Fatores contingenciais e a importância atribuída aos indicadores de desempenho: uma análise em empresas de construção civil da cidade de Recife, PE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/race.24552

Palavras-chave:

Indicadores de desempenho, Fatores contingenciais, Construção civil

Resumo

Este trabalho teve por objetivo investigar o nível das relações estabelecidas entre fatores contingenciais de empresas pertencentes ao setor de construção civil da Cidade de Recife (PE) e a importância atribuída pelos gestores aos indicadores de desempenho classificados nas perspectivas do Balanced Scorecard (BSC). Nessa perspectiva, foi analisada a importância atribuída aos indicadores de desempenho, sob a ótica da teoria da contingência. Quanto aos procedimentos metodológicos, utilizou-se como instrumento de coleta de dados o questionário, que foi aplicado junto a gestores de 20 empresas do setor da construção civil localizadas na Cidade de Recife. Para análise dos dados coletados foi utilizado o teste não paramétrico coeficiente de correlação de Spearman, com o auxílio do software STATISTICA for Windows. A análise dos resultados evidenciou poucas relações significativas entre as características dos gestores com indicadores de desempenho, sendo a relação da variável faixa etária com o indicador desperdícios a única a alcançar magnitude forte. Também foram evidenciadas algumas relações significativas entre as características das empresas e os indicadores de desempenho, sendo as relações da variável prioridade estratégica com os indicadores (pontualidade de entrega, flexibilidade de volume operacional, entregas no prazo, satisfação dos empregados e gestão de risco) as únicas a apresentarem magnitude forte. As contribuições da pesquisa podem se realizar no campo de estimular outros pesquisadores que pretendam desenvolver estudos correlatos em outras localidades e até mesmo em outros segmentos de mercado, assim como por servirem como parâmetro para reflexão das empresas do setor pesquisado acerca do tema aqui discutido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Herivânio Torres Bandeira, Ministério `Público Federal

 Mestre em Controladoria pela UFRPE (2019), Especialização em Gestão Pública pela UFRPE (2012), graduação em Administração Pública pela UFRPE (2015), em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE (2007) e em Licenciatura Plena em Física pela UFRPE (2002). Trabalha como Técnico Administrativo do Ministério Público Federal. Contador registrado no CRC/PE, com experiência em contabilidade financeira e em orçamento e finanças públicas.

Aldo Leonardo Cunha Callado, Departamento de Finanças e Contabilidade da Universidade Federal da Paraíba

Professor Associado do Departamento de Finanças e Contabilidade da Universidade Federal da Paraíba. Atua como Professor Permanente nos Programas de Pós-Graduação em Administração (PPGA) e em Ciências Contábeis (PPGCC) da Universidade Federal da Paraíba e no Programa de Pós-Graduação em Controladoria (PPGC) da Universidade Federal Rural de Pernambuco.

Referências

Abdel-Kader, M., & Luther, R. (2008). The impact of firm characteristics on management accounting practices: A UK-based empirical analysis. The British Accounting Review, 40(1), 2-27. https://doi.org/10.1016/j.bar.2007.11.003

Araújo, J. G. R., Callado, A. L. C., & Cavalcanti, B. S. B. (2014). Habilidades e competências do controller: Um estudo com alunos de cursos de pós-graduação em controladoria. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 13(38), 52-64. https://doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v13n38p52-64

Beuren, I. M., & Fiorentin, M. (2014). Influência de fatores contingenciais nos atributos do sistema de contabilidade gerencial: Um estudo em empresas têxteis do estado do Rio Grande do Sul. Revista de Ciências da Administração, 16(38), 195-212. https://doi.org/10.5007/2175-8077.2014v16n38p195

Bressan, F., & Toledo, G. L. (2013). A influência das características pessoais do empreendedor nas escolhas estratégicas e no processo de tomada de decisão. Revista Psicologia: Organizações & Trabalho, 13(3), 309-324. http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rpot/v13n3/v13n3a08.pdf

Callado, A. L. C., Callado, A. A. C., Holanda, F. M. A., & Leitão, C. R. S. (2008). Utilização de indicadores de desempenho no setor hoteleiro de João Pessoa - PB. Revista Turismo Visão e Ação, 10(1), 23-38. https://doi.org/10.14210/rtva.v10n1.p23%20-%2038

Cândido, L. F., Lima, S. H. O., & Barros, J. P., Neto. (2016). Análise de sistemas de medição de desempenho na indústria da construção civil. Ambiente Construído, 16(2), 189-208. https://doi.org/10.1590/s1678-86212016000200087

Cervo, A. L., Bervian, P. A., & Silva, R. (2007). Metodologia científica (6a ed.). Pearson Prentice Hall.

