Conhecimento sobre gestão financeira dos dirigentes de pequenas empresas do Sul de Santa Catarina

Palavras-chave: Finanças, Conhecimento dos gestores, Pequenas empresas

Resumo

Algumas pesquisas relatam que os gestores das pequenas empresas têm dificuldades para utilizar instrumentos gerenciais da área financeira, o que pode ser influenciado pelo nível de conhecimento dos conceitos relacionados. Nesse sentido, o estudo teve o objetivo de identificar o nível de conhecimento sobre determinados conceitos financeiros por parte dos gestores de micro e pequenas empresas de uma microrregião do Sul de Santa Catarina. A pesquisa se caracteriza como descritiva, com abordagem quantitativa e utilização do procedimento survey para a coleta dos dados de 299 pequenas firmas. Após breve revisão da literatura e evidenciação de estudos anteriores, foram apresentados os dados levantados acerca do nível de conhecimento sobre os conceitos abrangidos. Os resultados destacam que ao menos 55% dos gestores possuem conhecimento sobre os conceitos pesquisados, mas esse contingente não ultrapassou os 75% em qualquer dos itens investigados. Dessumiu-se que o menor nível de conhecimento dos gestores se refere ao conceito de liquidez corrente. Por outro lado, os conceitos mais conhecidos pelos gestores estão vinculados à contabilidade financeira (Ativo Circulante, Passivo Circulante e Demonstração do Resultado). Outra constatação é de que os gestores das empresas industriais possuem nível de conhecimento mais elevado a respeito dos itens pesquisados quando comparados aos dirigentes das firmas comerciais e de serviços.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvete Moterle, PPGCCA/Unochapecó

Contadora, Mestranda no PPGCCA/Unochapecó

Rodney Wernke, PPGCCA/UNOCHAPECÓ
Contador, Doutor em Engenharia de Produção, Professor Universitário.
Ivone Junges, UNISUL

Economista, Doutora em Engenharia de Produção e Sistemas/UFSC, Professora no Curso de Administração/UNISUL.

Referências

Abreu, P. G. F. (2006). Processo decisório e monitoramento do ambiente competitivo: Uma contribuição à luz da abordagem contingencialista e da inteligência competitiva (Dissertação de mestrado). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Albuquerque, A. F. (2004). Gestão estratégica das informações internas na pequena empresa: Estudo comparativo de casos em empresas do setor de serviços hoteleiros da região de Brotas (Dissertação de mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Albuquerque, E. M. N., Cardoso, L. A., Carmo, M. M. do, Filho, Cavalcante, T. S. B., & Souza, W. A. da R. de. (2013). O uso de indicadores e relatórios contábeis para tomada de decisão nas micro e pequenas empresas do Estado do Amazonas. Revista de Administração da UNIFATEA, 6(6), 6-21.

Almeida, D. M., Pereira, I. M., & Lima, I. J. (2016). Instrumentos de controle de gestão utilizados por micro e pequenas empresas sul catarinenses. Revista da Micro e Pequena Empresa, 10(3), 49-92.

Almeida, J. E. F. de, & Martins, E. A. (2014). Demonstrações contábeis. In J. E. F. Almeida, R. L. Cardoso, A. Rodrigues, E. J. & Zanoteli, Contabilidade das pequenas e médias empresas. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier.

Assaf, A., Neto, & Lima, F. G. (2009). Curso de administração financeira. São Paulo: Atlas.

Beuren, I. M., Czesnat, A. F. O., & Silva, M. (2013). Papel da controladoria na adequação às contingências ambientais das agroindústrias de carne e derivados listadas na Bovespa. Organizações Rurais & Agroindustriais, 15(3), 381-396.

Borges, L. F. M., & Leal, E. A. (2015). Utilidade da informação contábil gerencial na gestão das micro e pequenas empresas: Um estudo com empresas do programa empreender de Uberlândia – MG. Revista REGEPE, 4(3),116-146.

Braga, R., Nossa, V., & Marques, J. A. V. C. (2004). Uma proposta para a análise integrada da liquidez e rentabilidade das empresas [Edição especial]. Revista Contabilidade & Finanças, 15, 51-64.

Cadez, S., & Guilding, C. (2008). An exploratory investigation of an integrated contingency model of strategic management accounting. Accounting, Organizations and Society, 33(7-8), 836-863.

Callado, A. A. C. (2016). Relações entre o número de indicadores de desempenho utilizados e fatores contingenciais: Evidências do contexto de uma cadeia agroalimentar de suprimentos. Revista Contabilidade Vista & Revista, 27(2), 48-63.

Campos, B. R., & Gáudio, A. E. G. M. (2015). A utilização de ferramentas de controle gerencial em micro e pequenas empresas da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Revista da Micro e Pequena Empresa, 8(3), 66-78.

Carvalho, J. R. M., & Lima, M. D. D. (2011). Práticas gerenciais em MPE’s do comércio de confecções da cidade de Sousa – PB. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 5(3), 48-68.

