Condicionantes de crescimento arranjo produtivo local de apicultura na região do Araripe, Pernambuco

  • Éder Lira de Souza Leão
  • Lúcia Maria Góes Moutinho
  • Maria Gilca Pinto Xavier

Resumo

O presente artigo analisa questões relacionadas ao potencial de crescimento do comércio e produção de mel do Arranjo Produtivo Local (APL) de Apicultura do Araripe em Pernambuco e procura respostas para o seguinte questionamento: 1) Em que medida, o crescimento da produção de mel na região do Araripe em Pernambuco acompanhou a dinâmica das exportações brasileiras desse produto?; 2) Quais as contribuições das instituições públicas e privadas para o crescimento dessa atividade na região do Araripe?; e, 3) Quais os desafios com que o APL do Mel do Araripe se defronta atualmente? Adotou-se a perspectiva teórico-metodológica da RedeSist/IE/UFRJ adequada para estudos de casos de APLs e Políticas Públicas. Nessa direção desenvolveu-se uma análise descritiva apoiada em pesquisa bibliográfica e documental, dados secundários pesquisados no IBGE, SECEX/MDIC, FAOSTAT e relatórios de instituições de pesquisa. Em conclusão, a pesquisa constatou que, embora haja condições favoráveis para o crescimento comercial e produtivo do mel, há entraves para inovação e a expansão deste comércio, principais condicionantes de seu crescimento, especialmente o externo, o qual se expressa em uma dinâmica modesta e inferior ao seu potencial, portanto, insatisfatória. Isto requer uma intervenção institucional mais efetiva com vistas à política específica para o APL, como: políticas de crédito e incentivo à inovação tecnológica para alcançar a qualidade do mel exportável certificado.

Palavras-chave: Apicultura. Arranjo produtivo local. Araripe. Mel. Exportações.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
03-08-2012
Como Citar
Leão, Éder L. de S., Moutinho, L. M. G., & Xavier, M. G. P. (2012). Condicionantes de crescimento arranjo produtivo local de apicultura na região do Araripe, Pernambuco. RACE - Revista De Administração, Contabilidade E Economia, 11(1), 75-102. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/race/article/view/1669