Chenhall, R. H. (2003). Management control systems design within its organizational context: Findings from contingency-based research and directions for the future. Accounting, Organizations and Society, 28(2-3), 127-168. https://doi.org/10.1016/S0361-3682(01)00027-7

Chenhall, R. H. (2006). Theorizing contingencies in management control systems research. Handbook of Management Accounting Research, 1, 163-205. https://doi.org/10.1016/S1751-3243(06)01006-6

Cosso, E. & Oliveira, M. A. (2013). As teorias organizacionais, os estudos recentes e as possíveis influências na prática das organizações. Revista de Ciências Ambientais e Saúde, 40(1), 3-12. http://dx.doi.org/10.18224/est.v40i1.2686

Donaldson, L. (2015). Structural contingency theory. International Encyclopedia of the Social & Behavioral Sciences (2nd ed), 23, 609-614. Elsevier. https://doi.org/10.1016/B978-0-08-097086-8.73110-2

Espejo, M. M. S. B. (2008). Perfil dos atributos do sistema orçamentário sob a perspectiva contingencial: Uma abordagem multivariada (Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil). http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12136/tde-30062008-141909/

Fleury, A. (1990). Capacitação tecnológica e processo de trabalho: Comparação entre o modelo japonês e o brasileiro. RAE – Revista de Administração de Empresas, 30(4), 23-30. https://doi.org/10.1590/S0034-75901990000400003

Heinzen, D. A. M., Dias, A. B. B. B., & Marinho, S. V. (2013). Avaliação do sistema de medição de desempenho organizacional de uma instituição de ensino superior de Santa Catarina à luz dos atributos desejáveis. Revista Meta: Avaliação, 5(15), 327-352. http://dx.doi.org/10.22347/2175-2753v5i15.211

Hyvonen, J. (2007). Strategy, performance measurement techniques and information technology of the firm and their links to organizational performance. Management Accounting Research, 18(3), 343-366. https://doi.org/10.1016/j.mar.2007.02.001

Jacomossi, F. A., Zonatto, V. C. S., & Lavarda, C. E F. (2018). Inter-relação entre fatores contingenciais e a adoção de sistemas de controle gerencial em empresa de serviço contábil. Anais do Congresso de Contabilidade da UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil, 3. https://www.ufrgs.br/congressocont/index.php/IIIContUFRGS/IIIContUFRGS/paper/view/126/84

Kaplan, R. S., & Norton, D. P. (1997). A estratégia em ação: Balanced scorecard. Elsevier.

Klein, L., & Almeida, L. B. (2017). A influência dos fatores contingenciais na adoção de práticas de contabilidade gerencial nas indústrias paranaenses. Revista Universo Contábil, 13(3), 90-119. https://doi.org/10.4270/RUC.2017320

Leite, E. G., Diehl, C. A., & Manvailer, R. H M. (2015). Práticas de controladoria, desempenho e fatores contingenciais: Um estudo em empresas atuantes no Brasil. Revista Universo Contábil, 11(2), 85-107. https://doi.org/10.4270/RUC.2015213

Leone, N. M. C. P. G. (1991). A dimensão física das pequenas e médias empresas (P.M.E’s): À procura de um critério homogeneizador. RAE - Revista de Administração de Empresas, 31(2), 53-59. https://doi.org/10.1590/S0034-75901991000200005

Maguire, E. R. (2003). Organizational structure in american police agencies: Context, complexity, and control. State University of New York Press.

Mainardes, E. W., Ferreira, J., & Raposo, M. (2011). Conceitos de estratégia e gestão estratégica: Qual é o nível de conhecimento adquirido pelos estudantes de gestão. Revista FACEF Pesquisa - Desenvolvimento e Gestão, 14(3), 278-297. http://periodicos.unifacef.com.br/index.php/facefpesquisa/article/view/296

Maltempi, M. M. (2014). Sistemas de medição desempenho organizacional: uma análise comparativa das ferramentas PRISM, PYRAMID e BSC. Revista Universitas, (13), 107-120. http://revistauniversitas.inf.br/index.php/UNIVERSITAS/article/view/173

Marques, K. C. M., & Souza, R. P. (2010). Pontos críticos da abordagem da contingência nos estudos da Contabilidade gerencial. Anais do Congresso Brasileiro de Custos, Belo Horizonte, MG, Brasil, 17. https://anaiscbc.emnuvens.com.br/anais/article/view/822

Marquezan, L. H. F., Diehl, C. A., & Alberton, J. R. (2013). Indicadores não financeiros de Avaliação de desempenho: Análise de conteúdo em relatórios anuais digitais. Revista Contabilidade, Gestão e Governança, 16(2), 46-61. https://www.revistacgg.org/contabil/article/view/533

Montenegro, F. R. M. S., & Callado, A. L. C. (2019). Fatores contingenciais e o uso de indicadores de desempenho associados às perspectivas do Balanced Scorecard. Revista Gestão Organizacional, 12(1), 73-91. http://dx.doi.org/10.22277/rgo.v14i1.4540

Moreira, E. (2002). Proposta de uma sistemática para o alinhamento das ações operacionais aos objetivos estratégicos, em uma gestão orientada por indicadores de desempenho (Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil). http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/83052

Nakamura, W. T., & Mineta, R. K. N. (2001). Identificação dos fatores que induzem ao uso do Balanced Scorecard como instrumento de gestão estratégica. Anais do Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Campinas, SP, Brasil, 25. http://www.anpad.org.br/admin/pdf/enanpad2001-eso-789.pdf

Oliveira, D. P. R. (2005). Planejamento estratégico: Conceitos, metodologia e práticas (22a ed.). São Paulo: Atlas.

