https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/race/issue/feed RACE - Revista de Administração, Contabilidade e Economia 2019-07-15T17:05:52+00:00 Ieda Margarete Oro race@unoesc.edu.br Open Journal Systems <p>E-ISSN 2179-4936</p> https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/race/article/view/20624 Folha de Rosto 2019-07-15T17:05:15+00:00 Editora Unoesc editora@unoesc.edu.br 2019-04-30T12:33:47+00:00 ##submission.copyrightStatement## https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/race/article/view/20591 Editorial 2019-07-15T17:05:17+00:00 Juliano Danilo Spuldaro juliano.spuldaro@unoesc.edu.br 2019-04-25T00:00:00+00:00 ##submission.copyrightStatement## https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/race/article/view/18854 Conformidade contábil-fiscal e gerenciamento de resultados contábeis no Brasil 2019-07-15T17:05:22+00:00 Antonio Lopo Martinez lopo@fucape.br Lennilton Viana Leal lenniltonleal@gmail.com <p>Este estudo se propôs a examinar se uma maior conformidade contábil-fiscal restringe o gerenciamento de resultados em companhias de capital aberto, não financeiras, listadas na B3 no período de 2010 a 2016. A conformidade contábil-fiscal mensura o grau de aderência das normas da contabilidade societária e daquelas da contabilidade tributária. Metodologicamente, foram utilizados três modelos de regressões, em que os dois primeiros modelos têm o objetivo de fornecer, respectivamente, o grau de conformidade contábil-fiscal e os <em>accruals</em> discricionários, que serão utilizados no terceiro modelo, o qual é o foco principal de análise, em que se investigam associação entre a conformidade contábil-fiscal e o gerenciamento de resultados contábeis. Os resultados mostraram que quanto menor a conformidade contábil-fiscal, maior é a propensão ao gerenciamento de resultados. Adicionalmente, foi identificado que as empresas de menor tamanho e com menor rentabilidade tendem a gerenciar mais seus resultados contábeis. Os achados indicam que práticas contábeis que reduzem a conformidade das regras da contabilidade societária com aquelas da contabilidade tributária estimulam aumento do gerenciamento de resultados contábeis. Por sua vez, naquelas empresas com maior conformidade contábil-fiscal há uma menor propensão a gerenciamento de resultados contábeis. O grau de conformidade contábil-fiscal passa a ser, assim, um elemento determinante para compreender os incentivos econômicos ao gerenciamento de resultados contábeis no Brasil. Face as conclusões expostas, esta pesquisa é de significativo interesse para reguladores, profissionais e usuários da contabilidade, que podem identificar possíveis efeitos na qualidade da informação contábil de uma menor conformidade contábil-fiscal.</p> 2019-03-11T00:00:00+00:00 ##submission.copyrightStatement## https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/race/article/view/16321 Conhecimento sobre gestão financeira dos dirigentes de pequenas empresas do Sul de Santa Catarina 2019-07-15T17:05:23+00:00 Silvete Moterle silvete@unochapeco.edu.br Rodney Wernke rodneywernke1@hotmail.com Ivone Junges ivone.junges@unochapeco.edu.br <p>Algumas pesquisas relatam que os gestores das pequenas empresas têm dificuldades para utilizar instrumentos gerenciais da área financeira, o que pode ser influenciado pelo nível de conhecimento dos conceitos relacionados. Nesse sentido, o estudo teve o objetivo de identificar o nível de conhecimento sobre determinados conceitos financeiros por parte dos gestores de micro e pequenas empresas de uma microrregião do Sul de Santa Catarina. A pesquisa se caracteriza como descritiva, com abordagem quantitativa e utilização do procedimento <em>survey</em> para a coleta dos dados de 299 pequenas firmas<em>. </em>Após breve revisão da literatura e evidenciação de estudos anteriores, foram apresentados os dados levantados acerca do nível de conhecimento sobre os conceitos abrangidos. Os resultados destacam que ao menos 55% dos gestores possuem conhecimento sobre os conceitos pesquisados, mas esse contingente não ultrapassou os 75% em qualquer dos itens investigados. Dessumiu-se que o menor nível de conhecimento dos gestores se refere ao conceito de liquidez corrente. Por outro lado, os conceitos mais conhecidos pelos gestores estão vinculados à contabilidade financeira (Ativo Circulante, Passivo Circulante e Demonstração do Resultado). Outra constatação é de que os gestores das empresas industriais possuem nível de conhecimento mais elevado a respeito dos itens pesquisados quando comparados aos dirigentes das firmas comerciais e de serviços.