Valores e entrincheiramento organizacional: um estudo em uma seguradora

  • Ana Paula Timbó Formiga Universidade Federal do Ceará/Programa de Pós-graduação em Administração e Controladoria
  • Luis Eduardo Brandão Paiva Universidade Federal do Ceará/Programa de Pós-graduação em Administração e Controladoria
  • Tereza Cristina Batista de Lima Universidade Federal do Ceará/Programa de Pós-graduação em Administração e Controladoria
  • Serafim Firmo de Souza Ferraz Universidade Federal do Ceará/Programa de Pós-graduação em Administração e Controladoria

Resumo

Resumo: Neste estudo analisa-se a relação entre os valores no trabalho e o entrincheiramento organizacional, baseando-se nos modelos teóricos de Porto e Pilati (2010), para os valores relativos ao trabalho; e de Rodrigues e Bastos (2012), no tocante ao Entrincheiramento Organizacional. Diante disso, trata-se de uma investigação de natureza quantitativa e descritiva, com base em uma amostra de 102 funcionários de uma seguradora. Os resultados apontaram: as principais recompensas desejáveis no trabalho foram a segurança em poder se sustentar financeiramente e a realização em ser bem-sucedido; e a hierarquia de valores seguiu na seguinte ordem: segurança, realização, conformidade, universalismo/benevolência, autodeterminação/estimulação e poder. Quanto ao Entrincheiramento Organizacional, predominou a percepção das perdas de benefícios pelo indivíduo ao sair da instituição, verificando-se uma relação moderada com a segurança e a estabilidade financeira. De modo geral, os resultados contribuem para suplantar a lacuna da literatura que alinha os valores no trabalho e o Entrincheiramento Organizacional, incentivando o desenvolvimento de pesquisas no campo do comportamento organizacional para os funcionários de seguradoras, por se tratar de uma categoria que sofre, constantemente, com as mudanças no mercado de trabalho.

Palavras-chave: Carreira. Entrincheiramento. Seguradora. Trabalho. Valores.

Values and Entrenchment Organizational training: a study in an insurance company

Abstract: This study analyzes the relationship between values at work and organizational entrenchment, based on the theoretical models of Porto and Pilati (2010), for the values related to work; and Rodrigues and Bastos (2012), regarding Organizational Entrenchment. In the light of this, it is a quantitative and descriptive investigation, based on a sample of 102 employees of an insurer. The results allowed to point out: the main desirable rewards in the work were the security in being able to be supported financially and the accomplishment in being successful; and the hierarchy of values followed in the following order: security, achievement, conformity, universalism/benevolence, self-determination/stimulation, and power. As for Organizational Entrenchment, the perception of the loss of benefits by the individual when leaving the institution prevailed, with a moderate relationship with security and financial stability. In general, the results contribute to overcome the literature gap that aligns work values and Organizational Entrenchment, encouraging the development of research in the field of organizational behavior for insurance employees, because it is a category that is constantly suffering, with the changes in the labor market.

Keywords: Career. Entrenchment. Insurance company. Job. Values.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Timbó Formiga, Universidade Federal do Ceará/Programa de Pós-graduação em Administração e Controladoria
Bacharel em Administração pela Universidade Federal do Ceará.
Luis Eduardo Brandão Paiva, Universidade Federal do Ceará/Programa de Pós-graduação em Administração e Controladoria
Doutorando em Administração e Controladoria pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Mestre em Administração e Controladoria pela UFC.
Tereza Cristina Batista de Lima, Universidade Federal do Ceará/Programa de Pós-graduação em Administração e Controladoria
Doutora em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professora do Programa de Pós-graduação em Administração e Controladoria da UFC.
Serafim Firmo de Souza Ferraz, Universidade Federal do Ceará/Programa de Pós-graduação em Administração e Controladoria
Doutor em Administração de Empresas pela EAESP-FGV (Fundação Getúlio Vargas de São Paulo). Professor do Programa de Pós-graduação em Administração e Controladoria da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Referências

Almeida, A. A. P., Azevedo, J. Jr., & Aquino, L. Q. A. (2017). Comprometimento, consentimento e entrincheiramento organizacional: Vínculo entre colaborador e organização. Amazônia: Science & Health, 5(1), 12-19.

Baiocchi, A. C., & Magalhães, M. (2004). Relações entre processos de comprometimento, entrincheiramento e motivação vital em carreiras profissionais. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 5(1), 63-69.

Becker, H. S. (1960). Notes on the concept of commitment. The American Journal of Sociology, 66, 32-40.

Bisquerra, R., Sarriera, J. C., & Matínez, F. (2009). Introdução à estatística: Enfoque informático com o pacote estatístico SPSS. Porto Alegre: Bookman.

Blustein, D. (2013). The psychology of working: A new perspective for career development, counseling, and public policy. Routledge: Abingdon, United Kingdom.

