Gestão da inovação em empresas do setor coureiro-calçadista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/race.23728

Palavras-chave:

Inovação, Gestão, Setor coureiro-calçadista

Resumo

As mudanças no cenário econômico vêm transformando o modo de atuação das empresas, e, com isso, a inovação têm sido uma forte aliada para se manterem competitivas no mercado. Pensando na realidade das organizações localizadas na Cidade de Novo Hamburgo, no Estado do Rio Grande do Sul, que durante muito tempo teve sua economia voltada para o setor coureiro-calçadista, este artigo objetivou identificar as especificidades, necessidades e carências do processo de gestão da inovação em empresas do referido setor. Para atender ao exposto, optou-se pelo delineamento metodológico, que iniciou com a revisão bibliográfica e a coleta de dados por meio de observações diretas e entrevista em profundidade com nove gestores de diferentes organizações. Evidenciou-se que as referidas organizações ainda se encontram em estágios iniciais no que diz respeito ao processo de gestão da inovação. Contudo, os entrevistados reconhecem o potencial de diferenciação que está implícito no processo de inovação, mas ressaltam o alto custo, a pouca experiência e a falta de cultura da inovação como as principais barreiras na adoção de práticas de inovação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa Theis, Universidade FEEVALE

Doutoranda do Programa de Pós Graduação em Qualidade Ambiental na Universidade FEEVALE. Mestre em Qualidade Ambiental e Bacharela em Administração de Empresas pela mesma instituição.

Referências

Associação Brasileira das Indústrias de Calçados. (2020). Relatório Setorial. Indústria de Calçados. http://abicalcados.com.br/publicacoes/relatorio-setorial

Associação Brasileira das Indústrias de Calçados. (2021, fevereiro). ABINFORMA: Informativo da Associação Brasileira das Indústrias de Calçado. https://www.abicalcados.com.br/midia/informativo/arquivos/16127857341927.pdf

Barbieri, J. C., Álvares, A. C., & Cajazeira, J. E. R. (2009). Gestão de ideias para inovação contínua. Bookman.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. Edições 70.

Brabandere, L. (2006). O lado oculto das mudanças. Elsevier.

Bessi, V. G., Oberherr, G., & Oliveira, C. F. (2019). Estímulos e barreiras para a promoção de uma cultura da inovação em uma empresa calçadista. Desenvolve Revista de Gestão do Unilasalle, 8(3), 63-78.

Coral, E., Ogliari, A., & Abreu, A. F. (2009). Gestão integrada da inovação: Estratégia, organização e desenvolvimento de produtos. Atlas.

Davila, G. A., Durst, S., & Varvakis, G. (2018). Knowledge absorptive capacity, innovation, and firm’s performance: Insights from the South of Brazil. International Journal of Innovation Management, 22(2), 1850013.

Davila T., Epstein M. J., & Shelton R. (2012). Making innovation work: How to manage it, measure it, and profit from it. FT Press.

Frishammar, J., Richtnér, A., Brattström, A., Magnusson, M., & Björk, J. (2019). Opportunities and challenges in the new innovation landscape: Implications for innovation auditing and innovation management. European Management Journal, 37(2), 151-164.

Guimarães, S. K. (2011, setembro-dezembro). Produção do conhecimento científico e inovação: Desafios do novo padrão de desenvolvimento. Cad. CRH, 24(63).

Hair, J. F., Babin, B., Money, A. H., & Samouel, P. (2005). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Bookman.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2014). PINTEC - Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica. https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv99007.pdf

Jannuzzi, C. S. C., Falsarella, O. M., & Sugahara, C. R. (2016). Gestão do conhecimento: Um estudo de modelos e sua relação com a inovação nas organizações. Perspectivas em Ciência da Informação, 21(1), 97-118.

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2011). Metodologia científica. (6a ed. rev. ampl.). Atlas.

Oliveira, C. A. A., Araújo, M. S. B., Nascimento, P. S., Ferreira, L. C., & Rossi, A. L. (2009). Estratégias de crescimento econômico: Auferindo vantagens competitivas através da inovação. Anais do Encontro da ANPAD, São Paulo, 33.

Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico. (2005). Manual de Oslo: Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação (3a ed.). http://www.mct.gov.br/index.php/content/view/4639.html

Polkinghorne, D. (2007). Validity issues in narrative research. Qualitative Inquiry, 13(4), 471-486.

Prahalad, C. K., & Krishnan, M. S. (2008). A nova era da inovação. Campus.

Roesch, S. M. A. (2005). Projetos de estágios e de pesquisa em Administração: Guia para estágios, trabalhos de conclusão, dissertações e estudo de caso (3a ed.). Atlas.

Santana, J. R., Silva Teixeira, A. L., Rapini, M. S., & Esperidião, F. (2020). Financiamento público à inovação de empresas no Nordeste: Uma análise setorial à luz dos objetivos das políticas industrial e de inovação. Revista Econômica do Nordeste, 51(1), 161-179.

Scherer, F. O., & Carlomagno, M. S. (2009). Gestão da inovação na prática: Como aplicar conceitos e ferramentas para alavancar a inovação. Atlas.

Schumpeter, J. A (1982). Teoria do desenvolvimento econômico: Uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. Abril Cultural.

Souza, V., Paula. N. M., & Fuck, M. P. (2012). Os desafios da Industria Calçadista Brasileira: Competir ou proteger. Revista Economia & Tecnologia, 8(4), 93-100.

Thomas, E., & Engesser, M. N. (2012). Socialização de conhecimentos para a inovação: O nível de compartilhamento com empresas parceiras. Anais do Encontro da ANPAD, Rio de Janeiro, 36. http://www.anpad.org.br/admin/pdf/2012_EOR959.pdf

Tidd, J., & Bessant, K. (2015). Gestão da inovação (5a ed.). Bookman.

Trantopoulos, K., von Krogh, G., Wallin, M. W., & Woerter, M. (2017). External knowledge and information technology: Implications for process innovation performance. MIS quarterly, 41(1), 287-300.

Trott, P. (2012). Gestão da inovação e desenvolvimento de novos produtos (4a ed.). Bookman.

Vilha, A. M. (2010). Gestão da inovação nas empresas. PDS Diadema – Plástico & Borracha.

Xavier, A. F., Naveiro, R. M., Aoussat, A., & Reyes, T. (2017). Systematic literature review of eco-innovation models: Opportunities and recommendations for future research. Journal of Cleaner Production, 149, 1278-1302.

West, J., & Bogers, M. (2017). Open innovation: Current status and research opportunities. Innovation, 19(1), 43-50.

Zawislak, P. A., Borges, M., Wegner, D., Santos, A., & Castro-Lucas, C. (2008). Towards the innovation function. Journal of Technology Management & Innovation, 3(4), 17-30.

Downloads

Publicado

10-02-2021

Como Citar

Theis, V., Blos, C. F. ., & Schreiber, D. . (2021). Gestão da inovação em empresas do setor coureiro-calçadista. RACE - Revista De Administração, Contabilidade E Economia, 20(1), 89–108. https://doi.org/10.18593/race.23728

Edição

Seção

Administração