Dinâmicas orçamentárias dos governos locais paranaenses: Seguindo o incrementalismo ou equilíbrio pontuado?

Palavras-chave: Dinâmica orçamentária, Incrementalismo, Equilíbrio pontuado, Execução orçamentária

Resumo

Este estudo objetivou analisar se o processo orçamentário dos governos locais paranaenses segue os padrões de mudança incremental nas dotações orçamentárias ou ocorrência de pontuações orçamentárias. No que se refere aos objetivos, este estudo se caracteriza como descritivo. Quanto à abordagem, a pesquisa se caracteriza como qualitativa. A amostra corresponde a 39 governos locais paranaenses, cujo levantamento de dados diz respeito ao eixo temporal 2014 a 2017. Os dados foram coletados no site do Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro (Siconfi) em outubro de 2018. Foram estabelecidas quatro variáveis de análise: educação, saúde, segurança pública e urbanismo. Levando-se em consideração os aspectos analisados, conclui-se que a variação percentual nos dados de apropriação do orçamento é distribuída de forma não linear, conforme ilustrado pelas apresentações gráficas e estatísticas descritivas, sugerindo a ocorrência de um padrão de equilíbrio pontuado e também a ocorrência de pontuações simultâneas nas alocações orçamentárias entre os setores das políticas públicas. As limitações da pesquisa são concernentes à seleção da amostra e variáveis analisadas. Como apontamentos de pesquisas futuras, sugere-se utilizar um recorte longitudinal maior, bem como a aplicação de modelos com testes estatísticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Suave, Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO)

Doutor em Controladoria e Contabilidade pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA USP), com período sanduíche na University of Illinois at Urbana-Champaign (UIUC) nos Estados Unidos. É mestre em Contabilidade pelo Programa de Pós-Graduação em Contabilidade da Universidade Federal de Santa Catarina (2013) e graduado em Ciências Contábeis pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2011). Atualmente é professor no curso de Ciências Contábeis da Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO), em Guarapuava-PR. 

Fabiano Aparecido da Silva, UNINTER

Especialista em Contabilidade Pública Pela Uninter, Graduado em Ciências Contábeis Pela Fatecie, Contador da Câmara Municipal de Miraselva-PR

Fabricia Silva da Rosa, Universidade Federal de Santa catarina - UFSC

Pós-doutorado em Contabilidade pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre e Doutora em Engenharia de Produção pela UFSC. Doutorado sanduíche em Contabilitad pela Universitat de València. Graduada em Ciências Contábeis pela UFSC. Professora adjunta da UFSC e do Programa de Pós-Graduação em Contabilidade da UFSC

Referências

Alves, M. A. (2016). O modelo incremental como teoria para o processo orçamentário. Revista Brasileira de Planejamento e Orçamento, 6(2), 124-137.

Anderson, S., & Harbridge, L. (2010). Incrementalism in appropriations: Small aggregation, big changes. Public Administration Review, 70(3), 464-474.

Ashwani, B., & Sheera, V. P. (2017). Public spending and economic growth for Indian states. International Journal of Public Sector Performance Management, 3(3), 250-265.

Bailey, J. J., & O'connor, R. J. (1975). Operationalizing incrementalism: Measuring the muddles. Public Administration Review, 60-66.

Barro, R. J. (1990, October). Government spending in a simple model of endogenous growth. Journal of Political Economy, 98, 103-125.

Baumgartner, F. R., & Jones, B. D. (1993). Agendas and instability in American politics. Chicago, IL: University of Chicago Press.

Baumgartner, F. R., & Jones, B. D. (2010). Agendas and instability in American politics. Chicago, IL: University of Chicago Press.

Baumgartner, F. R., Foucault, M., & François, A. (2006). Punctuated equilibrium in French budgeting processes. Journal of European Public Policy, 13(7), 1086-1103.

Carvalho, D. I. (2018). Teoria do Equilíbrio Pontuado: Uma Análise da Execução Orçamentária no Brasil no Período de 1980—2014. Revista do Serviço Público, 69(1), 85-110.

Chon, Y. O, & Ahn, K. C. (2015). Applying the incrementalism model to the free school meals policy in Korea. International Review of Public Administration, 20(2), 194-207.

Citi, M. (2013). EU budgetary dynamics: incremental or punctuated equilibrium? Journal of European Public Policy, 20(8), 1157-1173.

