A exploração de brinquedos por crianças em experiências lúdicas na educação infantil

  • Maria Elisa Nicolielo Prefeitura Municipal de Pederneiras/SP; Professora de Educação Infantil.Pedagoga e Mestre em Educação. https://orcid.org/0000-0001-9928-9630
  • Aline Sommerhalder Universidade Federal de São Carlos/ Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação/PPGE - São Carlos/SP; Docente do Dep. de Teorias e Práticas Pedagógicas/CECH. Doutora em Educação Escolar e Pedagoga. https://orcid.org/0000-0002-6024-0853
Palavras-chave: Educação infantil, Crianças da primeira infância, Experiências lúdicas, Exploração de brinquedos, Interação

Resumo

Neste estudo objetivou-se compreender o modo como o brinquedo foi explorado por crianças da educação infantil em momentos de brincadeira livre em sala, e que funções foram atribuídas para esse objeto lúdico. Por meio da abordagem qualitativa, procedeu-se observação participante com 13 diários de campo, com discussão à luz de aporte teórico. Entre os resultados, verificou-se que o brinquedo, tanto o industrializado quanto o objeto transformado em brinquedo, fez-se consideravelmente presente nas brincadeiras, oportunizando o enriquecimento das experiências pelas crianças. Destacou-se necessária a qualificação da mediação docente no que se refere às manifestações de estereótipos de gênero em brincadeiras, a oferta de outros ambientes para brincar e a atenção pedagógica na disponibilização dos objetos lúdicos, a fim de contribuir para os processos de criação, exploração e enriquecimento das experiências das crianças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Elisa Nicolielo, Prefeitura Municipal de Pederneiras/SP; Professora de Educação Infantil.Pedagoga e Mestre em Educação.

Prefeitura Municipal de Pederneiras/SP; Professora de Educação Infantil. Pedagoga e Mestre em Educação.

Aline Sommerhalder, Universidade Federal de São Carlos/ Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação/PPGE - São Carlos/SP; Docente do Dep. de Teorias e Práticas Pedagógicas/CECH. Doutora em Educação Escolar e Pedagoga.

Universidade Federal de São Carlos/ Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação/PPGE - São Carlos/SP; Docente do Dep. de Teorias e Práticas Pedagógicas/CECH.Doutora em Educação Escolar e Pedagoga.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 4. ed. Lisboa: Edições 70, 2009.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Notas de campo. In: BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. (Org.). Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto Editora, 1994. p. 150-175.

BOMTEMPO, E. Brinquedo e educação: na escola e no lar. Psicologia Escolar e Educacional, v. 3, n. 1, p. 61-69, 1999.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF: MEC, SEB, 2010. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=9769&Itemid>. Acesso em: 02 fev. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Brinquedos e Brincadeiras de Creches: manual de orientação pedagógica. Brasília, DF: MEC, SEB, 2012. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/component/content/article?id=12579:educacao-infantil>. Acesso em: 18 fev. 2017.

BROUGÈRE, G. A criança e a cultura lúdica. Revista da Faculdade de Educação, São Paulo, v. 24, n. 2, jul./dez. 1998.

BROUGÈRE, G. Brinquedos e companhia. São Paulo: Cortez, 2004.

BROUGÈRE, G. Brinquedo e cultura. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

COSTA, S. A. O Diário de Campo como dialética intersubjetiva. In: WHITAKER, D. C. A. (Org.). Sociologia Rural: questões metodológicas emergentes. Presidente Venceslau: Letras à Margem, 2002. p. 151-158.

FINCO, D. A educação dos corpos femininos e masculinos na Educação Infantil. In: FARIA, A. L. Go. de (Org.). O coletivo infantil em creches e pré-escolas: falares e saberes. São Paulo: Cortez, 2007. p. 94-119.

HORN, M. da G. S. Sabores, cores, sons, aromas: a organização dos espaços na educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2004.

KISHIMOTO, T. M. Brinquedos e brincadeiras na educação infantil. In: SEMINÁRIO NACIONAL: CURRÍCULO EM MOVIMENTO – PERSPECTIVAS ATUAIS, 1., 2010, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte, 2010. p. 15-24.

KISHIMOTO, T. M. O jogo e a educação infantil. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003.

LEONTIEV, A. N. Os princípios psicológicos da brincadeira pré-escolar. In: VYGOTSKY, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. (Org.). Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 8. ed. São Paulo: Ícone, 2001. p. 46-58.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 2012.

MINAYO, M. C. de S. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In: MINAYO, M. C. de S. (Org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994. p. 9-29.

OLIVEIRA, M. W. Pesquisa e trabalho profissional como espaços e processos de humanização e de comunhão criadora. Caderno CEDES, Campinas, v. 29, n. 79, p. 1-7, set./dez., 2009.

OLIVEIRA, P. de S. O que é brinquedo. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 2010.

PEREIRA, R. M. R.; SALGADO, R. G.; JOBIM E SOUZA, S. Pesquisador e criança: dialogismo e alteridade na produção da infância contemporânea. Cadernos de Pesquisa, v. 39, n. 138, p. 1019-1035, set./dez., 2009.

SARMENTO, M. J. As culturas da infância nas encruzilhadas da 2ª modernidade. Braga: Instituto de Estudos da Criança, Universidade do Minho, 2003.

SILVA, J. P. da; BARBOSA, S. N. F.; KRAMER, S. Questões teórico-metodológicas da pesquisa com crianças. In: CRUZ, S. H. V. (Org.). A criança fala: a escuta de crianças em pesquisas. São Paulo: Cortez, 2008. p. 23-32.

SOMMERHALDER, A.; ALVES, F. D. Jogo e a Educação da Infância: muito prazer em aprender. Curitiba: CRV, 2011.

Publicado
04-12-2017
Como Citar
NICOLIELO, M. E.; SOMMERHALDER, A. A exploração de brinquedos por crianças em experiências lúdicas na educação infantil. Roteiro, v. 42, n. 3, p. 613-634, 4 dez. 2017.