Avaliação de competências organizacionais de órgão público federal: ótica de diferentes atores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/race.27236

Palavras-chave:

Avaliação de competências, Competência organizacional, Gestão por competências, Setor Público

Resumo

A avaliação de competências organizacionais contribui ao alto desempenho em organizações públicas, devido ao fato de proporcionar ações ao desenvolvimento das suas capacidades organizacionais, a partir de possíveis lacunas identificadas. Objetivou-se avaliar as competências organizacionais de organização pública federal sob a ótica dos servidores internos e externos ao órgão, bem como verificar a existência de variáveis que possam influenciar na percepção da competência organizacional. A pesquisa é teórico-empírica, descritiva, com recorte transversal e abordagem quantitativa, com aplicação de questionários eletrônicos com 143 servidores (mais de 60% da população), sendo tanto de público interno que trabalham na organização pública federal, como de público externo que atuem em unidades de órgãos federais, das três esferas de poder, com contato direto com a organização estudada. Utilizou-se análise estatística descritiva e inferencial (teste de Kruskal-Wallis). Constatou-se alta concordância quanto à demonstração das competências essenciais, corroborando com o cumprindo seu papel institucional junto à sociedade. Já a competência básica teve menor média de percepção, indicando necessidade de ações ao seu desenvolvimento. Não foram identificadas diferenças significativas entre a percepção dos grupos por tipo de público, enquanto, a depender a competência, há diferenças significativas quanto à esfera de poder, cargo, tempo de experiência e função de gestão. Os resultados podem ser utilizados no diagnóstico de competências para subsidiar ações de melhoria, inclusive como indicador de priorização do uso de recursos, devido a limitações orçamentárias das organizações públicas, além de propiciar contribuições metodológicas que podem ser replicadas por outras organizações para avaliação das competências organizacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Arantes, R. C. & Menezes, R. S. S. (2018). Competências essenciais na produção de cafés especiais: um estudo de caso em uma fazenda no cerrado mineiro. XXI Seminários em Administração (SEMEAD), São Paulo, SP, 1-17.

Beeck, S. O., & Hondeghem, A. (2010). Competency management in the Belgian Federal Government. K.U. Leuven, Public Management Institute.

Brandão, H. P., & Bahry, C. P. (2005). Gestão por competências: métodos e técnicas para mapeamento de competências. Revista do Serviço Público, 2(56), 179-194.

Bryson, J. M., Ackermann, F., & Eden, C. (2007). Putting the resource-based view of strategy and distinctive competencies to work in public organizations. Public Administration Review, 702-717.

Butler, M. J. R., & Ferlie, E. (2020). Developing absortive capacity theory for public service organizations: Emerging UK Empirical Evidence. British Journal of Management, 31, 244-364. https://doi.org/10.1111/1467-8551.12342.

Cardoso N. F., & Matos, F. R. N. (2010). Competências organizacionais e gestão estratégica: um estudo em instituições financeiras públicas sob a ótica da visão baseada em recursos. Revista Eletrônica de ciência Administrativa (RECADM), 9(2), 168-180.

Cavalcante, F. V., & Renault, T. B. (2018). Competências organizacionais do sistema de gestão tecnológica de uma instituição de ciência e tecnologia em saúde: o caso Fiocruz. XLII EnANPAD, Curitiba, PR, 1-17.

Chen, H., & Ma, F. (2018). Development and validation of an organzational competency scale (OCS) for Elder civic engagement programs: a pilot study. Journal of Social Service Research, 1-14. https://doi.org/10.1080/01488376.2018.1514680.

Eden, C., & Aackermann, F. (2010). Competences, distinctive competences, and core competences. In R. Sanchez, & A. Heene (Eds.). Research in competence-based management: a focused issue on identifying, building, and linking competences (pp. 3-34). Bingley: Emerald.

Field, A. (2009). Discovering statistics using SPSS. (3ª ed.). London: Sage.

