As narrativas das crianças sobre as práticas educativas do Movimento de Mulheres Camponesas

  • Zenaide Collet Unochapecó
  • Maurício Roberto da Silva
Palavras-chave: Movimento de Mulheres Camponesas, Crianças camponesas, Práticas educativas

Resumo

Com o presente artigo tem-se o intuito de divulgar, por meio das narrativas capturadas de depoimentos orais, a voz da criança camponesa, colocando em destaque suas representações em diálogo com as mães-militantes. A pergunta-problema que orientou a pesquisa foi: no âmbito do diálogo entre crianças e mulheres-mãe militantes, quais as representações sociais sobre o processo formativo e as práticas educativas construídas nas lutas do Movimento de Mulheres Camponesas? Na perspectiva epistemológica, tomamos como referência algumas reflexões sobre as leis e categorias da dialética materialista da história em articulação com alguns aportes do pensamento freireano. Inspiramo-nos na abordagem teórico-metodológica do Círculo Epistemológico de Cultura (CEC), realizado concomitantemente com os encontros de mulheres. Em termos de conclusões provisórias, foi possível perceber nas narrativas que as crianças conhecem os meandros político-pedagógicos das práticas educativas e desejam participar de um projeto popular igualitário em um ambiente político-social de militância.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Zenaide Collet, Unochapecó
Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Stricto Sensu da Unochapecó. Professora da Rede Pública Estadual em Quilombo - SC. Militante do Movimento de Mulheres Camponesas (MMC). Bolsista da UNIEDU/FUMDES.
Maurício Roberto da Silva
Doutor em Ciências Sociais Aplicadas à Educação –DECISARE-UNICAMP e Pós-Doutor pela Universidade do Minho- Portugal. Professor aposentado da Universidade Federal de Santa Catarina e ex-professor do Programa de Pós-Graduação em Educação Stricto Sensu da Unochapecó.

Referências

ASSOCIAÇÃO DE MULHERES TRABALHADORAS RURAIS DA REGIÃO SUL DO BRASIL. Mulheres camponesas em defesa da saúde e da vida. Chapecó: [s.n.], 2008. Cartilha.

ARENHART, D. Infância, Educação e MST: quando as crianças ocupam a cena. Chapecó: Argos, 2007.

AUED, B. W.; VENDRAMINI, C. (Org.). A persistência do trabalho infantil na indústria e na agricultura em Santa Catarina no contexto brasileiro. Florianópolis: Insular, 2009.

AUED, B. W. (Org.). Nossas Histórias. Florianópolis: Insular, 2007.

BENEDETTI, M. Por que cantamos. In: Antologia poética. Rio de Janeiro: Record, 1988.

BOAL, A. Jogos para atores e não-atores. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

CALDART, R.; STEDILE, M. E.; DAROS, D. (Org.). Caminhos para transformação da escola 2: agricultura camponesa, educação politécnica e escolas do campo. São Paulo: Expressão Popular, 2015.

CARVALHO, H. M. (Org.). Sementes: patrimônio do povo a serviço da humanidade. São Paulo: Expressão Popular, 2003.

CINELLI, C.; SANTOS, G. R. S. Feminismo e agroecologia. Revista Camponesa, Chapecó, n. 3, p. 7-13, nov. 2015.

CONTE, I. I. O processo educativo da luta e do trabalho das mulheres: via campesina no Brasil, UNORCA/UNMIC e CONAMI no México. 2014. 197 p. Tese (Doutorado em Educação)–Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

CRUZ, K. C. M. S.; VIEGAS, G. L.; VIANA, C. A. S. O acesso da agricultura familiar brasileira às políticas públicas: a evolução do Programa de Aquisição de Alimentos. [S.l.]: Companhia Nacional de Abastecimento, 2010. Disponível em: <https://goo.gl/EC5ocV>. Acesso em: 22 maio 2017.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 50. ed. São Paulo: Saraiva, 2014.