Castro, J. A. F. (2015). Contingency factors that influence the design of organizational structure. Journal of Business, 2(2), 38-56.

Chenhall, R. H. (2003). Management control systems design within its organizational context: Findings from contingency-based research and directions for the future. Accounting, Organizations and Society, 28(2), 127-168.

Chenhall, R. H. (2006). Theorizing contingencies in management control systems research. Handbooks of Management Accounting Research, 1(1), 163-205.

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS – CPC 00 R1. (2017). Estrutura Conceitual para Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis. Recuperado de http://www.cpc.org.br/CPC/Documentos-Emitidos/Pronunciamentos/Pronunciamento?Id=80

D’Amato, C. L., Galvão, M., Villaça, N. A. G., Jorge, R. K., & Tavares, Z. (2012). Curso básico de finanças: Entendendo finanças de maneira prática e objetiva. São Paulo: Atlas.

Domingues, O. G. D., Tinoco, J. E. P., Yoshitake, M., Paulo, W. L. de, & Claro, J. A. C. dos. (2017). Gestão de capital de giro e formação do preço de venda praticado pelas micro e pequenas empresas. Revista Ambiente Contábil, 9(1), 77-96.

Ferreira, C. C., Macedo, M. A. S., Sant’Anna, P. R., Longo, O. C., & Barone, F. M. (2011). Gestão de capital de giro: Contribuição para as micro e pequenas empresas no Brasil. Revista de Administração Pública, 45(3), 863-884.

Freitas, H., Oliveira, M., Saccol, A. Z., & Moscarola, J. (2000). O método de pesquisa Survey. Revista de Administração, 35(3), 105-112.

Gerdin, J. (2005). Management accounting system design in manufacturing departments: An empirical investigation using a multiple contingencies approach. Accounting, Organizations and Society, 30(2), 99-126.

Gil, A. C. (2009). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Jordão, R. V. D., & Souza, A. A. (2013). Aquisição de Empresas como fator de mudança no sistema de controle gerencial: Uma análise estratégica sob a perspectiva da Teoria Contingencial. Revista Universo Contábil, 9(3), 75-103.

Klein, L., & Almeida, L. B. (2017). A influência dos fatores contingenciais na adoção de práticas de contabilidade gerencial nas indústrias paranaenses. Revista Universo Contábil, 13(3), 90-119.

Kos, S. R., Espejo, M. M. D. S. B., Raifur, L., & Anjos, R. P. (2014). Compreensão e utilização da informação contábil pelos micro e pequenos empreendedores em seu processo de gestão. Enfoque Reflexão Contábil, 33(3), 35-50.

Leite, E. G., Diehl, C. A., & Manvailer, R. H. M. (2015). Práticas de controladoria, desempenho e fatores contingenciais: Um estudo em empresas atuantes no Brasil. Revista Universo Contábil, 11(2), 85-107.

Lemes, A. B., Jr., Rigo, C. M., & Cherobim, A. P. M. S. (2005). Administração financeira: Princípios, fundamentos e práticas trabalhistas. Rio de Janeiro: Elsevier.

Lima, A. N., & Imoniana, J. O. (2008). Um estudo sobre a importância do uso das ferramentas de controle gerencial nas micro, pequenas e médias empresas industriais no município de São Caetano do Sul. Revista da Micro e Pequena Empresa, 2(1), 28-48.

Maletič, D. et al. (2017). Contingency factors influencing implementation of physical asset management practices. De Gruyter Open, 50(1), 3-16.

Maqbool, M. Q., & Farooq, U. (2016). Liquidity risk, performance and working capital relationship of cash conversion cycle: an empirical study of the firms in Pakistan. International Journal of Information Research and Financial Review, 3(3), 1946-1951.

Marion, J. C. (2015). Contabilidade empresarial. (17ª ed.). São Paulo: Atlas.

Marques, L., Sell, F. F., Lavarda, C. E. F., & Zonatto, V. C. da S. (2016). Artefatos da contabilidade gerencial: Um estudo em cursos de graduação de ciências contábeis na região sul do Brasil. ConTexto, 16(34), 1279-1299.

Martins, L. O. S., & Santos, P. H. O. (2016). Impactos da convergência contábil em índices econômicos e financeiros nas empresas baianas nos períodos de 2003 a 2007 e 2010 a 2014. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da Fundace, 8(1), 69-79.

Monteiro, J. M., & Barbosa, J. D. (2011). Controladoria empresarial: Gestão econômica para as micro e pequenas empresas. Revista da Micro e Pequena Empresa, 5(2), 38-59.

Moura, L. C. A., & Rêgo, T. F. (2014). Concepção de ativos: Um estudo sobre a compreensão dos discentes do curso de graduação em ciências contábeis da UFERSA. Revista Reunir, 4(2), 20-42.