Otley, D. (2016). The contingency theory of management accounting and control: 1980–2014. Management Accounting Research, 31, 45-62. https://doi.org/10.1016/j.mar.2016.02.001

Pereira, J. R., Rezende, L. B. O., Andalécio, A. M. L., Sousa, C. V., & Matos, E. B. (2016). A gestão do conhecimento em uma instituição de ensino privada. Revista Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 6(2), 113-133. https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5763761

Porter, M. E. (1999). Competição = on competition: Estratégias competitivas essenciais (12a ed.). Rio de Janeiro: Campus.

Prodanov, C. C., & Freitas, E. C. (2013). Metodologia do Trabalho Científico [recurso eletrônico]: Métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico (2a ed.). Feevale.

Rossetti, A., & Morales, A. B. (2007). O papel da tecnologia da informação na gestão do conhecimento. Revista Ciência da Informação, 36(1), 124-135. https://doi.org/10.1590/S0100-19652007000100009

Santos, D. F. L. (2015). Modelo de gestão financeira aplicada em empresa do setor de construção civil. TAC – Tecnologias de Administração e Contabilidade, 5(2), 119-135. http://www.anpad.org.br/periodicos/arq_pdf/a_1653.pdf

Santos, F. O., Jesus, S. R. P., Souza, W. A. R., & Cavalcante, T. S. B. (2016). Avaliação do sistema de controle gerencial sob a influência de fatores contingenciais: Estudo de caso em um grupo econômico. Revista de Contabilidade e Controladoria, 8(2), 23-48. https://revistas.ufpr.br/rcc/article/view/38382

Silva, A. R., & Callado, A. L. C. (2018a). Aderência de indicadores de desempenho associados às perspectivas do Balanced Scorecard no setor de construção civil do município de João Pessoa (PB). Reunir - Revista de Administração, Ciências Contábeis e Sustentabilidade, 8(2), 23-34. https://doi.org/10.18696/reunir.v8i2.626

Silva, A. R., & Callado, A. L. C. (2018b). Relações entre fatores contingenciais de empresas do setor da construção civil e a importância atribuída a indicadores de desempenho. Revista Capital Científico - Eletrônica, 16(1), 112-129. https://revistas.unicentro.br/index.php/capitalcientifico/article/view/5011/pdf

Silva, A. R., Callado, A. A. C., & Callado, A. L. C. (2016). Análise das relações entre o uso de indicadores de desempenho e fatores contingenciais de empresas de empresas do setor da construção civil. Anais do Congresso Brasileiro de Custos, Porto de Galinhas, PE, Brasil, 23. https://anaiscbc.emnuvens.com.br/anais/article/view/4161/4162

Silva, R. C. E. O., Koyashiki, M. L. M., Cruz, J. A. W., Ahlfeldt, R., Silva, W. V., & Corso, J. M. D. (2015). Análise de desempenho das ações das empresas do setor da construção civil na Bovespa em relação à rentabilidade, estrutura de capital e conjuntura setorial. Revista Catarinense de Ciência Contábil, 14(41), 9-19. http://dx.doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v14n41p9-19

Siqueira, K. P. S. (2014). Uma investigação acerca do uso de indicadores de desempenho em empreendimentos hoteleiros situados na Região Metropolitana de Recife (Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil). https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/11513

Sousa, D. S. V., Cândido, L. F., & Barros, J. P., Neto. (2018). Medição de desempenho na construção civil: Um estudo exploratório com construtoras cearenses. Ambiente Construído, 8(1), 9-29. http://dx.doi.org/10.1590/s1678-86212018000100207

Tezza, R., Bornia, A. C., & Vey, I. H. (2010). Sistemas de medição de desempenho: Uma revisão e classificação da literatura. Revista Gestão & Produção, 17(1), 75-93. https://doi.org/10.1590/S0104-530X2010000100007

Tinoco, J. E. P., Assêncio, E. W., João, B. N., & Claro, J. A. C. S. (2011). Influência dos valores individuais no desempenho empresarial: Um estudo usando o inventário de valores de Schwartz. Revista Sociedade, Contabilidade e Gestão, 6(2), 139-155. https://doi.org/10.21446/scg_ufrj.v6i2.13243

Wernke, R., & Junges, I. (2017). Níveis de utilização e importância atribuídos aos indicadores não financeiros por empresas da região sul de Santa Catarina. Revista Contemporânea de Contabilidade, 14(03), 55-87. https://doi.org/10.5007/2175-8069.2017v14n33p55

Downloads

Publicado

22-03-2021 — Atualizado em 30-04-2021

Versões

Como Citar

Bandeira, H. T., & Callado, A. L. C. (2021). Fatores contingenciais e a importância atribuída aos indicadores de desempenho: uma análise em empresas de construção civil da cidade de Recife, PE. RACE - Revista De Administração, Contabilidade E Economia, 20(1), 35–62. https://doi.org/10.18593/race.24552 (Original work published 22º de março de 2021)

Edição

Seção

Administração