Brandão, R. A., Ferraz, S. B., & Lima, T. C. B. (2015). Mulheres e Valores do Trabalho: Estudo em uma Multinacional. Revista Organizações em Contexto-online, 11(22), 487-514.

Bruschini, C. (2000). Gênero e trabalho no Brasil: Novas conquistas ou persistência da discriminação. Trabalho e Gênero: Mudanças, permanências e desafios, 34, 13-58.

Campos, S. A. P., Lehnhart, E. R., Fossá, M. I. T., & Balsan, L. A. G. (2017). Valores relativos ao trabalho em uma instituição pública de ensino superior. Revista Pretexto, 18(1), 11-27.

Caprara, G. V., Vecchione, M., Schwartz, S. H., Schoen, H., Bain, P. G., Silvester, J., . . . Baslevent, C. (2017). Basic values, ideological self-placement, and voting: A cross-cultural study. Cross-Cultural Research, 51(4), p. 388-411.

Carson, K. D., Carson, P. P., & Bedeian, A. G. (1995). Development and construct validation of a career entrenchment measure. Journal of Occupational and Organizational Psychology, 68(4), 301-320.

Carson, K. D., Carson, P. P., Roe, C. W., & Phillips, J. S. (1996). A career entrenchment model: Theoretical development and empirical outcomes. Journal of Career Development, 22(4), 273-286.

Carson, K. D., & Carson, P. P. (1997). Career entrenchment: a quiet march toward occupational death? The Academy of Management Executive, 11(1), 62-75.

Carvalho, P., Alves F. J. O., Peixoto A. L. A., & Bastos, A. V. B. (2011). Comprometimento afetivo, de continuação e entrincheiramento organizacional: Estabelecendo limites conceituais e empírico. Psicologia: Teoria e Prática, 13(2).

Cohen, A., & Shamai, O. (2010). The relationship between individual values, psychological well-being, and organizational commitment among Israeli police officers. Policing: An International Journal of Police Strategies & Management, 33(1), 30-51.

Cohen, A. Relationships among five forms of commitment: An empirical assessment. (1999). Journal of Organizational Behavior, 285-308.

Collis, J., & Hussey, R. (2005). Pesquisa em administração: Um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. Porto Alegre: Bookman.

Costa, L. V., & Dutra, J. (2011). Avaliação da carreira no mundo contemporâneo: Proposta de um modelo de três dimensões. Revista de Carreiras e Pessoas (ReCaPe), 1(1), p. 1-22.

Dens, N., Pelsmacker, P., & Meulenaer, S. (2017). Who Do We Help? How Schwartz Values Influence Responses to Different Frames in Charity Appeals. Journal of Marketing Development and Competitiveness, 11(4), 131-144.

Elizur, D., & Sagie, A. (1999). Facets of personal values: A structural analysis of life and work values. Applied Psychology, 48(1), 73-87.

Fernandes, H. A., & Ferreira, M. A. (2009). O impacto dos valores pessoais e organizacionais no comprometimento com a organização. Psico-Usf, 14(3), 341-353.

Freire, D. A. L. (2015). A Influência da Gestão de Pessoas no Potencial de Crescimento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs). Revista Organizações em Contexto, 11(21), 185-210.

Hair, F., Jr., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise Multivariada de Dados (A. S. Sant’anna, Trad.). (6ª ed.). Porto Alegre: Bookman.

Macambira, M. O., Bastos, A. V. B., & Rossoni, L. (2015). Redes sociais e o vínculo com a organização: Como a estrutura das relações explica o comprometimento, o entrincheiramento e o consentimento. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 15(2), 109-122.

Magalhães, M. O., & Gomes, W. B. (2007). Personalidades vocacionais e processos de carreira na vida adulta. Psicologia em Estudo, 12(1), 95-103.

Maurer, T. J., Hartnell, C. A., & Lippstreu, M. (2017). A model of leadership motivations, error management culture, leadership capacity, and career success. Journal of Occupational and Organizational Psychology, 90(4), 481-507.

Meglino, B. M., & Ravlin, E. C. (1998). Individual values in organizations: Concepts, controversies, and research. Journal of management, 24(3), 351-389.

Menezes, S. R., Paiva, L. E. B., & Lima, T. C. B. (2018). Os valores relativos ao trabalho e o entrincheiramento organizacional dos servidores de uma universidade pública. Revista Gestão Universitária na América Latina-GUAL, 11(3), 166-187.

Merlo, A. R. C., & Mendes, A. M. B. (2009). Perspectivas do uso da psicodinâmica do trabalho no Brasil: Teoria, pesquisa e ação. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 12(2), 141-156.

Nord, W. R., Brief, A. P., Atieh, J. M., & Doherty, E. M. (1988). Work Values and The Conduct of Organizational-Behavior. Research in organizational behavior, 10, 1-42.

Oliveira, O. M., El-Aouar, W. A., De Vasconcelos, C. R. M., & Gurgel, F. (2016). Valores relativos ao trabalho em gestores do poder legislativo municipal–Natal, RN. RACE, Revista de Administração, Contabilidade e Economia, 15(2), 705-728.

