Magistério: que lugar é esse?

Palavras-chave: Ensino médio, Ensino superior, Formação de professores, Política pública

Resumo

A formação de professores para a Educação Infantil e anos iniciais do Ensino Fundamental tinha como lócus para acontecer no nível médio. Em 1996, com a promulgação da LDB n. 9.394, essa modalidade de formação docente foi imersa em um ambíguo contexto. Ao mesmo tempo que a legislação prevê a formação docente em nível superior, o curso de Magistério permanece em funcionamento, e, assim, professores que se formam neste continuam sendo contratados. Este artigo foi elaborado a partir de uma pesquisa documental, a qual teve por objetivo analisar a política de formação dos professores. Os objetivos específicos foram contextualizar a formação de professores em nível médio no Brasil, além disso, discutir a política de formação de professores a partir da metodologia de análise Abordagem do Ciclo de Políticas proposta por Ball e seus colaboradores. A discussão está ancorada principalmente em Ball, Foucault, Mainardes, Tanuri, Villela e Schaffrath. Apesar de haver leis que apontam o nível superior como lócus privilegiado para a formação do professor, elas não significaram o fim da formação em nível médio. O mesmo sistema educacional que coloca em xeque a formação de professores em nível médio oferece essa formação e contrata os docentes formados por ela. A formação em nível médio e em nível superior coabitam no contexto da prática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lilian Alves Pereira, Universidade Regional de Blumenau- FURB

Mestre em educação pela Universidade Regional de Blumenau. Licenciada em Pedagogia pela Universidade Federal de Alfenas. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Políticas de Educação na Contemporaneidade.

Gicele Maria Cervi

Doutora em Ciências Sociais, é professora e coordenadora do Programa de Pós-graduação da Universidade
Regional de Blumenau. Coordenadora o grupo de pesquisa Políticas de Educação na Contemporaneidade.

Referências

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DAS FUNDAÇÕES EDUCACIONAIS. Edital Processo Seletivo ACT Educação Básica. 2016. Disponível em: http://www.acafe.org.br. Acesso em: 13 maio 2016.

BALL, S. J. Educational reform: a critical and post-structural approach. Buckingham: Open University Press, 1994.

BANCO MUNDIAL. Prioridades y estrategias para la educación: examen del Banco Mundial. Washington: Banco Mundial, 1996.

BLUMENAU. Edital n. 004, de 27 de julho de 2015. A secretária de educação, no uso de suas atribuições legais e regulamentares, torna público o Edital de abertura para realização do Processo Seletivo Público Simplificado nº 004/2015, destinado ao preenchimento de vagas temporárias para o quadro de pessoal da Secretaria Municipal de Educação para os anos letivos de 2016 e 2017 [...] Processo Seletivo Público Simplificado nº 004/2015 será de responsabilidade da FURB – Universidade Regional de Blumenau. Blumenau: Secretaria Municipal de Educação, 2015. Disponível em: http://www.blumenau.sc.gov.br/atas/viewpublicconcurso.aspx?52. Acesso em: 03 jun. 2017.

BRASIL. Lei n. 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 dez. 1961.

BRASIL. Lei n. 5.962, de 11 de agosto de 1971. Fixa as Diretrizes e Bases para o ensino de 1º e 2º graus, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 11 ago. 1971.

BRASIL. Lei n. 9.394, 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 dez. 1996.

BRASIL. Lei n. 12.796, de 04 de abril de 2013. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 04 abr. 2013.

BRASIL. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 jun. 2014.

BRASIL. Lei n. 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis nºs 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, [...] e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 fev. 2017.

COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA E O CARIBE. Transformación Productiva com Equidad: la tarea prioritária del desarrollo de América Latina y el Caribe em el los años noventa. Santiago do Chile: Naciones Unidas Comision Economica para América Latina y Caribe, 1990.

