Adoção de “Gestão Estratégica” por uma empresa distribuidora de derivados de petróleo

Palavras-chave: Avaliação de desempenho, Gestão estratégica, Intervenção organizacional, Profissionalização da gestão

Resumo

A perenidade das organizações somente é possível com a adoção de ferramentas e técnicas de administração adequadas, capazes de responder rapidamente às mudanças e necessidades do mercado. Em razão disso, teve-se o objetivo de explorar as características da gestão de uma empresa distribuidora de derivados de petróleo com vistas à adoção de uma “gestão estratégica”, sob o método relato técnico-científico. Durante o estudo, constatou-se que a gestão realizada por alguns dos socioproprietários fundadores não conta com ferramentas e técnicas que permitam que sucessores ou outros colaboradores possam atuar sem a participação destes e inovem frente às mudanças do mercado. Diante das constatações, duas intervenções foram propostas: a adoção de um modelo de desempenho organizacional com uso de diversos indicadores de gestão, e o uso da ferramenta Canvas, a qual permite descrever, analisar e projetar modelos de negócios relacionados ou não com algum tipo de estratégia ou gerenciamento já realizado, ambas aplicadas conferindo à empresa uma “gestão estratégia”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciano Maldonado Felipe, UNIOESTE - UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ
Bacharel em Administração de Empresas (TOLEDO/2000), com MBAs em Gestão de Negócios (IESPP/2001), Marketing e Vendas (TOLEDO/2006), Controladoria e Finanças (TOLEDO/2009) e, Mestrando em Administração de Empresas. Professor de Graduação de Administração - Univel e Pós Graduação em Administração - ESPP . Administrador do Hospital Uopeccan – Cascavel – PR.
Claudio Antonio Rojo, UNIOESTE - UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ
Pós-Doutor (2012) pela Universidade de São Paulo - FEA / USP. Doutor (2005) em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. Mestre (2001) pela UFSC. MBA pela Universidade Estadual de Maringá - UEM. Bacharel (1990) em Administração pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE. É professor Associado da UNIOESTE, onde ministra Planejamento Estratégico na graduação e Cenários Estratégicos e Competitivos no Mestrado Profissional em Administração e no Mestrado em Contabilidade. De vendedor e supervisor de vendas, logo no início da carreira buscou se aprofundar na administração geral de empresas. Tem experiência como administrador público e privado. Foi diretor administrativo-financeiro no setor público, professor, coordenador e diretor de IES privada. Consultor e Palestrante de Administração nos seguintes temas: planejamento estratégico, competitividade, cenários, finanças pessoais e empreendedorismo. Professor dos cursos MBA em Gestão Estratégica, MBA em Business Inteligence e MBA em Gestão Contábil, Financeira e Auditoria da UNIOESTE, Campus Cascavel - Paraná. Em março de 2010 publicou, juntamente com outros colegas pesquisadores, os livros: - Gestão de Ativos Intangíveis - da mensuração à competitividade por cenários, pela editora Atlas e Finanças Pessoais: o ouro do conhecimento de todos os tempos (kindle edition AMAZON.COM) em português, inglês, italiano e mandarim. Em 2014 publicou o livro Investimento em ações SMALL CAPS - Cenários do Mercado Brasileiro nas versões impressa e kindle e-book. Em 2015 participou do e-book: Educação e gestão ambiental: sustentabilidade em ambientes competitivos, convidado por colegas professores.

Referências

Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. (2018). Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. Rio de Janeiro: ANP.

Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. (2017). Oportunidades na Produção e no Abastecimentode Combustíveis no Brasil. Rio de Janeiro: ANP.

Allee, V. (2008). Value network analysis and value conversion of tangible and intangible assets. Journal of Intellectual Capital, 9(1), 5-24.

Andrade, J. L. de., Neto. (2017). O mercado brasileiro de combustíveis. Brasil: FGV Energia.

Beuren, I. M., Santana, S. V., & Theis, M. B. (2007). A inter-relação entre os sistemas de controle gerencial e as estratégias organizacionais: Um estudo de caso. São Paulo: Makron Books.

Brache, A. P., & Rummler, G. A. (1994). Melhores desempenhos das empresas: Uma abordagem prática para transformar as organizações através da reeengenharia. São Paulo: Makron Books.

Campos, V. F. (2009). O verdadeiro poder. (2a ed.). São Paulo: Instituto de Desenvolvimento Gerencial.

Costa, E. A. (2017). Gestão estratégica. São Paulo: Saraiva.

Ghemawat, P. (2001). Competition and Business Strategy in Historical Perspective. SSRN, 6(Spring), 37-74. doi:10.2139/ssrn.264528

Gupta, P. (2006, July). Beyond PDCA—A New Process Management Model. Retrieved from https://pdfs.semanticscholar.org/ac16/c3d9b1cb05642fcfbdbd1b433e4b231ef99b.pdf

Jarratt, D., & Stiles, D. (2010). How are methodologies and tools framing managers’ Strategizing practice in competitive strategy development? British Journal of Management, 21(1), 28-43. doi:10.1111/j.1467-8551.2009.00665.x

Kim, W. C., & Mauborgne, R. (2005). Blue Ocean Strategy: From Theory to Practice. California Management Review, 47(3).

Machado-da-Silva, C., & Vizeu, F. (2014). Análise institucional de práticas formais de estratégia. Revista de Administração de Empresas, 47(4), 1-12.

doi:10.1590/s0034-75902007000400008

Mintzberg, H. (1994). The fall and rise of strategic planning. Harvard business review, 72(1), 107-114.

Osterwalder, A., & Pigneur, Y. (2011). Inovação Em Modelos de Negócios—Business Model Generation. Rio de Janeiro: Alta Book.

Penrose, E. T. (2006). A teoria do crescimento da firma. Campinas: Editora Unicamp.

Pettigrew, A. M. (1990). Longitudinal field research on change: Theory and practice. Organization science, 1(3), 267-292.

Phaal, R., Farrukh, C. J. P., & Probert, D. R. (2006). Technology management tools: Concept, development and application. Technovation, 26(3), 336-344. doi:10.1016/j.technovation.2005.02.001

Prahalad, C. K., & Hamel, G. (2005). Competindo pelo futuro: Estratégias inovadoras para obter o controle do seu setor e criar os mercados de amanhã. Rio de Janeiro: Gulf Professional Publishing.

Prahalad, C. K., & Hamel, G. (2006). The core competence of the corporation. Strategische unternehmungsplanung—strategische unternehmungsführung, 275-292.

Ribeiro, H. C. M. (2013). Contribuição do congresso USP ao estudo da área temática controladoria e contabilidade gerencial: uma bibliometria. Race: Revista de Administração, Contabilidade e Economia, 12(2), 709-746.

Rouwelaar, H. T., Bots, J., & Vanamelsfort, M. (2008, October). Business unit controller involvement in management: An empirical study in the Netherlands. SSRN, 43.

Santos, A. J. R. (2008). Gestão estratégica: Conceitos, modelos e instrumentos. Portugal: Escolar.

Severino, A. J. (2017). Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Editora.

Turban, E., Sharda, R., Aronson, J. E., & King, D. (2009). Business intelligence: Um enfoque gerencial para a inteligência do negócio. Porto Alegre: Bookman.

Publicado
16-12-2019
Como Citar
Felipe, L. M., & Rojo, C. A. (2019). Adoção de “Gestão Estratégica” por uma empresa distribuidora de derivados de petróleo. RACE - Revista De Administração, Contabilidade E Economia, 18(3), 503-520. https://doi.org/10.18593/race.19715