Relações entre cultura organizacional e trabalho docente no Instituto Federal do Rio Grande do Norte

Palavras-chave: Educação profissional, Cultura organizacional, Trabalho docente

Resumo

No presente estudo objetivou-se analisar as relações entre os construtos Cultura Organizacional e Trabalho Docente no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN), mediante a proposta de expansão da educação profissional no Brasil. Para tanto, recorreu-se à construção de um modelo teórico apoiado, principalmente, nas discussões de Torres (2004) sobre cultura escolar, cultura organizacional escolar e cultura organizacional de escola e nas discussões de Mancebo (2007) sobre precarização, intensificação, flexibilização, descentralização e avaliação do trabalho docente. Recorreu-se ao método do estudo de caso, que adotou o IFRN como campo de observação. Para o levantamento dos dados foi administrado um inquérito por meio de questionário a 213 professores. Os resultados obtidos sugerem como destaque, entre as variáveis de cultura organizacional, aquela voltada para os valores e normas organizacionais, sendo esta a principal variável a influenciar na realização do trabalho do professor, com ênfase para a sua (in)satisfação com a remuneração recebida, para a precarização das condições de trabalho e a intensificação do trabalho docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

APPLE, M. W. A política do conhecimento oficial: faz sentido a idéia de um currículo nacional? In: MOREIRA, A. F.; SILVA, T. T. (Org.). Currículo, Cultura e Sociedade. São Paulo: Cortez, 1994. p. 59-91.

APPLE, M. W. Trabalho docente e textos: economia política das relações de classe e de gênero em educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

BACELAR, I. V. Escola, descentralização e autonomia. Revista de Administração Educacional, v. 1, n. 1, p. 27-37, jul./dez. 1997.

BALL, S. J. Performatividades e fabricações na economia educacional: rumo a uma sociedade performativa. Educação e Realidade, v. 35, n. 2, p. 37-55, maio/ago. 2010. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/15865/9445>. Acesso em: 03 jul. 2013.

BALL, S. J. Reformar escolas/reformar professores e os terrores da performatividade. Revista Portuguesa de Educação, v. 15, n. 2, p. 3-23, 2002.

BALL, S. J. The teacher’s soul and the terrors of performativity. Journal of Education Policy, v. 18, n. 2, p. 215-228, 2003.

BARROSO, J. Políticas educativas e organização escolar. Lisboa: Universidade Aberta, 2005.

BRASIL. Plano Diretor de Reforma do Aparelho do Estado. Brasília, DF, nov. 1995.

BRASIL. Termo de acordo de metas e compromissos. Brasília, DF, mar. 2009. Disponível em: <http://portal.ifrn.edu.br/institucional/planejamento/arquivos/acordo-de-metas-e-compromissos-2010-2022>. Acesso em: 10 abr. 2015.

BRZEZINSK, I.; GARRIDO, E. Trabalho docente: mapeando a pesquisa em teses e dissertações brasileiras. Educação e Linguagem, n. 15, p. 60-81, jan./jul. 2007.

BYRNE, B. M. Structural equation modeling with AMOS, EQS, and LISREL: comparative approaches to testing for the factorial validity of a measuring instrument. International Journal of Testing, v. 1, i. 1, p. 55-86, 2001.

CANDIDO, A. A estrutura da escola. In: PEREIRA, L.; FORACCHI, M. M. (Org.). Educação e sociedade: leituras de sociologia da educação. São Paulo: Nacional, 1977. p. 107-128.

CHERVEL, A. Le culture scolaire: une approche historique. Paris: Belin, 1998.

COCHRAN, W. G. Sampling techniques. New York: John Wiley & Sons, 1977.

ELLIOT, J. Characteristics of performative cultures: their central paradoxes and limitations as resources for educational reform. In: GLEESON, D.; HUSBANDS, C. (Ed.). The performance school: managing, teaching and learning in a performative culture. New York: Routledge Falmer, 2001. p. 192-209.

FREITAS, H. C. L. Formação de professores no Brasil: 10 anos de embate entre projetos de formação. Educação e Sociedade, v. 23, n. 80, p. 136-167, set. 2002.

GARCIA, M. M. A.; ANADON, S. B. Reforma educacional, intensificação e autointensificação do trabalho docente. Educação e Sociedade, v. 30, n. 106, p. 63-86, jan./abr. 2009.

GIANEZINI, Q. A expansão dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (IFETs) no Rio Grande do Sul e o ensino jurídico. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 25., São Paulo, 2011. Anais... São Paulo: ANPAE, 2011.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas, 1994.

GOMES, R. Culturas de escola e identidades dos professores. Lisboa: Educa, 1993.

HAIR JÚNIOR, J. F. et al. Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HARGREAVES, A. Os professores em tempos de mudança: o trabalho e a cultura dos professores na idade pós-moderna. Lisboa: Mc Graw-Hill, 1998.

HARGREAVES, A. Profesorado, cultura y postmodernidad: cambian los tiempos, cambia el professorado. Madrid: Morata, 1995.