Fleury, M. T. L., & Fleury, A. C. C. (2004). Alinhando estratégia e competências. Revista de Administração de Empresas, 44(1), 44-57.

Ghedine, T. (2015). Abordagem gestão por competências na construção da estratégia organizacional. Revista Alcance, 22(2), 278-297.

Kim, K. Y., Eeisenberger, R., & Baik, K. (2016). Perceived organizational support and affective organizacional commitment: moderating influence of perceived organizational competence. Journal of Organizational Behavior, 37, 558-583.

King, A. W., Fowler, S. W., & Zeithaml, C. P. (2002). Competências organizacionais e vantagem competitiva: o desafio da gerência intermediária. Revista de Administração de Empresas, 42(1), 36-49.

Leisink, P. (2010). Competency-based management in the national government of The Netherlands. K.U. Leuven, Public Management Institute.

Kuzma, E. L., Doliveira, S. L. D., & Silva, A. Q. (2017). Competências para a sustentabilidade organizacional: uma revisão sistemática. Cadernos EBAPE.BR, 15, (Edição Especial), 428-444.

Mills, J., Platts, K., Bourne, M., & Richards, H. (2002). Competing through competences. Cambridge: Cambridge University Press.

Montezano, L. (2019). Proposta de modelo de gestão por competências para Administração pública. XLIII EnANPAD, São Paulo, SP, 1-15.

Montezano, L., França, J. V., & Frossad, L. B. M. (2020). Definição de competências organizacionais em órgão da Administração Pública Federal. VII Encontro de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho da ANPAD, Online: EnGPR 2020, 1-10.

Montezano, L., & Isidro, A. (2020). Proposta de modelo multinível de competências para gestão pública inovadora. Future Studies Research Journal: trends and strategies, 12(2), 355-378.

Montezano, L., & Petry, I. S. (2020). Multicasos da implantação da gestão por competências na administração pública federal. Revista de Administração FACES Journal, 19(3), 47-66.

Munck, L., & Galleli, B. (2015). Avanços e desafios da conceituação e operacionalização das competências organizacionais em 15 anos de produção científica internacional. Revista de Gestão, 22(4), 525-544.

Prahalad, C. K., & Hamel, G. (1990). The Core Competence of the Corporation. Harvard Business Review, 1-15.

Ruas, R. L. (2005). Gestão por competências: uma contribuição à estratégia das organizações. In R. L. Ruas, C. S. Antonello, & L. H. Boff (Org.). Os novos horizontes da gestão: Aprendizagem organizacional e competências (pp. 34-54). Porto Alegre: Bookman.

Silva, M. R., & Quintana, R. C. (2014). Aproximação do conceito de competência organizacional e gestão de organizações públicas. XXXVIII EnANPAD, Rio de Janeiro, 1-16.

Silva, R. S., & Siena, O. (2015). Produção científica brasileira sobre competências organizacionais: estruturas, configurações e características do campo. XXXIX EnANPAD, Belo Horizonte, MG, 1-20.

Takahashi, A. R. W., & Fischer, A. L. (2009). Aprendizagem e competências organizacionais em instituições de educação tecnológica: estudos de casos. Revista de Administração (RAUSP), 44(4), 327-341.

Ubeda, C. L., & Santos, F. C. A. (2008). Os principais desafios da gestão de competências humanas em um Instituto público de pesquisa, Gestão & Produção, 15(1), 189-199.

Waal, A. A. (2010). Achieving high performance in the public sector. Public Performance & Management Review, 34(1), 81-103.

Downloads

Publicado

31-08-2021

Como Citar

Montezano, L., Petry, I. S., Frossad, L. B. de M., & Isidro, A. (2021). Avaliação de competências organizacionais de órgão público federal: ótica de diferentes atores. RACE - Revista De Administração, Contabilidade E Economia, 20(2), 269–288. https://doi.org/10.18593/race.27236

Edição

Seção

XXIII SEMEAD Seminários em Administração (FEA/USP)