Políticas educacionais para o Ensino Médio: a inclusão educacional/exclusão social como intenção e gesto

  • Aparecida Favoreto UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Ireni Marilene Zago Figueiredo Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE, Campus Cascavel, PR.
  • Roberto Antonio Deitos Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE, Campus de Cascavel, PR.

Resumo

Resumo: Neste artigo apresenta-se uma reflexão sobre os significados políticos dos projetos e programas de reformas educacionais para o Ensino Médio posteriores ao fim da Ditadura Militar (1985-2017), tendo como problemática o discurso de que uma educação de qualidade poderia favorecer a democracia. A análise dos dados do estudo teve como base os documentos e dados expedidos pelo Governo Federal, bem como os intérpretes da história sócio-política, principalmente no que se refere às reformas da Educação, do Estado brasileiro e ao movimento do capitalismo nacional e internacional, evidenciando uma lacuna entre o proposto pelos documentos e os resultados implementados. Destaca-se que as reformas educacionais se adequaram às mudanças tecnológicas e à crise do capital, com relação ao processo de inclusão/exclusão social.

Palavras-chave: Políticas educacionais. Reforma do Estado. Democracia e inclusão/exclusão social.

 

Educational policies for Middle School: educational inclusion/social exclusion as intention and gesture

 

Abstract: This article presents a reflection on the political meanings of the projects and programs of educational reforms for High School, after the end of the Military’s Dictatorship period (1985-2017). It introduces as a problematic the argument that a quality education could enable the democracy. The analysis of this article was based on the documents and information provided by the Brazilian Federal Government as well as the interpreters of the social political history. It was given an especial attention to the reforms of Education and Brazilian State, also the national and international capitalism cycle, evidencing a gap between the proposed by the documents and the results implemented. It is emphasized, then, taking as reference the process of social inclusion/exclusion, that the educational reforms were adapted to the technological changes and the crisis of the capital.

Keywords: Educational policies. Reform of the State. Democracy and inclusion/social exclusion. 


Políticas educacionales para la Enseñanza Medio: la inclusión educacional/exclusión social como intención y gesto 


Resumen: En este artículo se presenta una reflexión sobre los significados políticos de los proyectos y programas de reformas educativas para la Enseñanza Media, posteriores al final de la Dictadura Militar (1985-2017), teniendo como problemática el discurso de que una educación de calidad podría favorecer la democracia. El análisis de los datos tuvo como base los documentos y datos expedidos por el Gobierno Federal, así como los intérpretes de la historia sociopolítica, principalmente en lo que se refiere a las reformas de la Educación, del Estado brasileño y el movimiento del capitalismo nacional e internacional, evidenciando una laguna entre el propuesto por los documentos y los resultados implementados. Se destaca, entonces, que las reformas educativas se adecuaron a los cambios tecnológicos ya la crisis del capital, con relación al proceso de inclusión/exclusión social. 

Palabras clave: Políticas educativas. Reforma del Estado. Democracia e inclusión/exclusión social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aparecida Favoreto, UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Professora do Curso de Pedagogia e do Mestrado em Educação da Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE. Graduada em História e mestre em Educação pela UEM, doutora em Educação pela UFPR. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa História e Historiografia na Educação. 

Ireni Marilene Zago Figueiredo, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE, Campus Cascavel, PR.
Professora do Curso de Pedagogia e do Mestrado em Educação da Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE. Doutora em Educação pela UNICAMP. Membro do Grupo de Estudo e de Pesquisa em Política Educacional e Social GEPPES.
Roberto Antonio Deitos, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE, Campus de Cascavel, PR.
Professor do Curso de Pedagogia e do Mestrado em Educação da Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE. Doutor em Educação pela UNICAMP. Membro do Grupo de Estudo e de Pesquisa em Política Educacional e Social GEPPES.

Referências

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho. São Paulo: Boitempo, 1999.

BANCO MUNDIAL. Relatório n. 20475-BR. O combate à pobreza no Brasil: relatório sobre pobreza, com ênfase nas políticas voltadas para a redução da pobreza. Volume I. Departamento do Brasil – Setor de Redução da Pobreza e Manejo Econômico. Região da América Latina e do Caribe. Washington, DC, 2001.

