Associação entre o nível de evidenciação dos ativos intangíveis e o desempenho econômico-financeiro dos clubes de futebol brasileiros

  • Juliane Pacheco Universidade Federal de Santa Catarina
  • Maíra Melo de Souza Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Clube de futebol, Evidenciação contábil, Ativo intangível

Resumo

O objetivo desta pesquisa é verificar a associação entre o nível de evidenciação dos ativos intangíveis e o desempenho econômico financeiro dos clubes de futebol brasileiros. A amostra da pesquisa são os clubes que participaram do Campeonato Brasileiro das Séries A e B de 2017, visto que foram analisados os anos de 2013 a 2016. Para medir o nível de evidenciação, utilizou-se a norma em vigência ITG 2003 R1, e para medir o desempenho econômico-financeiro foram utilizadas seis variáveis: receita líquida, resultado líquido do exercício, patrimônio líquido, ativo intangível, ativo total e intangibilidade. Adicionalmente, também se analisou a variável auditoria. Com relação aos resultados da pesquisa, apenas o resultado líquido e o ativo intangível estão associados ao nível de evidenciação. Concluiu-se também que os clubes são parcialmente transparentes, em razão de metade da amostra apresentar um nível de evidenciação acima da média (cerca de 60%), o que sugere que entre os clubes analisados é preciso ser mais abrangente na evidenciação das informações para se adaptar completamente à norma de contabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alves, C., Behr, A., & Raimundini, S. (2012). Mensuração e Evidenciação de Ativos Intangíveis em Demonstrações Contábeis: O Estudo de Caso em um Clube de Futebol Brasileiro. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 11(32), 9-25.

Bastos, P. S. S., Pereira, R. M., & Tostes, F. P. (2007). Uma contribuição para a evidenciação do ativo intangível-atletas-dos clubes de futebol. Pensar contábil, 9(36).

Benin, M. M., Diehl, C. A., & Figueira-Marquezan, L. H. (2019). Determinantes da evidenciação de indicadores não financeiros de desempenho por clubes brasileiros de futebol. Estudios Gerenciales, 35(150), 16-26.

Chik, M. (2017). Legal and regulatory aspects of the recognition and accounting of intangible assets. Oblik I Finansi, (3), 59-65.

Confederação Brasileira de Futebol. (2017a). Regulamento Específico da Competição: Campeonato Brasileiro da Série A 2017.

Confederação Brasileira de Futebol. (2017b). Regulamento Específico da Competição: Campeonato Brasileiro da Série B 2017.

Cordeiro, J. V. L. (2014). Relação do nível de disclosure e as receitas arrecadadas pelos clubes brasileiros de futebol das séries “A” e “B” (Monografia de pós-graduação). Universidade Federal Rural do Semiárido, Mossoró.

Costa, C. E. S., & da Silva, R. C. (2006). Empresarização e controle organizacional: Um estudo nos clubes de futebol em Santa Catarina. Cadernos EBAPE. BR, 4(4), 1-16.

Cruz, S. N. D. S. R., Santos, L. L., & Azevedo, G. M. D. C. (2010). Valorização do direito desportivo resultante da formação. Revista de educação e pesquisa em contabilidade, 4(1), 60-83.

Dahlbäck, O., Lind, E. (2016). Transparency in European football: A study of financial disclosure transparency from a supporter perspective (Master’s dissertation). Jönköping International Business School, Jönköping, Suécia.

Decreto-Lei 3.199, 1941.

Dimitropoulos, P. E., & Koumanakos, E. (2015). Intellectual capital and profitability in European football clubs. International Journal of Accounting, Auditing and Performance Evaluation, 11(2), 202-220. doi:10.1504/ijaape.2015.068862

Farias, C. D. C. M., & Teixeira, B. de M. (2019). Evidenciação de direitos de imagem no ativo intangível em entidades desportivas profissionais. Revista Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas, 6(2), 24-48.

Figueiredo, G. H., Santos, V., & Cunha, P. R. (2017). Práticas de evidenciação em entidades desportivas: Um estudo nos clubes de futebol brasileiros. Enfoque: Reflexão Contábil, 36(1), 1-21.

Frey, I. A., & Zaia, R. (2014). Demonstrações contábeis dos clubes de futebol do campeonato catarinense de 2012: Verificação da adequação à legislação vigente. REAVI-Revista Eletrônica do Alto Vale do Itajaí, 3(4), 12-24.

Gambeta, W. R. (2013). A bola rolou: O velódromo paulista e os espetáculos de futebol (1895/1916) (Tese de doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Hendriksen, E. S., & Van Breda, M. F. (1999). Teoria da contabilidade (A. Zoratto Sanvicente, Trad.). São Paulo: Atlas.

Holanda, A. P., Meneses, A. F. D., Mapurunga, P. V. R., De Luca, M. M. M., & Coelho, A. C. D. (2012). Determinantes do nível de disclosure em clubes brasileiros de futebol. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 17(1), 2-17.

Iudícibus, S. (2009). Teoria da contabilidade. São Paulo: Atlas.

Lei 8.672, 1993.

