Liderança relacional em rede do setor de transportes brasileiro

Palavras-chave: Liderança, Liderança relacional, Rede, Transportes

Resumo

A gestão de uma empresa organizada em rede amplia a construção de relacionamentos que fortalecem a cooperação e a otimização de recursos para além do plano líder-liderado, requerendo articulação e cooperação entre os níveis individuais, organizacionais e societais, referenciando-se, portanto, no estilo de liderança relacional. Esta pesquisa teve como objetivo descrever os papéis e formas de liderança em uma empresa situada no Oeste catarinense que é identificada como uma organização com estrutura em rede. A pesquisa é classificada como um estudo de caso, realizado por meio de abordagem qualitativa, conduzida com a organização do segmento de transporte de cargas fracionadas, com unidades na região Sul do Brasil. Os dados foram coletados por meio de entrevista, observação, questionário e análise de documentos. Para análise dos dados, fez-se uso de análise de conteúdo e triangulação de diferentes fontes de evidências. Entre os principais resultados se aponta para a relevância de perfis de liderança diferenciados capazes de construção e sustentação de ambiências organizacionais mais flexíveis em que a integração e coordenação intra e interorganizacionais possam superar lógicas centradas no contratualismo formal, na burocracia e em práticas predominantes em configurações organizacionais funcionais que dificultam a transferência de conhecimentos, a criatividade e a inovação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Éderson Tomasi da Silva, Expresso São Miguel

Mestre em Administração pela Unoesc; Gestor de Pessoas da Empresa Expresso São Miguel; Professor Universitário e Consultor de empresas.

Eliane Salete Filippim, Sociedade Brasileira de Administração Pública

Pós-doutora em Administração Pública e Governo; Doutora em Engenharia de Produção e Sistemas; pesquisadora sobre Gestão de Pessoas e Administração Pública. Membro da Sociedade Brasileira de Administração Pública.

Anderson de Souza Sant’Anna, FGV

Doutor em Administração; professor da Fundação Getúlio Vargas SP

Referências

Bass, B. M. (1985). Leadership and performance beyon expectations. New York: Free Press.

Bergamini, C. W. (2009). Liderança: Administração do sentido (2ª ed.). São Paulo: Atlas.

Casagrande, R. M., & Lavarda, E. F. (2015, maio/ago.). Convergências teóricas entre a governança corporativa e a sustentabilidade sob a perspectiva da legitimidade. Revista de Gestão Social e Ambiental—RGSA, 9, 88-101.

Casarotto, N., Filho, Castro, J. E., Fiod, M., Neto, & Casarotto, R. M. (1998, abr./jun.). Redes de pequenas empresas: as vantagens competitivas na cadeia de valor. Revista de Negócios Studies on emerging countries, 4.

Corrêa, G. N. (1999). Proposta de integração de parceiros na formação e gerência de empresas virtuais (Tese de doutorado). Universidade de São Paulo, São Carlos.

Day, D. V., & Harrison, M. M. (2007). A multilevel, identity-based approach to leadership development. Human Resource Management Review, 17(4), 360-373.

Densin, N. K., & Lincoln, Y. S. (2005). Introduction: The discipline and practice of qualitative research. In N. K. Densin & Y. S. Lincoln, The Sage Handbook of qualitative research (4ª ed., pp. 1-32). Sage: Thousand Oaks.

Fleury, A. C., & Fleury, M. T. (2003, ago.). Estratégias competitivas e competências essenciais: perspectivas para a internacionalização da indústria no Brasil. Gestão & Produção, 10, 129-144. doi:10.1590/S0104-530X2003000200002

Gandori, A., & Soda, G. (1995). Inter Firm Networks: Antecedents, mechanism and Foms. Organization Studies, 16(2).

Gittell, J. H. (2011). Relational Leadership: New developments in theory and practice. Waltham, MA: Brandeis University.

Godoi, C. K., Mello, R. B., & Silva, A. B. (2010). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: Paradigmas, estratégias e métodos (2ª ed.). São Paulo: Saraiva.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. (2014). Caderno de boas práticas de governança corporativa para empresas de capital fechado: Um guia para sociedades limitadas e sociedades por ações fechadas. São Paulo: IBGC.

Johnson, C., Dowd, T. J., & Ridgeway, C. L. (2006). Legitimacy as a social process. Annual Review Sociology, 53-78.

Knorringa, P., & Meyer-Stamer, J. (1999). New dimensions in local enterprise co-operation and development: From clusters to industrial districts. In W. Suzigan (Ed.), Clusters e sistemas locais de inovação: Estudos de casos e avaliação da região de Campinas (pp. 89-115). Campinas: Unicamp.

Leon, M. E. (1998). Uma análise de redes de cooperação das pequenas e médias empresas do setor de telecomunicações (Dissertação de mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Likert, R. (1975). Organização Humana. (M. Cotrim, Trad.). São Paulo: Atlas.

Nunes, S. C. (2010). A abordagem baseada em competências no desenvolvimento da liderança: Possíveis limitações. In R. E. Nelson & A. de S. Sant´Anna, Liderança: Entre a tradição, a modernidade e pós-modernidade. Rio de Janeiro: Elsevier.

Olave, M. E., & AMATO, J., Neto. (2001). Redes de cooperação produtiva: uma estratégia de competitividade e sobrevivência para pequenas e médias empresas. Gestão & Produção, 8, 289-318. doi:10.1590/S0104-530X2001000300006

Osborn, R., Uhl-Bien, M., & Milosevic, I. (2014). The contexto and leadership. In D. Day (Ed.), The Oxford Handbook of Leadership and Organizations (pp. 589-612). Oxford: Oxford University Press.

Ospina, S. M., & Uhl-Bien, M. (2012). Advancing Relational Leadership Research: A Dialogue among Perspectives. Charlotte, NC: Information Age Publishers.

Ospina, S. M., Kersh, R., & Quick, K. S. (2014). Taking a Relational Turn in Leadership Studies. Public Administration Review, 74(4), 542-544.

Ribault, M., Martinet, B., & Lebidois, D. (1995). A gestão das tecnologias. Gestão & Inovação. Lisboa, Portugal: Publicações Dom Quixote.

Sant´Anna, A. de S., Nelson, R. E., & Carvalho, A., Neto. (2015). Fundamentos e dimensões da liderança relacional. DOM—Revista da Fundação Dom Cabral, 9, 16-21.

Triviños, A. N. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: A pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Uhl-Bien, M. (2006). Relational leadership theory: Exploring the social processes of leadership and organizing. The Leadership Quaterly, 17, 654-676.

Uhl-Bien, M. (2003). Relationship development as a key ingredient for leadership development. In S. Murphy & R. Riggio, The future of leadership development (pp. 129-147). New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates Inc. Publishers.

Vasconcellos, P. C. (2005, abr.). O conselho de administração ideal de uma empresa. Jornal Valor Econômico.

Yin, R. K. (2010). Estudo de caso: Planejamento e métodos (4ª ed.). Porto Alegre: Bookman.

Publicado
24-09-2020
Como Citar
Silva, Éderson T. da, Filippim, E. S., & Sant’Anna, A. de S. (2020). Liderança relacional em rede do setor de transportes brasileiro. RACE - Revista De Administração, Contabilidade E Economia, 19(3), 567-592. https://doi.org/10.18593/race.22627
Seção
Artigos teórico-empíricos