A literatura na seção infantil da biblioteca pública do Paraná: a hora do conto

  • Karina Valim de Araujo
  • Evelyn de Almeida Orlando
Palavras-chave: Literatura, Infância, Hora do conto

Resumo

Este artigo é resultado de um estudo realizado na “Hora do conto” da seção infantil da Biblioteca Pública do Paraná (BPP). Com o objetivo de analisar a formação do leitor ainda na infância, partiu-se da problemática de como a “Hora do conto” pode contribuir para tal formação. Utilizaram-se como instrumentos de pesquisa a observação e a análise de fotos, constituindo-se como registros documentais dentro de uma abordagem de pesquisa qualitativa. As principais referências teóricas foram: Arroyo (2008), Zilberman (2003), Abramovich (1995) e Chartier (1989, 2001). Os resultados indicam que as práticas educativas ocorrem de maneira lúdica e que a “Hora do conto” tornou o espaço um polo de encontro cultural, fomentando o interesse pela leitura que, por se realizar no âmbito de uma biblioteca, coloca as crianças em contato direto com o universo literário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABRAMOVICH, F. Literatura Infantil: gostosuras e bobices. São Paulo: Scipione, 1995.

ARROYO, M. A. infância interroga a Pedagogia. In: SARMENTO, M.; GOUVEA, M. C. S. de (Org.). Estudos da Infância: educação e práticas sociais. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 119-140.

BIBLIOTECA PÚBLICA DO PARANÁ. Histórico. Disponível em: <http://www.bpp.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=3>. Acesso em: 19 out. 2017.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: língua portuguesa. Brasília, DF: Secretaria de Educação Fundamental, 1998.

BUSATTO, C. Contar e encantar: pequenos segredos da narrativa. Petrópolis: Vozes, 2001.

CARVALHO, C. et al. Biblioteca viva: fazendo história com livros e leituras. São Paulo: Fundação ABRINQ; Citigroup, 2005.

CHARTIER, R. Cultura escrita, literatura e história: conversas de Roger Chartier com Carlos Aguirre Anaya, Jesús Anaya Rosique, Daniel Goldin e Antonio Saborit. Porto Alegre: Artmed, 2001.

CHARTIER, R. O mundo como representação. Revista Annales, n. 6, p. 1505-1520, nov./dez. 1989.

CURITIBA. Secretaria Municipal de Educação. Diretrizes Curriculares Municipais de Educação Infantil. Objetivos de aprendizagem: uma discussão permanente. Curitiba, 2012.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008.

LUDKE, M; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MARANGON, C. Um centro de recursos em sintonia com a sala de aula. Revista Pátio, Porto Alegre, n. 24, ano 8, p. 44-46, jul./set. 2010.

MILANESI, L. A. Outra biblioteca pública: uma profecia de Mário de Andrade.

Revista da Biblioteca Mário de Andrade, São Paulo, v. 51, p. 59-64, jan./dez. 1993.

MONTEIRO, M. Z. Bibliotecas Públicas: práticas, histórico e perspectivas. In: Coordenadoria do Sistema Municipal (Org.). Bibliotecas Públicas: ações, processos e perspectivas. São Paulo: CSMB, 2012.

ROJAS, A. K. Uma história com final feliz. Será? Revista Pátio, Porto Alegre, n. 24, ano 8, p. 3, jul./set. 2010.

SILVA, R. J da. Leitura, biblioteca e política de formação de leitores no Brasil. Revista BJIS, Marília, v. 3, n. 2, p. 75-92, jul./dez. 2009.

SILVA, M. B. C. Contar histórias: uma arte sem idade. São Paulo: Ática, 1990.

SILVA, M. C. Infância e Literatura. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2010.

SILVA, M. C. Leitura, pesquisa e ensino. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2013.

ZILBERMAN, R. A literatura infantil na escola. São Paulo: Global, 2003.

Publicado
04-12-2017
Como Citar
DE ARAUJO, K. V.; ORLANDO, E. DE A. A literatura na seção infantil da biblioteca pública do Paraná: a hora do conto. Roteiro, v. 42, n. 3, p. 635-658, 4 dez. 2017.