Educação das relações étnico-raciais no Brasil: paradoxos e obstáculos

  • Telmo Marcon Universidade de Passo Fundo -UPF
  • Ivan Penteado Dourado Universidade de Passo Fundo (UPF)

Resumo

Resumo: O artigo trata da educação das relações étnico-raciais, temática extremamente relevante do ponto de vista social e das políticas educacionais. O enfoque dado destaca elementos que se constituem em precondição para avançar no debate sobre o tema em instituições educativas. Fundamenta-se, aqui, a tese de que persistem na sociedade brasileira inúmeros preconceitos sociais e étnico-culturais que obstaculizam um debate transparente e democrático. Para dar conta desse desafio, destacam-se os paradoxos que perpassam a formação sociocultural e política da sociedade brasileira, algumas formas de reprodução de preconceitos raciais na atualidade e, por fim, alguns obstáculos que dificultam um diálogo e a democratização efetiva da sociedade brasileira.

Palavras-chave: Relações étnico-raciais. Políticas educacionais. Preconceito. Democracia. Educação emancipadora.

 

Education of ethnic-racial relations in Brazil: paradoxes and obstacles

 

Abstract: This article deals with the education of ethnic-racial relations, an extremely important theme from the social point of view as well as from educational policies. The approach used highlights elements constituting a precondition to advance in the debate about them in educational institutions. Here is founded the thesis that uncountable social and ethnic-racial preconceptions persist, hindering a transparent and democratic debate in the Brazilian society. In order to deal with this challenge, paradoxes that permeate the sociocultural and political formation of the Brazilian society, some forms of reproduction of actual racial preconceptions and, finally, some obstacles that hamper the dialogue and the effective democratization of the Brazilian society.

Keywords: Ethnic-racial relations. Educational policies. Preconception. Democracy. Emancipating education.


Educación de las relaciones étnico-raciales en Brasil: paradojos y obstáculos 

 

Resumen: El artículo aborda la educación de las relaciones étnico-raciales, temática extremadamente relevante desde el punto de vista social y de las políticas educativas. El enfoque dado destaca elementos que se constituyen en precondición para avance en el debate sobre el tema en instituciones educativas. Se fundamenta aquí la tesis que persisten en la sociedad brasileña innumerables prejuicios sociales y étnico-culturales que obstaculizan un debate transparente y democrático. Para dar cuenta de este desafío, se destacan las paradojas que atraviesan la formación sociocultural y política de la sociedad brasileña, algunas formas de reproducción de prejuicios raciales en la actualidad y, por último, se destacarán algunos obstáculos que dificultan un diálogo y la democratización efectiva de la sociedad brasileña.

Palavras clave: Relaciones étnico-raciales. Políticas educativas. Preconcepto. Democracia. Educación emancipadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Telmo Marcon, Universidade de Passo Fundo -UPF
Mestre em História pela UnB; doutorado em História Social pela PUC/SP; pós-doutorado pela UFSC. Professor e pesquisador junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Passo Fundo.
Ivan Penteado Dourado, Universidade de Passo Fundo (UPF)
Mestre em Ciências Sociais pela PUC/RS, doutorando em Educação pela Universidade de Passo Fundo/RS. Professor de Sociologia na Universidade de Passo Fundo.

Referências

BAGNO, M. Preconceito linguístico: o que é, como se faz? 31. ed. São Paulo: Loyola, 2004.

BENEVIDES, M. V. Educação para a democracia. Lua Nova, São Paulo, n. 38, p. 223-237, 1996.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

BOURDIEU, P. Distinction. Cambridge: Harvard University Press, 1984.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J. C. La reproducion. Paris: Minuit, 1970.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Decreto-Lei n. 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Código Penal. Rio de Janeiro, 7 dez. 1940. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-2848-7-dezembro-1940-412868-normaatualizada-pe.pdf. Acesso em: 11 abr. 2017.

BRASIL. Constituição. República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Lei n. 9.394. Estabelece as Diretrizes e Base da Educação Nacional. Diário oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Lei n. 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 jan. 2003.

