Relações entre irmãos: impacto da rivalidade na gestão

Palavras-chave: Empresas familiares, Rivalidades, Irmãos, Cônjuges, Gestão

Resumo

O estudo objetiva descrever os impactos causados pela rivalidade entre irmãos na gestão de empresas familiares. Realizou-se uma pesquisa descritiva por meio de estudo de caso e com uma abordagem qualitativa dos dados. Os resultados revelaram que a rivalidade já esteve presente na empresa familiar analisada desde seu processo sucessório em razão da diferença das quotas referentes à sociedade, e com o passar do tempo, começou a aflorar na empresa rivalidade entre irmãos e todos os demais membros. Por conta disso, começaram os questionamentos sobre a gestão, a desconfiança, o envolvimento de fatores externos e internos que influenciavam. Outro fator determinante para o aumento da rivalidade foi a presença das esposas na gestão da empresa familiar. Conclui-se que a rivalidade impacta de forma negativa os resultados das organizações familiares, especialmente nos casos que envolvem outras pessoas da família no negócio e que não conseguem separar a tríade (negócio, família e propriedade). A gestão é influenciada também pela falta de inteligência emocional dos membros, fazendo com que a organização sofra e apresente problemas, incluindo a dissolução.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mara Vogt, Universidade Regional de Blumenau - FURB

Mestre em Ciências Contábeis pela Universidade Regional de Blumenau - FURB

Doutoranda em Ciências Contábeis pela Universidade Regional de Blumenau - FURB

 
Juçara Haveroth, Universidade Regional de Blumenau - FURB

Mestre em Ciências Contábeis pela Universidade Regional de Blumenau - FURB

Doutoranda em Ciências Contábeis pela Universidade Regional de Blumenau - FURB

 
Vinícius Costa da Silva Zonatto, Universidade Regional de Blumenau - FURB

Doutor em Ciências Contábeis pela Universidade Regional de Blumenau - FURB

Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis e da graduação em Ciências Contábeis. Chefe de Departamento do curso de Ciências Contábeis na Universidade Regional de Blumenau - FURB

Referências

Andrade, D. M., Grzybovski, D., & de Lima, J. B. (2004). Aplicabilidade do “modelo dos três círculos” em empresas familiares brasileiras: Um estudo de caso. Revista Eletrônica de Administração, 11(5), 1-25.

Andrade, D. M., Rezende, C. F., & Rezende, D. (2003). Gestão e sucessão em empresas familiares: Um estudo de caso no ramo de laticínios. Anais do Encontro de estudos sobre empreendedorismo e gestão de pequenas empresas – EGEPE, Brasília, DF, 3.

Astrachan, J. H., & Jaśkiewicz, P. (2008). Emotional returns and emotional costs in privately held family businesses: Advancing traditional business valuation. Family Business Review, 21(2), 139-149.

Atalay, C. G., & Özler, D. E. (2013). A Research to Determine the Relationship between Organizational Justice and Psychological Ownership among Non-family Employees in a Family Business. Procedia-Social and Behavioral Sciences, 99, 247-256.

Athanassiou, N., Crittenden, W. F., Kelly, L. M., & Marquez, P. (2002). Founder centrality effects on the Mexican family firm’s top management group: Firm culture, strategic vision and goals, and firm performance. Journal of World Business, 37(2), 139-150.

Beckhard, R., & Dyer, W. G. (1983). Managing continuity in the family-owned business. Organizational Dynamics, 12(1), 5-12.

Dana, L. E., & Smyrnios, K. X. (2010). Family business best practices: Where from and where to? Journal of Family Business Strategy, 1(1), 40-53.

Estol, K. M. F., & Ferreira, M. C. (2006). O processo sucessório e a cultura organizacional em uma empresa familiar brasileira. Revista de Administração Contemporânea, 10(4), 93-110.

Friedman, S. D. (1991). Sibling relationships and intergenerational succession in family firms. Family Business Review, 4(1), 3-20.

Gómez-Betancourt, G., Ramírez, J. B. B., & Vergara, M. P. L. (2013). Factores que inFluyen en la inteligencia emocional de los miembros de una empresa Familiar. Entramado, 9(1), 12-25.

Gómez-Mejía, L. R., Cruz, C., Berrone, P., & Castro, J. (2011). The bind that ties: Socioemotional wealth preservation in family firms. The academy of management annals, 5(1), 653-707.

Gómez-Mejía, L. R., Haynes, K. T., Núñez-Nickel, M., Jacobson, K. J., & Moyano-Fuentes, J. (2007). Socioemotional wealth and business risks in family-controlled firms: Evidence from Spanish olive oil mills. Administrative science quarterly, 52(1), 106-137.

Grote, J. (2003). Conflicting generations: A new theory of family business rivalry. Family Business Review, 16(2), 113-124.

Kellermanns, F. W., Dibrell, C., & Cruz, C. (2014). The role and impact of emotions in family business strategy: New approaches and paradigms. Journal of Family Business Strategy, 5(3), 277-279.