BANCO MUNDIAL. Um ajuste justo: análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil. Washington, DC: BIRD/Banco Mundial, 2017. Disponível em: http://documents.worldbank.org/curated/en/884871511196609355/pdf/121480-REVISED-PORTUGUESE-Brazil-Public-Expenditure-Review-Overview-Portuguese-Final-revised.pdf. Acesso em: 10 dez. 2017.

BOBBIO, N.; MANTEUCCI, N.; PASQUINO, G. Dicionário de política. São Paulo: Ed. UNB, Imprensa Oficial, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. Conferência Nacional de Educação - CONAE 2010. Brasília, DF: CONAE, abr. 2010.

CÊA, G. S. S. A formação do ser social trabalhador no Brasil: ethos, modus e sapere. In: CÊA, G. S. S. (org.). O estado da arte da formação do trabalhador no Brasil: pressuposto e ações governamentais a partir dos anos 90. Cascavel: EDUNIOESTE, 2007. p. 33-79.

CHASIN, J. A miséria da República dos Cruzados. Revista Ensaio, São Paulo, n. 15-16, p. 1-12, 1986.

DEITOS, M. L. M. S. As políticas públicas de qualificação de trabalhadores e suas relações com a inovação tecnológica na indústria brasileira. 2006. 276 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

DEITOS, R. A. O capital financeiro e a educação no Brasil. 2005. 357 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

ENSINO SUPERIOR EM NEGÓCIOS, DIREITO E ENGENHARIA. Panorama Nacional Brasileiro: Centro de Políticas Públicas do Insper, 2017. Disponível em: https://www.insper.edu.br/wp-content/uploads/2012/05/20170407_panorama-educacional-brasileiro2016.pdf. Acesso em: 10 nov. 2017.

FAGNANI, E. Ajuste econômico e financiamento da política social brasileira: nota sobre o período 1993/98. Revista de Economia e Sociedade, Campinas, n. 13, p. 155-178, dez. 1999.

FIORI, J. L. Em busca do dissenso perdido: ensaios críticos sobre a festejada crise do Estado. Rio de Janeiro: Insight, 1995.

FOLHA DE SÃO PAULO. 1968 - Ato Institucional n. 5: os personagens. Antônio Delfim Netto. 2008. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/folha/treinamento/hotsites/ai5/personas/delfimNetto.html. Acesso em: 10 out. 2017.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. (org.). Ensino médio integrado: concepções e contradições. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

GARCIA, S. R. O. A educação profissional integrada ao ensino médio no Paraná: avanços e desafios. 2009. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2009.

GERMANO, J. W. Estado militar e educação no Brasil. São Paulo: Cortez, 1994.

HARVEY, D. Condição pós-moderna. 11. ed. Tradução Adail Ubirajara Sobral e Maria Stela Gonçalves. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

IBGE. PNAD Contínua 2016: 51% da população com 25 anos ou mais do Brasil possuíam apenas o ensino fundamental completo. Agência de notícias do IBGE, 2017a. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2013-agencia-de-noticias/releases/18992-pnad-continua-2016-51-da-populacao-com-25-anos-ou-mais-do-brasil-possuiam-apenas-o-ensino-fundamental-completo.html. Acesso em: 22 dez. 2017.

IBGE. PNAD Contínua: taxa de desocupação cai em 11 das 27 UFs no 2º trimestre de 2017. Agência de notícias do IBGE, 2017b. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2013-agencia-de-noticias/releases/15693-pnad-continua-taxa-de-desocupacao-cai-em-11-das-27-ufs-no-2-trimestre-de-2017.html. Acesso em: 30 out. 2017.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Educação no Brasil: atrasos, conquistas e desafios. 2006. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/bd/pdf/2006/cap3_educacao.pdf. Acesso em: 12 dez. 2017.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Censo escolar da educação básica - 2016. Notas estatísticas. Brasília, DF: INEP/MEC, 2017. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/censo_escolar/notas_estatisticas/2017/notas_estatisticas_censo_escolar_da_educacao_basica_2016.pdf. Acesso em: 11 out. 2017.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Ministério da Educação e Cultura. Censo Escolar 1980/2000. Edudata Brasil; IBGE, Censo Demográfico. Brasília, DF: INEP/MEC, 2001. Disponível em: https://seriesestatisticas.ibge.gov.br/series.aspx?vcodigo=SEE17. Acesso em: 8 out. 2017.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Ministério da Educação e Cultura. Sistema de avaliação da educação básica - 2015. Resumo. Brasília, DF: INEP/MEC, 2016. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/educacao/2016/09/inep-apresenta-resultados-da-prova-brasil-2015. Acesso em: 14 nov. 2017.

