Orientação empreendedora e prática de custos na rede hoteleira do Sul brasileiro

  • Suzete Antonieta Lizote
  • Sayonara Fátima Teston Universidade do Oeste de Santa Catarina - Chapecó
  • Patrick Zawadzki
  • Sandeep Kumar Gupta
Palavras-chave: Orientação empreendedora, Custos, Rede hoteleira

Resumo

Este estudo teve como objetivo avaliar a relação entre orientação empreendedora e prática de custos em hotéis. O material para realizar a pesquisa descritiva e relacional com abordagem quantitativa foi obtido por meio de um questionário de autopreenchimento que foi respondido pelos gestores de hotéis de 16 cidades da região Sul do Brasil. Os dados obtidos foram analisados empregando a ANOVA e análise de correlação de Spearman. Os resultados deste estudo evidenciaram que os hotéis que adotam o método de custeio baseado em atividades e formam o preço considerando os valores de mercado são os que possuem respectivamente maior orientação empreendedora. Entre as implicações práticas, acredita-se que os resultados podem auxiliar na tomada de decisões de gestão. Paralelamente, ao trabalhar com a formação do preço da diária, constata-se que os hotéis que realizam a precificação baseada nos valores de mercado são os que têm melhores práticas de custos. O estudo apresenta originalidade, pois demonstra uma atitude conservadora dos hotéis, no que se refere à assunção de riscos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Almuhrzi, H., & Al-Azri, H. (2019). Conference report: second UNWTO/UNESCO world conference on tourism and culture: Fostering sustainable development. International Journal of Culture, Tourism and Hospitality Research, 13(1), 144-150.

Arani, M. S., & Shafiizadeh, H. (2019). Investigation of Brand Familiarity and Brand Recognition and their Relationship with Loyalty, Repurchase Intention, and Brand Recommendation with Mediating Role of Brand Reputation (Case Study: Esteghlal Hotel). Revista Gestão & Tecnologia, 19(5), 7-29.

Beulke, R., & Bertó, D. J. (2001). Estrutura e análise de custos. São Paulo: Saraiva.

Bortoluzzi, S. C., Ensslin, S. R., & Ensslin, L. (2010). Avaliação de desempenho dos aspectos tangíveis e intangíveis da área de mercado: Estudo de caso em uma média empresa industrial. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 12(37), 425-446.

Brandt, E., Kroenke, A., & Pletsch, C. (2018). Efeitos da gestão familiar na avaliação de desempenho da empresa: Evidêncais do Brasil. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 17(52), 41-55.

Bruni, A. L., & Famá, R. (2004). Gestão de custos e formação de preços: Com aplicações na calculadora HP 12C e Excel. (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Carvalho, C. E. (2011). Relacionamento entre ambiente organizacional, capacidades, orientação estratégia e desempenho: Um estudo no setor hoteleiro brasileiro (Tese de doutorado). Universidade do Vale do Itajaí, Biguaçu.

Castillo, G. G., & Quintero, J. A. J. (2013). Retos estratégicos de la indústria hotelera española del siglo XXI: Horizonte 2020 em países emergentes. Tourism & Management Studies, 9(2), 13-20.

Chakravarthy, B. S. (1996). Measuring strategic performance. Strategic Management Journal, 7(5), 437-447.

Coordenação Geral de Serviços Turísticos. (2019). Ministério do Turismo do Brasil: Meios de Hospedagem—3º Trimestre/2019. Recuperado de http://www.dados.gov.br/dataset/cadastur-04

Covin, J. G., & Slevin, D. P. (1991). A conceptual model of entrepreneurship as firm behavior. Entrepreneurship Theory and Practice, 16(1), 7-26.

Covin, J. G., & Slevin, D. P. (1989). Strategic management of small firms in hostile and benign environments. Strategic Management Journal, 10(1), 75-87.

Dess, G. G., Lumpkin, G. T., & Covin, J. G. (1997). Entrepreneurial strategy making and firm performance: Tests of contingency and configurational models. Strategic Management Journal, 18(9), 677-695.

Fernandes, D. H., & Santos, C. P. (2008). Orientação empreendedora: Um estudo sobre as consequências do empreendedorismo nas organizações. RAE—Eletrônica, 7(1).

Finney, S. J., & DiStefano, C. (2006). Nonnormal and categorical data in structural equation modeling. In G. R. Hancok & R. O. Mueller (Orgs.), Structural equation modeling: A second course. Charlotte, NC: Information Age Publ.