HYPOLITO, Á. Global educational restructuring, school organizations, and teachers: the effects of conservative andcounter-hegemonic educational policies on teachers’ work in Brazil. PhD Dissertation. University of Wisconsin, Madison, 2005.

HYPOLITO, Á.; VIEIRA, J. S.; PIZZI, L. C. V. Reestruturação Curricular e auto-intensificação do trabalho docente. Currículo sem Fronteiras, v. 9, n. 2, p. 100-112, jul./dez. 2009.

INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE. Resolução n. 5, de 21 de março de 2014. Aprova Normas Relativas à Carga Horária Docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. 21 mar. 2014. Disponível em: <http://portal.ifrn.edu.br/conselhos/consup/resolucoes/2014/resolucao-no-05-2014/view>. Acesso em: 10 set. 2015.

LIMA, L. C. A Escola como organização e a participação na organização escolar - um estudo da escola secundária em Portugal (1974-1988). Braga: Universidade do Minho, 1992.

LIMA, L. C. Para o estudo da evolução do ensino e da formação em Administração educacional em Portugal. Revista da Faculdade de Educação/USP, v. 23, n. 1-2, p. 91-123, jan./dez. 1997.

MANCEBO, D. Agenda de pesquisa e opções teórico-metodológicas nas investigações sobre trabalho docente. Educação e Sociedade, v. 28, n. 99, maio/ago. 2007.

MARTIN, J. Cultures in organizations: three perspectives. New York: Oxford University; London: Sage, 1992. p. 58-76.

MCLAREN, P. Multiculturalismo crítico. São Paulo: Cortez, 1997.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Expansão da educação superior e profissional e tecnológica: mais formação e oportunidades para os brasileiros. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/expansao/images/APRESENTACAO_EXPANSAO_EDUCACAO_SUPERIOR14.pdf>. Acesso em: 22 ago. 2015.

MOREIRA, A. F. Neoliberalismo, currículo nacional e avaliação. In: SILVA, L. H.; AZEVEDO, J. C. (Org.). Reestruturação curricular: teoria e prática no cotidiano da escola. Petrópolis: Vozes, 1995.

NÓVOA, A. (Org.). As organizações escolares em análise. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

OLIVEIRA, D. A. O trabalho docente na América Latina: identidade e profissionalização. Retratos da Escola, v. 2, n. 2-3, p. 29-40, jan./dez. 2008.

OLIVEIRA, D. A. Regulação das políticas educacionais na América Latina e suas consequências para os trabalhadores docentes. Educação e Sociedade, v. 26, n. 92, p. 753-776, out. 2005.

PACHECO, E. Institutos Federais: uma revolução na Educação Profissional e Tecnológica. São Paulo: Moderna, 2011.

SANTOS, L. L. C. P. Formação de professores na cultura do desempenho. Educação e Sociedade, v. 25, n. 89, p. 1145-1157, set./dez. 2004.

SANTOS, M. P.; CASTRO, C. B. As relações entre escola e cultura sob o olhar da sociologia da educação: uma abordagem sistêmica. Imagens da Educação, v. 2, n. 3, p. 69-78, 2012.

SANTOS, W. S. O caráter organizacional e cultural da gestão escolar: breves anotações. Acta Scientiarum Human and Social Sciences, v. 31, n. 2, p. 151-157, 2009.

SISTEMA UNIFICADO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. 2015. Disponível em: <https://suap.ifrn.edu.br/accounts/login/?next=/>. Acesso em: 10 maio 2015.

STAKE, R. E. Investigación con estudio de casos. Madrid: Morata, 1999.

TENTI FANFANI, E. La condición docente: datos para el análisis comparado Argentina, Brasil, Perú y Uruguay. Buenos Aires: Siglo Veintiuno, 2007.

TORRES, L. L. Cultura organizacional em contexto educativo: sedimentos culturais e processos de construção do simbólico numa Escola Secundária. Braga: Centro de Investigação em Educação da Universidade do Minho, 2004.

TORRES, L. L. Cultura organizacional em contexto escolar. In: LIMA, L. C. (Org.). Perspectivas de análise organizacional das escolas. Vila Nova de Gaia: Fundação Manuel Leão, 2011. p. 109-152.

TORRES, L. L. Cultura organizacional escolar: representações dos professores numa escola portuguesa. Oeiras: Celta Editora, 1997.

TORRES, L. L. Culturas de escola e celebração da excelência: Cartografia das distinções em Portugal. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 41, p. 1419-1438, 2015. Edição especial.

TORRES, L. L. Liderança singular na escola plural: as culturas da escola perante o processo de avaliação externa. Revista Lusófona de Educação, n. 23, p. 51-76, 2013.

VAN MAANEN, J. Reclaiming qualitative methods for organizational research: a preface. Administrative Science Quarterly, v. 24, i. 4, p. 520-526, dez. 1979.

Publicado
06-12-2018
Como Citar
MEDEIROS, J. P. DE; TORRES, L. L. Relações entre cultura organizacional e trabalho docente no Instituto Federal do Rio Grande do Norte. Roteiro, v. 43, n. esp, p. 241-272, 6 dez. 2018.
Seção
Dossiê Comemorativo Roteiro 40 anos

Most read articles by the same author(s)