</p> 2019-03-11T00:00:00+00:00 ##submission.copyrightStatement## https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/race/article/view/16501 Relações entre irmãos: impacto da rivalidade na gestão 2019-07-15T17:05:52+00:00 Mara Vogt maravogtcco@gmail.com Juçara Haveroth jucarahaveroth@hotmail.com Vinícius Costa da Silva Zonatto viniciuszonatto@gmail.com <p>O estudo objetiva descrever os impactos causados pela rivalidade entre irmãos na gestão de empresas familiares. Realizou-se uma pesquisa descritiva por meio de estudo de caso e com uma abordagem qualitativa dos dados. Os resultados revelaram que a rivalidade já esteve presente na empresa familiar analisada desde seu processo sucessório em razão da diferença das quotas referentes à sociedade, e com o passar do tempo, começou a aflorar na empresa rivalidade entre irmãos e todos os demais membros. Por conta disso, começaram os questionamentos sobre a gestão, a desconfiança, o envolvimento de fatores externos e internos que influenciavam. Outro fator determinante para o aumento da rivalidade foi a presença das esposas na gestão da empresa familiar. Conclui-se que a rivalidade impacta de forma negativa os resultados das organizações familiares, especialmente nos casos que envolvem outras pessoas da família no negócio e que não conseguem separar a tríade (negócio, família e propriedade). A gestão é influenciada também pela falta de inteligência emocional dos membros, fazendo com que a organização sofra e apresente problemas, incluindo a dissolução.</p> 2018-08-06T00:00:00+00:00 ##submission.copyrightStatement## https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/race/article/view/19261 Pé no freio ou no acelerador? Uma análise empírica dos efeitos da corrupção sobre o empreendedorismo 2019-07-15T17:05:16+00:00 Bruna Teixeira Baungarte baungartenbruna@gmail.com Vivian dos Santos Queiroz Orellana viviansq13@gmail.com Rodrigo Nobre Fernandez rodrigo.fernandez@ufpel.edu.br Gabrielito Menezes gabrielitorm@gmail.com <p>O empreendedorismo é um dos fatores que contribui para o crescimento econômico, e a corrupção é um fenômeno econômico global que pode gerar entraves ao desenvolvimento da atividade empreendedora. Este trabalho tem como objetivo verificar se a corrupção é um entrave ou um acelerador do empreendedorismo. Para realizar tal meta, utilizam-se estimadores de dados em painel com efeito fixo para uma amostra de 49 países no período de 2010 a 2014.&nbsp; Com base nas estimativas, constatou-se que a corrupção afeta a atividade empreendedora já consolidada e que esse efeito é consistente apenas para países em desenvolvimento, o que vai ao encontro da hipótese “<em>grease the wheels</em>”.</p> 2019-04-29T16:11:39+00:00 ##submission.copyrightStatement## https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/race/article/view/18876 Efeito do recall do patrocínio máster nos fatores de consumo de bens e serviços de um clube de futebol 2019-07-15T17:05:19+00:00 Thiago Bruno Jesus Silva THIAGOBruno.silva@yahoo.com.br Luís Antonio Lay luisantoniolay@gmail.com Cristian Baú Dal Magro cristianbaumagro@gmail.com Denise Isabel Rizzi deniserizzi@unochapeco.edu.br Rafael Ferla rafaelferla@live.com <p>O amor pelo futebol é um sentimento enraizado no povo brasileiro. Esse sentimento/carisma pelo esporte se reflete na aquisição assídua de produtos vinculados aos clubes esportivos. Desse modo, o objetivo desta investigação foi identificar a relação do <em>recall</em> do patrocínio Máster nos fatores explicativos para o consumo de bens e serviços do Esporte Clube Vitória. A amostra da pesquisa foi composta por 746 respondentes. A coleta de dados ocorreu entre os meses de dezembro de 2017 e julho de 2018 pela plataforma <em>Google Docs</em>. A análise dos dados foi elaborada com o uso da estatística descritiva e pela análise de regressão logística binária. Conclui-se que o <em>recall</em> do patrocínio Máster se torna mais efetivo pelo estímulo, como ocorrido nos <em>recalls</em> da empresa OAS e da Caixa Econômica Federal, em que ambos podem ter exercido efeito moderador, do envolvimento para o consumo dos produtos e serviços, em razão dos títulos do campeonato baiano. Esses achados ajudam na determinação de características que explicam o hábito de consumo dos torcedores, bem como no efeito que o <em>recall</em> do patrocínio Máster exerce na relação entre os fatores explicativos e o hábito de consumo dos torcedores para os produtos ofertados pelos clubes de futebol.