Fischer, A., Nodari, T. M. dos S., & Feger, J. E. (2008). Empreendedorismo: Algumas reflexões quanto às características. RACE, Revista de Administração, Contabilidade e Economia, 7(1), 39-52.

Fu, H., Okumus, F., Wu, K., & Köseoglu, M. A. (2019). The entrepreneurship research in hospitality and tourism. International Journal of Hospitality Management, 78, 1-12.

Gosling, M. S., Fortes, F. W. T., Lopes, H. E. G., Gosling, I. T. S., & Meira, K. C. O. (2020). Reservas de Hotéis: Atributos Importantes em Transações On-Line dos Clientes. Turismo: Visão e Ação, 22(1), 87-114.

Gripa, S., & Carvalho, L. C. (2019). Integração externa e capacidade de inovação organizacional moderada pelo nível de confiança. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 19(1), 85-104.

Gunasekaran, A., & Kobu, B. (2007). Performance measures and metrics in logistics and supply chain management: A review of recent literature (1995-2004) for research and applications. International Journal of Production Research, 45(12), 2819-2840.

Gupta, V. K., & Dutta, D. K. (2016). Inquiring into Entrepreneurial Orientation: Making Progress, One Step at a Time. New England Journal of Entrepreneurship, 19(2), 1.

Hair, J. F., Jr., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham R. L. (2009). Análise multivariada de dados. (6a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Hansen, D. R., & Mowen, M. M. (2001). Gestão de custos: Contabilidade e controle. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Harris, R. J. (1975). A primer of multivariate statistics. New York: Academic Press.

Hoque, Z. (2005). Linking environmental uncertainty to non-financial performance measures and performance: A research note. The British Accounting Review, 37, 471-481.

Hughes, M., & Morgan, R. (2007). Deconstructing the relationship between entrepreneurial orientation and business performance at the embryonic stage of firm growth. Industrial Marketing Management, 36, 651-661.

Igarashi, D. C. C., Ensslin, S. R., Ensslin, L., & Paladini, E. P. (2008). A qualidade do ensino sob o viés da avaliação de um programa de pós-graduação em contabilidade: Proposta de estruturação de um modelo híbrido. RAUSP, 43(2), 117-137.

Koliver, O. (2009). Contabilidade de custos. Curitiba: Juruá.

Kraus, S., Halbertstadt, J., Niemand, T., Shaw, E., & Syrja, P. (2017). Social entrepreneurship orientation: Development of a measurement scale. International Journal of Entrepreneurial Behaviour and Research, 1-34.

Lazzarotti, F., Silveira, A. L. T. da, Carvalho, C. E., Rossetto, C. R., & Sychoski, J. C. (2015). Orientação empreendedora: Um estudo das dimensões e sua relação com desempenho em empresas graduadas. RAC, 19(6), 673-695.

Leitão, C. R. S., & Silva, J. D. G. (2006). Utilização do custeio variável no gerenciamento de hotéis: Uma pesquisa no setor hoteleiro no nordeste brasileiro. Revista Contabilidade Vista & Revista, 17(13), 25-43.

Leite, A. F. R., Lamas, S. A., & Nóbrega, V. R. M. (2019). Sistemas de gestão ambiental e competitividade: Uma análise de múltiplos casos em meios de hospedagem de Natal—RN. Revista Turismo—Visão e Ação, 21(1), 66-80.

Lumpkin, G. T., Cogliser, C. C., & Schneider, D. R. (2009). Understanding and measuring autonomy: An entrepreneurial orientation perspective. Entrepreneurship: Theory & Practice, 33(1), 47-69.

Lumpkin, G. T., & Dess, G. G. (1996). Clarifying the entrepreneurial orientation construct and linking it to performance. Academy of Management Journal, 21(1), 135-172.

Lumpkin, G. T., & Dess, G. G. (2001). Linking two dimensions of entrepreneurial orientation to firm performance: The moderating role of environment and industry life cycle. Journal of Business Venturing, 16(5), 429-451.

Lunkes, R. J. (2009). Informações de custos: Um estudo em empresas hoteleiras na cidade de Florianópolis—SC. Turismo em Análise, 20(2), 345-367.

Macedo, M. A. S., & Corrar, L. J. (2010). Analise do desempenho contábil-financeiro de seguradoras no Brasil no ano de 2007: Um estudo apoiado em análise hierárquica (AHP). Contabilidade Vista & Revista, 21(3), 135-165.

