Práticas sustentáveis voltadas à Green Logistic: Estudo multicaso em empresas de cosméticos

Palavras-chave: Sustentabilidade, Green Logistic, Cosméticos

Resumo

Este estudo aproxima os temas de sustentabilidade e Green Logistic, com o objetivo de analisar quais práticas de sustentabilidade, voltadas à Green Logistic, são evidenciadas pelas três maiores empresas de cosméticos atuantes no Brasil. Para tal, foi realizado um estudo básico, multicaso, descritivo e documental, com abordagem qualitativa, por meio de análise de conteúdo dos relatórios de administração e de sustentabilidade, dos exercícios sociais de 2014 a 2018, das empresas Avon, o Boticário e Natura. Os resultados da pesquisa demonstraram que as três empresas analisadas evidenciam práticas de sustentabilidade voltadas à Green Logistic, especialmente com relação à redefinição de processos, de toda a cadeia produtiva e de distribuição; redução de gases de efeito estufa; uso de outros modais de transporte; parcerias com transportadoras, cadeia de fornecimento, operadores logísticos e terceiros; redução e otimização na distribuição dos produtos; logística reversa; e redução das pegadas de carbono.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariliza Rech, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos)
Mestre em Ciências Contábeis
Débora Gomes de Gomes, Professora da Universidade Federal do Rio Grande- FURG

Bacharel em Ciências Contábeus (UCPEL)

Mestre em Ciências Contábeis (UNISINOS)

Doutora em Ciências Contábeis e Administração (FURB)

Pós-Doutora em Ciências Contábeis (UNISINOS)

Valmor Reckziegel, Professor da Universidade do Oeste do Paraná (UNIOESTE)

Doutor em Administração pela Universidade Nove de Julho

Marcos Antônio de Souza, Professor Visitante da Universidade Federal de Uberlândia (UFU)
Doutor em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo

Referências

As 5 maiores empresas de beleza no Brasil. (2016). Revista Exame. Recuperado de https://exame.abril.com.br/negocios/as-5-maiores-empresas-de-beleza-no-brasil/

As melhores empresas do Brasil em 2016. (2017). Revista Exame. Recuperado de https://exame.abril.com.br/revista-exame/500-maiores-empresas/

Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos. (2018). Notícias da mídia. Recuperado de https://www.abihpec.org.br/

Avon Cosméticos. (2015). Portal eletrônico institucional. Recuperado de http://www.avon.com.br/

Ballou, R. H. (2006). Gerenciamento da cadeia de suprimentos: planejamento, organização e logística empresarial. (6ª ed.). São Paulo: Bookman.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bowersox, D. J., Closs, D. J., & Cooper, M. (2014). Gestão logística de cadeias de suprimento. (4ª ed.). Porto Alegre: Bookman.

Comissão Mundial Sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento. (1988). Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Corrêa, R., Souza, M. T. S., Ribeiro, H. C. M., & Ruiz, M. S. (2012). Evolução dos níveis de aplicação de relatórios de sustentabilidade (GRI) de empresas ISE/Bovespa. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 7(2), 24-40.

Dias, G. F. (2010). Educação ambiental: princípios e práticas. 9. ed. São Paulo: Gaia.

Donato, V. (2008). Logística verde: Uma abordagem socioambiental. Rio de Janeiro: Ciência Moderna.

Faria, C. A. & Costa, M. F. G. (2012). Gestão de custos logísticos. São Paulo: Atlas.

Ferreira, H. R., Filho, Pires, J. O. M., Beltrão, N. E. S., Ferreira, A. O., Souza, F. M., & Campos, L. A. (2011). Logística reversa: Um estudo de caso em uma empresa pública de briquetes no município de Tailândia—Pará. Anais do Encontro da Associação dos Programas de Pós-graduação em Administração, Rio de Janeiro, 25.

Fleury, P. F., & Ribeiro, A. F. M. (2001). A indústria de operadores logísticos no Brasil: Uma análise dos principais operadores. São Paulo: ILOS.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. (4ª ed.). São Paulo: Atlas.

Guarnieri, P. (2011). Logística reversa: Em busca do equilíbrio econômico e ambiental. Recife: Clube de Autores.

Guerra, J., & Schmidt, L. (2016). Concretizar o wishfull thinking—Dos ODS à COP21. Ambiente & Sociedade, 19(4), 157-174.

Gupta, S., & Desai, O. D. P. (2011). Sustainable supply chain management: Review and research opportunities. IIMB Management Review, 23(4), 234-245.

Instituto de Logística e Supply Chain. (2011). Logística verde: Iniciativas de sustentabilidade ambiental das empresas no Brasil. Rio de Janeiro: Relatório da Coleção Panorama ILOS.

ISO 14000—Environmental Management. (2009). The ISO 14000 family of international standards. ISO Focus. Retrieved from http://www.iso.org/iso/home/standards/management-standards/iso14000.htm

ISO 14020:2000. (2000). Environmental labels and declarations—General principles. Retrieved from https://www.iso.org/obp/ui/#iso:std:iso:14020:ed-2:v1:en

López, V., Garcia, A., & Rodriguez, L. (2007). Sustainable development and corporate performance: A study based on the Dow Jones Sustainability Index. Journal of Business Ethics, 75(3), 285-300.

Ministério do Meio Ambiente. (2015). Agenda 21. Recuperado de https://www.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/agenda-21

Natura. (2015). Portal eletrônico institucional. Recuperado de http://www.natura.com.br/www/

o Boticário. (2015). Portal eletrônico institucional. Recuperado de http://www.boticario.com.br/

Okado, G. H. C., & Quinelli, L. (2016). Megatendências mundiais 2030 e os objetivos de desenvolvimento sustentável (ODS): Uma reflexão preliminar sobre a “nova agenda” das Nações Unidas. bǞru, 2(2), 111-129.

Organização das Nações Unidas. (2019). Cúpula das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável. Recuperado de https://nacoesunidas.org/pos2015/cupula/

Ribeiro, R. B. & Santos, E. L. (2012). Análise das práticas estratégicas da logística verde no gerenciamento da cadeia de suprimentos. Revista da Administração da Fatea, 5(5), 20-40.

Shapiro, R. D., & Heskett, J. L. (1985). Logistics strategy: Cases and concepts. St Paul Minn: West Pub.

Srivastava, S. K. (2007). Green supply-chain management: A state-of-the-art literature review. International Journal of Management Reviews, 9(1), 53-80.

Tang, Q., & Zhao, X. (2009). Analysis and strategy of the Chinese logistics cost reduction. International Journal of Business and Management, 4(4), 188-191.

Ubeda, S., Arcelus, F. J, & Faulin, J. (2011). Green Logistics at Eroski: A case study. Int. J. Production Economics, 131, 44-51.

Vergara, S. C. (2000). Projetos de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas.

Wang, F., Lai, X., & Shi, N. (2011). A multi-objective optimization for green supply chain network design. Decision Support Systems, 51(2), 262-269.

Wang, H., & Gupta, S. M. (2012). Green supply chain management: Product life cycle approach. International Journal of Production Research, 50(19), 5669-5670.

Publicado
16-12-2019
Como Citar
Rech, M., Gomes, D. G. de, Reckziegel, V., & Souza, M. A. de. (2019). Práticas sustentáveis voltadas à Green Logistic: Estudo multicaso em empresas de cosméticos. RACE - Revista De Administração, Contabilidade E Economia, 18(3), 419-446. https://doi.org/10.18593/race.20170