As finalidades do orçamento na influência do isomorfismo institucional na autorrejeição

Palavras-chave: Finalidades do orçamento, Respostas estratégicas, Teoria Institucional, Isomorfismo institucional

Resumo

O presente trabalho teve por objetivo examinar a influência do isomorfismo institucional na autorrejeição ao orçamento, mediada pelas finalidades do artefato. Aponta-se a importância do estudo do setor farmacêutico brasileiro pois este representa um exemplo peculiar de discussão institucional, considerando as pressões de isomorfismo institucional sofridas pelo setor. O estudo é descritivo, de abordagem quantitativa, caracterizado como pesquisa de levantamento, tipo survey. Para cumprir o objetivo foram utilizados os pressupostos de DiMaggio e Powell (1983), as respostas estratégicas de desafiar e manipular do modelo conceitual de Oliver (1991) e as finalidades do orçamento utilizadas por Ekholm e Wallin (2011). A população selecionada foram os gerentes das empresas do setor farmacêutico vinculadas ao Guia da Farmácia, e a amostra final foi composta por 147 respostas válidas. Para a análise de dados foi utilizada a Modelagem de Equações Estruturais. Os resultados apontam para uma influência positiva do isomorfismo institucional nas finalidades de planejamento e diálogo. Não foi encontrada, porém, influência das finalidades do orçamento na autorrejeição. O isomorfismo institucional ainda apresentou influência positiva na autorrejeição do orçamento. Como contribuições, o estudo traz indícios de que os fatores de isomorfismo levam a uma melhor utilização das finalidades do orçamento, levam também a uma rejeição do artefato, que pode estar ligada a fatores de multiplicidade e restrição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Igor Pereira da Luz, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Contabilidade da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre em Contabilidade no Programa de Pós-Graduação em Contabilidade da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).. Possui graduação em Bacharelado em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (2011) e Especialização em Docência do Ensino Superior pela Universidade Norte do Paraná (2016). Tem experiencia no ensino a nível técnico e universitário, foi professor da Tecpuc - Cursos Técnicos Ensino Médio (Grupo Marista), nos cursos de Técnico em Logística, Técnico em Recursos Humanos e Técnico em Administração. Atualmente leciona disciplinas na área de Contabilidade Financeira e Tributária na Faculdade Estácio de Sá - São José/SC e Faculdade Energia, ambas no curso de Ciências Contábeis . Realizando projetos de pesquisa na área de Planejamento Organizacional.

Carlos Eduardo Facín Lavarda, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutor em Contabilidade pela Universidade de Valência (Espanha, 2008) homologado pela USP (2009), Graduado em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Santa Maria (1992), graduado em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria (1990), Mestre em Ciências Contábeis pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2004). Professor do Departamento de Ciências Contábeis da UFSC na Graduação e Pós-Graduação. Editor-Chefe da Revista Contemporânea de Contabilidade (RCC-UFSC) desde outubro de 2016. Pesquisador do Núcleo de Pesquisas em Controladoria e Sistemas de Controle Gerencial - UFSC; Pesquisador do Grupo de Pesquisas em Controladoria e Sistemas de Informações - FURB. Diretor-Presidente da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Ciências Contábeis - ANPCONT biênio 2018-2019. Foi coordenador do Programa de Pós-graduação em Ciências Contábeis/FURB de Agosto de 2012 a abril de 2015. Bolsista PQ/CNPq Nível 1-D. Editor Associado da Revista Universo Contábil. Avaliador de Periódicos Especializados em Administração e Ciências Contábeis. Experiência na área de Contabilidade Gerencial, Planejamento e Controle Organizacional, Controle Gerencial.

Referências

Amans, P., Mazars-Chapelon, A., & Villesèque-Dubus, F. (2015). Budgeting in institutional complexity: The case of performing arts organizations. Management Accounting Research, 27, 47-66.

Arnold, M. C., & Gillenkirch, R. M. (2015). Using negotiated budgets for planning and performance evaluation: An experimental study. Accounting, organizations and society, 43, 1-16.

Ax, C., & Kullven, H. (2005). Den nya Ekonomistyrningen. Upplaga 3. (3rd ed.). Malmo, Sweden: Liber.

Baron, R. M., & Kenny, D. A. (1986). The moderator-mediator variable distinction in social psychological research: Conceptual, strategic, and statistical considerations. Journal of personality and social psychology, 51(6), 1173.

Brandau, M., Endenich, C., Trapp, R., & Hoffjan, A. (2013). Institutional drivers of conformity—Evidence for management accounting from Brazil and Germany. International Business Review, 22(2), 466-479.

Cohen, J. (1988). Statistical power analysis for the behavioral sciences. (2nd ed.). New York, USA: Psychology Press.

Cohen, S., & Karatzimas, S. (2014). Reporting performance information in the public sector: The moral behind the (non) application of program budgeting in Greece. International Review of Administrative Sciences, 80(3), 619-636.

Covaleski, M., Evans III, J. H., Luft, J., & Shields, M. D. (2003). Budgeting research: Three theoretical perspectives and criteria for selective integration. Handbooks of management accounting research, 2, 587-624.

DiMaggio, P., & Powell, W. W. (1983). The iron cage revisited: Collective rationality and institutional isomorphism in organizational fields. American sociological review, 48(2), 147-160.

Ekholm, B. G., & Wallin, J. (2011). The impact of uncertainty and strategy on the perceived usefulness of fixed and flexible budgets. Journal of Business Finance & Accounting, 38(1‐2), 145-164.

