Influência da estrutura de propriedade e da gestão familiar no custo de financiamento da dívida de companhias abertas brasileiras

  • Geovanne Dias de Moura Universidade Comunitária da Região de Chapecó – UNOCHAPECÓ
  • Jovani Lanzarin Universidade Comunitária da Região de Chapecó – UNOCHAPECÓ
  • Sady Mazzioni Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ
  • Francisca Francivânia Rodrigues Ribeiro Macêdo Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA
  • Ilse Maria Beuren Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC
Palavras-chave: Estrutura de propriedade familiar, Gestão familiar, Custo do financiamento da dívida, Companhias abertas brasileiras

Resumo

O objetivo do estudo foi verificar a influência da estrutura de propriedade e da gestão familiar no custo do financiamento da dívida de companhias abertas listadas na B3. Para isso, foi realizada pesquisa quantitative e descritiva, por meio de análise documental e com consulta aos Formulários de Referência, banco de dados Economatica e site da B3. A amostra foi composta por 211 companhias abertas em 2012, 214 em 2013, 225 em 2014, 220 em 2015 e 223 em 2016. Os resultados mostraram que o custo médio do financiamento da dívida, na maioria dos anos, não foi menor no grupo de empresas que tinha uma estrutura familiar. No entanto, ao comparar o custo do financiamento da dívida entre empresas que possuíam gestão familiar e não familiar, percebeu-se que, na maioria dos anos, o custo era menor no grupo de empresas familiares. Portanto, verificou-se que apenas a gestão familiar influenciou a redução do custo do financiamento da dívida. Conclui-se que as empresas com estrutura acionária e gestão familiar desfrutam de maior alinhamento de interesses entre o controlador e o gestor, de acordo com a perspectiva principal-agente da Teoria da Agência. A pesquisa contribui para fortalecer a compreensão do tema no cenário brasileiro e expande a discussão existente na literatura, abordando um fator que influencia o custo da dívida e que ainda é pouco explorado no Brasil. Também contribui para a literatura da área com evidências empíricas relacionadas ao cenário brasileiro, que ainda carece de pesquisas dessa natureza.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Geovanne Dias de Moura, Universidade Comunitária da Região de Chapecó – UNOCHAPECÓ

Doutor em Ciências Contábeis e Administração pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Regional de Blumenau (FURB).

Professor do Mestrado em Ciências Contábeis e Administração da Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ

Jovani Lanzarin, Universidade Comunitária da Região de Chapecó – UNOCHAPECÓ

Master in Accounting Sciences and Business Administration

Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ, Chapecó, Santa Catarina, Brazil.

Sady Mazzioni, Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ

Professor of the Postgraduate Accounting Sciences and Business Administration

Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ

Francisca Francivânia Rodrigues Ribeiro Macêdo, Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA

Professor of the Department of Accounting Sciences

Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA

Ilse Maria Beuren, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Professor of the Department of Accounting Sciences

Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Referências

Anderson, R. C., Mansi, S. A., & Reeb, D. M. (2003). Founding family ownership and the agency cost of debt. Journal of Financial Economics, 68(2), 263-285.

Andres, C. (2008). Large shareholders and firm performance: An empirical examination of founding-family ownership. Journal of Corporate Finance, 14(4), 431-445.

Angonese, R., Fank, O. L., Oliveira, C. R., & Bezerra, F. A. (2013). Divulgação de informações voluntárias na internet como determinante do custo do capital de terceiros. Enfoque: Reflexão Contábil, 32(3).

Barros, C. M. E., Silva, P. Y. C., & Voese, S. B. (2015). Relação entre o custo da dívida de financiamentos e governança corporativa no Brasil. Contab., Gestão e Governança, 18(2).

Boubakri, N., & Ghouma, H. (2010). Control/ownership structure, creditor rights protection, and the cost of debt financing: International evidence. Journal of Banking & Finance, 34(10), 2481-2499.

Cai, D., Luo, J. H., & Wan, D. F. (2012). Family CEOs: Do they benefit firm performance in China? Asia Pacific Journal of Management, 29(4), 923-947.

Caroprezo, B. (2011). O impacto das melhores práticas de governança corporativa no custo da dívida das empresas brasileiras (Doctoral dissertation). Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro.

Castro, M. A. R., & Martinez, A. L. (2009). Income smoothing, cost of debt capital and capital structure in Brazil. RAM. Revista de Administração Mackenzie, 10(6), 25-46.

Claessens, S., Djankov, S., & Lang, L. H. (2000). The separation of ownership and control in East Asian corporations. Journal of Financial Economics, 58(1-2), 81-112.

Faccio, M., & Lang, L. H. (2002). The ultimate ownership of Western European corporations. Journal of Financial Economics, 65(3), 365-395.

Fernandes, S. M. (2013). A influência do disclosure ambiental na estrutura de capital das empresas brasileiras listadas na BM&FBovespa. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 7(2).

