Reconhecimentos, sensibilidades e relações étnico-raciais: a obrigatoriedade do ensino do Holocausto em Porto Alegre

Palavras-chave: Educação, Relações étnico-raciais, Holocausto, Racismo, Direitos humanos

Resumo

O artigo resulta de uma escrita conjunta que tematiza as memórias ressentidas em luta por reconhecimento (ANSART, 2001) e os temas sensíveis (ALBERTI, 2013) nas prescrições legais acerca do que deva ser ensinado nas aulas de História da Educação Básica no Brasil. Parte do caso emblemático da aprovação da Lei Municipal n. 10.965/2010 que, no contexto nacional da obrigatoriedade legal do ensino da história e cultura africana, afro-brasileira, indígena e da educação para as relações étnico-raciais, torna também obrigatório o ensino do Holocausto nas escolas da rede municipal de Porto Alegre. As orientações legais, construídas na forma de políticas públicas vinculadas aos processos contemporâneos de reparação histórica, são atravessadas pelos embates do tempo presente e projetam o ensino de temas sensíveis, especificamente nessa escrita – o Racismo e o Holocausto. O artigo cruzará duas pesquisas em andamento, enfocando a historização das políticas afirmativas que atingem os currículos de História, dentro e fora do Brasil, relacionando-as com os projetos de educação das relações étnico-raciais e de educação para os direitos humanos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carla Beatriz Meinerz, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professora da área de Ensino de História do Departamento de Ensino e Currículo e do Programa de Pós-Graduação em educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Cássio Michel dos Santos Camargo, Universidade Federal do Rio Grande do sul

MESTRANDO EM EDUCAÇÃO PPGEDU-UFRGS; professor da rede de ensino estadual, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

 

Referências

ALBERTI, V. Algumas estratégias para o ensino de história e cultura afro-brasileira. In: PEREIRA, A. A.; MONTEIRO, A. M. (org.). Ensino de história e culturas afro-brasileiras e indígenas. Rio de Janeiro: Pallas, 2013. p. 27-55.

ALBUQUERQUE JÚNIOR, D. M. Fazer defeitos nas memórias: para que servem o ensino e a escrita da história? In: GONÇALVES, M. de A. et al. (org.). Qual o valor da história hoje? Rio de Janeiro: Editora FGV, 2012, p. 1-19.

ANSART, P. História e Memória dos Ressentimentos. In: BRESCIANI, Stella; NAXARA Márcia (org.). Memória (Res)sentimento: Indagações Sobre Uma Questão Sensível. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2001. p. 15-36.

BAUMAN, Z. Modernidade e holocausto. Rio de Janeiro: Ed. Zahar, 1998.

BRASIL. Comitê Nacional de Educação em Direitos Humano. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília, DF: Secretaria Especial de Direitos Humanos, Ministério da Educação, Ministério da Justiça, Unesco, 2007.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP n. 003/2004 de 10 de março de 2004. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de História e Cultura Afrobrasileira e Africana. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 19 maio 2004.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 10.639 de 09 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 jan. 2003. p. 1.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 11.645 de 10 de março de 2008. Altera a Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 11 mar. 2008. p. 1.

HALBSWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

HEYMANN, L. O "devoir de mémoire" na França contemporânea: entre a memória, história, legislação e direitos. Rio de Janeiro: CPDOC, 2006.

JOUTARD, P. Reconciliar história e memória. Escritos: revista da Casa de Rui Barbosa, Rio de Janeiro: Edições Casa de Rui Barbosa, ano 1, n. 1, p. 223, 2005.

KISSONDE, D. In: ROCHA, L. R. M. da et al. Sopapo Poético: Pretessência. Porto Alegre: Libretos, 2016.

KERSTING, E. H. de O. Negros e a Modernidade Urbana em Porto Alegre: a colônia africana (1890-1920). 1998. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1998.

LEVI, P. É isto um homem? Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1988.

MEINERZ, C. B. Ensino de História, Diálogo Intercultural e Relações Étnico-Raciais. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 42, n. 1, p. 59-77, jan./mar. 2017.

POLLAK, M. Memória, Esquecimento, Silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

PORTO ALEGRE. Câmara dos Vereadores. Lei 10.965/10 – Ensino do Holocausto. 2010. Prefeitura Municipal de Porto Alegre, 18 out. 2010.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: Colección Sur Sur, 2005. p. 118-142.

RIBEIRO, M. Políticas de Promoção de Igualdade Racial no Brasil (1986-2010). Rio de Janeiro: Garamond, 2014.

RICOUER, P. Conferência Memória, História, Esquecimento. Budapeste, 2003.

ROSA, M. V. de F. A Colônia dos Africanos na Cidade dos Imigrantes: cor, nacionalidade e disputas pela moradia em um bairro de Porto Alegre durante o pós-abolição. In: GOMES, F.; DOMINGUES, P. (org.). Políticas da Raça: experiências e legados da abolição e da pós-emancipação no Brasil. São Paulo: Selo Negro Edições, 2014. p. 263-278.

SCHWARCZ, L. M. Nem Preto nem Branco, Muito pelo Contrário: cor e raça na intimidade. In: SCHWARCZ, L. M. (org.). História da Vida Privada no Brasil: contrastes da intimidade contemporânea. São Paulo: Cia das Letras, 1998. v. 4.

TODOROV, Tzvetan. Los abusos de la memoria. Barcelona: Paidós, 2000.

Publicado
19-02-2019
Como Citar
MEINERZ, C. B.; CAMARGO, C. M. DOS S. Reconhecimentos, sensibilidades e relações étnico-raciais: a obrigatoriedade do ensino do Holocausto em Porto Alegre. Roteiro, v. 44, n. 1, p. 1-18, 19 fev. 2019.
Seção
Seção Temática: Educação étnico-racial: desafios cotidianos para além dos aspectos legais