Interação universidade-empresa: análise de caso de duas universidades brasileiras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/race.23812

Palavras-chave:

Universidade empreendedora, Estudo de caso, Spin-offs acadêmicos

Resumo

A universidade possui um histórico pautado na contribuição para avanço do conhecimento e da tecnologia no contexto socioeconômico de um país, por meio do ensino, da pesquisa e da extensão. O conhecimento gerado pelas pesquisas realizadas por alunos e pesquisadores pode ocasionar a interação com diferentes atores, entre eles as empresas, acarretando a transferência do conhecimento produzido na universidade para o mercado. Diante disso, este artigo teve como objetivo analisar de que forma ocorre a interação universidade-empresa a partir dos casos da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos). O método utilizado possui abordagem qualitativa, de natureza exploratória, e caracteriza-se, em termos de delineamento, como um estudo de caso, possuindo como elementos duas Instituições de Ensino Superior brasileiras. Para coleta de dados, além da pesquisa bibliográfica e documental, adotou-se a entrevista semiestruturada realizada com gestores e pesquisadores das universidades. Na análise dos dados, foi empregada a análise de conteúdo, com o tratamento por meio do software NVivo®. Os principais resultados evidenciam que empresas e universidades necessitam compreender que é preciso atuar conjuntamente na pesquisa tecnológica colaborativa para que os recursos financeiros investidos pela iniciativa pública ou privada não somente sejam aceitos como artigos publicados em revistas científicas, mas também se transformem em inovações tecnológicas difundidas ao mercado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cassiane Chais, Universidade de Passo Fundo (UPF)

Doutora em Administração com bolsa PROSUC/CAPES, pela Universidade de Caxias do Sul, com período sanduíche no Tecnológico de Monterrey no México, com bolsa PDSE/CAPES. Mestre em Administração pela Universidade de Caxias do Sul, linha de pesquisa: Inovação e competitividade, com bolsa PROSUP/CAPES modalidade taxa. Especialista em Gestão Secretarial pela Universidade de Passo Fundo. Possui graduação em Secretariado Executivo pela Universidade de Passo Fundo, com bolsa PROUNI.