Kilduff, G. J., Elfenbein, H. A., & Staw, B. M. (2010). The psychology of rivalry: A relationally dependent analysis of competition. Academy of Management Journal, 53(5), 943-969.

Labaki, R., Michael-Tsabari, N., & Zachary, R. K. (2013). Emotional dimensions within the family business: Towards a conceptualization. Retrieved from https://coller.tau.ac.il/sites/nihul.tau.ac.il/files/media_server/Recanati/management/strauss/publications/Labaki%20et%20al%20Chapter%2031%20-.pdf

Levinson, H. (1971). Conflicts that plague family businesses. Harvard Business Review, 49(2), 90-98.

Levinson, H. (1983). Consulting with family businesses: What to look for, what to look out for. Organizational Dynamics, 12(1), 71-80.

Lindow, C. M., Stubner, S., & Wulf, T. (2010). Strategic fit within family firms: The role of family influence and the effect on performance. Journal of Family Business Strategy, 1(3), 167-178.

Lodi, J. B. (1986). A empresa familiar. São Paulo: Pioneira.

Maccari, E. A., Campanário, M. D. A., Almeida, M. I. R. D., & Martins, A. (2006). Empresa familiar e as dificuldades enfrentadas pelos membros da 3ª geração. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Administração, Salvador, 30.

Martins, G. A. (2006). Estudo de caso: Uma estratégia de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Massis, A., & Kotlar, J. (2014). The case study method in family business research: Guidelines for qualitative scholarship. Journal of Family Business Strategy, 5(1), 15-29.

Moreira, A. L., Jr. (2006). Estratégias de governança na empresa familiar: Modelo para redução de conflitos familiares e perpetuação da empresa (Tese de doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Morgan, T. J., & Gómez-Mejía, L. R. (2014). Hooked on a feeling: The affective component of socioemotional wealth in family firms. Journal of Family Business Strategy, 5(3), 280-288.

Morris, M. H., Williams, R. W., & Nel, D. (1996). Factors influencing family business succession. International Journal of Entrepreneurial Behavior & Research, 2(3), 68-81.

Nordqvist, M., & Melin, L. (2010). The promise of the strategy as practice perspective for family business strategy research. Journal of Family Business Strategy, 1(1), 15-25.

Paiva, K. C. M., & Melo, M. C. D. O. L. (2008). Produção científica brasileira sobre empresa familiar – um metaestudo de artigos publicados em anais de eventos da ANPAD no período de 1997-2007. Revista de Administração Mackenzie, 9(6), 148-173.

Pieper, T. M. (2010). Non solus: Toward a psychology of family business. Journal of Family Business Strategy, 1(1), 26-39.

Reid, R., Dunn, B., Cromie, S., & Adams, J. (1999). Family orientation in family firms: A model and some empirical evidence. Journal of Small Business and Enterprise Development, 6(1), 55-67.

Reyna, J. M. S. M., & Encalada, J. A. D. (2016). Sucesión y su relación con endeudamiento y desempeño en empresas familiares. Contaduría y administración, 61(1), 41-57.

Scheffer, A. B. B. (1995). Fatores dificultantes e facilitadores ao processo de sucessão familiar. Revista de administração, 30(3).

Sharma, P., Chrisman, J. J., & Chua, J. H. (1997). Strategic management of the family business: Past research and future challenges. Family Business Review, 10(1), 1-35.

Stocker, C. M., & Youngblade, L. (1999). Marital conflict and parental hostility: Links with children's sibling and peer relationships. Journal of Family Psychology, 13(4), 598.

Tillmann, C., & Grzybovski, D. (2005). Sucessão de dirigentes na empresa familiar: Estratégias observadas na família empresária. Organizações & Sociedade, 12(32), 45-61.

Van den Heuvel, J., Goel, S., Gils, A. V., & Voordeckers, W. (2007). Family businesses as emotional arenas. The influence of family CEO’s empathy and external monitoring on the importance of family goals. Retrieved from https://www.researchgate.net/publication/30499345_Family_businesses_as_emotional_arenasThe_influence_of_family_CEO%27s_empathy_and_external_monitoring_on_the_importance_of_family_goals

Webb, J. W., Ketchen, D., Jr., & Ireland, R. D. (2010). Strategic entrepreneurship within family-controlled firms: Opportunities and challenges. Journal of family business strategy, 1(2), 67-77.

Zellweger, T. M., & Astrachan, J. H. (2008). On the emotional value of owning a firm. Family Business Review, 21(4), 347-363.

Publicado
06-08-2018
Como Citar
Vogt, M., Haveroth, J., & Zonatto, V. C. da S. (2018). Relações entre irmãos: impacto da rivalidade na gestão. RACE - Revista De Administração, Contabilidade E Economia, 18(1), 57-86. https://doi.org/10.18593/race.16501