Educação Infantil e avaliação institucional: percursos e desafios

Palavras-chave: Educação pública, Educação Infantil, Avaliação institucional, Direitos das crianças

Resumo

A trajetória da educação brasileira reúne embates que, em distintos momentos, acentuaram a exigência de enfrentamentos, repercutindo em conquistas no campo das políticas públicas. Focalizando o período das últimas quatro décadas, neste texto tem-se como propósito evidenciar questões relevantes acerca da trajetória da Educação Infantil e da avaliação institucional no Brasil. Ancorado em pressupostos teórico-metodológicos bakhtinianos e elaborado em uma perspectiva de pesquisa teórica, o presente artigo dialoga com produções científicas, ordenamentos legais e documentos orientadores publicados entre 1970 e 2017. As análises desses vestígios escritos indicam que a alteração dos rumos da primeira etapa da educação básica vem se consolidando em movimentos de disputa, e esses acontecimentos históricos demarcam posicionamentos de resistência e possibilidades de avanços. No que tange à avaliação institucional na Educação Infantil, a sistematização deste estudo explicitou que o panorama atual, decorrente de inúmeros fatos históricos, não se constitui exclusivamente o bojo das questões educacionais e se encontra circunscrito à história das crianças, das famílias trabalhadoras, da formação docente, das políticas públicas, de determinantes econômicos e sociais, entre outros elementos. Conclui-se, portanto, que na interlocução da avaliação institucional com a Educação Infantil não se pode prescindir da qualidade socialmente referenciada, e, nessa direção, um dos desafios postos é a consolidação de sistemáticas avaliativas vinculadas a dinâmicas participativas e às condições do que ofertamos às crianças em seu processo educativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Nilceia de Andrade Vieira, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação do Centro de Educação da Universidade Federal do Espírito Santo; integrante do Grupo de Pesquisa Formação e Atuação de Educadores - GRUFAE; Pedagoga na Rede Municipal de Ensino de Vitória - ES; Professora da Faculdade Estácio de Vila Velha. Email:  nilceia_vilavelha@hotmail.com

Valdete Côco, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutora em Educação pela Universidade Federal Fluminense. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Espírito Santo, Espírito Santo, ES – Brasil. Coordenadora do Grupo de Pesquisa Formação e Atuação de Educadores - GRUFAE. E-mail: valdetecoco@hotmail.com

Referências

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO. Boletim Especial Conquistas em Risco, ano 5, n. 20, maio 2016. Disponível em: <http://www.anped.org.br/news/boletim-anped-maio-de-2016-especial-conquistas-em-risco>. Acesso em: 18 jun. 2016.

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. Tradução Paulo Bezerra. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BARRETTO, E. de Sá; NOVAES, G. T. F. Avaliação institucional na educação básica: retrospectiva e questionamentos. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 27, n. 65, p. 314-345, maio/ago. 2016. Disponível em: <http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/eae/article/view/3839/3192>. Acesso em: 21 dez. 2017.

BLOCH, M. Apologia da História ou o Ofício do Historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2002.

BRASIL. Constituição. República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Contribuições para a Política Nacional: a avaliação em educação infantil a partir da avaliação de contexto. Curitiba: Imprensa/UFPR; Brasília, DF: MEC/SEB/COEDI, 2015. Disponível em: <http://primeirainfancia.org.br/wp-content/uploads/2016/04/seb_avaliacao_educacao_infantil_a_partir_avaliacao_contexto.pdf>. Acesso em: 17 nov. 2017.

BRASIL. Emenda Constitucional n. 53, de 19 de dezembro de 2006. Dá nova redação aos arts. 7º, 23, 30, 206, 208, 211 e 212 da Constituição Federal e ao art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 19 dez. 2006a. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc53.htm>. Acesso em: 23 jun. 2017.

BRASIL. Decreto n. 2.264, de 27 de junho de 1997. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1997. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1997/decreto-2264-27-junho-1997-445021-publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em: 19 out. 2013.

BRASIL. Educação Infantil: subsídios para construção de uma sistemática de avaliação. Brasília, DF: MEC/SEB, 2012a. Disponível em: . Acesso em:‎ 29 jun. 2013.

BRASIL. Indicadores da qualidade na educação infantil. Brasília, DF: MEC/SEB, 2009a. Disponível em: <http://www.portal.mec.gov.br/dmdocuments/indic_educ_infantil.pdf>. Acesso em: 05 maio 2013.

BRASIL. Lei n. 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1.º e 2.º graus, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 11 ago. 1971. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L5692.htm>. Acesso em: 12 nov. 2017.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Fixa as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: . Acesso em: 16 jul. 2013.