Lei 9.615, 1998.

Lei 10.672, 2003.

Lei 11.638, 2007.

Lei 11.941, 2009.

Lei 12.395, 2011.

Lei 13.155, 2015.

Leite, D. U., & Pinheiro, L. E. T. (2014). Disclosure de Ativo Intangível: Um Estudo dos Clubes de Futebol Brasileiros. Enfoque Reflexão Contábil, 33(1), 89-104.

Machado, N. P., & Nunes, M. S. (2006). A evidenciação das informações contábeis: Sua importância para o usuário externo. Business Review, 1(1), 111-121.

Maia, A. B. G. R., & Vasconcelos, A. C. (2016). Disclosure de Ativos Intangíveis dos Clubes de Futebol Brasileiros e Europeus. Contabilidade Vista & Revista, 27(3), 1-31.

Marques, V. A., Santos, G. R., Ferreira, C. O., Amaral, H. F., & Souza, A. A. (2017). Nível de evidenciação das demonstrações contábeis dos clubes brasileiros de futebol. Revista Mineira de Contabilidade, 18(2), 28-40.

Mello, J., Gonçalves, F., Correia, F., & Mourão, H. (2018). Percepções sobre valoração dos ativos intangíveis em clubes de futebol do Rio de Janeiro. Revista de Administração de Roraima—RARR, 7(2), 331-347. doi:10.18227/2237-8057rarr.v7i2.3989

Mota, A. F., Brandão, I. F., & Ponte, V. M. R. (2016). Disclosure e materialidade: evidências nos ativos intangíveis dos clubes brasileiros de futebol. RACE: Revista de Administração, Contabilidade e Economia, 15(1), 175-200. doi:10.18593/race.v15i1.6326

Oliveira, D. S., Bianchi, M., & Souza, R. B. D. L. (2014). Análise da implantação da padronização contábil nos times gaúchos de maior poder econômico: Grêmio Football Porto Alegrense e Sport. SINERGIA—Revista do Instituto de Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis, 18(1), 41-52.

Pronunciamento Técnico CPC 04 R1, 2010. Recuperado de http://www.cpc.org.br/Arquivos/Documentos/187_CPC_04_R1_rev%2013.pdf

Resolução CFC 1.005, 2004.

Resolução CFC 1.429, 2013.

Rezende, A. J., & Custódio, R. D. S. (2012). Uma análise da evidenciação dos direitos federativos nas demonstrações contábeis dos clubes de futebol brasileiros. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 6(3), 229-245.

Rezende, A. J., Salgado, A. L., Ribeiro, E. M. S., & Dalmacio, F. Z. (2008). Uma análise do tratamento contábil dos ativos intangíveis (jogadores de futebol) nos clubes brasileiros. Anais do Congresso Brasileiro de Custos, 15.

Romão, E., & Castellar, M. (2008). Relatório anual de empresa de auditoria mostra que há mais problemas do que soluções na vida financeira das agremiações brasileiras. São Paulo: Lance.

Rondinelli, P. (2015). Futebol: Histórias e curiosidades sobre o futebol. Recuperado de http://www.brasilescola.com/educacao-fisica/futebol.htm

Russano, A., & Marino, J., Jr. (2007). Contabilidade e Auditoria aplicadas às entidades esportivas: Um estudo sobre os clubes de futebol no Brasil. Revista Brasileira de Contabilidade, (164), 52-65.

Sherry, E., Shilbury, D., & Wood, G. (2007). Wrestling with “conflict of interest” in sport management. Corporate Governance: The international journal of business in society, 7(3), 267-277.

Silva, T. B. J., Santos, C. A. D., & Cunha, P. R. (2017). Relação entre o Desempenho Econômico-Financeiro e o Relatório de Auditoria dos Clubes de Futebol Brasileiros. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 7(3), 177-200.

Souza, A., Sousa, W., Nascimento, J., & Bernardes, J. (2016). Disclosure em Demonstrações Financeiras: Um Estudo Sobre o Nível de Evidenciação Contábil de Clubes de Futebol brasileiros. PODIUM Sport, Leisure And Tourism Review, 5(3), 1-19.

Umbelino, W. L., Silva, R. B., Ponte, V. M. R., & Lima, M. C. (2019). Disclosure em Clubes de Futebol: Estudo sobre os Reflexos da Lei do PROFUT. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 7(1), 112-132. doi:10.22478/ufpb.2318-1001.2019v7n1.38074

Verrecchia, R. E. (1983). Discretionary disclosure. Journal of accounting and economics, 5, 179-194.

Zanotelli, E. J., Amaral, H. F., & Souza, A. A. (2013, Julho). Os ativos intangíveis e a crise de representação contábil. Anais do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, 13.

Publicado
16-12-2019
Como Citar
Pacheco, J., & Souza, M. M. de. (2019). Associação entre o nível de evidenciação dos ativos intangíveis e o desempenho econômico-financeiro dos clubes de futebol brasileiros. RACE - Revista De Administração, Contabilidade E Economia, 18(3), 447-474. https://doi.org/10.18593/race.19060