KRAMER, S.; LEITE, M. I. (Org.). Infância: fios e desafios da pesquisa. 2. ed. Campinas: Papirus, 1997.

LAMARE, F. F. “Ser criança” no Brasil: concepções e disputas na sociedade de classes. Revista Trabalho Necessário, Rio de Janeiro, n. 24, p. 145-175, maio/ago. 2016.

LANG, A. B. da S.G.; CAMPOS, M. C. S. S; DEMARTINI, Z. de B. F. História Oral, Sociologia e Pesquisa: a Abordagem do CERU. São Paulo: Humanitas, 2010.

LÁ VIA CAMPESINA. Organizaciones se unen para fortalecer lucha por la soberanía alimentaria. Hahare, Zimbábue, 09 set. 2013. Disponível em: <https://goo.gl/kqn9SF>. Acesso em: 23 out. 2017.

LEITE, M. I. F. P. Brincadeiras de menina na escola e na rua: reflexões da pesquisa no campo. Cadernos Cedes, Campinas, n. 56, p. 63-80, 2002.

LEITE, M. I. F. P. O que falam de escola e saber as crianças da área rural? Um desafio da pesquisa no campo. In: KRAMER, S.; LEITE, M. I. F. P. (Org.). Infância: fios e desafios da pesquisa. 2. ed. Campinas: Papirus, 1997. p. 73-96.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

MOVIMENTO DE MULHERES AGRICULTORAS. A Mulher Agricultora. Chapecó: Montagem de distribuição Serviço de Apoio e Informação, [198?]. Cartilha para os grupos de Base nº 1.

MOVIMENTO DE MULHERES CAMPONESAS EM SANTA CATARINA. Relatório da oficina de saúde integral. Tema: plantas medicinais e princípio ativo. Irati, 05 maio 2015.

MOVIMENTO DE MULHERES CAMPONESAS EM SANTA CATARINA. Uma história de organização, lutas e conquistas. Santa Catarina: Gráfica Rota, 2008. Cartilha.

MUYLAERT, C. J. et al. Entrevistas narrativas: um importante recurso em pesquisa qualitativa. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 48, n. 2, p. 193-199, 2014. Edição Especial. Disponível em: <https://goo.gl/4Fvzir>. Acesso em: 05 abr. 2014.

NUTTALL, C. Agrofloresta para crianças: uma sala de aula ao ar livre. Lauro de Freitas: Instituto de Permacultura da Bahia, 1999.

PAULILO M. I. S.; MATIAS, I. A. A. Mulheres e eucaliptos. In: PAULILO, M. I. S. (Org.). Mulheres rurais: quatro décadas de diálogo. Florianópolis: Ed. UFSC, 2016. p. 221-228.

PERROTTI, E. A criança e a produção cultural. In: ZILBERMANN, R. (Org.). A produção cultural da criança. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1990.

ROMÃO, J. E. et al. Círculo epistemológico círculo de cultura como metodologia de pesquisa. Educação & Linguagem, São Paulo, n. 13, p. 173-195, jan./jun. 2006.

SAFFIOTI, H. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. 3. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

SAFFIOTI, H. Gênero, patriarcado, violência. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2015.

SAFFIOTI, H. Prefácio. In: SILVA, M. A. M. (Org.). Errantes do Fim do Século. São Paulo: Ed. Unesp, 1999. p. 8-9.

SILVA, M. R. Recortando e colando as imagens da vida cotidiana do trabalho e da cultura lúdica das meninas-mulheres e das mulheres-meninas. Cadernos Cedes, Campinas, n. 56, p. 23-52, 2002.

SILVA, M. R. Trama Doce-amarga (exploração do) trabalho infantil e cultura lúdica. Ijuí: Ed. Unijuí, 2003.

Publicado
06-12-2018
Como Citar
COLLET, Z.; SILVA, M. R. DA. As narrativas das crianças sobre as práticas educativas do Movimento de Mulheres Camponesas. Roteiro, v. 43, n. esp, p. 399-428, 6 dez. 2018.
Seção
Artigos de demanda contínua