Paula Patrícia Ganzer, Faculdade CNEC - Farroupilha

FORMAÇÃO: Pós-Doutora em Administração pela Universidade de Caxias do Sul, UCS, Brasil. Doutorado em Administração pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, Brasil e pela Universidade de Caxias do Sul, UCS, Brasil (2017). Mestrado em Administração pela Universidade de Caxias do Sul, UCS, Brasil (2013). Graduação em Administração pelo Centro de Ensino Superior Farroupilha, CESF, Brasil (2010). Atuou como Bolsista de Iniciação Científica Voluntária junto ao Programa de Pós-Graduação em Administração, PPGA / UCS, no Projeto de Pesquisa de Caracterização e Análise das Inovações no Setor de Saúde de Caxias do Sul (2010). Atuou como professora convidada no MBA em Inteligência de Mercado no FSG Centro Universitário da Serra Gaúcha (2017). PRODUÇÃO CIENTÍFICA: 94 artigos publicados em periódicos. 113 artigos publicados em anais de eventos e 18 capítulos de livros publicados. 57 participações em eventos, congressos, exposições e feiras como apresentador de trabalhos e ouvintes. PARTICIPAÇÃO EM BANCAS: 72 participações em bancos, sendo: 64 em Graduação, 08 de Mestrado, 01 de Doutorado. OUTRAS INFORMAÇÕES: Associada ao CRA RS - Conselho Regional de Administração do Estado do Rio Grande do Sul, à AANERGS - Associação de Administradores da Região Nordeste do Rio Grande do Sul. ATUAÇÃO ACADÊMICA: Autora de artigos publicados em revistas nacionais e internacionais, capítulos de livros, artigos publicados em eventos científicos, no Brasil e no exterior nas áreas de Inovação e Empreendedorismo. Atua no Grupo de Pesquisa NIES - Núcleo de Inovação, Empreendedorismo e Sustentabilidade do Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade de Caxias do Sul. Avaliador de artigos científicos em periódicos nacionais e eventos nacionais e internacionais. ATUAÇÃO PROFISSIONAL: Atuou como Coordenadora de Cursos de Graduação em Administração, Tecnologia em Processos Gerenciais e Tecnologia em Gerenciamento de Recursos Humanos na Faculdade CNEC Farroupilha, Coordenadora Acadêmica da Empresa Júnior. Atua como Professora Visitante de Administração no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - Campus Caxias do Sul. Atua nas áreas de Empreendedorismo, Inovação, Gestão do Conhecimento e Inovação Organizacional em diversos setores econômicos com destaque no setor têxtil. Avaliador de artigos científicos em periódicos nacionais e eventos nacionais e internacionais. ATUAÇÃO PROFISSIONAL: Atuou como Coordenadora de Cursos de Graduação em Administração, Tecnologia em Processos Gerenciais e Tecnologia em Gerenciamento de Recursos Humanos na Faculdade CNEC Farroupilha, Coordenadora Acadêmica da Empresa Júnior. Atua como Professora Visitante de Administração no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - Campus Caxias do Sul. Atua nas áreas de Empreendedorismo, Inovação, Gestão do Conhecimento e Inovação Organizacional em diversos setores econômicos com destaque no setor têxtil. Avaliador de artigos científicos em periódicos nacionais e eventos nacionais e internacionais. ATUAÇÃO PROFISSIONAL: Atuou como Coordenadora de Cursos de Graduação em Administração, Tecnologia em Processos Gerenciais e Tecnologia em Gerenciamento de Recursos Humanos na Faculdade CNEC Farroupilha, Coordenadora Acadêmica da Empresa Júnior. Atua como Professora Visitante de Administração no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - Campus Caxias do Sul. Atua nas áreas de Empreendedorismo, Inovação, Gestão do Conhecimento e Inovação Organizacional em diversos setores econômicos com destaque no setor têxtil. Tecnologia em Processos Gerenciais e Tecnologia em Gerenciamento de Recursos Humanos na Faculdade CNEC Farroupilha, Coordenadora Acadêmica da Empresa Júnior. Atua como Professora Visitante de Administração no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - Campus Caxias do Sul. Atua nas áreas de Empreendedorismo, Inovação, Gestão do Conhecimento e Inovação Organizacional em diversos setores econômicos com destaque no setor têxtil. Tecnologia em Processos Gerenciais e Tecnologia em Gerenciamento de Recursos Humanos na Faculdade CNEC Farroupilha, Coordenadora Acadêmica da Empresa Júnior. Atua como Professora Visitante de Administração no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - Campus Caxias do Sul. Atua nas áreas de Empreendedorismo, Inovação, Gestão do Conhecimento e Inovação Organizacional em diversos setores econômicos com destaque no setor têxtil.

Juliana Matte, Universidade de Caxias do Sul (UCS)

Doutoranda em Administração no Programa de Pós-Graduação em Administração - PPGA da Universidade de Caxias do Sul - UCS com bolsa FAPERGS/CAPES. Mestre em Administração no Programa de Pós-Graduação em Administração - PPGA da Universidade de Caxias do Sul - UCS. MBA em Gestão Comercial pela Fundação Getúlio Vargas - FGV. Graduada em Administração com ênfase em Marketing pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS. Integrante do Grupo de Pesquisa Núcleo de Inovação, Empreendedorismo e Sustentabilidade - NIES. Tem experiência na gestão estratégica no varejo. Tem experiência no setor bancário. Tem interesse na docência para os cursos de Administração e Marketing.

Pelayo Munhoz Olea, Universidade Federal do Rio Grande (FURG)

Pós-Doutorado em Gestão Ambiental pela Universidad de Extremadura, UEX, Espanha. Doutorado em Administração e Direção de Empresas pela Universitat Politècnica de Catalunya, ETSEIB/UPC, Espanha. Mestrado em Engenharia de Fabricação de Papel pela Universitat Politècnica de Catalunya, ETSEIAT/UPC, Espanha. Graduação em Administração de Empresas pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUC/RS e Graduação em Engenharia Mecânica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUC/RS.

Referências

Abdala, M. M., Calvosa, M. V. D., & Batista, L. G. (2016). Hélice Tríplice no Brasil: Um ensaio teórico acerca dos benefícios da entrada da universidade nas parcerias Estatais. http://www.fsma.edu.br/cadernos/Artigos/Cadernos_3_artigo_3.pdf

Araújo, M. H., Lago, R. M., Oliveira, L. C., Cabral, P. R., Cheng, L. C., Borges, C., & Filion, L. J. (2005). “Spin-Off” acadêmico: Criando riquezas a partir de conhecimento e pesquisa. Química Nova, 28, S26-S35.

