SENSIBILIDADE DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, FISCAL E CAMBIAL NO COMBATE À INFLAÇÃO NO BRASIL

  • Cássio Henrique Garcia Costa Instituto Federal do Sul Minas - Campus Poços de Caldas
  • Renato Silvério Campos Universidade Federal de Lavras
  • Luiz Gonzaga de Castro Júnior Universidade Federal de Lavras

Resumo

A atual forma de condução da política econômica brasileira tem como principal objetivo o controle inflacionário, sendo a taxa de juros o principal instrumento da política monetária utilizado pelo Banco Central para estabilizar a inflação em longo prazo. Diversos estudiosos têm debatido e investigado a eficácia da política monetária brasileira, seguindo a premissa de que aumentos na taxa Selic não seriam a forma mais eficaz de combate à inflação. Com o presente trabalho, visou-se determinar a sensibilidade das políticas fiscal, monetária e cambial no combate à inflação no Brasil, investigando empiricamente se a política monetária tem realmente o maior impacto no controle da inflação em longo prazo. Para isso, foi estimado um modelo de Vetores Correção de Erros (VEC). De acordo com os resultados,as principais variáveis que impactam a inflação em longo prazo são a dívida interna do setor público e o agerado monetário (M4). Também é alta a sensibilidade-câmbio da inflação. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) se mostrou pouco sensível em longo prazo a alterações na taxa Selic. Apesar de se apresentar como o principal instrumento de política na condução do regime de metas da inflação, alterações na taxa de juros não têm sido determinantes em longo prazo no controle inflacionário.

Palavras-chave: Sensibilidade. Inflação. Políticas. Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cássio Henrique Garcia Costa, Instituto Federal do Sul Minas - Campus Poços de Caldas

Professor no Instituto Federal do Sul de Minas (IFSULDEMINAS) - Campus Poços de Caldas, Doutorando em Administração pela Universidade Federal de Lavras. Coordenador de projetos no Centro de Inteligência em Mercados (CIM-UFLA). Atua nas áreas Economia, Controladoria e Finanças, Gestão de Riscos, Dinâmica e Gestão de Cadeias Produtivas e Estratégia Empresarial. (Texto informado pelo autor)


Renato Silvério Campos, Universidade Federal de Lavras
Possui graduação em Administração pela Universidade Federal de Lavras (2006), Mestrado em Economia (área: Economia Aplicada) pela Universidade de São Paulo (FEARP/USP) e doutorado em Economia (área: Teoria Econômica) na UFMG (Cedeplar). Atua nas áreas de Macroeconomia, Econometria e Economia do Setor Público. Atualmente é professor efetivo do Departamento de Administração e Economia da Universidade Federal de Lavras.
Luiz Gonzaga de Castro Júnior, Universidade Federal de Lavras
Graduação (1991) e mestrado (1995) em Administração pela Universidade Federal de Lavras e doutorado (1999) em Economia Aplicada pela Universidade de São Paulo. Atualmente, Professor Dr. da Universidade Federal de Lavras (UFLA), docente permanente do PPGA/UFLA, orientador de mestrado e doutorado. Coordenador do Centro de Inteligência em Mercados (CIM), organização pertencente à Universidade Federal de Lavras, especializada em pesquisa, treinamento e prestação de serviços; e pesquisador líder do Bureau de Inteligência Competitiva do Café, programa para criar inteligência competitiva e impulsionar a transformação do Brasil na mais dinâmica e sofisticada nação do agronegócio café no mundo. Coordenador de projetos vinculados ao Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia do Café (INCT-Café) e ao Polo de Excelência do Café (PEC Secretaria de Ciência e Tecnologia de Minas Gerais). Assessor de Inovação e Empreendedorismo da Universidade Federal de Lavras. Editor executivo da revista Coffee Science (ISSN 1809-6875) e consultor ad hoc da revista Organizações Rurais & Agroindustriais (ISSN 1517-3879). Coordenador do grupo 2. Economia e Gestão no Agronegócio do Congresso de Economia e Sociologia Rural. Áreas de atuação: inteligência competitiva, comercialização, mercados de derivativos e gestão de custo.

Referências

ARAÚJO, E.; MODENESI, A. M. “Custos e benefícios do controle inflacionário no Brasil (2000-2008): uma análise empírica do mecanismo de transmissão da política monetária com base em um modelo VAR. In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA, 28., 2010, Salvador. Anais... Salvador: ANPEC, 2010.

BACHA, E. L. O fisco e a inflação: uma interpretação do caso brasileiro. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 53, jan./mar. 1994.

BARBOSA, F. H. The contangion effect of public debt on monetary policy: the Brazilian experience. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 26, n. 2, p. 231-238, 2006.

