Políticas de formação de professores no Brasil: desdobramentos e interlocução com diretrizes dos organismos internacionais

Palavras-chave: Políticas públicas, Formação de professores, Organismos internacionais

Resumo

No texto analisam-se as políticas de formação dos professores no Brasil em seus desdobramentos e recomendações de organismos internacionais. O artigo é fruto de pesquisa bibliográfica e documental, à luz de marcos teóricos e legais que subsidiam reflexões acerca das prioridades, orientações e programas de governo subjacentes à formação de professores. Entre os principais resultados, destacam-se: as reformas educacionais observam as recomendações dos organismos internacionais; as políticas educativas atuais reafirmam a centralidade da formação para o/no exercício da docência; os programas de formação estão relacionados à natureza das funções docentes; e as instituições formadoras atuam como mecanismos para atender às demandas de processos produtivos e performativos oriundos da lógica global.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marilene Gabriel Dalla Corte, Universidade Federal de Santa Maria

Doutora em Educação - PUCRS. Mestre em educação - UFSM. Especialista em Administração e Supervisão Esclar - UFSM. Especialista em Psicopedagogia - FAFRA. Bolsista Cnpq de Pós-Doutorado na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, com o foco na temática Educação Superior e Contextos Emergentes. Professora Adjunta do Departamento de Administração Escolar - ADE, do Centro de Educação da Universidade Federal de Santa Maria - UFSM. Coordenadora Substituta e docente no Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e Gestão Educacional (PPPG) do Centro de Educação da Universidade Federal de Santa Maria, onde atua na linha de pesquisa Políticas e Gestão da Educação Básica. Docente na linha de pesquisa Práticas Escolares e Políticas Públicas do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) do Centro de Educação da Universidade Federal de Santa Maria. Integrante do Conselho Municipal de Educação de Santa Maria/RS - CMESM. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas Políticas Públicas e Gestão Educacional – GESTAR. Vice-líder do Grupo de Estudos e Pesquisa ELOS voltado para pesquisas sobre o campo curricular, perpassando pelas políticas públicas e práticas educativas. Integrante do Grupo de Pesquisa UNIVERSITAS/RIES com foco de pesquisa na organização de conhecimentos sobre Educação Superior nos campos das políticas, práticas pedagógicas e formação de professores. Autora de artigos e capítulos de livros. Organizadora de livros. Tem experiência na Educação Básica e Superior, com ênfase em políticas públicas, gestão educacional, gestão escolar e universitária, formação de professores.

Rosane Carneiro Sarturi, Universidade Frederal de Santa Maria (UFSM).

Licenciada em Pedagogia pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras Imaculada Conceição (1984), pós-graduada em Currículo por Atividades (1986), pós-graduada em Orientação Educacional (1991), Mestre em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria (1999) e Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2003). Pós-doutorado em Políticas Públicas na Universidade de Valência - Faculdade de Filosofia e Ciência da Educação como bolsista CAPES/Fundação Carolina (2010-2011). É professora Associada II da Universidade Federal de Santa Maria no Departamento de Administração Escolar, atuando na graduação com as disciplinas de Pesquisa em Educação, Políticas Públicas, Gestão Educacional e Organização Curricular. É professora no Programa de Pós-Graduação em Educação, do Centro de Educação da UFSM, na Linha de Pesquisa 02: Práticas Escolares e Políticas Públicas. Tem experiência na área de Educação, tendo atuado na Educação na básica por mais de vinte anos. Os principais temas de pesquisa são: currículo, praticas educativas, políticas públicas e formação de professores. Desenvolve projetos de pesquisa voltados para a influência das políticas públicas nas organizações curriculares dos cursos de formação de professores. Líder do Grupo de Pesquisa ELOS, que abarca investigações do campo curricular, perpassado pelas políticas públicas e práticas educativas. Além disso, busca estabelecer a relação teoria e prática entre as instituições formadoras no Brasil, Argentina e Espanha a partir do Acordo de Cooperação Técnica- científica e cultural com a UFSM, sob sua coordenação. Participante do Grupo de Pesquisa de Formação de Professores para o Mercosul/Conesul, vinculado à UFRGS. Coordenadora do Subprojeto PIBID na área de Pedagogia na UFSM, Coordenadora do Projeto de Pesquisa financiado pelo Observatório da Educação, Edital 2012, coordena o Programa de Pós-graduação em Políticas Públicas e Gestão Educacional, que abarca os cursos de Especialização em Gestão Educacional e Mestrado Profissional. Autora de vários artigos e capítulos de livros.

Janilse Fernandes Nunes, Centro Universitário Franciscano (UNIFRA).