</p> 2019-04-05T00:00:00+00:00 ##submission.copyrightStatement## https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/race/article/view/18855 Big Bath Accounting e turnover de executivos em empresas listadas na B3 2019-07-15T17:05:20+00:00 Viviane Theiss theissviviane@gmail.com Henrique Portulhak hportulhak@yahoo.com.br Marcos Roberto Kuhl marcosrobertokuhl@yahoo.com.br Romualdo Douglas Colauto rdcolauto.ufpr@gmail.com <p>O <em>turnover</em> de um executivo pode tornar-se uma justificativa plausível para um maior aproveitamento de acúmulos discricionários em um determinado período, com consequente evidenciação de um suposto prejuízo maior para a empresa, com o intuito de informar ao mercado, em períodos posteriores, aparentes melhoras nos resultados da organização, o que configura o aproveitamento de acúmulos discricionários por meio da modalidade de gerenciamento de resultados denominada <em>Big Bath Accounting</em> (<em>BBA</em>). Nesse contexto, o objetivo do estudo foi identificar em que medida a mudança de executivos em companhias listadas na B3 está associada com o gerenciamento de resultados. Foram realizadas 1.407 observações de 254 empresas, no período de 2009 a 2014, utilizando-se o modelo de Dechow, Hutton, Kim, e Sloan (2012) para a detecção de gerenciamento de resultados, informações e disponibilidades pela base de dados <em>Bloomberg®</em> para a identificação dos eventos de <em>turnover</em>, sendo utilizado o tamanho (logaritmo natural do Ativo) como variável de controle. A amostra apresenta uma concentração de executivos com idade superior a 50 anos, grande rotatividade desse cargo, com preferência pela nomeação de pessoas internas para a função de CEO e maior representatividade de <em>turnover</em> no ano 2013. Os testes realizados não encontraram indícios de que a mudança do executivo provoca <em>BBA</em> em razão da variação de <em>accruals</em> discricionários no período. Da mesma forma, notou-se a existência não confirmada de diferenças entre a contratação de executivos <em>insiders</em> e <em>outsiders</em> para a utilização de mais gastos discricionários. Apesar da falta de comprovação estatística, o estudo ajuda a compreender os conceitos de <em>BBA</em> e incentiva a quebra de paradigmas, por meio de evidências empíricas de <em>turnover</em> de executivos, no que concerne a essa modalidade de gerenciamento de resultados.</p> 2019-04-04T00:00:00+00:00 ##submission.copyrightStatement## https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/race/article/view/16209 Análise exploratória de indicadores de desempenho 2019-07-15T17:05:21+00:00 Alini da Silva alinicont@gmail.com Sheila Patrícia Ramos spr80sc@gmail.com Adriana Kroenke akroenke@furb.br Nelson Hein hein@furb.br <p>A presente pesquisa teve por objetivo verificar o agrupamento de indicadores de desempenho em três dimensões, como: desempenho econômico, desempenho financeiro e desempenho de mercado, por meio da análise fatorial exploratória. Para tanto, utilizou-se metodologia com caráter descritivo, documental e quantitativo. A amostra do estudo correspondeu a 101 empresas listadas na Brasil, Bolsa e Balcão – B3, no período de 2010 a 2016. Para a análise dos dados, utilizou-se análise fatorial exploratória. Os resultados demonstraram que os indicadores de desempenho financeiro (liquidez corrente, liquidez seca, liquidez imediata e liquidez geral) se agruparam em um único fator de acordo com o estipulado pela literatura, os demais grupos de desempenho econômico e de mercado não tiveram a associação de todos os indicadores conforme estipulado pela literatura. Observou-se, também, que conforme há variação dos setores de atuação, há variação na importância de indicadores econômicos, financeiros e de mercado.</p> 2019-04-03T00:00:00+00:00 ##submission.copyrightStatement## https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/race/article/view/19085 Análise entre os gastos do governo local e o crescimento econômico das cidades portuárias 2019-07-15T17:05:18+00:00 Cristiane Aparecida da Silva cristianedasilva@ufgd.edu.br Bárbara Gonçalves Amaral baah.amaral@outlook.com Marcielle Anzilago marcianzilago@gmail.com Rogério João Lunkes rogeriolunkes@hotmail.com <p>O estudo investigou a relação existente entre as variáveis que compõem os gastos públicos e o crescimento econômico das cidades portuárias brasileiras. A estratégia de pesquisa usada para atender ao objetivo estabelecido foi a análise de dados secundários. Quanto à abordagem do problema, a pesquisa se enquadrou como quantitativa, em que a amostra foi intencional e não probabilística, compreendendo 32 cidades portuárias brasileiras. A dimensão temporal aplicada à pesquisa foi em um recorte transversal, compreendendo os Gastos Públicos per capita de 2013 e o Produto Interno Bruto (PIB) per capita de 2015. Com a finalidade de analisar a regressão, foi utilizado o software estatístico Gretl, e a partir dos aspectos avaliados, constatou-se que os gastos com saúde e investimentos possuem relação direta com o PIB per capita das cidades portuárias. Dessa forma, conclui-se que os gastos observados no estudo influenciaram o crescimento econômico, analisados por meio da variável PIB per capita das cidades portuárias elencadas para o presente trabalho. Por fim, em observação aos resultados do modelo analisado, concluiu-se que os gastos públicos possuem um alto poder de explicação, haja vista que 76,8% do PIB per capita das cidades portuárias é explicado pelas variáveis dos gastos públicos investigados.</p> 2019-04-16T00:00:00+00:00 ##submission.copyrightStatement##