CARVALHO, J. M. de. Os bestializados: o Rio de Janeiro e a república que não foi. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

CHAUÍ, M. Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. 5. reimp. São Paulo: Perseu Abramo, 2004.

FERNANDES, F. A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Ática, 1978a. v. 1.

FERNANDES, F. A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Ática, 1978b. v. 2.

FERNANDES, F. A revolução burguesa: ensaios de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

FREYRE, G. Casa Grande & Senzala. 25. ed. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1987.

FREYRE, G. Sobrados e Mucambos: decadência do patriarcado rural e desenvolvimento do urbano. 2. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1951a. v. 1.

FREYRE, G. Sobrados e Mucambos: decadência do patriarcado rural e desenvolvimento do urbano. 2. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1951b. v. 2.

FREYRE, G. Sobrados e Mucambos: decadência do patriarcado rural e desenvolvimento do urbano. 2. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1951c. v. 3.

HOLANDA, S. B. Raízes do Brasil. 27. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

IBGE. Característica da população e dos domicílios. Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: http://www.brasileirosnomundo.itamaraty.gov.br/a-comunidade/estimativas-populacionais-das-comunidades/estimativas-do-ibge/censo-demografico-ibge-2010.pdf. Acesso em: 30 abr. 2017.

IBGE. Estatísticas históricas do Brasil. Rio de Janeiro, 1986. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/monografias/GEBIS%20-%20RJ/seriesestatisticasrestrospectivas/Volume%203_Estatisticas%20historicas%20do%20Brasil_series%20economicas_demograficas%20e%20sociais%20de%201550%20a%201988.pdf. Acesso em: 4 maio 2017.

IBGE. Rendimento médio real habitualmente recebido no trabalho principal, segundo a cor ou raça, por regiões metropolitanas. [S. l.], 2013. Disponível em: http://jornalggn.com.br/blog/rogeriobeier/ibge-negros-ganharam-57-do-salario-dos-brancos-em-2013. Acesso em: 2 jun. 2017.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Desigualdades raciais, e racismo e políticas públicas: 120 anos após a abolição. Brasília, DF, 2008. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/4729/1/Comunicado_n4_Desigualdade.pdf. Acesso em: 8 de mar. 2017.

NOGUEIRA, M. A. N.; CATANI, A. Pierre Bourdieu. Escritos em Educação. Petrópolis: Vozes, 1998.

SANTOS, B. de S. Uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. In: SANTOS, B. de S. Gramática do tempo: para uma nova cultura política. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

SMARTLAB. Observatório digital do trabalho escravo no Brasil. Disponível em: https://observatorioescravo.mpt.mp.br. Acesso em: 18 jun. 2017.

SOUZA, J. A construção social da subcidadania: para uma sociologia política da modernidade periférica. 2. ed. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2012.

SOUZA, J. Ralé brasileira: quem é e como vive. 2. ed. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2016.

VIANNA, L. W. A revolução passiva: iberismo e americanismo no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 1997.

WAISELFISZ, J. J. A cor das vítimas. In: WAISELFISZ, J. J. Mapa da Violência 2015: Mortes Matadas por Armas de Fogo. Brasília, DF: Secretaria Geral da Presidência da República Secretaria Nacional de Juventude, 2015. Disponível em: http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2015/mapaViolencia2015.pdf. Acesso em: 5 jun. 2017.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da Violência 2013: Homicídios e Juventude no Brasil. Brasília, DF: Secretaria Geral da Presidência da República Secretaria Nacional de Juventude, 2013. Disponível em: http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2013/mapa2013_homicidios_juventude.pdf. Acesso em: 25 maio, 2017.

Publicado
19-02-2019
Como Citar
Marcon, T., & Dourado, I. (2019). Educação das relações étnico-raciais no Brasil: paradoxos e obstáculos. Roteiro, 44(1), 1-18. https://doi.org/10.18593/r.v44i1.14303
Seção
Seção Temática: Educação étnico-racial: desafios cotidianos para além dos aspectos legais