Oliveira, J., Escrivão, E., Filho, Nagano, M. S., & Ferraudo, A. S. (2015). Estilos gerenciais dos dirigentes de pequenas empresas: Estudo baseado no ciclo de vida organizacional e nos conceitos de funções e papéis do administrador. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 17(57), 1279-1299.

Otley, D. T. (1980). The contingency theory of management accounting: Achievement and prognosis. Accounting, Organizations and Society, 5(4), 413-428.

Panosso, A., Camanho, R. R., Espejo, M. M. dos S. B., & Abbas, K. (2017). Influência das ferramentas de controle gerencial no desempenho: Estudo empírico em empresas industriais paranaenses. Enfoque: Reflexão Contábil, 36(2), 1-17.

Raupp, F. M., Martins, S. J., & Beuren, I. M. (2006). Utilização de controles de gestão nas maiores indústrias catarinenses. Revista Contabilidade & Finanças, 17(40), 120-132.

Reis, L. G. dos, & Pereira, C. A. (2007). Uma análise das contribuições das teorias organizacionais para o estudo da contabilidade gerencial. Anais do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo.

Resnik, P. (1990). A Bíblia da pequena empresa: Como iniciar com segurança sua pequena empresa e ser bem-sucedido (M. C. Oliveira Santos Trad. & H. J. Pereira Rev. Téc.). São Paulo: Mc Graw-Hill.

Richardson, R. J. (1999). Pesquisa social: métodos e técnicas. (3ª ed.). São Paulo: Atlas.

Santos, F. de A., & Veiga, W. E. (2014). Contabilidade: Com ênfase em micro, pequenas e médias empresas. (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Santos, F. O. (2014). Avaliação do sistema de controle gerencial sob a influência de fatores contingenciais: Estudo de caso em um grupo econômico (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Amazonas, Manaus.

Santos, L. M. D., & Ferreira, M. A. M., & Faria, E. R. (2009). Gestão financeira de curto prazo: Características, instrumentos e práticas adotadas por micro e pequenas empresas. Revista de Administração da Unimep, 7(3), 70-92.

Santos, V., Dorow, D. R., & Beuren, I. M. (2016). Práticas gerenciais de micro e pequenas empresas. Revista Ambiente Contábil, 8(1), 153-186.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Fatores condicionantes e taxas de sobrevivência e mortalidade das micro e pequenas empresas no Brasil 2003-2005. Brasília, DF. (2007). Recuperado de http://www.biblioteca.sebrae.com.br/bds/bds.nsf/8F5BDE79736CB99483257447006CBAD3/$ File/NT00037936.pdf

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empesas. Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira. Brasília, DF. (2014). Recuperado de https://m.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/Estudos%20e%20Pesquisas/Participacao%20das%20micro%20e%20pequenas%20empresas.pdf

Shi, R., & Zhang, J., Ru, J. (2013). Impacts of power structure on supply chains with uncertain demand. Production and Operation Management, 22(5), 1233-1249.

Šiška, L. (2016). The contingency factors affecting management accounting in czech companies. Acta Universitatis Agriculturae et Silviculturae Mendelianae Brunensis, 64(4), 1383-1392.

Sousa, T. F. de. (2016). Uma análise sobre a relação entre o retorno de empresas brasileiras e os componentes do ciclo de conversão de caixa (Dissertação de mestrado). Fundação Getúlio Vargas, São Paulo.

Souza, A. F. (1997). Estratégia, crescimento e a administração do capital de giro. Caderno de Pesquisa em Administração, 2, 12.

Stroher, A. M., & Freitas, H. (2006). Identificação das necessidades de informações contábeis de pequenas empresas para a tomada de decisão organizacional. Anais do Congresso Internacional de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação, São Paulo.

Teeratansirikool, L., Siengthai, S., Badir, Y., & Charoenngam, C. (2013). Competitive strategies and firm performance: The mediating role of performance measurement. International Journal of Productivity and Performance Management, 62(2), 168-184.

Tillema, S. (2005). Towards an integrated contingency framework for MAS sophistication – case studies on the scope of accounting instruments in Dutch power and gas companies. Management Accounting Research, 16(1), 101-129.

Wernke, R., & Junges, I. (2016). Níveis de utilização e importância atribuídos aos principais demonstrativos contábeis por 207 empresas do sul de Santa Catarina. Anais do Congresso Nacional de Administração e Contabilidade, Rio de Janeiro.

Wernke, R., Junges, I., Lembeck, M., & Rufatto, I. (2016). Utilização e importância atribuída à projeção do fluxo de caixa operacional por 207 empresas da microrregião da AMUREL. Anais do Congresso Brasileiro de Engenharia de Produção, Ponta Grossa.

Publicado
11-03-2019
Como Citar
Moterle, S., Wernke, R., & Junges, I. (2019). Conhecimento sobre gestão financeira dos dirigentes de pequenas empresas do Sul de Santa Catarina. RACE - Revista De Administração, Contabilidade E Economia, 18(1), 31-56. https://doi.org/10.18593/race.16321