Perceções dos docentes sobre a avaliação externa das escolas em Portugal

  • Joana Raquel Faria de Sousa Instituto de Educação da Universidade do Minho (UM); Centro de Investigação em Educação da Universidade do Minho (CIEd), Braga, Portugal. https://orcid.org/0000-0002-6911-7413
  • José Augusto Pacheco Instituto de Educação da Universidade do Minho (UM); Centro de Investigação em Educação da Universidade do Minho (CIEd), Braga, Portugal. https://orcid.org/0000-0003-4623-6898
Palavras-chave: Avaliação externa das escolas, Avaliação institucional, Inspeção das escolas, Currículo

Resumo

O estudo apresentado neste artigo surge de uma investigação realizada no âmbito do Observatório de Autoavaliação de Escolas, tendo por objetivo principal compreender tendências nas perceções dos docentes sobre os efeitos da Avaliação Externa das Escolas (AEE) na realidade portuguesa. Através de um estudo quantitativo, baseado num inquérito por questionário dirigido a docentes de Agrupamentos de Escolas e Escolas não Agrupadas da rede do Ministério da Educação, na região Norte de Portugal, são analisados os resultados com base no processamento de dados estatísticos, dos quais são enfatizadas duas tendências principais: a perceção dos docentes relativamente à influência da AEE na dinamização dos órgãos intermédios de gestão, na articulação curricular, nos mecanismos de qualidade que promovem a educação, na discussão sobre a organização interna da escola, na orientação para os resultados de aprendizagem dos alunos, na Avaliação Externa de Aprendizagens, no desenvolvimento profissional dos docentes e na promoção da imagem social da escola; e a indefinição da perceção dos docentes relativamente à melhoria dos apoios pedagógicos e à contribuição para a diferenciação curricular, como efeito da AEE.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joana Raquel Faria de Sousa, Instituto de Educação da Universidade do Minho (UM); Centro de Investigação em Educação da Universidade do Minho (CIEd), Braga, Portugal.
Mestre em Ciências da Educação pelo Instituto de Educação da Universidade do Minho (UM), Braga, Portugal; Doutoranda em Ciências da Educação, especialização em Desenvolvimento Curricular no Instituto de Educação da Universidade do Minho, Portugal, com bolsa de doutoramento da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT - SFRH/BD/93389/2013).
José Augusto Pacheco, Instituto de Educação da Universidade do Minho (UM); Centro de Investigação em Educação da Universidade do Minho (CIEd), Braga, Portugal.

Professor Doutor em Ciências da Educação pelo Instituto de Educação da Universidade do Minho (UM), Braga, Portugal; Professor Catedrático em Ciências da Educação no Instituto de Educação da Universidade do Minho (UM), Braga, Portugal; Presidente do Instituto de Educação da Universidade do Minho, (UM), Braga, Portugal.

Referências

AFONSO, A. Do desequilíbrio do pilar da autoavaliação no modelo de avaliação externa: apontamentos. In: CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (Org.). Avaliação Externa das Escolas. Lisboa: Conselho Nacional de Educação, 2015. p. 217-225. Disponível em: <http://www.cnedu.pt/content/edicoes/seminarios_e_coloquios/LIVROCNE_AVALIA%C3%87%C3%83O_EXTERNA_DAS_ESCOLAS.pdf>. Acesso em: 12 fev. 2017.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Conselho Nacional de Educação. [2015]. Disponível em: <http://www.cnedu.pt/pt/apresentacao/missao>. Acesso em: 11 jan. 2017.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Parecer n.º 3/2010, 9 de junho de 2010. Parecer sobre avaliação externa das escolas (2007-2009). Disponível em: < http://www.cnedu.pt/content/antigo/images/stories/Publicao_Parecer_AEE.pdf>. Acesso em: 11 jan. 2017.

CORTESÃO, L. A avaliação formativa – que desafios? Porto: Edições Asa, 1993.

DIAS SOBRINHO, J. Avaliação Educativa: produção de sentidos com valor de formação. Avaliação, Campinas, SP, v. 13, n. 1, p. 193-207, mar. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/aval/v13n1/a11v13n1.pdf>. Acesso em: 18 fev. 2017.

DIAS SOBRINHO, J. Avaliação institucional, instrumento da qualidade educativa. A experiência da Unicamp. In: SOBRINHO, J. D.; BALZAN, N. C. (Org.). Avaliação institucional: Teoria e experiências. São Paulo: Cortez Editora, 1995. p. 53-86.

EUROPEAN COMISSION/EACEA/EURYDICE. Garantia da Qualidade na Educação: Políticas e Abordagens à Avaliação das Escolas na Europa. Relatório Eurydice. Luxemburgo: Serviço de Publicações da União Europeia, 2015a. Disponível em: <http://eacea.ec.europa.eu/education/eurydice>. Acesso em: 09 jan. 2017.

EUROPEAN COMMISSION/EACEA/EURYDICE. The Teaching Profession in Europe: Practices, Perceptions, and Policies. Eurydice Report. Luxembourg: Publications Office of the European Union, 2015b. Disponível em: <http://eacea.ec.europa.eu/education/eurydice/documents/thematic_reports/184EN.pdf>. Acesso em: 16 fev. 2017.

FIALHO, I. A qualidade de ensino e a avaliação das escolas em Portugal. Contributos para a sua história recente. Educação: Temas e problemas, Évora, n. 7, v. 4, p. 99-116, 2009.

FITZPATRICK, J. L.; SANDERS J. R.; WORTHEN, B. R. Program Evaluation. Alternative approaches and practical guidelines. 4. ed. New Jersey: Pearson Education, Inc., 2012.

FREEMAN, R.; STURDY, S. Knowledge in Policy: Embodied, Inscribed, Enacted. Bristol: Policy Press, 2015.

