Epistemologia da violência na educação no contexto da biopolítica contemporânea

Palavras-chave: Epistemologia, Hermenêutica, Violência, Biopolítica, Formação de professores

Resumo

Com este estudo visou-se analisar a questão da violência do ponto de vista da sua relação com a ausência da preocupação, na educação, em trabalhar com situações de conflito. Para isso, investigou-se a tese da complementaridade entre epistemologia e hermenêutica, a verdade que vem das tradições e os achados empíricos, como forma de tencionar alguns conceitos correntes na relação entre filosofia e educação. Além disso, preocupou-se em descobrir como a temática da violência aparece e se constitui ponto de referência às ações educativas contemporaneamente e como é possível fazer frente a esse contexto a partir da aproximação entre racionalidade e historicidade. Com isso, propôs-se redimensionar a correlação da violência com a educação e a cultura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amarildo Luiz Trevisan, Professor Associado IV da Universidade Federal de Santa Maria/RS e pesquisador do CNPq.

Breve CV: Professor titular do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e pesquisador do CNPq. Graduado em Filosofia (FAFINC), mestre em Filosofia (UFSM), doutorado em Educação (UFRGS) e pós-doutorado em Humanidades pela Universidade Carlos III (UC3M), da Comunidade de Madri. Publicou ou organizou vários livros e artigos sobre Filosofia e Educação, com destaque: Filosofia e Educação: mímesis e razão comunicativa (Unijuí, 2000); Pedagogia das Imagens Culturais: da formação cultural à formação da opinião pública (Unijuí, 2002); Terapia de Atlas: pedagogia e formação docente na pós-modernidade (Edunisc, 2004); Reconhecimento do Outro: teorias filosóficas e formação docente (Mercado de Letras, 2014). É coordenador do Grupo de Pesquisa Formação Cultural, Hermenêutica e Educação e pesquisador do Grupo Racionalidade e Formação. Coordenou o Programa de Pós-Graduação em Educação – PPGE/UFSM (2012, 2013). Atua na área de Filosofia da Educação em suas interfaces com a formação de professores e a pesquisa educacional na perspectiva da hermenêutica e da teoria crítica. Interessa-se pelos seguintes temas relacionados à Filosofia e à Educação: imagem, reconhecimento, formação, catástrofe e violência. Email: trevisanamarildo@gmail.com 

Referências

ADORNO, T. Educação e Emancipação. Tradução Wolfgan Leo Maar. São Paulo: Paz e Terra, 1995.

AGAMBEN, G. Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua I. 2. ed. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2010.

AGAMBEN, G. Lo que queda de Auschwitz. El archivo y el testigo. (Homo Sacer III). Tradução Antonio Gimeno Cuspinera. Valencia: Guada Impressores, 2002.

AVELAR, I. O Pensamento da Violência em Walter Benjamin e Jacques Derrida. 2009.

BENJAMIN, W. Crítica da violência. In: Escritos sobre mito e linguagem. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2013. p. 121-156.

BENJAMIN, W. Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1996.

BOMBASSARO, L. C. Entre epistemologia e hermenêutica – a questão da racionalidade e da historicidade do conhecimento e o debate sobre a tese da complementaridade. In: TREVISAN, A. L.; ROSSATTO, N. D. (Org.). Filosofia e Educação: confluências. Santa Maria: FACOS – UFSM, 2005. p. 183-196.

BURIGATO, T. Morte do garoto Bernardo: quais os limites da crueldade humana? Jornal Opção, 26 jul. 2014. Disponível em: <http://www.jornalopcao.com.br/reportagens/morte-garoto-bernardo-quais-os-limites-da-crueldade-humana-11093/>. Acesso em: 14 maio 2017.

CANAVÊZ, F. O trauma em tempos de vítimas. Ágora, Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, p. 39-50, jan./jun. 2015.

CAVALCANTI, T. Casos de agressão a professores crescem 189% no estado de São Paulo. Folha de S. Paulo. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2018/08/casos-de-agressao-a-professores-crescem-189-no-estado-de-sao-paulo.shtml>. Acesso em: 07 ago. 2018.

CHARLOT, B. Violência na escola: como os sociólogos franceses têm abordado essa questão. Interfaces. Sociologias, Porto Alegre, ano 4, n. 8, p. 432-443, jun./dez. 2002.

CHAUI, M. Sociedade brasileira: violência e autoritarismo por todos os lados. Entrevista concedida a Juvenal Savian Filho e Laís Modelli. Carta Maior, 23 fev. 2016. Disponível em: <http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Politica/Sociedade-brasileira-violencia-e-autoritarismo-por-todos-os-lados/4/35548>. Acesso em: 15 maio 2017.

CHAUI, M. Uma ideologia perversa. Folha de São Paulo, São Paulo, 14 mar. 1999. Caderno Mais!, p. 3.

DE MARCO, V. Literatura de testemunho e violência de estado. Lua Nova – Revista de Cultura e Política, CEDEC, n. 62, p. 45-68, 2004.

DEBARBIEUX, E.; BLAYA, C. (Org.). Violência nas escolas e políticas públicas. Brasília, DF: UNESCO, 2002.

DEBARBIEUX, E. “Violência nas escolas”: divergências sobre palavras e um desafio político. In: DEBARBIEUX, E.; BLAYA, C. (Org.). Violências nas escolas e políticas públicas. Brasília, DF: Unesco, 2002. p. 59-92.

