução crítica. Porto: Porto Ed., 2000.

TERIGI, F. Notas para uma genealogia do curriculum escolar. Educação e Realidade, v. 21, n. 1, p. 159-186, jan./jun. 1996.

TYLER, R. W. Princípios básicos de currículo e ensino. Tradução: Leonel Vallandro. Porto Alegre: Globo, 1974.

ZUIN, A. A. S.; PUCCI, B. A pedagogia radical de Henry Giroux: uma crítica imanente. Piracicaba: Unimep, 1999.

Publicado
19-03-2019
Como Citar
FREIRE, E. DE C. Relações entre gêneros na teorização curricular tradicional, crítica e pós-crítica. Roteiro, v. 44, n. 2, p. 1-26, 19 mar. 2019.
Seção
Artigos de demanda contínua