FULLAN, M. The meaning of educational change. In: FULLAN, M. The new meaning of educational change. New York: Teachers College Press, 1991. p. 30-46.

INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO. Quadro de Referência para a Avaliação de Escolas e Agrupamentos de Escolar. Avaliação Externa das Escolas 2010-2011. 2010. Disponível em: <http://www.ige.min-edu.pt/upload/AEE_2011/AEE_10_11_Quadro_Referencia.pdf>. Acesso em: 16 jan. 2017.

INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO. Avaliação Externa das Escolas: Avaliar para a melhoria e a confiança - 2006-2011. Lisboa: Ministério da Educação, 2011a. Disponível em: <http://www.ige.min-edu.pt/upload/Relatorios/AEE_2006_2011_RELATORIO.pdf>. Acesso em: 05 jan. 2017.

INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO. Propostas para um novo ciclo de avaliação externa de escolas. Relatório Final do Grupo de Trabalho. Lisboa: Ministério da Educação, 2011b. Disponível em: <http://www.ige.min-edu.pt/upload/Relatorios/AEE2_GT_2011_RELATORIO_FINAL.pdf>. Acesso em: 5 jan. 2017.

INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Avaliação Externa das Escolas. [2011b]. Disponível em: <http://www.ige.min-edu.pt/content_01.asp?BtreeID=03/01&treeID=03/01/03/00&auxID=>. Acesso em: 16 jan. 2017.

INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Escala de avaliação. Avaliação Externa das Escolas 2016-2017. Lisboa: Inspeção-Geral da Educação e Ciência. 2016a. Disponível em: <http://www.ige.min-edu.pt/upload/AEE_2016-2017/AEE_16_17_(3)_Escala_de_Avaliacao.pdf>. Acesso em: 16 jan. 2017.

INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Quadro de Referência para a Avaliação Externa das Escolas. Avaliação Externa das Escolas 2016-2017. Lisboa: Inspeção-Geral da Educação e Ciência, 2016b. Disponível em: <http://www.ige.min-edu.pt/upload/AEE_2016-2017/AEE_16_17_(1)_Quadro_de_Referencia.pdf>. Acesso em: 16 jan. 2017.

INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Metodologia do Sistema de AEE. Lisboa: Inspeção-Geral da Educação e Ciência, 2016c. Disponível em: <http://www.ige.min-edu.pt/upload/AEE_2016-2017/AEE_16_17_(4)_Metodologia.pdf>. Acesso em: 16 jan. 2017.

MARCHESI, A. Mudança educativa e avaliação das escolas. In: AZEVEDO, J. (Org.). Avaliação das escolas: consensos e divergências. Porto: Edições Asa, 2002. p. 33-49.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Educação e Formação em Portugal. Lisboa: Ministério da Educação, 2007. Disponível em: <http://www.dgeec.mec.pt/np4/97/%7B$clientServletPath%7D/?newsId=147&fileName=educacao_formacao_portugal.pdf>. Acesso em: 18 jan. 2017.

OLIVEIRA, P. et al. Relatório final da actividade do Grupo de Trabalho para Avaliação das Escolas. Lisboa: Ministério da Educação, 2006. Disponível em: <http://www.ige.min-edu.pt/upload/Relatorios/AEE_06_RELATORIO_GT.pdf>. Acesso em: 25 jul.2017.

PACHECO, J. A. Resultados globais do Projeto. In: BARREIRA, C.; BIDARRA, M.; VAZ-REBELO, M. (Orgs.). Estudos sobre Avaliação Externa de Escolas. Porto: Porto Editora, 2016, p. 263-271.

PACHECO, J. A. Relatório Final do Projeto de Investigação “Impacto e Efeitos da Avaliação Externa de Escolas do Ensino não Superior”. Braga: Universidade do Minho, 2015. Disponível em: <http://webs.ie.uminho.pt/avaliacaoexternaescolas/Relat%C3%B3rio%20%20AEENS.%202015..pdf>. Acesso em: 6 ago. 2017.

PORTUGAL. Decreto Regulamentar n.º 15/2012, de 27 de janeiro de 2012. Define a Inspeção-Geral da Educação e Ciência como um serviço central da administração direta do Estado dotado de autonomia administrativa. Disponível em: <http://www.ige.min-edu.pt/upload/Legisla%C3%A7%C3%A3o/Decreto_Regulamentar_15_2012.pdf>. Acesso em: 13 abr. 2017.

PORTUGAL. Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro de 2002. Aprova o sistema de educação e do ensino não superior, desenvolvendo o regime previsto na Lei n.º 46/86, de 14 de outubro (Lei de Bases do Sistema Educativo). Disponível em: <http://www.ige.min-edu.pt/upload/Legisla%E7%E3o/Lei_21_2002.pdf>. Acesso em: 01 fev. 2017.

SCRIVEN, M. The methodology of evaluation. In: TAYLOR R. W.; GANGE, R. M.; SCRIVEN, M. (Ed.). Perspectives of curriculum evaluation. Chicago: Rand McNally, 1967. p. 39-83.

SCRIVEN, M. Types of evaluation and types of evaluator. Evaluation Practice, n. 17, p. 151-162, 1996. Disponível em: <http://journals.sagepub.com/doi/pdf/10.1177/109821409601700207>. Acesso em: 19 jun. 2017.

THURLER, M. Inovar no Interior da Escola. Porto Alegre: Artmed, 2001.

Publicado
11-04-2018
Como Citar
SOUSA, J. R. F. DE; PACHECO, J. A. Perceções dos docentes sobre a avaliação externa das escolas em Portugal. Roteiro, v. 43, n. 1, p. 237-258, 11 abr. 2018.
Seção
Artigos de demanda contínua