LAURELL, A. C. Avançando em direção ao passado: a política social do neoliberalismo. In: LAURELL, A. C. (org.). Estado e políticas sociais no neoliberalismo. Revisão Técnica Amélia Cohn; Tradução Rodrigo León Contrera. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2002. p. 151-178.

MORAES, M. C. M. Recuo da Teoria. In: MORAES, M. C. M. de. (org.). Iluminismo às avessas: produção de conhecimento e políticas de formação docente. Rio de Janeiro: DP & A, 2003. p. 151-167.

MORENO, A. C. Brasil cai em ranking mundial de educação em ciências, leitura e matemática. G1, 06 dez. 2016. Disponível em: https://g1.globo.com/educacao/noticia/brasil-cai-em-ranking-mundial-de-educacao-em-ciencias-leitura-e-matematica.ghtml. Acesso em: 11 out. 2017.

MOTA JUNIOR, W. P.; MAUÉS, O. C. O Banco Mundial e as políticas educacionais brasileiras. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 39, n. 4, p. 1137-1152, 2014. Disponível em: http://2011.redalyc.org/articulo.oa?id=317232121010. Acesso em: 8 out. 2017.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT. Education At a Glance 2015. 2015. Disponível em: https://www.oecd.org/brazil/Education-at-a-glance-2015-Brazil-in-Portuguese.pdf. Acesso em: 8 out. 2017.

OSHIMA, F. Y. OCDE revela que mais da metade dos adultos brasileiros não tem ensino médio. Revista Época, Rio de Janeiro, 24 nov. 2015. Disponível em: http://epoca.globo.com/vida/noticia/2015/11/ocde-revela-que-mais-da-metade-dos-adultos-brasileiros-nao-tem-ensino-medio.html. Acesso em: 21 dez. 2017.

PAMPLONA, N. Falta trabalho para 27,7 milhões de pessoas, diz IBGE. Folha de São Paulo, 2018. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/05/falta-trabalho-para-277-milhoes-de-pessoas-diz-ibge.shtml. Acesso em: 17 maio 2018.

RAMOS, M. N. A Pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? São Paulo: Cortez, 2001.

SANTOS, B. F.; RIBEIRO, M. O Brasil está entre os piores em ranking mundial de educação. Revista Exame, 2016. Disponível em: https://exame.abril.com.br/brasil/brasil-esta-entre-os-8-piores-em-ciencias-em-ranking-de-educacao/. Acesso em: 23 nov. 2017.

SAVIANI, D. Sobre a concepção de politecnia. Rio de Janeiro: EPSJV/FIOCRUZ, 1989.

SHIROMA, E. O.; MORAES, M. C. M.; EVANGELISTA, O. Política educacional. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

SILVA, K. N. P.; RAMOS, M. O ensino médio integrado no contexto da avaliação por resultados. Educação e Sociedade, p. 1-17, 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/2018nahead/1678-4626-es-es0101-73302018186794.pdf. Acesso em: 23 jan. 2018.

VIEIRA, E. A. Estado e miséria social no Brasil: de Getúlio a Geisel. São Paulo: Cortez, 1983.

Publicado
19-02-2019
Como Citar
Favoreto, A., Figueiredo, I., & Deitos, R. (2019). Políticas educacionais para o Ensino Médio: a inclusão educacional/exclusão social como intenção e gesto. Roteiro, 44(1), 1-24. https://doi.org/10.18593/r.v44i1.16469
Seção
Artigos de demanda contínua