Escritores, relação com a escrita e experiência: um campo em educação artística

  • Paulo Nogueira Universidade do Porto - Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação / Faculdade de Belas Artes https://orcid.org/0000-0002-0584-1963
Palavras-chave: Interpretação, Experiência, Relação com a escrita

Resumo

O objetivo neste ensaio é apresentar parte de um trabalho de interpretação resultante de uma investigação narrativa e biográfica realizada com escritores portugueses, cujo objeto incidiu na “relação com a escrita” (2006-2012). Tal trabalho constituiu-se numa exploração biográfica das narrativas de vida de Manuel António Pina, Mário Cláudio, Ana Luísa Amaral, Luísa Dacosta e Jorge Velhote, no âmbito da qual procurou se aceder ao cosmos vivencial que foi e é a atividade de escrita daqueles escritores e, no contexto mais vasto, dos seus itinerários de vida literária e educativa. A abordagem em torno dessa questão, mesmo se já alguns anos passados desde que a construímos, continua a permitir-nos refletir a respeito dos movimentos singulares que tecem os modos de viver a experiência da escrita. Tendo por base esse quadro, com o presente texto pretendemos contribuir para alguma reflexão em educação artística.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Nogueira, Universidade do Porto - Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação / Faculdade de Belas Artes

Professor Auxiliar da FPCE-UPorto e na Faculdade de Belas Artes no Doutoramento em Educação Artística. Membro da Comissão Cientifica do Doutoramento em Educação Artística (UPorto e ULisboa).

Doutorado em Ciências da Educação (UP).

Membro investigador do CIIE/FPCEUP e membro colaborador do i2ADS/FBAUP.

Docente das seguintes cadeiras: Oficina de Escrita; Investigação e Docência em Artes Visuais; Educação, Arte e Cultura.

Referências

BARTHES, R. Escritores, intelectuais, professores e outros ensaios. Lisboa: Presença, 1975.

BENJAMIN, W. Sobre arte, técnica, linguagem e política. Lisboa: Relógio d’Água, 1992.

DELEUZE, G. Difference and repetition. NY: Columbia University Press, 1995. Tradução de: Difference et Répétition.

DENZIN, N. Interpretative Interactionism. London: Sage Publications, 2001.

GADAMER, H.-G. Texto e Interpretação. In: BORGES-DUARTE, I.; HENRIQUES, F.; DIAS, I. M. (Org.). Texto, Leitura e Escrita. Porto: Porto Editora, 2000.

GENETTE, G. Palimpsests. La littérature au second degré. Paris: Éditions du Seuil, 1982.

LARROSA, J. B. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação, n. 19, p. 20-28, jan./abr. 2002.

LARROSA, J. Pedagogia Profana. Danças, piruetas e mascaradas. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

NOGUEIRA, P. Escrita, escritores e «relação com a escrita». Para uma abordagam narrativa e biográfica em educação. Saarbrucken: Omniscriptum, 2015.

PENLOUP, M.-C. La tentation du littéraire. Essai sur le rapport à la l’écriture du scripteur «ordinaire». Paris: CREDIF Essais, 2000.

RICOEUR, P. Teoria da Interpretação. Lisboa: Edições 70, 1996.

RICOEUR, P. Time and Narrative – I. Chicago: University of Chicago Press, 1983.

Publicado
19-12-2018
Como Citar
NOGUEIRA, P. Escritores, relação com a escrita e experiência: um campo em educação artística. Roteiro, v. 43, n. 3, p. 1071-1088, 19 dez. 2018.