Professora Universitária no Centro Universitário Franciscano, Doutora em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Maria (PPGE/UFSM), com período sanduíche na Faculdade de Educação, na Universidade de Sevilha, Espanha, com Bolsa PDSE - CAPES. Mestre em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2009), especialista em Informática na Educação - Faculdades Franciscanas (1998), e licenciada em Pedagogia - Faculdades Franciscanas (1996). É líder do grupo de pesquisa Comunicação e Tecnologias Digitais nos Processos de Ensino e Aprendizagem com atividades EAD. Tem experiência na área de Educação Básica e Superior, atuando principalmente nos seguintes temas: educação infantil, formação de professores, ludicidade, educação digital, gestão educacional e educação a distância.

Referências

AZEVEDO, J. M. L. de; AGUIAR, M. A. A produção do conhecimento sobre a política educacional no Brasil: um olhar a partir da ANPED. Educação & Sociedade, v. 22, n. 77, dez. 2001.

BALL, S. Performatividade e fabricações na economia educacional: rumo a uma sociedade performativa. Educação e Realidade, v. 35, n. 2, p. 37-55, ago./set. 2010a.

BALL, S. Vozes/redes políticas e um currículo neoliberal global. Espaço do Currículo, v. 3, n. 1, 2010b.

BANCO MUNDIAL. Mejorar la enseñanza y el aprendizaje por médio de incentivos: qué lecciones nos entregan las reformas educativas de América Latina? Washington, 2005.

BANCO MUNDIAL. Prioridades y estrategias para la educacion: examen del Banco Mundial. Washington, 1995.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP n. 1, de 15 de maio de 2006. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Pedagogia, licenciatura. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 maio 2006.

BRASIL. Conselho Nacional de educação. Resolução CNE/CP n. 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de professores da educação básica, em nível superior, curso de licenciatura de graduação plena. Brasília/DF, 2002. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/res1_2.pdf>. Acesso em: 10 dez. 2016.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CEB n. 2, de 19 de abril de 1999. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Docentes da Educação Infantil e dos anos iniciais do Ensino Fundamental, em nível médio, na modalidade Normal. Brasília, DF, 1999.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP n. 2, de 01 de julho de 2015. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Disponível em: <http://ced.ufsc.br/files/2015/07/RES-2-2015-CP-CNE-Diretrizes-Curriculares-Nacionais-para-a-forma%C3%A7%C3%A3o-inicial-em-n%C3%ADvel-superior.pdf>. Acesso em: 19 set. 2016.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP n. 2, de 26 de junho de 1997. Que dispõe sobre os Programas Especiais de Formação Pedagógica de Docente para as disciplinas do currículo do Ensino Fundamental e do Ensino Médio e da educação profissional em Nível Médio. Brasília, DF: CNE, 1997.

BRASIL. Decreto n. 6.094, de 24 de abril de 2007. Dispõe sobre a implementação do Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação, pela União, em regime de colaboração com municípios, Distrito Federal e Estados. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 24 abr. 2007.

BRASIL. Decreto n. 6.755, de 29 de janeiro de 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica, disciplina a atuação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 30 jan. 2009. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6755.htm>. Acesso em: 21 out. 2016.

BRASIL. Decreto n. 8.752, de 9 de maio de 2016. Institui a Política Nacional de Formação dos Profissionais da Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 maio 2016. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Decreto/D8752.htm>. Acesso em: 21 out. 2016.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 23 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Fundação Capes. PROGRAMA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. 2008. Disponível em: < http://www.capes.gov.br/educacao-basica/observatorio-da-educacao>. Acesso em: 18 dez. 2016.

BOLZAN, D.; ISAIA, S.; MACIEL, A. M. da R. Formação de professores: a construção da docência e da atividade. Revista Diálogo Educacional, Porto Alegre, v. 13, p. 49-68, 2013.

CAMINI, L. A política educacional do PDE e do Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação. RBPAE, v. 26, n. 3, p. 535-550, set./dez. 2010. Disponível em: <http://www.seer.ufrgs.br/rbpae/article/viewFile/19797/11535>. Acesso em: 28 set. 2016.

CAMPOS, R. F. A reforma da formação inicial dos professores da educação básica nos anos de 1990 – desvelando as tessituras da proposta governamental. 2002. 232 p. Tese (Doutorado em Educação)–Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002.

CAMPOS, R. F. O cenário da formação de professores no Brasil – analisando os impactos da reforma da formação de professores. In: REUNIÃO NACIONAL DA ANFOPE, 12., Brasília, DF. Anais... Brasília, DF, 2004.

CUNHA, M. I. Estratégias institucionais para o desenvolvimento profissional docente e as assessorias pedagógicas universitárias: memórias, experiências, desafios e possibilidades. São Paulo: Junqueira & Marin, 2014.