DAROS, M. D.; DANIEL, L. S. O curso Normal em Santa Catarina: o processo de construção de um projeto de formação de professores coadunado com ideais de nacionalização e “cientifização” do ensino. In: ARAUJO, J. C.; FREITAS, A. M. B.; LOPES, A. de P. C. (org.). As escolas normais no Brasil: do Império à República. Campinas: Alínea, 2008. p. 29-45.

DELORS, J. Educação: um tesouro a descobrir. Brasília, DF: Cortez: MEC: UNESCO, 1998.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. 6. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002a.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2002b.

LAUGLO, J. Crítica às prioridades e estratégias do Banco Mundial para a educação. Cadernos de Pesquisa, n. 100, p. 11-36, 2013.

MAINARDES, J. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educação e Sociedade, v. 27, n. 94, p. 47-69, 2006.

MAINARDES, J.; MARCONDES, M. I. Entrevista com Stephen J. Ball: um diálogo sobre justiça social, pesquisa e política educacional. Educação e Sociedade, Campinas, v. 30, n. 106, p. 303-318, jan./abr. 2009.

NUNES, C. A escola reinventa a cidade. In: HERSCHMANN, M. M.; PEREIRA, C. A. M. (org.). A invenção do Brasil Moderno: medicina, educação e engenharia nos anos 20-30. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

NUNES, C. (Des)Encantos da Modernidade Pedagógica. In: FILHO, L. M. F.; LOPES, E. M. T.; VEIGA, C. G. (org.). 500 Anos de Educação no Brasil. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. p. 371-398.

RABELO, A. O.; MARTINS, A. M. A mulher no magistério brasileiro: um histórico sobre a feminização do magistério. In: CONGRESSO LUSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 6., 2006, Uberlândia. Anais... Uberlândia, 2006. p. 6167-6176.

ROMANELLI, O. O. História da Educação no Brasil (1930/1973). 26. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

SCHAFFRATH, M. A. S. A Escola Normal Catarinense de 1882: profissão e ornamento. 1999. 146 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação do Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1999.

SCHAFFRATH, M. A. S. A proposta curricular da Escola Normal Catarinense de 1892. In: DAROS, M. D.; SCHEIBE, L. (org.) Formação de Professores em Santa Catarina. 1. ed. Florianópolis: NUP/CED, 2002. p. 93-112.

SCHAFFRATH, M. A. S. Escola normal: o projeto das elites brasileiras para a formação de professores. In: ENCONTRO INTERDISCIPLINAR DE PESQUISA EM ARTES-FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ-FAP, 1., 2008, Curitiba. Anais... Curitiba, 2008.

SHIROMA, O. E.; MORAES, M. C. M.; EVANGELISTA, O. Política Educacional. 4. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2011.

TANURI, L. M. História da formação de professores. Revista Brasileira de Educação, n. 14, p. 61-88, 2000.

UNESCO. Boletim nº 31 do Proyecto Principal de Educación en América Latina y el Caribe. Santiago: Orealc, 1993.

UNESCO. Declaração Mundial sobre Educação para Todos (Conferência de Jomtien). Tailândia: 1990.

VARELA, J.; ALVAREZ-URIA, F. Arqueologia de la Escuela. Madrid: La Piqueta, 1991.

VILLELA H. O. S. O mestre-escola e a professora. In: LOPES, E. M. T.; FARIA FILHO, L. M.; VEIGA, C. G. (org.). 500 anos de educação no Brasil. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2011. p. 95-134.

VILLELA, H. O. S. A primeira escola normal do Brasil: concepções sobre a institucionalização da formação docente no século XIX. In: ARAUJO, J. C.; FREITAS, A. M. B.; LOPES, A. de P. C. (org.). As escolas normais no Brasil: do Império à República. Campinas: Alínea, 2008. p. 29-45.

Publicado
19-02-2019
Como Citar
PEREIRA, L. A.; CERVI, G. M. Magistério: que lugar é esse?. Roteiro, v. 44, n. 1, p. 1-20, 19 fev. 2019.
Seção
Artigos de demanda contínua