FACHIN, P.; SANTOS, J. V. Entrevista especial com Vagner Anabor. Revista IHU On-Line. Disponível em: <http://www.ihu.unisinos.br/espiritualidade/159-entrevistas/565806-monitoramento-de-eventos-extremos-as-escolas-de-meteorologia-nao-podem-assumir-a-funcao-dos-gestores-publicos-entrevista-especial-com-vagner-anabor>. Acesso em: 15 maio 2017.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Anuário brasileiro de segurança pública 2016. Disponível em: <http://www.forumseguranca.org.br/storage/10_anuario_site_18-11-2016-retificado.pdf>.

Acesso em: 14 maio 2017.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: A vontade de saber. 13. ed. Rio de Janeiro: LmortoGraal, 1999.

GOMES, L. F. Brasil: campeão mundial na violência contra professores. Jusbrasil Destaques, 2014. Disponível em: <https://professorlfg.jusbrasil.com.br/artigos/136798228/brasil-campeao-mundial-na-violencia-contra-professores>. Acesso em: 15 maio 2017.

GONÇALVES, L. A. O. Narrativas da violência no meio escolar: limites e fronteiras, agressão e incivilidade. Pro-posições, v. 13, n. 3 (39), p. 85-98, set./dez. 2002.

HABERMAS, J. Conhecimento e interesse. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

HEGEL, G. W. F. Fenomenologia do espírito. 5. ed. Tradução Paulo Menezes. Petrópolis: Vozes; Bragança: Ed. Universitária São Francisco, 2008.

HONNETH, A. La sociedad del desprecio. Edición y traducción de Francesc J. Hernàndez y Benno Herzog. Madrid: Trotta, 2011.

HOBSBAWM, E. Era dos extremos: o breve século XX (1914-1921). São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

GOMES, L. F. Brasil: campeão mundial na violência contra professores. Jusbrasil. Disponível em: <https://professorlfg.jusbrasil.com.br/artigos/136798228/brasil-campeao-mundial-na-violencia-contra-professores>. Acesso em: 15 maio 2017.

LET’S DECIDE how to measure school violence. Policy Paper 29, Jan. 2017. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0024/002469/246984E.pdf>. Acesso em: 15 maio 2017.

MANACORDA, M. A. História da educação: da antiguidade aos nossos dias. São Paulo: Cortez, 1995.

MATTÉI, J.- F. A barbárie interior. Ensaio sobre o i-mundo moderno. São Paulo: Ed. UNESP, 2002.

MENINO 23: Infâncias perdidas no Brasil. Direção de Belisario Franca. Fotografia de Thiago Lima, Mário Franca e Lula Cerri. Produção: GIROS, 07 jul. 2016. Disponível em: <http://www.menino23.com.br/menino-23/>. Acesso em: 31 maio 2017.

PEREIRA COSTA, Y. M. Crash e o novo paradigma da violência. Outros tempos, v. 1, p. 32-45, 2007. Edição especial.

PIRES, S. 'Não tenho dúvida', diz familiar sobre pai de Bernardo ser mentor; ouça. Globo.com, 15 maio 2014. Disponível em: <http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/caso-bernardo-boldrini/noticia/2014/05/nao-tenho-duvida-diz-familiar-sobre-pai-ser-mentor-de-morte-de-bernardo.html>. Acesso em: 15 maio 2017.

RORTY, R. A filosofia e o espelho da natureza. Lisboa: Publicações D. Quixote, 1988.

ROSA, E. M.; TASSARA, E. T. de O. Violência, ética e direito: implicações para o reconhecimento da violência doméstica contra crianças. Psicologia Ciência e Profissão, v. 24, n. 3, p. 34-39, 2004.

SILVA, R. M. de. Epistemologia do testemunho: O testemunho como fonte de justificação. Problemata: Revista Internacional de Filosofia, v. 5, n. 2, p. 221-251, 2014. Disponível em: <https://periodicos.ufsm.br/sociaisehumanas/article/view/14821/pdf>. Acesso em: 13 maio 2017.

SONTAG, S. Ante el dolor de los demás. 3. ed. Barcelona: Debolsillo, 2014.

TODOS OS países em azul no mapa somam a mesma quantidade de homicídios do Brasil. Implicante. Disponível em: <https://www.geledes.org.br/todos-os-paises-em-azul-no-mapa-somam-mesma-quantidade-de-homicidios-do-brasil/>. Acesso em: 15 maio 2017.

TREVISAN, A. L. Paradigmas da filosofia e teorias educacionais: novas perspectivas a partir do conceito de cultura. Educação & Realidade, v. 31, n. 1, p. 23-36, jan./jun. 2006.

ZAMBIAZI, J. L. A (des)positivação na formação do educador em Ciências Exatas e Naturais. 2000. Dissertação (Mestrado em Educação)–Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2000. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/78423/175679.pdf?sequence=1>. Acesso em: 15 maio 2018.

ŽIŽEK, S. Menos que nada: Hegel e a sobra do materialismo dialético. Tradução Rogério Bettoni. São Paulo: Boitempo, 2013.

WIEVIORKA, M. O novo paradigma da violência. Tempo Social. Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 9, n. 1, p. 5-41, maio 1997.

Publicado
30-08-2018
Como Citar
TREVISAN, A. L. Epistemologia da violência na educação no contexto da biopolítica contemporânea. Roteiro, v. 43, n. 2, p. 561-582, 30 ago. 2018.
Seção
Dossiê "Relações entre violência e educação"

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##