BRASIL. Lei 10.172, de 09 de janeiro de 2001. Institui o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 09 jan. 2001. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10172.htm>. Acesso em: 15 set. 2013.

BRASIL. Lei n. 11.274, de 06 de fevereiro de 2006. Altera a redação dos arts. 29, 30, 32 e 87 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 (seis) anos de idade. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2006b. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11274.htm>. Acesso em: 26 mar. 2013.

BRASIL. Lei n. 11.494, de 20 de junho de 2007. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 14 nov. 2007. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11494.htm>. Acesso em: 19 out. 2012.

BRASIL. Lei n. 12.796, de 04 de abril de 2013. Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 04 abr. 2013. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12796.htm>. Acesso em: 14 nov. 2018.

BRASIL. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Institui o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 jun. 2014. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/legislacao>. Acesso em: 27 jun. 2014.

BRASIL. Parâmetros nacionais de qualidade para a Educação Infantil. Brasília, DF: MEC/SEB, 2006c. Disponível em: . Acesso em: 19 out. 2013.

BRASIL. Política Nacional de Educação Infantil. Brasília, DF: MEC/SEB, 1994. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me002610.pdf>. Acesso em: 13 mar. 2013.

BRASIL. Portaria n. 369, de 06 de junho de 2016. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (SINAEB). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 07 jun. 2016a. Disponível em: <http://www.imprensanacional.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/19628396/do1-2018-06-07-portaria-n-369-de-6-de-junho-de-2018-19628217>. Acesso em: 17 nov. 2017.

BRASIL Portaria n. 981, de 25 de agosto de 2016. Revoga a Portaria MEC n. 369, de 05 de maio de 2016, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 ago. 2016b. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=47621-portaria-981-02set-pdf&category_slug=agosto-2016-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 17 nov. 2017.

BRASIL. Resolução n. 05, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as diretrizes curriculares nacionais para a Educação Infantil. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 18 dez. 2009b. Disponível em: . Acesso em: 16 jul. 2013.

CAMPOS, M. M. Entre as políticas de qualidade e a qualidade das práticas. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 43, n. 148, p. 22-43, jan./abr. 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cp/v43n148/03.pdf>. Acesso em: 02 jul. 2013.

CAMPOS, M. M. et al. A qualidade da educação infantil: um estudo em seis capitais brasileiras. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. 142 jan./abr. 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cp/v41n142/v41n142a03.pdf>. Acesso em: 12 fev. 2013.

DIAS SOBRINHO, J. Avaliação: políticas educacionais e reformas da educação superior. São Paulo: Cortez, 2003.

GATTI, B. A. Avaliação: contexto, história e perspectivas. Olhares, Guarulhos, v. 2, n. 1, p. 8-26, maio 2014. Disponível em: <http://olhares.unifesp.br/index.php/olhares/article/viewFile/202/76>. Acesso em: 17 nov. 2017.

GENTILLI, P. A. A. Pedagogia da exclusão. Petrópolis: Vozes, 1995.

KRAMER, S. A política do pré-escolar no Brasil: a arte do disfarce. 5. ed. São Paulo: Cortez, 1995.

KRAMER, S. As crianças de 0 a 6 anos nas políticas educacionais no Brasil: educação infantil e/é fundamental. Educação e Sociedade, Campinas, v. 27, n. 96, p. 797-818, out. 2006. Edição especial. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/es/v27n96/a09v2796.pdf>. Acesso em: 23 nov. 2017.

KUHLMANN JÚNIOR, M. Histórias da educação infantil brasileira. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 14, maio/ago. 2000. Disponível em: . Acesso em: 25 maio 2014.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1995.

MORO, C.; COUTINHO, Â. M. S.; BARBOSA, E. B. L. Avaliação de Contexto em Educação Infantil: a participação e o protagonismo docente. Revista Latinoamericana de Educación Infantil, v. 6, n. 1-2, 2017. Disponível em: <http://redaberta.usc.es/reladei/index.php/reladei/issue/view/23/showToc>. Acesso em: 12 jan. 2018.

MORO, C. de S.; SOUZA, G. de. Produção acadêmica brasileira sobre avaliação em educação infantil: primeiras aproximações. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 25, n. 58, p. 100-125, maio/ago. 2014. Disponível em: <http://www.fcc.org.br/pesquisa/publicacoes/eae/arquivos/1928/1928.pdf>. Acesso em: 24 fev. 2015.

OLIVEIRA, M. M. de. Florestan Fernandes. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2010. Coleção Educadores. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me4699.pdf>. Acesso em: 18 nov. 2017.

