O projeto assimilacionista português: o diretório pombalino sob um olhar decolonial

Palavras-chave: Diretório, Catequese indígena, Assimilacionismo, Decolonialidade

Resumo

A questão indígena no Brasil é permeada por inúmeras idas e vindas. Desde o período colonial, têm sido criadas, revogadas e recriadas diversas leis que versam sobre os direitos dos índios. Diante disso, o objetivo deste artigo é analisar desdobramentos da legislação indigenista criada pelo Marquês de Pombal: o Diretório dos índios, de 1755, e o Alvará de 1758. Entre outras medidas, esses dispositivos legais impõem a língua portuguesa em detrimento da “língua geral”, utilizada pelos jesuítas nos trabalhos pedagógicos e de catequese indígena. Consideramos que, mais do que normas e valores, foi imposta principalmente a cosmovisão do colonizador, e, sobre esse fato, precisamos lançar um olhar decolonial. Para analisar os impactos dessas medidas, apoiamo-nos em Walsh (2013), Carneiro da Cunha (1992), Dantas, Sampaio e Carvalho (1992), Garcia (2007), entre outros. Conforme veremos, o impacto dessas medidas resultou em uma política de assimilacionismo que contribuiu para a hibridação cultural de diversos povos indígenas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, M. R. C. de. A atuação dos indígenas na História do Brasil: revisões historiográficas. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 37, n. 75, p. 17-38, maio 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882017000200017&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 09 out. 2018.

ALMEIDA, M. R. C. de. Os índios na história do Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2010.

ALMEIDA, R. H. de. O diretório dos índios: um projeto de “civilização” no Brasil do século XVIII. Brasília, DF: Editora UnB, 1997. Disponível em: http://www.nacaomestica.org/diretorio_dos_indios.htm. Acesso em: 23 dez. 2015.

AMOROSO, M. R. Corsários no caminho fluvial: os Mura do rio Madeira. In: CARNEIRO DA CUNHA, M. (org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992, p. 297-310.

AMOROSO, M. R. Terra de índio: imagens em aldeamentos do império. São Paulo: Terceiro Nome, 2014.

BEOZZO, J. O. Leis e Regimentos das Missões: Política indigenista no Brasil. São Paulo: Loyola, 1983.

CANCELA, F. Recepção e tradução do Diretório dos índios na antiga Capitania de Porto Seguro: uma análise das Instruções para o governo dos índios. Revista História Social, Campinas, v. 2, p. 43-70, 2013.

CARNEIRO DA CUNHA, M. Política indigenista no século XIX. In: CARNEIRO DA CUNHA, M. (org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. p. 133-154.

COELHO, M. C. O Diretório dos Índios e as Chefias Indígenas: uma inflexão. Campos, Pará, v. 7, n. 1, p. 117-134, 2006.

DANTAS, B. G. Os índios em Sergipe. In: DINIZ, D. M. et al. (coord.). Textos para a História de Sergipe. Aracaju: Universidade Federal de Sergipe/BANESE, 1991. p. 19-60.

DANTAS, B. G.; SAMPAIO, J. A. L.; CARVALHO, M. do R. G. Os povos indígenas no Nordeste brasileiro: um esboço histórico. In: CARNEIRO DA CUNHA, M. (org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. p. 431-456.

FANON, F. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968. (Coleção Perspectivas do homem. Série Política).

FLEXOR, M. H. O. O Diretório dos índios do Grão-Pará e Maranhão e o Direito Indiano. Politeia: História e Sociedade, Vitória da Conquista, v. 2, n. 1, p. 167-183, 2002. Disponível em: http://periodicos.uesb.br/index.php/politeia/article/viewFile/160/174. Acesso em: 27 dez. 2015.

FLEXOR, M. H. O. A "civilização" dos índios e a formação do território do Brasil. Histedbr, Campinas, 2006. Disponível em:

http://www.histedbr.fae.unicamp.br/navegando/artigos_frames/artigo_073.html. Acesso em: 26 nov. 2015.

GARCIA, E. F. As diversas formas de ser índio: políticas indígenas e políticas indigenistas no extremo sul da América Portuguesa. 2007. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2007a.

GARCIA, E. F. O projeto pombalino de imposição da língua portuguesa aos índios e sua aplicação na América Meridional. Revista Tempo, Rio de Janeiro, v. 23, p. 23-38, 2007b.

GARDNER, G. Viagens no Brasil: principalmente nas províncias do norte e nos distritos do ouro e do diamante durante os anos de 1836-1841. Tradução: Albertino Pinheiro. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1942. (Série Brasiliana, v. 223).