CUNHA, M. I.; ZANCHET, B. M. A problemática dos professores iniciantes: tendência e prática investigativa no espaço universitário. Revista Educação, Porto Alegre, v. 33, n. 3, p. 189-197, set./dez. 2010. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/viewFile/6999/5717 >. Acesso em: 21 set. 2016.

DALLA CORTE, M. G.; SARTURI, R. Políticas públicas para a formação de professores e contextos emergentes na educação superior. Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, v. 1, n. 2, p. 160-181, out./dez. 2015b. Disponível em: <http://ojs.fe.unicamp.br/ged/RIESup/article/view/7430/6220>. Acesso em: 27 ago. 2016.

DALLA CORTE, M. G.; SARTURI, R. Visão Panorâmica de indicadores e políticas públicas subjacentes à formação de professores no Brasil. In: ALMEIDA, M. L. P.; BONETI, L. W.; PACIEVITCH, T. Políticas Educacionais e Docência na Contemporaneidade. Curitiba: CRV, 2015a. p. 35-58.

DELORS, J. (Org.). Educação um tesouro a descobrir. Relatório para a Unesco da Comissão internacional para o século XXI. 10 ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: MEC: UNESCO, 2006.

EVANGELISTA, O.; MORAES, M. C. M.; SHIROMA, E. O. Política Educacional. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

LUCARELLI, E. (Org.). El asesor pedagógico em la universidad: de la teoria pedagógica a la prática em la formación. Buenos Aires: Paidós, 2004.

MACIEL, L. S. B.; NETO, A. S. As políticas neoliberais e a formação de professores: propostas de formação simplistas e aligeiradas em épocas de transformação. In: MACIEL, L. S. B.; NETO, A. S. (Org.) Formação de Professores: passado, presente e futuro. São Paulo: Cortez, 2004.

MARCELO, C. Los profesores como trabajadores del conocimiento. Educar, v. 3, p. 27-56, 2002.

MARCELO, C.; VAILLANT, D. Desarrollo Profesional Docente: como se aprende a enseñar? Madrid: Narcea, 2010.

MAUÉS, O. C. A política da OCDE para a Educação e a formação. In: ENCONTRO DE PESQUISA EDUCACIONAL DO NORTE E NORDESTE (EPNN), 19., 2009, João Pessoa. Anais... Rio de Janeiro: ANPEd, 2009.

MORENO, M.; MAYOR, C. R. Los equipos docentes: una contribuición formativa a la calidad del professorado universitario. Revista de Educación, Universidad de Huelva, 1999, p. 157-176. Disponível em: <http://rabida.uhu.es/dspace/bitstream/handle/10272/306/b11505485.pdf?sequence=1>. Acesso em: 04 dez. 2016.

NOGUEIRA, E. S. Políticas de formação de professores: a formação cindida (1995 – 2002). 2003. 198 p. Tese (Doutorado em Educação)–Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2003.

ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. Professores são importantes. Atraindo, desenvolvendo e retendo professores eficazes. São Paulo: Coedição Moderna: OCDE, 2006.

SILVA JÚNIOR, J. dos R. Mudanças estruturais no capitalismo e a política educacional do governo FHC: o caso do ensino médio. Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, n. 80, P. 201-233, set. 2002.

UNESCO. Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura. Declaração de Incheon. Educação 2030: rumo a uma educação de qualidade inclusiva e equitativa e à educação ao longo da vida para todos. Incheon, China: Cúpula Mundial de Educação, 2015. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0023/002331/233137POR.pdf>. Acesso em: 10 dez. 2016.

UNESCO. Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura. Declaração Mundial de Educação para Todos. Jomtien, Tailândia: Cúpula Mundial de Educação, 1990. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0008/000862/086291por.pdf />. Acesso em: 10 dez. 2016.

UNESCO. Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura. O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: atendendo nossos Compromissos Coletivos. Dakar, Senegal: Cúpula Mundial de Educação, 2000. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001275/127509porb.pdf>. Acesso em: 10 dez. 2016.

UNESCO. Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura. Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos. 2005. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001390/139079por.pdf>. Acesso em: 03 out. 2016.

VAILLANT, D.; MARCELO, C. Ensinando a ensinar: as quatro etapas de uma aprendizagem. Curitiba: UTFPR, 2012.

Publicado
11-04-2018
Como Citar
CORTE, M. G. D.; SARTURI, R. C.; NUNES, J. F. Políticas de formação de professores no Brasil: desdobramentos e interlocução com diretrizes dos organismos internacionais. Roteiro, v. 43, n. 1, p. 87-114, 11 abr. 2018.
Seção
Dossiê Organismos multilaterais e políticas públicas na educação básica e superior: diretrizes, desafios e práticas