Audy, J. L. N., & Morosini, M. (2006). Innovation and entrepreneurialism in the university. Edipucrs.

Bardin, L. (2010). Análise de Conteúdo. Edições 70.

Boh, W. F., De-Haan, U., & Strom, R. (2016). University technology transfer through entrepreneurship: Faculty and students in spinoffs. The Journal of Technology Transfer, 41(4), 661-669.

Borges, C., & Jacques Filion, L. (2013). Spin-off process and the development of academic entrepreneur’s social capital. Journal of technology management & innovation, 8(1), 21-34.

Lei n. 9.279, de 14 de maio de 1996.

Lei n. 10.973, de 2 de dezembro de 2004.

Lei n. 12.881, de 12 de novembro de 2003.

Brettel, M., Klein, M., & Friederichsen, N. (2016). The relevance of manufacturing flexibility in the context of Industrie 4.0. Procedia Cirp, 41, 105-110.

Brown, R. (2016). Mission impossible? Entrepreneurial universities and peripheral regional innovation systems. Industry and innovation, 23(2), 189-205.

Carayannis, E. G., Grigoroudis, E., Campbell, D. F., Meissner, D., & Stamati, D. (2018). 'Mode 3'universities and academic firms: Thinking beyond the box trans-disciplinarity and nonlinear innovation dynamics within competitive entrepreneurial ecosystems. International Journal of Technology Management, 77(1-3), 145-185.

Chais, C., Ganzer, P. P., & Olea, P. M. (2018). Technology transfer between universities and companies. Innovation & Management Review.

Ciliberti, S., Carraresi, L., & Broering, S. (2016). Drivers of innovation in Italy: Food versus pharmaceutical industry. British Food Journal, 118(6), 1292-1316.

Comissão Econômica para a América Latina. (2018). https://www.cepal.org/pt-br/cepal-0

Espacenet. (2017). European Patent Office.

Etzkowitz, H. E. (2009). Hélice tríplice: Universidade-indústria-governo inovação em ação. Edipucrs.

Etzkowitz, H. E. (2013). Anatomy of the entrepreneurial university. Social Science Information, 52(3), 486-511.

Etzkowitz, H. E., & Leydesdorff, L. (2000). The dynamics of innovation: From national systems and “mode 2” to a triple helix of university–industry–government relations. Research policy, 29(2), 109-123.

Etzkowitz, H. E., & Zhou, C. (2017). The triple helix: University–industry–government innovation and entrepreneurship. Routledge.

Fava-de-Moraes, F. (2000). Universidade, inovação e impacto socioeconômico. São Paulo em perspectiva, 14(3), 8-11. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-88392000000300003&lng=pt&nrm=iso.

Ferri, S., Fiorentino, R., Parmentola, A., & Sapio, A. (2019). Patenteando ou não? O dilema dos fundadores do spin-off acadêmico. Business Process Management Journal.

Flick, U. (2016). Challenges for a new critical qualitative inquiry: Introduction to the special issue. Qualitative Inquiry, 23(1), 3-7.

Formulário para Informações sobre a Política de Propriedade Intelectual das Instituições Científicas, Tecnológicas e de Inovação do Brasil. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. (2012). Política de propriedade intelectual das instituições científicas e tecnológicas do Brasil: Relatório Formict, 2012. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação.

Ganzarain, J., Markuerkiaga, L., & Igartua, J. I. (2019). Como o trabalho em projetos colaborativos universidade-empresa fomenta o processo de aprendizagem do doutorado industrial? Engineering Digital Transformation, 25(32).

Gómez, J., Salazar, I., & Vargas, P. (2016). Sources of information as determinants of product and process innovation. PloS one, 11(4).

Gonçalves, E. J. V. (2012). Análise e desenvolvimento de modelos de negócio em spin-offs acadêmicos: Um estudo junto às empresas da INBATEC /UFLA (Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Lavras, Lavras, Minas Gerais, Brasil).

Guerrero, M., Urbano, D., & Fayolle, A. (2016). Entrepreneurial activity and regional competitiveness: Evidence from European entrepreneurial universities. The Journal of Technology Transfer, 41(1), 105-131.

Hayter, C. S. (2016). A trajectory of early-stage spinoff success: The role of knowledge intermediaries within an entrepreneurial university ecosystem. Small Business Economics, 47(3), 633-656.