Paiva, K. C. M., & Dutra, M. R. S. (2017). Valores Organizacionais e Valores do Trabalho: Um estudo com operadores de call center. Cadernos EBAPE. BR, 15(1), 40-62.

Paiva, L. E. B., Lima, T. C. B., & Pitombeira, S. S. R. (2017). Percepção de sucesso na carreira de pessoas com deficiência: Um Estudo em Organizações Cearenses. Perspectivas Contemporâneas, 12(2), 35-54.

Parks-Leduc, L., Feldman, G., & Bardi, A. (2015). Personality traits and personal values: A meta-analysis. Personality and Social Psychology Review, 19(1), 3-29.

Perez, S. C. (2017). O lugar das mulheres nas famílias, nas políticas sociais e no mercado de trabalho: Tecendo algumas considerações. Sociedade em Debate, 23(1), 110-141.

Porto, B. J., & Pilati, R. (2010). Escala revisada de valores relativos ao trabalho – EVT-R. Psicologia: Reflexão e crítica, 23(1).

Porto, B. J., & Tamayo, A. (2008). Estrutura dos valores pessoais: A relação entre valores gerais e laborais. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(1), 63-70.

Ribeiro, J. G., Filho, & Honório, L. C. (2014). Comprometimento organizacional: Comparando docentes efetivos e temporários de uma Instituição de Ensino Superior. Revista Organizações em Contexto, 10(20), 173-204.

Rodrigues, A. C. A., & Bastos, A. V. B. (2012). Entrincheiramento Organizacional: Construção e validação da escala. Psicologia: Reflexão e Crítica, 25(4).

Rodrigues, A. C. de. (2009). Do comprometimento de continuação ao entrincheiramento organizacional: O percurso de validação da escala e análise da sobreposição entre os construtos (dissertação de Mestrado) Universidade Federal da Bahia, Salvador.

Rokeach, M. (1973). The nature of human values. New York: Free Press.

Rowe, D. E. O., Bastos, A. V. B., & Pinho, A. P. M. (2011). Comprometimento e entrincheiramento na carreira: Um estudo de suas influências no esforço instrucional do docente do ensino superior. RAC – Revista de Administração Contemporânea, 15(6), 973-992.

Scheible, A. C. F., & Bastos, A. V. B. (2013). An examination of human resource management practices' influence on Organizational Commitment and Entrenchment. BAR-Brazilian Administration Review, 10(1), 57-76.

Scheible, A. C. F., & Bastos, A. V. B. (2006). Comprometimento com a carreira: explorando o conceito de entrincheiramento. Trabalho apresentado no Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Administração, Salvador.

Schneider, H. W. (1917). The theory of values. The Journal of Philosophy, Psychology and Scientific Methods, 14(6), 141-154.

Schwartz, S. H. (1994). Are there universal aspects in the structure and contents of human values? Journal of Social Issues, 50(4), 19-45.

Schwartz, S. H., Cieciuch, J., Vecchione, M., Davidov, E., Fischer, R., BEIERLEIN, C., . . . Dirilen-Gumus, O. (2012). Refining the theory of basic individual values. Journal of Personality and Social Psychology, 103(4), 663.

Schwartz, S. H. (2017). The refined theory of basic values. In S. Roccas, and L. Sagiv (Ed.), Values and behavior: Taking a cross-cultural perspective (pp. 51-72). Cham, Switzerland: Springer International Publishing.

Schwartz, S. H. (1992). Universals in the content and structure of values: Theoretical advances and empirical tests in 20 countries. Advances in Experimental Social Psychology, 25, 1-65.

Tamayo, A., & Mendes, A. M., & Paz, M. G. T. (2000). Inventário de valores organizacionais. Estudos de Psicologia, 5(2), 289-315.

Tamayo, A., & Porto, B. J. (2003). Escala de valores relativos ao trabalho. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 19(2), 145-152.

Taylor, M. S., & Giannantonio, C. M. (1993). Forming, adapting, and terminating the employment relationship: A review of the literature from individual, organizational, & interactionist perspectives. Journal of Management, 19(2), 461-515.

Wilson, M. E., Liddell, D. L., Hirschy, A. S., & Pasquesi, K. (2016). Professional identity, career commitment, and career entrenchment of midlevel student affairs professionals. Journal of College Student Development, 57(5), p. 557-572.

Zacher, H., Ambiel, R. A. M, & Noronha, A. P. P. (2015). Career adaptability and career entrenchment. Journal of Vocational Behavior, 88, 164-173.

Publicado
14-12-2018
Como Citar
Formiga, A. P. T., Paiva, L. E. B., Lima, T. C. B. de, & Ferraz, S. F. de S. (2018). Valores e entrincheiramento organizacional: um estudo em uma seguradora. RACE - Revista De Administração, Contabilidade E Economia, 17(3), 951-974. https://doi.org/10.18593/race.v17i3.17322

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##