PIMENTA, C. O. Avaliações municipais da educação infantil: contribuições para a garantia do direito à educação das crianças brasileiras? 652 p. Tese (Doutorado)–Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-23082017-105049/pt-br.php>. Acesso em: 19 out. 2017.

ROCHA, E. A. C.; SILVA FILHO, J. J. da; STRENZEL, G. R. Estado do Conhecimento, n. 2, Brasília, DF: MEC/Inep/Comped, 2001. Disponível em: <http://download.inep.gov.br/download/cibec/2001/estado_do_conhecimento/serie_doc_educeduc_infantil.pdf>. Acesso em: 28 jun. 2013.

ROSEMBERG, F. A educação pré-escolar brasileira durante os governos militares. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 82, p. 21-30, ago. 1992. Disponível em: <http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/979/989>. Acesso em: 17 nov. 2017.

ROSEMBERG, F. Avaliação de programas, indicadores e projetos em educação infantil. Revista Brasileira de Educação, n. 16, p. 19-26, 2001. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n16/n16a02.pdf>. Acesso em: 12 out. 2013.

ROSEMBERG, F. Políticas de educação infantil e avaliação. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 43, n. 148, p. 16-21, jan./abr. 2013. Disponível em: . Acesso em: 02 jul. 2013.

ROSEMBERG, F. Sísifo e a educação infantil brasileira. Pro-Posições, Campinas, v. 14, n. 1 (40), p. 177-194, jan./abr. 2003. Disponível em: <http://www.proposicoes.fe.unicamp.br/proposicoes/textos/40-artigos-rosembergf.pdf>. Acesso em: 10 jan. 2015.

RUIZ, M. J. F. Proletarização do magistério e lutas pela educação no estado do Paraná: do regime militar à ascensão do neoliberalismo (1960-1990). Roteiro, Joaçaba, v. 38, n. 2, p. 233-256, jul./dez. 2013. Disponível em: <http://editora.unoesc.edu.br/index.php/roteiro/article/view/2790>. Acesso em: 25 nov. 2017.

SÃO PAULO (Município). Indicadores de Qualidade da Educação Infantil Paulistana. São Paulo: SME/DOT, 2016. Disponível em: <http://www.sinesp.org.br/images/9_-_INDICADORES_DE_QUALIDADE_NA_EDUCACAO_INFANTIL_PAULISTANA.pdf>. Acesso em: 17 nov. 2017.

SAUL, A. M. Avaliação emancipatória: desafio à teoria e à prática de avaliação e reformulação de currículo. São Paulo: Cortez, 1988.

SOUSA, S. M. Z. L. 40 anos de contribuição à Avaliação Educacional. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 16, n. 31, jan./jun. 2005. Disponível em: <http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/eae/article/view/2140/2097>. Acesso em: 10 nov. 2017.

SOUZA, Gizele de. ANEI e Educação Infantil. Rio de Janeiro, 01 set. 2015. Entrevista concedida à Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. Disponível em: <http://www.anped.org.br/news/anei-e-educacao-infantil-entrevista-com-gizele-de-souza-gt-07>. Acesso em: 08 nov. 2017.

VIEIRA, L. F. Apontamentos sobre o documento “Educação infantil: subsídios para a construção de uma sistemática de avaliação”. Nuances: estudos sobre Educação, Presidente Prudente, v. 25, n. 3, p. 18-35, set./dez. 2014. Disponível em: <http://revista.fct.unesp.br/index.php/Nuances/article/viewFile/3166/2704>. Acesso em: 18 fev. 2015.

VIEIRA, M. N. de A. Avaliação institucional na Educação Infantil: percursos formativos. 2015. 254 p. Dissertação (Mestrado)–Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2015. Disponível em: <http://repositorio.ufes.br/bitstream/10/2464/1/tese_9022_Nilceia%20.pdf>. Acesso em: 22 dez. 2015.

VIEIRA, M. N. de A.; CÔCO, V. Avaliação e Currículo na Educação Básica: a especificidade da Educação Infantil. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 11, n. 3, p. 812-831, set./dez. 2016. Disponível em: <http://www.revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa>. Acesso em: 14 fev. 2017.

ZANARDINI, J. B. Ontologia e avaliação da educação básica no Brasil (1990-2007). 2008. 208 p. Tese (Doutorado)–Faculdade de Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, 2008. Disponível em: <http://www.repositorio.ufsc.br/handle/123456789/91269‎>. Acesso em: 02 jul. 2013.

Publicado
06-12-2018
Como Citar
VIEIRA, M. N. DE A.; CÔCO, V. Educação Infantil e avaliação institucional: percursos e desafios. Roteiro, v. 43, n. esp, p. 209-240, 6 dez. 2018.
Seção
Dossiê Comemorativo Roteiro 40 anos