Martens, C. D. P., & Freitas, H. (2010). Orientação empreendedora nas organizações e a busca de sua facilitação. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 6(1).

Martens, C. D. P., Lacerda, F. M., Belfort, A. C., & Freitas, H. M. R. D. (2016).

Research on entrepreneurial orientation: Current status and future agenda. International. Journal of Entrepreneurial Behavior & Research, 22(4), 556-583.

Martins, G. A., & Theóphilo, C. R. (2007). Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas.

Miller, D. (1983). The Correlates of entrepreneurship in three types of firms. Management Science, 29(7), 770-791.

Nascimento, J. L. B., Vieira, A. L. L. C., & Santos, G. T. M. D. (2017). Gestão Hoteleira como Fator de Competitividade: Análise Do Binômio Gestor—Hóspede Hotel Management. Amazônia, Organizações e Sustentabilidade, 6(1), 115-138.

Neely, A., Gregory, M., & Platts, K. (2005). Performance measurement system design: A literature review and research agenda. International Journal of Operations & Production Management, 25(12), 1228-1263.

Oro, I. M., & Lavarda, C. E. F. (2017). Interação entre estratégia e desempenho organizacional: A influência da gestão familiar. Brazilian Business Review, 14(5), 493-509.

Pelham, A. M., & Wilson, D. T. (1996). A longitudinal study of the impact of market structure, firm structure, strategy, and market orientation culture on dimensions of small- firm performance. Journal of Academy of Marketing Science, 24(1), 27-43.

Perez, J. H., Jr., Oliveira, L. M. de, & Costa, R. G. (2005). Gestão estratégica de custos. (4a ed.). São Paulo: Atlas.

Perin, M. G., & Sampaio, C. H. (1999). Performance empresarial: Uma comparação entre indicadores subjetivos e objetivos. Anais do Encontro Anual da Associação de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Foz do Iguaçu, 23.

Ramos, M. S., & Souza, P. A. R. A. (2018). Consolidação de uma medida para análise do desempenho operacional e financeiro em microempresas do setor de hospedagem. Revista Hospitalidade, 15(2), 41-59.

Rauch, A., Wiklund, J., Lumpkin, G. T., & Frese, M. (2009). Entrepreneurial orientation and business performance: An assessment of past research and suggestions for the future. Entrepreneurship: Theory & Practice, 33(3), 761-781.

Runyan, R., Droge, C., & Swinney, J. (2008). Entrepreneurial orientation versus small business orientation: What are their relationships to firm performance? Journal of Small Business Management, 46(4), 567-588.

Santos, M., & Flores, L. C. (2017). Formação de preço dos hotéis turísticos da Cidade de São Luís/Maranhão. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 11(1), 133-153.

Sparkman, T. E. (2015). The factors and conditions for national human resource development in Brazil. European Journal of Training and Development, 39(8), 666-680.

Trez, G., & Matos, C. A. de. (2006). A influência da ordem das questões nos resultados de pesquisas surveys. Anais do Encontro Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Salvador, 30.

Venkatraman, N. (1989). Strategic orientation of business enterprises: The construct, dimensionality and measurement. Management Science, 35(8), 942-962.

Vergara, S. C. (1998). Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas.

Viana, J. R., Filho, Gomes, K. L. S., & Souza, T. C. (2011). Custos e formação de preço como estratégia competitiva: Um estudo em indústrias de suplementação animal na cidade de Rondonópolis-MT (Brasil). Anais do Congresso Internacional De Costos, Punta del Este, 12.

Wiklund, J., & Shepherd, D. (2005). Entrepreneurial orientation and small business performance: A configurational approach. Journal of Business Venturing, 20(1), 71-91.

Wiklund, J., & Shepherd, D. (2003). Knowledge‐based resources, entrepreneurial orientation, and the performance of small and medium‐sized businesses. Strategic Management Journal, 24(13), 1307-1314.

Zahra, S. A. (1993). A conceptual model of entrepreneurship as firm behavior: A critique and extension. Entrepreneurship: Theory & Practice, 16(4), 5-21.

Publicado
27-04-2020
Como Citar
Lizote, S. A., Teston, S. F., Zawadzki, P., & Kumar Gupta, S. (2020). Orientação empreendedora e prática de custos na rede hoteleira do Sul brasileiro. RACE - Revista De Administração, Contabilidade E Economia, 19(1), 9-28. https://doi.org/10.18593/race.23184

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >>