ENSINO SUPERIOR, MOBILIDADE SOCIAL E DOMINAÇÃO: UMA ANÁLISE À LUZ DOS CONCEITOS DE BOURDIEU E DA TEORIA INSTITUCIONAL

Autores

  • Lindomar Pinto Silva Universidade Salvador-UNIFACS
  • Luciana Costa Freitas Dias Universidade Salvador
  • Janayna Souza Silva Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana-Bahia

DOI:

https://doi.org/10.18593/race.v14i3.6328

Resumo

Neste trabalho analisou-se como o sistema de ensino superior em uma região do Brasil contribui com processos de dominação na sociedade, dificultando a mobilidade social de indivíduos oriundos de classes desfavorecidas. Para a análise teórica, foram utilizados os conceitos de campo, habitus e dominação de Bourdieu e a teoria institucional. Os dados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas com representantes de empresas de Recursos Humanos (RH), gestores de recursos humanos de grandes empresas e seis coordenadores de cursos das IESs da região de Feira de Santana, Bahia, e usou-se a análise de conteúdo para a sua interpretação (BARDIN, 2011). Os resultados apontam que há uma consciência sobre as limitações dos alunos em razão dos processos que envolvem a posse de capital (econômico, cultural e social) e as suas condições de existência. Além disso, há uma aceitação consciente das diferenças detectadas entre as chances de seus alunos e aqueles oriundos de IESs mais bem avaliadas pelo mercado, o que indica que dificilmente as IESs mencionadas conseguirão oferecer aos seus alunos nível de competitividade necessário para o sucesso profissional. Conclui-se, também, que as IESs têm sido muito mais mantenedoras da estabilidade e de posições das classes sociais do que promotoras de mudança nessas posições. Um resultado importante é mostrar que as diferenças entre IESs da área estudada e de outras regiões podem ser explicadas pelo processo de dominação no campo educacional e que os atores do campo analisado aceitam essa situação.

Palavras-chave: Campo. Dominação. Ensino superior. Teoria institucional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lindomar Pinto Silva, Universidade Salvador-UNIFACS

Professor Titular da Universidade Salvador, do Programa de Pós-Graduação em Administração(mestrado).

Luciana Costa Freitas Dias, Universidade Salvador

Mestranda em Administração pelo Programa de Pós-Graduação em administração(PPGA) Unifacs. Administradora pela Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana

Janayna Souza Silva, Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana-Bahia

Graduanada em Ciências Contábeis pela Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana

Referências

ALTHUSSER, Louis. Os aparelhos ideológicos do estado. Lisboa: Editora Presença, 1970

BARDIN, L.. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70, 2011

BONNEWITZ, Patrice. Pierre Bourdieu: vie, oeuvre, concepts. Paris : Ellipses, 2002.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1987

BOURDIEU, Pierre. Sociologia. São Paulo: Ática,1994

BOURDIEU, Pierre. Meditações Pascalinas. Rio de Janeiro : Bertrand Brasil, 2001.

BOURDIEU, Pierre. O poder Simbólico. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil, 1989

BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996

BOURDIEU, Pierre. Escritos de Educação. Petrópolis, Vozes, 2007

BOURDIEU, Pierre; WACQUANT, Loïc J.D. An invitation to reflexive sociology. Chicago : The University of Chicago Press, 1992

CAMPOS, Elisa. Quer ser presidente? Revista Época Negócios, nov.2013, p.118-140, 2013

DATAFOLHA. O ranking geral de universidades. Disponível em: <http://ruf.folha.uol.com.br/rankings/rankingdeuniversidades>Acesso em: 27 abr. 2013

DIMAGGIO, P. J. & POWELL, W. W. 2006. Jaula de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais. In: CALDAS, Miguel; BERTERO, Carlos Osmar(Coords). Teoria das Organizações. Série RAE-Clássicos. São Paulo : Atlas, 2007. pp. 235-255

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder.Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979

HALL, P. A. & TAYLOR, R. C.. As três versões do neo-institucionalismo. Lua Nova. No. 58: 193-223, 2003

HAWLEY. Amos H. Human Ecology: a theoretical essay. Chicago: The University of Chicago Press, 1986

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Disponível em http://enadeies.inep.gov.br/enadeIes/enadeResultado/ Acesso em 20 de jan. 2014

MEYER, J. W. & ROWAN, B. Institutionalized Organizations: formal structure as myth and ceremony. In: Powell, W. W. & Dimaggio, P. J. The new institutionlism in organizational analysis. Chicago: The University of Chicago, 1991.

MEYER, J. W. The effects of education as an institution. The American Journal of Sociology, V.83, no.1, Jul: 55-77, 1977.

PAGÉS, Max; BONETTI, Michel; GAULEJACK, Vicent de; DESCENDRE, Daniel. O poder das Organizações. São Paulo: Atlas,1993

SCOTT, W. R.. Instituitions and organizations (2nd ed). California; Foundations for organizational science, 2001

THIRY-CHERQUES, Hermano Roberto. Pierre Bourdieu: Teoria e P´ratica. Revista de Administração Pública 40 (1):27-55, jan./Fev. 2006

WEBER, Max. Economia e Sociedade.Fundamentos da sociologia compreensiva. 4ªed,v.1. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2000.

WEICK, Karl E. Educational Organizations as loosely coupled systems. Administrative Science Quartely, v.21, mar.p. 1-19, 1976

Downloads

Publicado

2015-11-05

Como Citar

Pinto Silva, L., Costa Freitas Dias, L., & Souza Silva, J. (2015). ENSINO SUPERIOR, MOBILIDADE SOCIAL E DOMINAÇÃO: UMA ANÁLISE À LUZ DOS CONCEITOS DE BOURDIEU E DA TEORIA INSTITUCIONAL. RACE - Revista De Administração, Contabilidade E Economia, 14(3), 1145–1174. https://doi.org/10.18593/race.v14i3.6328