Huyghe, A., Knockaert, M., Piva, E., & Wright, M. (2016). Are researchers deliberately bypassing the technology transfer office? An analysis of TTO awareness. Small Business Economics, 47(3), 589-607.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2016). Pesquisa de Inovação Tecnológica - PINTEC 2014.

Instituto Nacional de Propriedade Industrial. (2016). Consulta a base de dados do INPI. http://formulario.inpi.gov.br/MarcaPatente/jsp/servimg/servimg.jsp?BasePesquisa=Patentes

Leih, S., & Teece, D. (2016). Campus leadership and the entrepreneurial university: A dynamic capabilities perspective. Academy of Management Perspectives, 30(2), 182-210.

Lemos, D. C., & Cario, S. A. F. (2017). University–industry interaction in Santa Catarina: Evolutionary phases, forms of interaction, benefits, and barriers. RAI Revista de Administração e Inovação, 14(1), 16-29.

Le Roy, F., Robert, M., & Lasch, F. (2016). Choosing the best partner for product innovation: Talking to the enemy or to a friend? International Studies of Management & Organization, 46(2-3), 136-158.

Lopes, V. F. (2012). A Inserção da Universidade Federal de Sergipe (UFS) no processo de inovação e desenvolvimento local: Intenção e prática (Tese de Doutorado, Universidade Federal de Pernambuco, Pernambuco, Brasil).

Minayo, M. C. D. S. (2017). Scientificity, generalization and dissemination of qualitative studies. Ciencia & saúde coletiva, 22, 16-17.

Maçonetto, M. R. (2010). Políticas públicas em inovação: Um estudo comparativo entre as estratégias empregadas no Programa de Inovação Tecnológica (PIT) e no Programa Primeira Empresa Inovadora (PRIME) (Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, Brasil).

McClure, K. R. (2016). Building the innovative and entrepreneurial university: An institutional case study of administrative academic capitalism. The Journal of Higher Education, 87(4), 516-543.

Organisation for Economic Co-operation and Development. (2005). Oslo Manual. The measurement of scientific and technological activities.

Organisation for Economic Co-operation and Development. (2015). Frascati Manual. Guidelines for collecting and reporting data on research and experimental development.

Pereira, G. M. C., Castro, F. N., Lanza, L. N. M., & Lanza, D. C. F. (2016). Overview of opportunities for graduates of higher education in Brazil: The role of innovation in the creation of new job markets. Ensaio.

Rogers, E. M. (1971). Diffusion of Innovations (3a ed.). Collier Macmillan Publishers.

Schoppe, L. A., & Chylla, R. W. (2016). Collaborating with universities and government labs. Research-Technology Management, 59(1), 67-71.

Schumpeter, J. A. (1934). The theory of economic development. Harvard University Press.

Schumpeter, J. A. (1942). Capitalism, Socialism and Democracy. Harper.

Soria, A. F. (2011). Gestão da transferência de tecnologia na interação universidade-empresa (Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil).

Stal, E., & Fujino, A. (2016). The evolution of universities’ relations with the business sector in Brazil: What national publications between 1980 and 2012 reveal. Revista de Administração, 51(1), 72-86.

Tidd, J., Bessant, J., & Pavitt, K. (2005). Managing innovation: Integrating technological, market and organizational change. John Wiley & Sons.

Universidade Estadual de Campinas. (2015). Inova Unicamp. http://www.inova.unicamp.br/sobre.

Virkkala, S., Mäenpää, A., & Mariussen, Å. (2017). A connectivity model as a potential tool for smart specialization strategies. European Planning Studies, 25(4), 661-679.

World Intellectual Property Organization. (2017). Disponível em: https://www.wipo.int/patentscope/en/. Acesso em 02 de jan de 2017.

Yin, R. K. (2013). Validity and generalization in future case study evaluations. Evaluation, 19(3), 321-332.

Zen, A. C., Machado, B. D., López, A. I. J., Borges, M. C., & de Menezes, D. C. (2017). Rota da inovação: uma proposta de metodologia de gestão da inovação. RAC-Revista de Administração Contemporânea, 21(6), 875-892.

Downloads

Publicado

19-03-2021

Como Citar

Chais, C., Ganzer, P. P. ., Miri, D. H., Matte, J. ., & Olea, P. M. . (2021). Interação universidade-empresa: análise de caso de duas universidades brasileiras. RACE - Revista De Administração, Contabilidade E Economia, 20(1), 109–132. https://doi.org/10.18593/race.23812

Edição

Seção

Administração

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)