Danziger, J. N. (1976). Assessing incrementalism in British municipal budgeting. British Journal of Political Science, 6(3), 335-350.

Fittipaldi, I., Costa, S. F., & Araújo, C. M. C. de. (2017). O gasto público federal brasileiro: Um perfil incrementalista? Revista do Serviço Público, 68(3), 611-630.

Givel, M. (2010). The evolution of the theoretical foundations of punctuated equilibrium theory in public policy. Review of Policy Research, 27(2), 187-198.

Guragain, H. P., & Lim, S. (2018). Nepalese Budgetary Dynamics: Following Incrementalism or Punctuated Equilibrium? Public Organization Review, 1-26.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2016). População. Recuperado de https://www.ibge.gov.br/

John, P., & Margetts, H. (2003). Policy punctuations in the UK: Fluctuations and equilibria in central government expenditure since 1951. Public Administration, 81(3), 411-432.

Jones, B. D., & Baumgartner, F. R. (2012). From there to here: Punctuated equilibrium to the general punctuation thesis to a theory of government information processing. Policy Studies Journal, 40(1), 1-20.

Jones, B. D., True, J., & Baumgartner, F. (2006). Punctuated Equilibrium Theory. Retrieved from https://paulcairney.files.wordpress.com/2017/07/true-baum-and-jones-2007-in-sabatier.pdf

Jordan, M. M. (2003). Punctuations and agendas: A new look at local government budgetexpenditures. Journal of Policy Analysis and Management, 22(3), 345-360.

Kim, C.-H. (2005). A study on patterns determinants of the change of government expenditure: Focused on the change of functional expenditure of Korean central government. KPAR, 39(3), 115-136.

Kuhlmann, J., & Van Der Heijden, J. (2018). What Is Known about Punctuated Equilibrium Theory? And What Does That Tell Us about the Construction, Validation, and Replication of Knowledge in the Policy Sciences? Review of Policy Research, 35(2), 326-347.

Ollaik, L. G., & Medeiros, J. J. (2011). Instrumentos governamentais: Reflexões para uma agenda de pesquisas sobre implementação de políticas públicas no Brasil. Revista de Administração Pública, 45(6), 1943-1967.

Peres, U. D., & Mattos, B. B. (2017). A Participação Social e o Conflito Distributivo na Planificação e Orçamentação Públicas: O Caso do Município de São Paulo. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 22(73), 456-477.

Piscitelli, R. B., & Timbó, M. Z. (2019). Contabilidade pública: Uma abordagem da administração financeira pública. 14ª ed.). São Paulo: Atlas.

Richardson, R. J., & Peres, J. A. (1999). Pesquisa Social: Métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

Silvestre, H. C., & Araújo, J. F. F. E. (2015). Teoria do Equilíbrio Pontuado nas Políticas Públicas Brasileiras: O Caso do Ceará. Revista de Administração Contemporânea, 19(6), 696-711.

Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. (2018). Recuperado de https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/public/consulta_finbra/finbra_list.jsf

True, J. L. (2000). Avalanches and incrementalism: Making policy and budgets in the United States. The American Review of Public Administration, 30(1), 3-18.

Wildavsky, A. B. (1964). Politics of the budgetary process. Boston: Little, Brown.

Wildavsky, A. B. (1992). The new politics of the budgetary process. 2nd ed.). New York: HarperCollins.

Yoo, K.-R. (2007). The time series analysis of disconnection policy about South Korea’s central government budget. KPAR, 41(2), 95-116.

Zanmaria, N. A., & Castilho, M. L. (2006). Gastos públicos com educação e seus reflexos no crescimento econômico brasileiro. Revista Faz Ciência, 8(1), 123.

Zapelini, M. B., Lima, J. G., & Guedes, M. C. (2017). Evolução da Política Habitacional no Brasil (1967—2014): Uma Análise de Equilíbrio Pontuado. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, 6(3).

Publicado
12-08-2020
Como Citar
Silva, C. A. da, Suave, R. ., Silva, F. A. da, & Rosa, F. S. da . (2020). Dinâmicas orçamentárias dos governos locais paranaenses: Seguindo o incrementalismo ou equilíbrio pontuado?. RACE - Revista De Administração, Contabilidade E Economia, 19(2), 299-316. https://doi.org/10.18593/race.23793
Seção
Artigos teórico-empíricos