Fonseca, C. V. C., & Silveira, R. L. F. (2016). Governança Corporativa e Custo de Capital de Terceiros: Evidências entre Empresas Brasileiras de Capital Aberto. REAd—Revista Eletrônica de Administração, 22(1).

Ghouma, H. (2017). How does managerial opportunism affect the cost of debt financing? Research in International Business and Finance, 39, 13-29.

Hashim, H. A., & Amrah, M. (2016). Corporate governance mechanisms and cost of debt: Evidence of family and non-family firms in Oman. Managerial Auditing, 31(3), 314-336.

Hautz, J., Mayer, M. C., & Stadler, C. (2013). Ownership identity and concentration: A study of their joint impact on corporate diversification. British J. of Management, 24(1), 102-126.

Khan, M. K., Kaleem, A., Nazir, M., & Saeed, R. (2013). Relationship of family ownership and agency cost of debt in Pakistani firms. Science International, 25(2).

Konraht, J. M., Camargo, R. V. W., & Vicente, E. F. R. (2016). Excesso de controle acionário: Um estudo do seu reflexo sobre o custo da dívida das empresas brasileiras de capital aberto. Enfoque, 35(2), 105.

La Porta, R., Lopez‐de‐Silanes, F., & Shleifer, A. (1999). Corporate ownership around the world. The Journal of Finance, 54(2), 471-517.

Lima, G. A. S. F. (2009). Nível de evidenciação x custo da dívida das empresas brasileiras. Revista Contabilidade & Finanças, 20(49), 95-108.

Lin, C., Ma, Y., Malatesta, P., & Xuan, Y. (2011). Ownership structure and the cost of corporate borrowing. Journal of Financial Economics, 100(1), 1-23.

Liu, W., Yang, H., & Zhang, G. (2012). Does family business excel in firm performance? An institution-based view. Asia Pacific Journal of Management, 29(4), 965-987.

Ma, L., Ma, S., & Tian, G. (2017). Corporate opacity and cost of debt for family firms. European Accounting Review, 26(1), 27-59.

Masri, I., & Martani, D. (2014). Tax avoidance behaviour towards the cost of debt. International Journal of Trade and Global Markets, 7(3), 235-249.

Miller, D., Le Breton-Miller, I., Lester, R. H., & Cannella, A. A., Jr. (2007). Are family firms really superior performers? Journal of Corporate Finance, 13(5), 829-858.

Moura, G. D. (2014). Influência da estrutura de propriedade e da gestão familiar no posicionamento em fusões e aquisições (Tese de doutorado). Universidade Regional de Blumenau, Blumenau.

Moura, G. D., Macêdo, F. F. R. R., Mazzioni, S., & Kruger, S. D. (2016). Análise da relação entre gerenciamento de resultados e custo de capital em empresas brasileiras listadas na BM&Fbovespa. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 15(44), 9-23.

Nardi, P. C. C., & Nakao, S. H. (2009). Gerenciamento de resultados e a relação com o custo da dívida das empresas brasileiras abertas. Revista Contabilidade & Finanças—USP, 20(51).

Palmieri, A. R. D. T. L., & Ambrozini, M. A. (2016). Impacto da abertura de capital no custo da dívida das empresas. Contabilidade Vista & Revista, 27(3), 124-142.

Peixoto, F. M., Pains, M. B., Araújo, A. A. de, & Guimarães, T. M. (2016). Custo de capital, endividamento e sustentabilidade empresarial: Um estudo no mercado de capitais brasileiro no período de 2009 a 2013. Revista de Administração, Contabilidade e Economia, 15(1), 39-66.

Peng, M. W., & Jiang, Y. (2010). Institutions behind family ownership and control in large firms. Journal of Management Studies, 47(2), 253-273.

Richter, A., & Weiss, C. (2013). Determinants of ownership concentration in public firms: The importance of firm-, industry-and country-level factors. International Review of Law and Economics, 33, 1-14.

Shailer, G., & Wang, K. (2015). Government ownership and the cost of debt for Chinese listed corporations. Emerging Markets Review, 22, 1-17.

Steijvers, T., & Voordeckers, W. (2009). Private family ownership and the agency costs of debt. Family Business Review, 22(4), 333-346.

Tanaka, T. (2014). Corporate governance and the cost of public debt financing: Evidence from Japan. Journal of the Japanese and International Economies, 34, 315-335.

Villalonga, B., & Amit, R. (2006). How do family ownership, control and management affect firm value? Journal of Financial Economics, 80(2), 385-417.

Publicado
12-08-2020
Como Citar
Moura, G. D. de, Lanzarin, J., Mazzioni, S., Macêdo, F. F. R. R., & Beuren, I. M. (2020). Influência da estrutura de propriedade e da gestão familiar no custo de financiamento da dívida de companhias abertas brasileiras. RACE - Revista De Administração, Contabilidade E Economia, 19(2), 203-226. https://doi.org/10.18593/race.23789
Seção
Artigos teórico-empíricos