ÍNDIOS. Compositor e intérprete: Renato Russo. In: Dois. Intérprete: Renato Russo. Rio de Janeiro: EMI-Odeon Brasil, 1986. 1 disco vinil (47 min).

JULIO, S. S. Mulheres indígenas na América Latina Colonial. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 28., 2015, Florianópolis. [Anais] [...]. Florianópolis, 2015. Disponível em:

http://www.snh2015.anpuh.org/resources/anais/39/1439240941_ARQUIVO_Anpuh2015.pdf. Acesso em: 26 jul. 2017.

KARASCH, M. Catequese e cativeiro: Política indigenista em Goiás, 1780-1889. In: CARNEIRO DA CUNHA, M. (org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. p. 397-412.

MATTOS, Y. de. A última inquisição: os meios de ação e funcionamento do Santo Ofício no Grão-Pará pombalino (1750-1774). Jundiaí: Paco Editorial, 2012.

MELATTI, J. C. Índios do Brasil. 9. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2014.

MENÉNDEZ, M. A. A área Madeira-Tapajós: situação de contato e relações entre colonizador e indígenas. In: CARNEIRO DA CUNHA, M. (org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. p. 281-296.

MIGNOLO, W. D. Local Histories/Global Designs: Coloniality, Subaltern Knowledges, and Border Thinking. 2. ed. Princetown/Oxford: Princetown University Press, 2012.

MONTEIRO, J. M. Negros da terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

NAVARRO, E. A. O último refúgio da língua geral no Brasil. Estudos Avançados, v. 26, n. 76, p. 245-254, 2012.

NOBRE, W. C. de A. História linguística do Sul da Bahia (1534-1940). Tese (Doutorado) – Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2015.

OLIVEIRA, J. P. de. Uma etnologia dos “índios misturados”? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais. Mana, v. 1, n. 4, p. 47-77, 1998. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-93131998000100003&script=sci_arttext. Acesso em: 29 mar. 2015.

OLIVEIRA, L. E. et al. A legislação pombalina e a história do ensino de línguas no Brasil. In: OLIVEIRA, L. E. et al. (org.). A legislação pombalina sobre o ensino de línguas: suas implicações na educação brasileira (1757-1827). Maceió: EDUFAL, 2010. p. 49-102.

PARAÍSO, M. H. B. O tempo da dor e do trabalho: a conquista dos territórios indígenas nos sertões do leste. Salvador: Edufba, 2014.

PERRONE-MOISÉS, B. Índios livres e índios escravos: os princípios da legislação indigenista no período colonial. In: CUNHA, Maria Manuela C. da. (org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Cia. Das Letras, 1992. p. 115-132.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder e classificação social. In: SOUSA SANTOS, Boaventura de; MENESES, M. P. (org.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2013.

RIBEIRO, E. R. George Gardner entre os índios do sertão. Biblioteca Digital Curt Nimuendajú, 2012. Disponível em: http://www.etnolinguistica.org/doc:17. Acesso em: 27 dez. 2015.

SANTOS, E. M. Da lei do Diretório ao Alvará de 1770: civilizar para o bem do Estado. In: OLIVEIRA, L. E. (org.). A legislação pombalina sobre o ensino de línguas: suas implicações na educação brasileira (1757-1827). Maceió: EDUFAL, 2010. p. 251-272.

SILVA, T. T. da. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, T. T. da (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 15. ed. Petrópolis: Vozes, 2014. p. 73-102.

SOUZA, A. C. P. de. As reformas pombalinas e a produção dicionarística. In: OLIVEIRA, L. E. (org.). A legislação pombalina sobre o ensino de línguas: suas implicações na educação brasileira (1757-1827). Maceió: EDUFAL, 2010. p. 273-298.

WALSH, C. (ed.). Pedagogías decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Tomo I. Quito, Ecuador: Ediciones Abya-Yala, 2013.

WALSH, C. Gritos, grietas y siembras de vida: Entretejeres de lo pedagógico y lo decolonial. In: WALSH, C. (ed.). Pedagogías decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Tomo II. Quito, Ecuador: Ediciones Abya-Yala, 2017. p. 17-45.

Publicado
19-02-2019
Como Citar
OLIVEIRA, V.; MESQUITA, I. O projeto assimilacionista português: o diretório pombalino sob um olhar decolonial. Roteiro, v. 44, n. 1, p. 1-18, 19 fev. 2019.
Seção
Seção Temática: Educação étnico-racial: desafios cotidianos para além dos aspectos legais