O ensino de Geografia na perspectiva do modelo social da deficiência

Palavras-chave: Geografia, Modelo médico, Modelo social, Deficiência visual

Resumo

Os discursos de classificação de normalidade do sujeito com deficiência na perspectiva do Modelo médico e do Modelo social são peças centrais deste artigo. Nesse viés, buscou-se refletir sobre a deficiência visual com base na referência conceitual dos estudos de Vygotsky, nomeadamente no que diz respeito à mediação, compensação, conceitos e funções psicológicas superiores. À luz desse contexto, destaca-se uma experiência que procurou investigar quais as potencialidades da oficina pedagógica no ensino de Geografia. No perscrutar dessa abordagem, optou-se pela metodologia do estudo de caso com base na participação e colaboração de 27 estudantes com idades entre 11 e 14 anos, de uma turma do Ensino Fundamental II do Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Os resultados da investigação evidenciaram, em linhas gerais, que os estudantes com deficiência constroem sua aprendizagem por meio de tarefas diferenciadas que promovem e valorizam seu potencial, seu modo de aprender, seu ritmo, suas habilidades e seus talentos. A partir do momento em que a escola e seus agentes proporcionam condições de acessibilidade para o estudante com deficiência, ele consegue vivenciar e apreender os conhecimentos geográficos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Martins Junior, Universidade do estado de Santa Catarina - UDESC

Licenciado e bacharelado em Geografia pela Universidade da Região de Joinville – UNIVILLE, Mestre em Geografia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e doutorando em Educação pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

Rosa Elisabete Militz Wypyczynski Martins, Universidade do estado de Santa Catarina - UDESC

Licenciada em Geografia; Mestre em Educação; Doutora em Geografia; Professora da área do ensino de Geografia, supervisora de estágios do curso de Geografia Licenciatura da FAED/UDESC; Coordenadora do LEPEGEO – Laboratório de Estudos e Pesquisas de Educação em Geografia; membro do LABTATE/UFSC; Coordenadora PIBID Geografia da FAED/UDESC; Professora do curso de Pós-Graduação em Geografia da UFSC

Julice Dias, Universidade do estado de Santa Catarina - UDESC

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Professora do Departamento de Pedagogia da FAED/UDESC e do Programa de Pós-Graduação em Educação da mesma universidade

Referências

BAMPI, L. N. da S.; GUILHEM, D.; ALVES, E. D. Modelo social: uma nova abordagem para o tema deficiência. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 18, n. 4, p. 816-823, jul./ago. 2010.

BRASIL. Lei n. 8.213/91, de 24 de julho de 1991. Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 jul. 1991. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8213cons.htm>. Acesso em: 07 set. 2017.

BRUNS, M. A. de T. Sexualidade de cegos. Campinas: Átomo, 2008.

CAIADO, K. R. M. Aluno deficiente visual na escola: lembranças e depoimentos. Campinas: Autores Associados, 2003.

CERQUEIRA, J. B.; FERREIRA, E. M. B. Recursos didáticos e educação especial. Revista Benjamim Constant, Rio de Janeiro, n. 15, 2000.

CAVALCANTI, L. S. Formação de professores: concepções e práticas em Geografia. Goiânia: Vieira, 2006.

CUSTÓDIO, G. A. O processo de elaboração de conceitos geográficos em alunos com deficiência visual. 2013. 166 p. Dissertação (Mestrado em Geografia)–Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

DINIZ, D. B. L. O que é deficiência. São Paulo: Brasiliense, 2007.

DINIZ, D. B. L; SANTOS, W. R. dos. Deficiência, direitos humanos e justiça. Revista Internacional de Direitos Humanos, São Paulo, v. 6, n. 11, p. 64-77, dez. 2009.

FERNANDES, S. Fundamentos para educação especial. Curitiba: InterSaberes, 2013.

FREITAS, O. Equipamentos e materiais didáticos. Brasília, DF: Universidade de Brasília, 2007.

GÓES, M. C. R. As contribuições da abordagem histórico-cultural para pesquisa em educação especial. Porto Alegre: Mediação, 2008.

GONZÁLEZ, J. A. T. Educação e diversidade: bases didáticas e organizativas. Porto Alegre: Artmed, 2002.

HAYDT, R. C. C. Curso de didática geral. São Paulo: Ática, 2003.

KOZEL, S. Ensinar geografia no terceiro milênio. Como? Por quê? Revista RA’EGA – O espaço geográfico em análise, Curitiba, v. 2, 1998.

LANNA JÚNIOR, M. C. M. História do Movimento Político das Pessoas com Deficiência no Brasil. Brasília, DF: Secretaria de Direitos Humanos: Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, 2010.

LOPES, J. J M; PRESTES, Z. Lev Vigotski e a teoria histórico-cultural no Brasil: alguns relatos de pesquisas. Fractal: Revista de Psicologia, v. 27, n. 1, jan./abr. 2015.

MARTINS, E. A. Os surdos no ensino regular: o que dizem os professores. Campo Grande: Ed. da UFMS, 2004.

MORAES, R. M. C. M. Braille e dêixis espacial: expressões dêiticas no ensino de sistema Braille para pessoas com cegueira adquirida. Revista Benjamim Constant: conversando com o autor – 2012, Rio de janeiro, n. 50, p. 57-60, dez. 2011.

NOGUEIRA, E. R.; CHAVES, A. P. N. A inclusão de estudantes cegos na escola: um campo de debate e reflexão no ensino de Geografia. In: FREITAS, M. I. de; VENTORINI, S. E. (Org.). Cartografia tátil: orientação e mobilidade às pessoas com deficiência visual. Jundiaí: Paco Editorial, 2011.

NUERNBERG, A. H. Contribuições de Vygotsky para a Educação de Pessoas com Deficiência Visual. 2008. Maringá. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pe/v13n2/a13v13n2.pdf>. Acesso em: 22 mar. 2010.

NUNES, S.; LOMÔNACO, J. F. B. O aluno cego: preconceitos e potencialidades. Revista da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, v. 14, n. 1, jan./jul. 2010.

OLIVER, M. B. C. Disabled People and Social Policy: from exclusion to inclusion. London: Longman, 1998.

PAIXÃO, L. P. Estímulos táteis: a importância dos recursos didáticos no ensino de história para deficientes visuais. Revista Benjamim Constant, Rio de janeiro, v. 50, p. 40-52, 2014.

RANGEL, E. O. Avaliar para melhor usar: Avaliação e seleção de materiais e livros didáticos. In: ROJO, R. (Org.). Materiais didáticos: escolha e usos. Rio de Janeiro: Ministério da Educação, 2005.

RIOS, R. R. Direito da antidiscriminação: discriminação direta, indireta e ações afirmativas. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2008.

VYGOTSKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

VYGOTSKY, L. S. Fundamentos de defectologia. In: VYGOTSKY, L. S. (Org.). Obras completas. Havana: Pueblo y Educacion, 1989. Tomo V.

VYGOTSKY, L. S. La coletividad como el factor de desarrollo del niño deficiente. In: VYGOTSKY, L. S. (Org.). Obras Escogidas V: Fundamentos de defectologia. Madri: Visor, 1997.

Publicado
04-12-2017
Como Citar
JUNIOR, L. M.; MILITZ WYPYCZYNSKI MARTINS, R. E.; DIAS, J. O ensino de Geografia na perspectiva do modelo social da deficiência. Roteiro, v. 42, n. 3, p. 587-612, 4 dez. 2017.