Faul, F., Erdfelder, E., Buchner, A., & Lang, A. G. (2009). Statistical power analyses using G* Power 3.1: Tests for correlation and regression analyses. Behavior research methods, 41(4), 1149-1160.

Fornell, C., & Larcker, D. F. (1981). Evaluating structural equation models with unobservable variables and measurement error. Journal of marketing research, 18(1), 39-50.

Frezatti, F., Braga de Aguiar, A., & José Rezende, A. (2007). Strategic responses to institutional pressures, and success in achieving budget targets: A survey at a multinational company. International Journal of Accounting & Information Management, 15(2), 50-66.

Gomes, R. D. P., Pimentel, V. P., Cardoso, M. L., & Pieroni, J. P. (2014). O novo cenário de concorrência na indústria farmacêutica brasileira. BNDES Setorial, 39, 97-134.

Guerreiro, R., Pereira, C. A., Rezende, A. J., & Aguiar, A. B. D. (2010). Fatores determinantes do processo de institucionalização de uma mudança na programação orçamentária: Uma pesquisa-ação em uma organização brasileira. Revista de contabilidade do mestrado em ciências contábeis da UERJ, 10(1), 59-76.

Hair, J. F., Jr., Gabriel, M. L. D. D. S., & Patel, V. K. (2014). Modelagem de Equações Estruturais Baseada em Covariância (CB-SEM) com o AMOS: Orientações sobre a sua aplicação como uma Ferramenta de Pesquisa de Marketing. Revista Brasileira de Marketing, 13(2), 44-55.

Hansen, S. C., & Van der Stede, W. A. (2004). Multiple facets of budgeting: An exploratory analysis. Management accounting research, 15(4), 415-439.

Hansen, S. C., Otley, D. T., & Van der Stede, W. A. (2003). Practice developments in budgeting: An overview and research perspective. Journal of management accounting research, 15(1), 95-116.

Kenno, S. A., Lau, M. C., & Sainty, B. J. (2018). In search of a theory of budgeting: A literature review. Accounting perspectives, 17(4), 507-553.

Kornacker, J., Schentler, P., Williams, H. J., & Motwani, J. (2011). Critical success factors for budgeting systems in the German context: An empirical analysis. International Journal of Business Excellence, 4(6), 621-644.

Libby, T., & Lindsay, R. M. (2010). Beyond budgeting or budgeting reconsidered? A survey of North-American budgeting practice. Management accounting research, 21(1), 56-75.

Martins, G. D. A., & Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia da investigação científica. São Paulo: Atlas.

Meyer, J. W., & Rowan, B. (1977). Institutionalized organizations: Formal structure as myth and ceremony. American journal of sociology, 83(2), 340-363.

Mucci, D. M., Frezatti, F., & Dieng, M. (2016). As múltiplas funções do orçamento empresarial. RAC—Revista de Administração Contemporânea, 20(3).

Neely, A., Sutcliff, M. R., & Heyns, H. R. (2001). Driving value through strategic planning and budgeting. New York: Accenture.

Oliver, C. (1991). Strategic responses to institutional processes. Academy of management review, 16(1), 145-179.

Ozdil, E., & Hoque, Z. (2017). Budgetary change at a university: A narrative inquiry. The British Accounting Review, 49(3), 316-328.

Piccoli, M. R., Warken, I. L. M., Lavarda, C. E. F., Mazzioni, S., & Carpes, A. da S. (2014). Os múltiplos usos do orçamento em empresas catarinenses. Unoesc & Ciência—ACSA, 5(2), 195-206.

PricewaterhouseCoopers (2018). O Setor farmacêutico no Brasil. São Paulo.

Ringle, C. M., Silva, D. da, & Bido, D. D. S. (2014). Modelagem de equações estruturais com utilização do SmartPLS. Revista Brasileira de Marketing, 13(2), 56-73.

Russo, P. T., Parisi, C., & Pereira, C. A. (2016). Evidências das forças causais críticas dos processos de institucionalização e desinstitucionalização em artefatos da contabilidade gerencial. Revista Contemporânea de Contabilidade, 13(30), 2.

Scapens, R. W. (2006). Understanding management accounting practices: A personal journey. The British Accounting Review, 38(1), 1-30.

Sindusfarma. (2018). Perfil da indústria e aspectos relevantes do setor. São Paulo.

Sivabalan, P., Booth, P., Malmi, T., & Brown, D. A. (2009). An exploratory study of operational reasons to budget. Accounting & Finance, 49(4), 849-871.

Sponem, S., & Lambert, C. (2016). Exploring differences in budget characteristics, roles and satisfaction: A configurational approach. Management Accounting Research, 30, 47-61.

Tolbert, P. S., & Zucker, L. G. (1999). The institutionalization of institutional theory. In S. R. Clegg, & C. Hardy (Eds.), Studying Organization. Theory & Method (pp. 169-184). London, Thousand Oaks, CA: Sage.

Ugrin, J. C. (2009). The effect of system characteristics, stage of adoption, and experience on institutional explanations for ERP systems choice. Accounting Horizons, 23(4), 365-389.

Wijethilake, C., Munir, R., & Appuhami, R. (2017). Strategic responses to institutional pressures for sustainability: The role of management control systems. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 30(8), 1677-1710.

Zucker, L. G. (1987). Institutional theories of organization. Annual review of sociology, 13(1), 443-464.

Publicado
27-04-2020
Como Citar
Pereira da Luz, I., & Eduardo Facín Lavarda, C. (2020). As finalidades do orçamento na influência do isomorfismo institucional na autorrejeição. RACE - Revista De Administração, Contabilidade E Economia, 19(1), 53-74. https://doi.org/10.18593/race.22336