BARBOSA FILHO, N. “Inflation targeting in Brazil: 1999‑2006”. 2007. Disponível em: . Acesso em: 23 jan. 2013.

BERNANKE, B. S. et al. Inflation targeting: lessons from the international experience. Princeton: Princeton University, 1999.

BRESSER-PEREIRA, L. C.; SILVA, C. G. "O regime de metas de inflação no Brasil e a armadilha da taxa de juros/taxa de câmbio". In: OREIRO, J. L.; PAULA, L. F.; SOBREIRA, E. R. (Org.). Política monetária, bancos centrais e metas de inflação. Rio de Janeiro: FGV, 2009.

BUENO, R. L. S. Econometria de séries temporais. São Paulo: Cengage Learning, 2008.

DELFIM NETTO, A. Déficit nominal zero. Boletim de Conjuntura Economia & Tecnologia, São Paulo, v. 2, p. 5-12, jul./ago. 2005.

DORNBUSH, R. “Debt and monetary policy: the policy issues”. In: CALVO, G.; KING, M. (Ed.). The debt burden and its consequences for monetary policy‟. London: Macmillan, 1998.

ENGLE, R. F.; GRANGER, C. W. J. Co-integration and error correction: representation, estimation and testing. Econometrica, Chicago, v. 55, n. 2, p. 251-276. 1987.

FAVERO, C. A.; GIAVAZZI, F. Why are Brazil’s interest rates so high? Milano: IGIER, 2002. (Working Paper, 224).

FIGUEIREDO, F. M. R.; FERREIRA, T. P. Os preços administrados e a inflação no Brasil. Brasília: Banco Central do Brasil, 2002. (Trabalhos para Discussão, 59).

HOLLAND, M. Por que as taxas de juros de curto prazo são tão elevadas no Brasil?. Economia & Tecnologia, Curitiba, v. 4, p. 27-42, 2006.

INSTITUTO DE ECONOMIA PLICADA. Macroeconomia para o desenvolvimento: crescimento, estabilidade e emprego. Rio de Janeiro, 2010. (Livro 4).

JOHANSEN, S.; JUSELIUS, K. Maximum likelihood estimation and inference on cointegration with applications to the demand for money. Oxford Bulletin of Economics and Statistics, Oxford, v. 52, n. 2, p. 169-210, 1990.

JOHANSEN, S. Statistical analysis of cointegration vectors. Journal of Economic Dynamics and Control, St. Louis, v. 12, p. 231-254, 1988.

LOPREATO, F. L. C. Um olhar sobre a política fiscal recente. Economia e Sociedade, Campinas, v. 11, n. 2, p. 279-304, jul./dez. 2002.

MARTONE, C. “Juros e ajuste fiscal: comentários”. In: ROCCA, C. A. (Org.). Mercado de capitais, agenda de reformas e ajuste fiscal. Rio de Janeiro: Campus, 2007.

MISHKIN, F. S. Inflation targeting in emerging-market countries. Cambridge:

National Bureau of Economic Research, 2000. (Working paper, 7618).

MODENESI, A. M.; MODENESI, R. L. Quinze anos de rigidez monetária no Brasil pós-Plano Real: uma agenda de pesquisa. Revista de Economia Politica, São Paulo, v. 32, n. 3jul./set. 2012.

MONTES, G. C.; BASTOS, J. C. A. Metas de inflação e estrutura a termo das taxas de juros no Brasil. Economia Aplicada, Ribeirão Preto, v. 15, n. 3, jul./set. 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-80502011000300003& script=sci_arttext>. Acesso em: 23 jul. 2013.

NEVES, A. L.; OREIRO, J. L. O regime de metas de inflação: uma abordagem teórica. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 29, n. 1, p. 101-132, jun. 2008.

OREIRO, J. L.; PAULA, L. F. “Por que a taxa de juros é tão alta?” Valor Econômico, São Paulo, p. A-17, 5 nov. 2010.

PASTORE, A. C.; PINOTTI, M. C. “Ajuste fiscal: o que diz o último capítulo?” Valor Econômico, São Paulo, p. A-11, 24 abr. 2006.

PASTORE, A. C. Por que a política monetária perde eficácia? Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 50, p. 281–311, 1995.

SERRANO, F. Juros, câmbio e o sistema de metas de inflação no Brasil. Revista de Economia Politica, São Paulo, v. 30, n. 1, p. 63-72, jan./mar. 2010.

Publicado
30-03-2016
Como Citar
Garcia Costa, C. H., Campos, R. S., & de Castro Júnior, L. G. (2016). SENSIBILIDADE DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, FISCAL E CAMBIAL NO COMBATE À INFLAÇÃO NO BRASIL. RACE - Revista De Administração, Contabilidade E Economia, 15(1), 115-136. https://doi.org/10.18593/race.v15i1.7597